flickr @tec_estromberg flickr @tec_estromberg

Empresa Familiar como sendo aquela em que o controle societário, ou seja, as quotas ou ações estão nas mãos de uma família e que os principais cargos da administração são exercidos pelos membros dessa mesma família.

Podemos conceituar a Empresa Familiar como sendo aquela em que o controle societário, ou seja, as quotas ou ações estão nas mãos de uma família e que os principais cargos da administração são exercidos pelos membros dessa mesma família.

Já a Empresa Multifamiliar é aquela composta por duas ou mais famílias de origens diferentes e ligadas por laços de afinidade de interesses. Ocorre, por exemplo, quando dois ou mais empreendedores de famílias diferentes, se unem para constituir uma Empresa Multifamiliar. É lógico que, se já é difícil contornar os problemas que advém da família numa empresa unifamiliar, essa dificuldade cresce em progressão geométrica nas empresas multifamiliares. 


1 – CONCEITOS

As Empresas Familiar ou Multifamiliar podem estar representadas por uma sociedade limita ou sociedade por ações, ter o ramo de comércio, indústria ou prestação de serviços. Não importa o objeto social da sociedade para que ela seja considerada de Empresa Familiar. O que interessa é que o controle da empresa esteja nas mãos de uma família ou mais famílias. Elas podem ser pequenas, médias e grandes empresas, tais como a Ypióca, Cedro Cachoeira, Sul América dentre outras, ou grupos de empresas, como são exemplos os Grupos Votorantim, Pão de Açúcar, Klabin, Ultra, Gerdau e vários outros.


2 – CONTROLE NA LTDA E NA S.A

2.1. Controle na Sociedade Limitada

Assim, se for uma Sociedade Limitada é imprescindível que a maioria das quotas representativas do capital social seja de propriedade da mesma família (pais, filhos, netos etc.). O Código Civil no seu artigo 1.076 elevou, em muito, o percentual de participação no capital social para permitir o controle na Sociedade Limitada. Dessa forma, para tomadas de quaisquer decisões no âmbito da empresa familiar limitada é necessário que as deliberações sejam tomadas por sócios que representam, no mínimo, 75% das quotas que compõem o capital social da Sociedade Limitada.

Considerando que uma Sociedade Limitada tenha o capital social de R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais), dividido em quotas de R$ 1,00 (um real) cada uma, 75% (setenta e cinco por cento) ou R$ 750.000,000 deverá ser de propriedade dos membros de uma mesma família para que ela detenha o controle da empresa familiar.

2.2. Controle na Sociedade Anônima

Quando se trata de Sociedade por Ações o capital social poderá estar dividido em ações ordinárias ou preferenciais, conforme a natureza dos direitos e vantagens que confiram a seus proprietários e o controle é exercido por acionistas que representem 50% + uma das ações ordinárias para ter o controle na S/A.

Ações Ordinárias são aquelas que concedem direitos políticos (de votar) e direitos patrimoniais (de participar nos lucros da sociedade ou na repartição do ativo restante no caso de liquidação) aos seus proprietários. Dessa forma, numa Sociedade por Ações com capital de R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais), dividido ações de R$ 1,00 (um real) cada uma, a família proprietária de 500.001 (quinhentos mil e uma) ações ordinárias será a controladora da Empresa Familiar.

Ações Preferenciais são aquelas que dão aos seus titulares, preferências em relação a prioridade na distribuição de dividendos, fixo ou mínimo e em prioridade no reembolso do capital, com ou sem prêmio, ou na acumulação de tais preferências e vantagens (prioridade na distribuição de dividendos e reembolso do capital. Normalmente as ações preferenciais não têm direito a voto.

O número de Ações Preferenciais sem direito a voto, ou sujeitas a restrição no exercício desse direito, não pode ultrapassar 50% (cinquenta por cento) do total das ações emitidas pela sociedade.

Considerando o exemplo acima, numa empresa com capital de R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais) dividido em ações de R$ 1,00 (um real) cada uma, esse capital poderá estar dividido em 500.000 (quinhentos mil) ações ordinárias e 500.000 (quinhentos mil) em ações preferenciais. Assim, a família que detiver 250.001 (duzentos e cinquenta mil e uma) das ações ordinárias terá o controle da S/A. Conclui-se, pois, que a família que for proprietária de R$ 250.001,00 (duzentos e cinquenta mil e uma) ação ordinária será a controladora da empresa de controle familiar.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0