O presente artigo tem por escopo analisar se as hipóteses do artigo 318 do CPP autorizam, de per si, a substituição da prisão preventiva por prisão domiciliar, sobretudo aquelas que foram objeto de alteração pela Lei n. 13.257/2016.

Recentemente, a Ministra do Superior Tribunal de Justiça Maria Thereza de Assis Moura concedeu liminar em Habeas Corpus, de modo a permitir que a advogada Adriana Ancelmo, esposa do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB), denunciada pela prática de diversos crimes, dentre eles lavagem de dinheiro e pertencimento à organização criminosa, permanecesse em prisão domiciliar, com fundamento no artigo 318, V, do Código de Processo Penal[1], alterado pela Lei nº 13.257/2016[2].

Dada a repercussão da decisão, amplamente divulgada pela imprensa, acadêmicos do Direito e profissionais atuantes na área passaram a debater se, ante a verificação das condições objetivas previstas em lei – tal qual a insculpida no inciso V do artigo 318 do CPP -, seria ‘dever’ do juiz determinar a substituição da prisão preventiva por prisão domiciliar ou se tal decisão estaria afeta à sua discricionariedade.

Malgrado o advento da benfazeja Lei n° 13.257/2016, que ampliou as hipóteses autorizadoras da substituição da prisão preventiva por prisão domiciliar, o uso do verbo ‘poderá’, no caput do artigo 318 do CPP, não deve ser interpretado com a semântica que lhe imprimem certos setores da doutrina[3], os quais advogam constituir verdadeiro ‘dever’ do magistrado determinar a substituição da prisão preventiva por prisão domiciliar quando comprovadas as condições objetivas previstas no Código de Processo Penal.

Conforme já decidiu o STJ em outras oportunidades[4], a interpretação acima mencionada conduziria, em última análise, à vedação legal da cautela máxima em casos nos quais a custódia cautelar se mostre como a única hipótese apta a salvaguardar, com a eficiência necessária, situação de evidente e imperiosa necessidade da prisão. Nesse espeque, seria admitir que toda mulher que possuísse filhos com até doze anos de idade incompletos gozasse do direito a permanecer sob custódia domiciliar, mesmo diante da imprescindibilidade da prisão preventiva. Se a prisão domiciliar fosse compulsória em tais hipóteses, o agente teria verdadeira imunidade.

Outrossim, em alguns casos, a custódia cautelar é a única forma de obstar a prática de crimes pelo imputado, sobretudo em se tratando de delitos afetos a seara do Direito Penal Econômico, dos quais se destacam a lavagem de dinheiro e a evasão de divisas. Nestes casos, a permanência do investigado ou acusado em sua residência durante o transcurso do inquérito policial ou processo criminal, com amplo acesso à rede mundial de computadores e demais veículos de comunicação, estaria a viabilizar a continuação delituosa, prejudicando, desta feita, o resguardo da ordem pública, da qual, mormente a divisão empregada pelo Código de Processo Penal, abrange a ordem econômica[5][6]. Ademais, é muito mais fácil para o agente fugir do país quando está em sua própria casa.

É imperioso salientar ainda que, a Lei n. 13.257/2016, cujo artigo 41, conforme salientado nas linhas anteriores, imprimiu alterações pontuais no Código de Processo Penal, veio a lume num momento em que a população carcerária feminina vem aumentado em progressão geométrica, sobretudo em razão dos efeitos deletérios e criminógenos da Lei n. 11.343/06, que criminaliza as condutas relacionas ao tráfico ilícito de entorpecentes. Com efeito, estima-se que 70% das mulheres encarceradas estão presas pela prática de crimes relacionados ao tráfico, certo que um alto percentual dessas mulheres são mães, que se encarregam de cuidar dos filhos pequenos.[7]

Diante desse panorama, reconhecendo a irrazoabilidade e a desnecessidade da custódia cautelar de mulheres investigadas ou processadas pela prática de crimes relacionados ao tráfico, não obstante o STF já ter se manifestado acerca da inconstitucionalidade de dispositivo que vede a liberdade provisória em casos de tráfico de drogas, a Lei n. 13.257/2016 foi promulgada na tentativa de minimizar os efeitos colaterais da política de guerra às drogas, cujo ápice se deu com o advento da Lei 11.343/06.

Nesta senda, conclui-se que a presença de um dos pressupostos elencados no artigo 318 do Código de Processo Penal constitui requisito mínimo, mas não suficiente para, por si só, legitimar a substituição da prisão preventiva por prisão domiciliar, devendo o magistrado sopesar os interesses em conflito, quais sejam: o resguardo da ordem pública, da ordem econômica, da instrução criminal e da futura aplicação da lei penal versus o direito do filho de até doze anos incompletos de permanecer com a mãe, sobretudos nos casos envolvendo crimes cuja prática reste facilitada diante do cumprimento da prisão domiciliar.


[1] Art. 318. Poderá o Juiz substituir a prisão preventiva pela domiciliar quando o agente for: (...) V- mulher com filho de até 12 (doze) anos de idade incompletos.

[2] Precitada lei, promulgada por ocasião do Dia Internacional da Mulher, tem como principal objetivo estabelecer políticas públicas para a primeira infância, “em atenção à especificidade e à relevância dos primeiros anos de vida no desenvolvimento infantil e no desenvolvimento do ser humano”.

[3] Por todos, vide BADARÓ, Gustavo Henrique. Processo Penal. 3ª ed. São Paulo: RT, 2015. p. 993.

[4] Vide STJ HC 352467/RJ, rel. Min. Rogério Schietti Cruz, 15.04.2016.

[5] Art. 312: A prisão preventiva poderá ser decretada como garantia da ordem pública, da ordem econômica, por conveniência da instrução criminal, ou para assegurar a aplicação da lei penal, quando houver prova da existência do crime e indício suficiente de autoria.

[6] Após a análise de vasta jurisprudência referente ao tema, assevera Guilherme Madeira Dezem tratar-se a ordem pública na ideia de probabilidade de reiteração de condutas criminosas. (DEZEM, Guilherme Madeira. Curso de Processo Penal. 2ª ed. São Paulo: RT. 2016. p. 758).

[7] BOUJIKIAN, Kenarik. O Aceno do Papa Francisco para as mulheres presas. Boletim IBCCRIM, ano 24, nº 286, Setembro/2016. 



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0