Algumas mudanças no novo Código de Processo Civil em relação ao devedor de alimentos.

Prisão por não pagamento de pensão alimentícia no Novo CPC

O pagamento de alimentos trata-se de uma prestação diferenciada,  pois tem natureza importante para a sobrevivência do alimentando. O nosso ordenamento jurídico busca formas severas tentando assim garantir o cumprimento dessa obrigação, uma delas está na Constituição Federal  no seu artigo 5º, LXVII a única prisão civil ainda permitida no mundo jurídico brasileiro, levando em conta que não é mais permitido a prisão do depositário infiel alterada pelo Tratado Internacional de direito Humanos São José da Costa Rica.

O objetivo não é a prisão em si, mas usar como ferramenta para compelir o devedor a cumprir com sua obrigação. Essa medida coercitiva já era tratada no antigo Código de Processo Civil/73, no art. 733, §1º

§ 1º Se o devedor não pagar, nem se escusar, o juiz decretar-lhe-á a prisão pelo prazo de 1 (um) a 3 (três) meses.”

Mesmo o texto de lei sendo omisso ao regime a ser cumprido essa prisão era submetida em regime fechado.

Durante a aprovação do novo Código de Processo Civil muito foi discutido sobre o regime de prisão adotado, falava-se muito em um regime semiaberto onde assim o devedor poderia trabalhar durante o dia e o recolhimento a prisão a noite, facilitando assim o pagamento das prestações. O projeto trazia a seguinte redação:

A prisão será cumprida em regime semiaberto; em caso de novo aprisionamento, o regime será o fechado.

O novo CPC chegou a prever a prisão pelo regime fechado apenas no caso de reiteração de prisão.

Porém, essa inovação não foi aceita por muitos setores e, ainda na Câmara dos Deputados, foi alterada para a prisão civil do devedor de alimentos em regime fechado.

O texto sancionado (L. 13.105/15) regula o assunto no art. 528, e tem a seguinte redação:

§ 4º A prisão será cumprida em regime fechado, devendo o preso ficar separado dos presos comuns.

E, tal qual no Código anterior, a prisão não afasta o débito, conforme prevê o mesmo artigo:

§ 5º O cumprimento da pena não exime o executado do pagamento das prestações vencidas e vincendas.

Foi acrescentado ao novo código o que constava na Súmula 309 do STJ, no sentido de a prisão ser possível somente em relação as últimas três parcelas devidas, é o que consta no artigo 528  § 7º do Código de Processo Civil de 2015.

§ 7º O débito alimentar que autoriza a prisão civil do alimentante é o que compreende até as 3 (três) prestações anteriores ao ajuizamento da execução e as que se vencerem no curso do processo.

Podemos observar que não houve alterações em relação a prisão, porém outro mecanismo para garantir o pagamento foi adotado pelo novo código. O artigo 528, § 1º , diz que antes mesmo da prisão civil, sejam alimentos de forma definitiva ou de forma provisória, o juiz determinará o protesto da decisão que fixou os alimentos.

Trata-se de mais uma forma coercitiva, pois o protesto pode trazer problemas para a vida cotidiana do devedor de alimentos.

Uma inovação interessante  é a possibilidade de desconto dos vencimentos do devedor, o artigo 528, § 3º, permite o desconto de 50% sendo o devedor de alimentos assalariado, aposentado ou pensionista, esse desconto será dos seus vencimentos líquidos.

Portanto, com esses mecanismos percebemos que o legislador deu uma atenção especial a prestação de alimentos, sabemos que mesmo diante de todas essas alternativas é evidente que ainda não será possível um resultado 100% eficaz, mas será possível garantir mais segurança jurídica ao alimentando.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso