Breves considerações a respeito do sentido e do valor da expressão "Pessoa Jurídica". Resenha do primeiro capítulo do livro "O Poder de Controle na Sociedade Anônima", de Fábio Konder Comparato.

O livro O poder de controle na sociedade anônima[1] se inicia com um capítulo chamadoSentido e Valor da Pessoa Jurídica, sobre o qual apresentamos este breve estudo. Começaremos analisando o sentido – ou sentidos – da pessoa jurídica, e logo seu valor.

O pensador argentino Osvaldo Borelo começa seu livro Llaves de verdad y sabiduría[2]tratando da problemática da palavra. Apresenta ele três “dimensões” da palavra – significado, eloquência e sentido.

Para o autor portenho, o significado de cada palavra é certo, invariável, e se encontra facilmente nos dicionários. A eloquência, por sua vez, é relativa – relativa à forma como se emite. O sentido, no entanto, é ainda mais variável, conforma sua explicação:

 “esta dimensión es la única inmprescidible, pues puede cambiar según la interpretación que le dé el que la escuche, aún cuando la dirección y orientación que le dio el que lo pronunció sea totalmente diferente.”[3]

Em suma, o sentido é a palavra direcionada de acordo com o que o seu receptor dela entender.

Pensemos nas três dimensões da expressão pessoa jurídica, conforme consta em nossa ordem jurídica. Seu significado, que a pesar de ser fácil de compreender pode ser difícil de explicar, não é tão relevante, pois só nos renderia informações úteis a uma interpretação literal, ou sistemática (quando muito), que, de todas as técnicas hermenêuticas, são as mais pobres. A eloquência da expressão mencionada também tem pouca relevância, já sua eloquência que é própria da norma jurídica que a enunciou. O estudo da eloquência da norma jurídica no emprego da expressão pessoa jurídica é relevante se se quiser fazer uma interpretação histórica ou teleológica. Esta última, de fato, não é tão útil para compreender seu sentido, mas sim para entender seu valor, como se verá mais adiante.

Resta, então, perguntar-nos – qual o sentido de pessoa jurídica? Ou, sob a perspectiva de Borelo, o que se entende com a expressão pessoa jurídica? Comparato e Calixto Filho nos dão notícias sobre sentidos que esta expressão tem ou teve para certos teóricos, em certos momentos históricos. No entanto, nos concentramos nos comentários acerca do sentido que a pessoa jurídica tem para Hans Kelsen e Tulio Ascarelli.

Toda a perspectiva kelseniana baseia-se na opinião deste jusfilósofo de que o conceito jurídico de pessoa, e a teoria da subjetividade jurídica são frutos de uma ideologia liberal que visava justificar a existência de “direitos subjetivos” preexistentes, e que deveriam ser reconhecidos e protegidos pela Ordem Jurídica, notadamente o direito à propriedade. Ele mesmo o confessa em sua Teoria Pura do Direito:

“Não é difícil de entender porque a ideologia dos direitos subjetivos se une ao valor ético da liberdade individual e da personalidade autônoma, quando essa liberdade também se acha sempre ligada à propriedade.” [4]

Para Kelsen, é clara a ideia de que o conceito jurídico de pessoa é uma criação mediata da ordem jurídica, a consequência da construção de todo um sistema de cumprir deveres e gozar do cumprimento dos deveres de outrem. No tocante à pessoa jurídica, Comparato nos faz lembrar que, para aquele mestre austríaco, há um “elemento material”, e um “elemento pessoal”, que é o sujeito (pessoa física) que deve agir ou omitir-se em lugar e a favor da pessoa jurídica, acrescentando ainda que:

“as normas que impõem deveres (ou direitos reflexos) às chamadas pessoas jurídicas são incompletas: elas determinam o elemento material do comportamento humano, isto é, o que deve ser praticado ou omitido, mas não o elemento pessoal. Este é dado pelo contrato social, pelos estatutos ou atos constitutivos da pessoa jurídica.”[5]

Vale lembrar que para Kelsen e sua Teoria Pura tais atos jurídicos (os contratos) são fontes de normas jurídicas, apesar de vincularem apenas as partes que os subscreveram. Neste sentido, diz ainda Comparato:

“Para Kelsen, sujeito de um dever jurídico é o individuo que, pelo seu comportamento, pode provocar ou evitar a sanção. (...) Assim, o chamado dever da pessoa jurídica é, na verdade, o dever das pessoas que a compõem, ou, mais precisamente, o dever daqueles indivíduos designados pela ordenação jurídica parcial de seus atos constitutivos.”[6]

A perspectiva de Ascarelli é, assim como a de Kelsen, crítica às teorias tradicionais. No entanto, segue rumo próprio, ao entender que a “pessoa jurídica” deve ser compreendida como uma construção jurídica direta, imediata – e não mediata, como para Kelsen. A visão ascarelliana, conforme Comparato, é de que “pessoa jurídica” é um exemplo de termo que só pode ser entendido nos termos do ordenamento jurídico – indicando que o sentido de “pessoa jurídica” deve direcionar-se àquilo expresso pelo legislador, concordando com sua eloquência.

Sobre esses termos, nas palavras do autor brasileiro:

“O intérprete (...) deve, antes de tudo, perquirir qual o complexo de normas a que eles se referem e iniciar, então, a sua argumentação jurídica, unicamente a partir desse conjunto normativo, condensadamente expresso pela regula. Os conceitos de ‘pessoa’ e de ‘pessoa jurídica’ são, tipicamente, dessa espécie. Diante de um desses termos, expresso em norma, o intérprete não se volta para uma realidade extrajurídica, mas, deve, antes, perguntar-se a que tipo de complexo normativo esse termo alude. (...) Tratando-se de ‘pessoa jurídica’, a norma está reenviando o intérprete à sistemática normativa das sociedades, das associações, ou das fundações?”

Agora, trataremos do valor da pessoa jurídica. Seu valor não está em seu significado, e nem mesmo na eloquência das normas que a criam e disciplinam, mas sim no sentido que se lhe dá. Assim como o sentido, o valor é atribuído, não é intrínseco à pessoa jurídica. Se assim o fosse, seria mero nomen juris. Ainda que o significado e a eloquência tenham (e de fato tem) certa influência sobre seu sentido e valor, estes são considerados dentro do contexto de dada comunidade jurídica.

O valor da pessoa jurídica consiste, basicamente, em dois fatores, mencionados por Kelsen e Ascarelli, respectivamente: a propriedade – que agrega valor econômico à pessoa jurídica – e o interesse das pessoas que a compõem – o que não mencionamos aqui, mas que Comparato nos lembra, na página 335 de sua obra, o que confere valor social à pessoa jurídica, no sentido de interesse social de seus contratos plurilaterais.

Esses valores, no entanto, não são absolutos. Não se prende a Ordem Jurídica às formalidades e ao nomen juris do instituto denominado “pessoa jurídica”, em detrimento de outros valores. Como reconhece Comparato, considerar um conjunto de pessoas e de propriedades como uma “pessoa jurídica” – a personalização – é uma “técnica jurídica utilizada para se atingirem determinados objetivos”, que podem ser resumidos genericamente na “acumulação de capital”[7].

Da mesma forma, admite a ordem jurídica duas técnicas que operam no sentido contrário ao da personalização – a desconsideração (mais branda) – e a despersonalização – mais drástica. Ambas, no entanto, sujeitas ao princípio da conservação da pessoa jurídica.

Nas palavras de Comparato, na desconsideração “subsiste o princípio da autonomia subjetiva da pessoa coletiva, distinta da pessoa de seus sócios ou componentes; mas essa distinção é afastada, provisoriamente e tão-só, para o caso concreto”.

Na despersonalização, por outro lado, “a pessoa coletiva desparece como sujeito autônomo”, em caráter definitivo[8]. Em geral, essas técnicas são aplicadas em casos de abuso ou fraude, como forma de aplicar a sanção ao real responsável.

Esses dois institutos – desconsideração e despersonalização – são prova da relatividade do sentido e do valor da pessoa jurídica, que por vezes são desconsiderados ou mesmo desfeitos, para permitir a realização de outros valores.


[1]                      COMPARATO, Fábio Konder, O poder de controle na sociedade anônima, 3.ª edição, Forense, Rio de Janeiro, 1983. 

[2]                      BORELO, Osvaldo. Llaves de verdade y sabiduría. Buenos Aires: Editora De Los Cuatro Vientos, 2011.

[3]                      BORELO, pág. 14

[4]                      KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito (versão condensada pelo próprio autor). São Paulo: RT, 2006, pág. 82

[5]                      COMPATARO, pág. 325

[6]                      COMPARATO, pág. 325

[7]                      COMPARATO, pág. 344

[8]                      COMPATARO, pág. 353


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0