O presente artigo tem o escopo de esclarecer juridicamente sobre a apresentação antecipada do cheque pré-datado (pós-datado) e os consequentes danos morais sofridos.

Primeiramente, deve-se lembrar de que o cheque pode ser claramente considerado como sendo um título de crédito em que envolve três agentes, sendo eles: emitente (quem emite o cheque), beneficiário (quem irá se beneficiar com a emissão do cheque) e por fim, o sacado (o banco onde está devidamente depositado o dinheiro do emitente).

Nesse sentido, explica-se que o cheque é caracterizado como um título de crédito, tendo em vista que o mesmo poderá ser protestado ou executado em juízo pelo beneficiário.

Além disso, pode-se ainda afirmar que o cheque é considerado como sendo uma ordem de pagamento à vista, conforme devidamente previsto no artigo 32, da Lei nº  7.357/85.

Ocorre que, apesar do cheque ser considerado como sendo uma ordem de pagamento à vista, foi instituído pelos brasileiros uma nova modalidade de emissão de cheques, denominada cheque pré-datado (cheque pós-datado).

O cheque pré-datado pode ser facilmente entendido como sendo aquele em que o emitente lança no título data posterior, para assim ter um maior prazo para realizar o pagamento do produto/serviço.

Portanto, nesse sentido, entende-se que a partir do momento em que ocorre a emissão do cheque pré-datado, nasce uma nova relação jurídica entre o emitente e o beneficiário, ou seja, este último compromete-se a apresentar o cheque ao banco somente na data estipulada e acordada.

Com isso, nota-se claramente que a partir do momento em que o beneficiário apresenta o cheque ao banco antes da data previamente acordada, este estará violando o Princípio da Boa-Fé Objetiva do Contrato, ou seja, estará automaticamente causando dano moral ao emitente.

Isso porque, segundo o Doutrinador Fábio Ulhoa Coelho, quando a pessoa recebe um cheque pré-datado (pós-datado), assume automaticamente uma típica obrigação de não fazer, que no caso seria de não apresentar o cheque ao banco antes do prazo acordado.

Nota-se ainda que, apesar do cheque pré-datado não ser amparado pelo Direito Cambiário, os Tribunais Superiores apresentaram relevante interesse nesse assunto e assim editaram a Súmula 370 (Superior Tribunal de Justiça), que prevê:

“Caracteriza dano moral a apresentação antecipada de cheque pré-datado”

Com isso, verifica-se que não é necessária a comprovação de dano moral sofrido pelo emitente, pois a partir do momento em que ocorre a apresentação do cheque ao banco antes do prazo estabelecido, temos o uso indevido do crédito da conta corrente do emitente pelo beneficiário.

Ademais, cumpre ressaltar que a apresentação antecipada do cheque pré-datado gera a quebra de um contrato bilateral realizado entre o emitente e o beneficiário, portanto, temos a notória presença de má-fé do beneficiário.

Por fim, deve-se lembrar de que a apresentação antecipada do cheque pré-datado também poderá ensejar danos materiais, tendo em vista que o emitente terá que arcar com os juros da instituição bancária, por falta de fundos.

Assim sendo, conclui-se que a apresentação antecipada do cheque pré-datado poderá facilmente ensejar danos morais e materiais.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0