A educação cívica deve constar nas disciplinas escolares, de forma que contribua para a convivência social universal, humanística.

Educação cívica, um direito das crianças e dos adolescentes

Quando se houve “educação comunitária”, “ação social” ou “socialização”, logo surge à ideia de que estes nomes são aplicáveis aos delinquentes juvenis [no pensamento darwinista, negros e favelados — que podem ser nordestinos]. A convivência familiar e comunitária são os primeiros ensaios para o desenvolvimento psíquico da criança. Sendo o núcleo desse desenvolvimento os valores familiares.

Em alguns países, as crianças são incentivadas a trabalhar — não é trabalhar no sentido de ter carteira assinada — logo cedo. O trabalho social representa valorosa oportunidade de educação cívica. Pintar cerca, varrer quintal do vizinho, alguns atos que promovem o valor da solidariedade e da responsabilidade dos cidadãos mirins. O trabalho — não confundir com vínculo empregatício —, então, cria laços sociais para o jovem e a comunidade — comunidade, a que me refiro, não é favela [pejorativa], mas agrupamentos de pessoas, indiferentemente de etnia, classe social etc.

No Brasil, a educação infantil é muito diferente. A criança é educada [condicionada] para estudar [decorar]; deste estudo, a conseguir uma posição socioeconômica que lhe dê [certa] qualidade de vida. Famílias — não a nova classe média — de classe média, e de classes sociais mais elevadas, não gostam que seus filhos varram calçadas, pintem algum portão. Por quê? Porque tais atos representam atos de crianças pedintes, sem pai e mãe, sem educação [honra, do sangue azul]. Em síntese, pária.

O Estatuto da Criança e do Adolescente

“Art. 53. A criança e o adolescente têm direito à educação, visando ao pleno desenvolvimento de sua pessoa, preparo para o exercício da cidadania (...)”.

A norma jurídica contida no caput do artigo supratranscrito é cristalina: “visando ao pleno desenvolvimento de sua pessoa, preparo para o exercício da cidadania”. E o que é cidadania? É ter a consciência plena dos direitos/ deveres [responsabilidades] inerentes ao gozo da cidadania.  Como a República brasileira poderá atingir seus objetivos [art. 3º, da CF/88] se mantém a educação preconceituosa, racista, machista, narcisista? Ou melhor, da Arquitetura da Discriminação, construída sob o manto do darwinismo social e eugenia. E sempre que posso, cito o art. 138, da CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL (DE 16 DE JULHO DE 1934):

“Art. 138 - Incumbe à União, aos Estados e aos Municípios, nos termos das leis respectivas:

        b) estimular a educação eugênica”.

Essa educação foi ensinada nas escolas, colégios e na prática de educação física. Preconceitos linguísticos, étnicos, estratificações sociais, tudo que há, contemporaneamente, principalmente nas redes sociais, é um contínuo transmitir dessa “máxima” educacional para o “bem-estar” do povo, e das gerações futuras.

O cidadão consciente [art. 5º, II, da CF/88] e participativo [LEI Nº 12.527, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011] terá meios humanísticos para materializar os objetivos fundamentais da República:

“Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil:

I - construir uma sociedade livre, justa e solidária;

II - garantir o desenvolvimento nacional;

III - erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais;

IV - promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação”.

Por sua vez, “É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão.” (caput do art. 227, da Constituição Brasileira de 1988). Destaco “educação” e “convivência familiar e comunitária”.  Como uma criança pode se desenvolver psiquicamente saudável no convívio comunitário se os genitores instruem preconceitos e discriminações?

Certa vez presenciei um morador de rua acenando para uma criança. “Pai, ele balançou a mão para mim.”. “Não liga, é mendigo!” — enfático o pai. Em poucas palavras, o cidadão mendigo, como se ele fosse o culpado, exclusivamente, pela sua situação, não merece nenhum olhar, atenção dos “nobres” cidadãos. Qual valor humanístico o genitor ensinou a criança? Nenhum. Aliás, de preconceito e até discriminação. Proteção da filha diante de um desconhecido? Pode até ser, mas uma carga pejorativa negativa [eugenia] aos “fracassados”.

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

“Objetivo Estratégico 6.1 - Promover o protagonismo e a participação de crianças e adolescentes nos espaços de convivência e de construção da cidadania, inclusive nos processos de formulação, deliberação, monitoramento e avaliação das políticas públicas”.

Sem participação de crianças e adolescentes nos espaços de convivência e de construção da cidadania”, como elas se desenvolveram? A convivência social multicultural — limitando-se em caso de perigo para as crianças e adolescentes, como locais onde há tráfico de drogas, por exemplo —, que, infelizmente, tem se limitado na “convivência” social dos videogames, é de suma importância para a criança conhecer as diferenças inerentes a cada ser humano, por mais que se tenha o contrato social. Cada qual tem anseios, pensamentos, hábitos, modos de resolver problemas ou encontra soluções. Desta diversidade de personalidades, a criança passa a enxergar além de seu ciclo familiar, com seus dogmas, tabus, superstições etc. E se desenvolve, não se condiciona.

Na pluralidade de personalidades, a criança desenvolve o raciocínio próprio sobre diversidades e diferenças humanas. Infelizmente, há pais que isolam seus filhos, do lar para escola, da escola para o lar. Alguns, devido às condições econômicas boas, limitam o lazer dos filhos em clubes cuja entrada é para poucos cidadãos. Constrói-se, assim, um círculo de “iguais” com pensamentos iguais. Se o grupo apresenta mentalidade humanística, a personalidade da criança será universalista. Não obstante, caso o grupo seja preconceituoso, soberbo e discriminador, a criança será mais uma a perpetuar as fobias sociais — gordofobia, homofobia etc. — tão presentes na sociedade brasileira. Desenvolvera a fobofobia. O medo será tanto, que fatalmente poderá desenvolver depressão, síndrome do pânico etc. Em alguns casos, sadismo: um justiceiro a manter “Ordem e Progresso”. Invocará o nacionalismo contra todos os que, em solo nacional, causam transtornos sociopolíticos. A higienização da sociedade e da pátria será conclamada. Os “inimigos” devem perecer, para surgir uma nova sociedade “pura”, “higienizada”.  Lembra algo da Segunda Guerra Mundial?

Educação cívica não se limita a cartilhas doutrinárias. Por mais que se tenha uma cartilha ensinando a pluralidade de personalidades, os direitos humanos, somente com o convívio social universal é que a criança se tornará um adolescente saudável tanto comportamental quanto emocionalmente. Para isso, os pais devem tecer considerações sobre seus próprios valores, comportamentos. A máxima espartana “Faça o que mando, e não o que faço!” não é mais possível neste século.  As crianças e dos adolescentes têm o direito de participação, de exprimir seus pensamentos e até de discordar dos genitores. A liberdade de expressão e de pensamento, assim como de crença, têm incomodado muitos os genitores “espartanos” com suas condutas autoritárias.

O espancamento, as chinelas e os castigos psíquicos — debochar, ridicularizar etc. — não são mais possíveis neste século XXI. O diálogo é preciso, a sinceridade mais ainda. O amor deve ser à base da educação aos filhos. Não o amor disfarçado pela arrogância, subjetividade, possessão, alienação. Quem ama, verdadeiramente, não quer os filhos para si, eternamente. A educação visa o desenvolvimento da prole, de forma que, quando adultos, saibam conviver pacificamente com as diferenças comuns à humanidade. Não será um fobofóbico neurótico a percorrer consultórios de psiquiatria ou psicanálise. Não justificará os próprios atos desumanos pelos conceitos e ideologias ditas “supracorretas”. Enfim,  não terá em seu íntimo as fobias da Arquitetura da Discriminação. A educação cívica deve constar nas disciplinas escolares, de forma que contribua para a convivência social universal, humanística.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0