O presente artigo trará uma breve síntese de um estudo da Lei nº 9.760/46, que trata dos terrenos de marinha.

 

TERRENOS DE MARINHA

A Lei 9.760 de 1946, em seu artigo 1º, alínea A define que os terrenos de marinha são bens da União, estes por sua vez, são medidos a partir da linha do preamar médio de 1831 até 33 metros para o continente ou para o interior das ilhas costeiras com sede de município. Além das áreas ao longo da costa, também são considerados terrenos de marinha as margens de rios e lagoas que sofrem influência de marés.

A linha do preamar médio é definida pela média das marés máximas, do ano de 1831. O ano de 1831 é usado para dar garantia jurídica, porque é conhecido o fenômeno de mudanças na costa marítima decorrente do movimento da orla. Esses movimentos se dão por processos erosivos ou por aterros. A partir da determinação da linha do preamar médio inicia-se a delimitação dos terrenos de marinha.

Os terrenos de marinha são determinados por meio de estudos técnicos com base em plantas, mapas, documentos históricos, dados de ondas e marés.

A responsabilidade de fazer a demarcação do terrenos de marinha e seus acrescidos é do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, por meio da Secretaria do Patrimônio da União.

MODALIDADES DE TERRENOS DE MARINHA

São divididos em duas modalidades, sendo o primeiro Regine de ocupação, e nestes casos, os terrenos são de posse desdobrada, ou seja, a União é proprietária da área, como um todo, e ainda pode reinvindicar o direito de uso do terreno quando quiser.

A segunda hipotese é o Regime de aforamento, que são os terrenos em que o morador do imóvel passa a ter um domínio útil sobre o terreno de marinha, desta feita, a área fica ‘’repartida’’ entre a União e o morador.

DAS TAXAS

A taxa pelo uso do terreno é anual, paga em sete coestações, e recebe alterações anuais de acordo com a mudança no valor da planta genérica dos imóveis em cada município.                             
            No caso de moradores ocupantes de terrenos de marinha, o percentual para o cálculo é de 2% ou de 5% (casos dos terrenos cadastrados na SPU depois da Constituição de 1988). Para foreiro esse percentual é menor: 0,6%.

            Nos dois casos – ocupação e foro – cobra-se, também, taxa na venda do imóvel: o laudêmio, que é calculado em cima de 5% do valor do imóvel. Um portal apartidário, independente, focado nos assuntos que interessam de uma forma geral, aos foreiros e ocupantes de terrenos de marinha. 

Cabe mencionar, que uma ação do Ministério Público Federal (MPF) questiona o cálculo feito sobre o laudêmio, que é um pagamento de 5% que o foreiro faz à União pela transferência dos terrenos de marinha, bens da União. Atualmente, a União vem calculando a taxa a ser cobrada não só sobre o valor do terreno, mas também sobre o valor das benfeitorias existentes no local, o que, para o Ministério Público, é inconstitucional.

 Laudêmio
Uma ação do Ministério Público Federal (MPF) questiona o cálculo feito sobre o laudêmio, que é um pagamento de 5% que o foreiro faz à União pela transferência dos terrenos de marinha, bens da União. Atualmente, a União vem calculando a taxa a ser cobrada não só sobre o valor do terreno, mas também sobre o valor das benfeitorias existentes no local, o que, para o Ministério Público, é inconstitucional 



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria