Sugestão popular ao Senado Federal pretende acabar com a imunidade tributária dos templos de qualquer culto, prevista no art. 150, VI, “b” da Constituição Federal.

Sugestão popular ao Senado Federal pretende acabar com a imunidade tributária dos templos de qualquer culto, prevista no art. 150, VI, “b” da Constituição Federal, e deve ser analisada pelos parlamentares. Destarte, deve-se esclarecer alguns pontos.

            Em primeiro lugar, imunidades tributárias são, segundo a doutrina e o próprio Supremo Tribunal Federal, cláusula pétreas. Com a evolução do constitucionalismo ao longo dos séculos, entendeu-se que alguns valores, caros ao Estado e à sociedade, deveriam permanecer sob esse manto protetor especial. Portanto, teoricamente falando seria inadequado ao Senado sequer tentar desconstruir o mandamento constitucional – art. 60, §4º.

            Entretanto, pode-se começar a questionar com maior profundidade a razão de ser das imunidades tributárias. Será que a finalidade teleológica da norma estaria sendo, de fato, cumprida – in casu, a proteção à “liberdade religiosa” –, ou funcionaria como espécie de máscara legal, uma verdadeira isenção de conotação política, permitida equivocadamente pelo legislador constituinte originário?

            As imunidades tributárias, com exceção da recíproca – diretamente atrelada à forma federativa de Estado, art. 60, §4º, I – e da destinada às instituições educacionais ou de assistência social sem fins lucrativos – corolários do direito à educação, da dignidade da pessoa humana e da efetivação do mínimo existencial, verdadeiros direitos fundamentais, art. 60, §4º, IV –, encontram fundamento duvidoso no texto constitucional.

            Não se enxerga mais qualquer relação entre o fim ao qual a norma se destina, e o seu resultado prático: livros não são mais baratos; a liberdade religiosa não foi protegida (pelo contrário, a intolerância estampa os jornais); a proteção ao pluralismo político se travestiu em incentivo para a proliferação desarrazoada de entidades de patrimônio moralmente questionável, sem o adequado controle.

            É hora de refletir a extensão do assunto, a fim de verificar quais seriam os contornos pertinentes e condizentes com a principiologia da Constituição. 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria