No Brasil a delação premiada é um fenômeno que cresce cada vez mais, principalmente nesses últimos tempos. Porém ela começou a ser utilizada em nosso país de forma mais expressiva com a lei de crimes hediondos (Lei 8.072 de 25 de julho de 1990).

1 INTRODUÇÃO

A proposta deste projeto é apresentar uma pesquisa que diz respeito a delação premiada e seus aspectos.  

No Brasil a delação premiada é um fenômeno que cresce cada vez mais, principalmente nesses últimos tempos. Porém ela começou a ser utilizada em nosso país de forma mais expressiva com a lei de crimes hediondos (Lei 8.072 de 25 de julho de 1990). Atualmente trata-se de um assunto muito discutido a nível nacional, sendo bastante criticado pelos grandes juristas brasileiros.

Quanto ao seu significado, este é conceituado segundo Aranha1 como uma “afirmativa feita por um acusado, ao ser interrogado em juízo ou ouvido na polícia, e pela qual, além de confessar a autoria de um fato criminoso, igualmente atribui a um terceiro a participação como seu comparsa”.

Para Jesus2 o termo “delação” é definido como sendo a “incriminação de terceiro, realizada por um suspeito investigado, indiciado ou réu no seu interrogatório”. Já o Termo "Premiada", o autor nos esclarece que trata-se de um prémio, concedido ao delator, com forma de resolutividade em tempo hábil, um inquérito policial. Este prémio, assim como é definido pelo autor, é concedido para o delator resultando-lhe em benefícios, como por exemplo, a redução de pena, o perdão judicial ou a aplicação de regime penitenciário mais leve.

Assim, a delação premiada atualmente tão discutida em nossa sociedade é um maneira ágil e eficaz de se chegar a uma conclusão no inquérito policial, pois esse direito e benefícios fará com que o suposto coautor, ou até mesmo autor, venha a relatar de maneira importante, clara e até em detalhes, o crime cometido por ele e demais comparsas.

Portanto, conhecer a delação premiada e seus aspectos, bem como quais são e que tipo de benefícios tem o réu que conquista a tal direito, e quanto custa ao nosso sistema o custo desta medida, é o propósito dessa pesquisa que apesar de ser um assunto atual, há poucos estudos em relação ao tema, o que torna relevante a busca por uma maior compreensão, o que contribuirá de forma significativa para novos estudos e pesquisas acerca da questão abordada.

2 PROBLEMATIZAÇÃO E REFERENCIAL TEÓRICO

A delação premiada para Gomes¹ (1998) é quando o acusado não só confessa sua participação e responsabilidade no delito imputado, mas também delata, incrimina outro ou outros participantes do mesmo fato, contribuindo para o esclarecimento de outro ou outros crimes e sua autoria.

Tourinho² (2005) complementa afirmado que a delação premiada é também denominada “chamamento de cúmplice”. Ocorre quando no interrogatório o réu, além de reconhecer sua responsabilidade, incrimina outro, atribuindo-lhe participação.

A delação premiada começou a ser utilizada em nosso país de forma mais expressiva com a lei de crimes hediondos (Lei 8.072 de 25 de julho de 1.990). Elaborado pelo Deputado Roberto Jefferson, a lei objetiva amenizar a responsabilidade criminal do delinquente, que com sua colaboração fornece às autoridades dados e informações decisivas que facilitem a liberação do sequestrado. Tal colaboração perante as autoridades judiciais, deu o embasamento a delação premiada e ao ordenamento jurídico brasileiro.

Porém, encontramos a delação premiada também nas Leis n. 9.034/95 (crime organizado), Lei n. 9.807/99 (Lei de proteção a Testemunhas e réus colaboradores) e art. 41 da Lei n. 11.343/2006 (Lei de Drogas). Na Lei n. 9.807/99, que dispõe sobre a proteção a testemunha e réus colaboradores, em seu artigo 13, este direito vem constituído com o seguinte texto:

Poderá o juiz, de ofício ou a requerimento das partes, conceder o perdão judicial e a consequente extinção da punibilidade ao acusado que, sendo primário, tenha colaborado efetiva e voluntariamente com a investigação e o processo criminal, desde que dessa colaboração tenha resultado: I - a identificação dos demais coautores ou partícipes da ação criminosa; II - a localização da vítima com a sua integridade física preservada; III - a recuperação total ou parcial do produto do crime. Parágrafo único. A concessão do perdão judicial levará em conta a personalidade do beneficiado e a natureza, circunstâncias, gravidade e repercussão social do fato criminoso (BRASIL, 1999, p. 14).

Portanto, a delação premiada é uma forma do autor ou coautor colaborar com as investigações e conclusão do processo criminal. No entanto, Franco³ (1992, p. 354) esclarece que a colaboração precisa ser eficaz. O colaborador deve contribuir para a investigação policial ou processo criminal, sendo certo que tal cooperação deve ser, ao mesmo tempo, efetiva e voluntária.

A efetividade procede em conformidade com os resultados que advém da cooperação, isto é, pela concretização, da contribuição realizada. A voluntariedade é reconhecível no ato de vontade do indiciado ou do acusado no sentido de cooperar espontaneamente e por decisão própria com a autoridade policial ou judiciária (FRANCO, 1992, p. 354).

Ainda segundo o autor, para a concessão do benefício não bastam a voluntariedade, visto que se faz necessária também a eficácia objetiva da colaboração. No caso de crime por sequestro por exemplo, não basta só a colaboração do delator, mas está condicionada à efetiva libertação da pessoa com vida do cativeiro (FRANCO, 1992, 324).

A delação premiada busca evitar prováveis desenlaces trágicos como possível morte da pessoa sequestrada, que se inserem na lógica do processo que envolve a ação extorsiva mediante sequestro. Busca-se, também o desmantelamento da associação criminosa e a efetiva punição de seus integrantes (FRANCO,1992, p. 324).

Outra lei que também prevê a delação premiada, é a Lei 9.034/95, que recebeu o nome de Lei contra o Crime Organizado. Este muito frequente no mundo dos crimes, pois cada vez mais as pessoas vem se agrupando com o objetivo de exercer atividades criminais, tanto contra a vida ou delitos relacionados ao tráfico de entorpecentes. No entanto, para tentar combater de forma mais eficiente esse tipo de crime, o artigo 6º da Lei 9.034/95, traz o seguinte texto: “Nos crimes executados e praticados sob forme de organização criminosa, a pena do delator será reduzida de um a dois terços quando a colaboração espontânea do agente levar ao esclarecimento de infrações penais e sua autoria”.

O agente que trata o artigo da mencionada lei, refere-se a qualquer pessoa que tenha tomado parte da organização criminosa e que em função disso, resolve contribuir espontaneamente, dando esclarecimentos necessários de sua autoria.

Quanto ao seu conceito Souza Netto (1999) afirma que o crime organizado é o agrupamento de pessoas que procura operar fora do controle do Estado, para extorquir proventos exorbitantes da sociedade, por meios ilícitos (...). Trata-se de um crime que implica uma coordenação hierárquica de um determinado número de pessoas para o planejamento e execução de atos ilegais ou para atingir um objetivo legítimo utilizando meios que são contrários à lei.

Nesse sentido, as grandes organizações criminais para atingirem seus pressupostos operam além das fronteiras, em diversos Estados, ou até Países. Em consonância a esta operação encontramos o crime contra o sistema financeiro ou contra a ordem tributária, econômica e as relações de consumo. Outro crime que também instituiu a delação premiada.

O autor, coautor que cometeu ou participou do crime contra o sistema financeiro nacional ou contra a ordem tributária, econômica e as relações de consumo, foram também por meio da lei nº 9.080/95, instituído o direito a delação premiada. Sobre isso, Gomes (1998, p. 343) afirma que a Lei 9.080/95, surgiu com a “finalidade única e exclusiva de fazer ingressar nos crimes de colarinho branco o instituto da delação premiada. Entretanto, o fenômeno agora viria não mais na qualidade de delação, mas de confissão espontânea”.

É importante pontuar ainda a lei 9.613/98, que dispõe sobre a delação nos crimes sobre lavagem de dinheiro. Esta, em seu artigo 1º, parágrafo 5º, traz o seguinte termo:

A pena será reduzida de um a dois terços e começará a ser cumprida em regime aberto, podendo o juiz deixar de aplicá-la ou substituí-la por pena restritiva de direitos, se o autor, coautor ou partícipe colaborar espontaneamente com as autoridades, prestando esclarecimentos que conduzam à apuração das infrações penais e de sua autoria ou à localização dos bens, direitos ou valores objeto do crime (BRASIL, 1998).

Nesse contexto, a delação resume-se ao denunciado que apresenta esclarecimentos e informações precisas que levem à apuração das infrações penais e de sua autoria, ou em conjunto com outros envolvidos. Porém na lei em questão, verifica-se que para o delator obter a premiação pretendida não é preciso que ambos os resultados aconteçam, isto é, basta um só acontecer: a apuração das infrações e sua autoria ou a localização dos bens.

A proposta de estudar a delação premiada e seus aspectos, partiu da necessidade de um estudo mais aprofundado acerca do instituto da Delação Premiada, mostrando como surgiu e onde se situa, buscando conceituações dos mais variados juristas que irá nos auxiliar na exposição, fazendo comparações entre benefícios e malefícios. Diante dessas considerações, surge o questionamento: Quais os aspectos da delação premiada?

E sendo a delação premiada, o tema mais debatido não só nas redes sociais e na sociedade, mas também em virtude da evidencia do presente tema relacionados com a investigação lava jato e no caso da Petrobrás, torna-se fundamental a realização de pesquisas que contribua para novos estudos acerca da questão abordada.  

_______________

1 GOMES, Luis Flávio, CERVINI, Raul, OLIVEIRA, Willian Terra de. Lei de lavagem de

capitais. São Paulo: RT, 1998, p. 344.

2 TOURINO FILHO, Fernando da Costa. Processo penal. 3. v. 27. ed. rev. atual. São Paulo: Saraiva 2005, p. 205.

[1] ARANHA, Adalberto José Q. T. de Camargo. Da prova no processo penal. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 1999. p. 122., 2003. 

2  JESUS, Damásio E. de. Estágio atual da "delação premiada" no Direito Penal brasileiro . Jus Navigandi, Teresina, a. 10,n. 854, 4 nov. 2005. Disponível em: <http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=7551>. Acesso em: 07 out. 2015.     

3 FRANCO, Silva Alberto. Crimes hediondos. 5. ed. São Paulo: RT, p. 354 

GOMES, Luis Flávio, OLIVEIRA, William Terra de e CERVINI, Raúl. Lei de lavagem de capitais. São Paulo: RT, 1998, p. 343.

SOUZA NETTO, José Laurindo de. Lavagem de dinheiro: comentários à Lei 9.613/98. Curitiba: Juruá, 1999.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autors. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.


Comentários

0

Livraria