Este artigo faz uma pequena reflexão de como o brasileiro enxerga a Constituição Federal de 1988. Qual importância ele efetivamente dá a este tão importante documento legal?

Em outubro de 1988 era promulgada a sétima Constituição brasileira. Esta Constituição tem um significado social e político muito importante para a sociedade brasileira. Apelidada de “Constituição Cidadã”, ela surgiu depois de um longo período de opressão, em meio da ditadura militar. Podemos dizer que a Constituição de 1988 foi o documento que libertou o povo brasileiro, devolvendo a ele um Estado Democrático de Direito. No entanto, quase 30 anos depois de sua promulgação, a população brasileira parece não conhecer muito bem esse documento, e tampouco dar a devida importância a ele.

Assim, depois de um longo e trabalhoso caminho até chegar à sua promulgação, a atual geração parece ignorar a sua importância e relevância para a nossa sociedade. Muitas vezes parece que a população não entende a força e importância que a Constituição Federal possui. A Constituição Federal é a Lei Maior do Estado Brasileiro. Isso quer dizer que é ela que define e dá as diretrizes para a elaboração e promulgação das leis. Ela está acima de qualquer norma jurídica no país. Infelizmente, muitos parecem não entender isso, e assim valorizam mais as leis que a própria Constituição. Muitas vezes, faz-se necessário a criação de leis para repetir o que já está previsto na Carta Maior.

Com os últimos acontecimentos no cenário político brasileiro parte da população inteirou-se de assuntos constitucionais. No entanto, é necessário mais do que isso. É preciso que as futuras gerações entendam a importância deste documento para a nação. Depois de muitos anos a população passou a ter direitos fundamentais, tais como liberdade de expressão, direito de ir e vir.

Realizando um breve resumo de nosso maior patrimônio – Constituição Federal, podemos concluir que ela, por certo, não é perfeita, mas é bastante completa, com as seguintes divisões:

Título I — Princípios Fundamentais

Título II — Direitos e Garantias Fundamentais

Título III — Organização do Estado

Título IV — Organização dos Poderes

Título V — Defesa do Estado e das Instituições Democráticas

Título VI — Tributação e Orçamento

Título VII — Ordem Econômica e Financeira

Título VIII — Ordem Social

Título IX — Disposições Constitucionais Gerais

Foi com essa “Constituição Cidadã” que os direitos fundamentais do indivíduo foram consolidados em nosso ordenamento jurídico, tendo a dignidade da pessoa humana como um dos fundamentos do Estado brasileiro. Junto da dignidade da pessoa humana, a Constituição também adota como fundamentos, ainda, a soberania, a cidadania, os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa, e o pluralismo político.

Neste sentido, de grande importância é o Projeto de Lei do Senado 70 de 2015 que propõe a introdução ao estudo da Constituição aos alunos do ensino fundamental e médio. Esta é uma proposta que demanda uma grande cautela e atenção. Primeiro, porque de um lado não basta ensinar aos alunos os artigos de lei por si só; segundo, de outro lado, é importante as instituições ficarem atentas ao risco de uma doutrinação desses jovens. O primordial seria o ensino dos seus fundamentos e do motivo de a denominarmos “Constituição Cidadã”.

A sociedade precisa desenvolver um pensamento coletivo, ser menos individualista, assim como a Constituição o faz. Precisamos entender e aprender a utilizar os mecanismos constitucionais para uma sociedade mais justa.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria