Distinção clara e objetiva com ressalvas para as principais características de cada instituto. A meta é diferenciar o aval da fiança e situa-los no mundo negocial e jurídico

As garantias fidejussórias são as chamadas garantias pessoais, ou seja, é o tipo de garantia que possuiu como garantidor uma pessoa e não um bem determinado, dessa forma, quando há falta no cumprimento de uma obrigação, um terceiro será responsável pelo adimplemento.

O Aval e a Fiança são as modalidades de garantias fidejussórias existentes, e por muitas vezes são confundidas em diversos aspectos. Este artigo objetiva clarear as diferenças e semelhanças entre ambos os institutos.

AVAL

O Aval é específico dos títulos cambiais e foi inicialmente regulado pelo Código Comercial. Atualmente, é regulada pelo art. 897 da Lei 10.406/02 e demais legislações específicas. A definição de Fábio U. Coelho é completa e traz os sujeitos do instituto em tela. Para ele, o aval é um ato cambiário pelo qual uma pessoa (avalista - garantidor) se compromete a pagar um título de crédito, nas mesmas condições do devedor deste título (avalizado – devedor principal).

Dessa forma, entende-se o aval como garantia pessoal dada por terceiro que intervém na relação jurídica em razão da emissão de um título de crédito, intervenção que assegurará o cumprimento da obrigação expressa no título, na hipótese do inadimplemento pelo obrigado.

O Aval constitui-se através de declaração expressa no título de crédito, respondendo o avalista de forma integral em caso de inadimplemento da obrigação pelo devedor principal. Assim, o aval é uma obrigação “principal” de pagar, possuindo autonomia e literalidade. A responsabilização do avalista é tamanha que ele responderá pela obrigação garantida em igualdade de posição com o devedor principal, sendo facultado ao credor exigir simultaneamente do avalizado e do avalista o pagamento da obrigação não cumprida. Nota-se que não há ordem de exigência do pagamento, em razão da autonomia do aval.

Ainda no âmbito da responsabilidade do avalista, está permanecerá ainda que declarada nula a obrigação garantida, exceto na hipótese de vício de forma na instituição do aval.

A questão controversa neste instituto é sobre a obrigatoriedade do consentimento do cônjuge para a concessão do aval. O Código Civil no inciso III do art. 1.647 reza que o avalista casado, com exceção para o regime de separação total de bens, não poderá prestar o aval sem o consentimento do seu cônjuge. Depreende-se da interpretação desta norma que o cônjuge que não consentiu na prestação do aval não terá prejudicado seu patrimônio em casos de responsabilização do avalista.  Saliento que esta norma trata de relação civil e pode ser flexibilizado quando temos uma relação comercial, onde a simples assinatura do cônjuge já configura o consentimento, afastando a figura da outorga conjugal.

A normatização do aval está entre os art. 897 e 903 do Código Civil, porém, não é explícito que para a validade do aval seja obrigatório o consentimento e a assinatura do cônjuge no título de crédito, ou que, sem a outorga uxória este se eximirá de qualquer obrigação em caso de inadimplemento.

O entendimento jurisprudencial sobre a validade do aval em situações de ausência da outorga, marital ou uxória, na concessão do aval não retira sua validade, muito menos o torna anulável ou nulo de pleno direito. Entretanto, nessas situações, a regra é respeitar a meação do cônjuge que não consentiu ou desconhecia a prática do aval. 

O entendimento da doutrinadora Maria Helena Diniz é:

“As relações econômicas entre os cônjuges regem-se pelas normas vigentes por ocasião das núpcias. Se assim é, o Código Civil de 1916, arts. 230, 256 a 314, por força da CF/88, art. 5º, XXXVI, e da LICC, art. 6º, irradiará seus efeitos, aplicando-se ao regime matrimonial de bens dos casamentos celebrados durante sua vigência, inclusive na vacatio legis, respeitando, dessa forma, as situações jurídicas patrimoniais definitivamente constituídas.”

Isto posto, podemos ressaltar que, a meação está protegida, com exceção para a comprovação feita pelo credor de que o cônjuge do avalista que desconhecia o ato ou não consentiu com a prestação do aval obtiver vantagem econômica, mesmo que indiretamente. Nessa linha, quando concedido em sua forma comercial, onde há busca por vantagem econômica, que se traduz como “benefício da família”, o entendimento de desobrigar a autorização do cônjuge deve prevalecer, mesmo que contrariamente à lei.

Assim, entende o Superior Tribunal de Justiça:

CIVIL E PROCESSUAL. AÇÃO DE NULIDADE DE ATO JURÍDICO. AVAL. FALTA DE ASSINATURA DAS ESPOSAS. ACÓRDÃO ESTADUAL QUE LIMITOU OS EFEITOS DA GARANTIA À MEAÇÃO MARITAL, PORÉM MANTENDO A HIGIDEZ DO ATO. RECURSO ESPECIAL. PREQUESTIONAMENTO INOCORRENTE. DIVERGÊNCIA JURISPRUDENCIAL NÃO DEMONSTRADA. PARADIGMAS QUE TRATAM DE FIANÇA. INADMISSIBILIDADE.

O Conselho da Justiça Federal, em sua I Jornada de Direito Civil, editou o texto informando que o aval não pode ser anulado por falta de vênia conjugal, de modo que o inciso III do art. 1.647 caracteriza a inoponibilidade do título ao cônjuge que não assentiu (Enunciado 114).

FIANÇA

A Fiança possui natureza contratual e é um instituto do Direito Civil, pode ser entendida como garantia pessoal prestada por determinada pessoa (fiador) que garante o pagamento ao credor da obrigação inadimplida pelo devedor principal (afiançado).

Este instituto é regulado a partir do art. 818 do Código Civil, é uma garantia acessória e deixará de existir nas hipóteses de extinção e/ou modificação da obrigação principal. A ocorrência da fiança depende de forma prevista em lei, ou seja, para a concessão da fiança devem ser observadas as formalidades previstas em lei para a validade do instituto.

No ordenamento jurídico brasileiro, podemos destacar três espécies de fiança, são elas:

·         Convencional – Estabelecida pelo ajuste de vontades entre o fiador e o afiançado;

·         Judicial -  A imposição judicial a uma das partes do processo acarreta a instituição da fiança. Tem finalidade principal proteger interesses em litígio

·         Legal - A lei impõe sua aplicação em caráter, esta forma tem caráter preventivo;

Cumpre destacar que a existência da fiança à revelia, onde a lei possibilita a instituição do instituto sem o consentimento do devedor, já que se prestigia o direito do credor em prejuízo dos sentimentos do devedor em relação ao fiador. A fiança, pode ainda, ser concedida para garantir obrigações futuras, mas se exige a certeza, exigibilidade e liquidez da dívida. Podemos dizer ainda que o credor da obrigação poderá recusar o fiador oferecido pelo devedor, desde que não sejam apresentados indícios que comprovem a idoneidade social e econômica, além de ser possível a exigência da substituição do fiador.

É relevante saber que na fiança, após determinado o encargo do fiador, este se responsabilizará até o limite da obrigação que foi afiançada, não sendo possível imputar-lhe encargo mais oneroso, quer dizer que, do fiador não pode se exigir obrigação maior do que àquelas incumbidas na condição de garantidor.

No instituto da fiança é importante listar o benefício de ordem, pelo qual pode o fiador exigir do credor que antes que lhe seja exigida o cumprimento da obrigação, seja primeiramente exigida do devedor/afiançado por intermédio da penhora de seus bens, ocasião em que o dever pela indicação dos bens do devedor será encargo do fiador. O credor poderá se opor de forma expressa ao direito do benefício de ordem, isto objetiva atacar de forma direta o patrimônio de todos aqueles pertencentes à relação jurídica. Este benefício também não existirá quando o fiador se obrigar como pagador principal ou quando o devedor for decretado insolvente civilmente ou falido.

Há previsão no Código Civil de hipóteses em que o fiador ficará desobrigado da obrigação de garantidor, são estas: concessão do credor ao devedor de moratória sem a notificação do fiador; se o credor apresentar óbices à impossibilidade de atribuição ao fiador do exercício de sub-rogação e preferências na hipótese de adimplemento da obrigação; se o credor aceitar objeto diverso daquele. Cumpre ressaltar que no falecimento do fiador, as forças da herança apenas atingiram as obrigações vencidas até a data do óbito, e, se não houver obrigação vencida, a fiança estará extinta.

É bom frisar que, o fiador responderá com seus bens pela obrigação afiançada, ainda que estes bens sejam bens de família, isto está normatizado no inciso VII do artigo terceiro da Lei 8.009/90. Por fim, importante anotar que por imposição legal e por prática comercial a outorga, marital ou uxória, é obrigatória, disposição presente no inciso III do art. 1647 do Código Civil.

Conclusão:

O presente artigo objetiva mostrar que ambos os institutos, apesar de diversas semelhanças, possuem características marcantes e que os diferenciam de forma clara, e que tanto o Aval quanto a Fiança tem a finalidade de garantir obrigação de terceiro.

Resumidamente, sintetizo que a mais clara diferença encontra-se no fato de que a fiança é uma garantia subsidiária e os bens do fiador são postos como garantia da obrigação principal. Já o aval é uma garantia autônoma e totalmente independente da obrigação principal, e neste instituto, o avalista se compromete, de forma solidária, ao pagamento da obrigação. 

Referências:

 

COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de Direito Comercial. V. 1, 4ed. Saraiva: São Paulo, 2000.

DINIZ, Maria Helena. Código Civil Anotado. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 2003.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria