Rede Globo Rede Globo

A figurinista Susllem Tonani acusou categoricamente o ator José Mayer de assédio. Dentre os atos a ele imputados, o ator teria tocado as partes íntimas dela sem seu consentimento e, depois, quando rechaçado, chamou-a de “vaca” na frente de seus colegas de trabalho, finalizando com a frase “você não vai dar para mim?”.

Na última semana fomos testemunhas oculares de como o machismo se manifesta na sociedade de um modo geral e, por sorte ou porque o mundo está mesmo mudando, reagimos! E parafraseando o Direito, onde ninguém pode alegar desconhecimento da lei, aqui também não devemos alegar desconhecimento dos fatos que rechearam os tabloides essa semana a fim de evitar essa discussão contemporaneamente apropriada. 

Primeiramente, é necessário esclarecer que ao contrário do feminismo que pleiteia equidade entre os sexos, o machismo se fundamenta essencialmente pela superioridade, em todos os aspectos, do sexo masculino sob o feminino. Pois bem. Nesta semana a figurinista Susllem Tonani acusou categoricamente o ator José Mayer de assédio. Dentre os atos a ele imputados, o ator teria tocado as partes íntimas dela sem seu consentimento e, depois, quando rechaçado, chamou-a de “vaca” na frente de seus colegas de trabalho, finalizando com a frase “você não vai dar para mim?”. Talvez seja desnecessário e inapropriado tentar fazer com que o leitor imagine a violência de tais condutas, mas se ainda não sentiu uma intensa repulsa, pense que você, homem, tenha outro homem passando a mão em suas partes íntimas e em seguida repita as frases acima descritas. Pensou? Então, é por aí... Bem vindo ao clube!

Desde que o mundo é mundo as mulheres estão habituadas, porém não conformadas, com todo e qualquer assédio contra elas praticado. Não é raro termos que nos preocupar se vamos andar sozinhas na rua, se estamos sendo boas o suficiente em nossos empregos e até que roupa vamos vestir para pegar um ônibus ou metrô. E sabe qual é a verdade? É que a gente está literalmente cansada de sentir medo, puro e simples. Medo de sermos atacadas, medo de sermos mortas, violentadas, estupradas e assediadas. Ser mulher quase que boa parte do tempo, meus caros, é sentir medo. Não por acaso o Brasil é campeão em casos de feminicídio.

A boa notícia é que nosso medo não impede nosso caminhar e quando nos vemos unidas, descobrimos uma força implacável, irremediável e capaz de, de fato, mudar o mundo. Talvez por isso, por este inconsciente coletivo que atualmente paira nas mulheres, que José Mayer motivou instantaneamente a campanha “Mexeu com uma mexeu com todas” entre suas próprias colegas de trabalho e foi suspenso pela emissora da qual é contratado. E o que se chama a atenção neste caso é que ao contrário de outros pretéritos, onde havia a cristalina certeza da impunidade, afinal, assediar mulher é fato corriqueiro e aprovado por diversos setores da sociedade, não se esperava a reação global ao seu comportamento. Não só as mulheres da Rede Globo, mas toda uma legião de mulheres se uniu, e tornou impossível colocar o agressor na posição de vítima e a vítima na posição de "louca". 

E como a vida imita a arte ou a arte imita a vida, o acusado acabou seguindo cartilha semelhante a dos políticos denunciados: negou, foi pressionado, admitiu e fez um pedido de desculpas que ninguém que tenha o mínimo de noção engoliu. Previsível. Mas a real mensagem, meus caros, têm sido subliminar. A sociedade não está preparada para discutir e proteger a vítima mulher de seus algozes, e o exemplo mais claro que temos neste imbróglio todo é o caso do goleiro Bruno.  Não podemos nos quedar silentes quando mulheres que acusam seus agressores são taxadas por loucas enquanto homens condenados por matar e esquartejar os corpos das mães de seus filhos são peremptoriamente parados pela mídia ou público em geral para dar autógrafos e conceder entrevistas. 

Não por acaso a grande dúvida da sociedade na última semana se resumiu a um “como proteger homens inocentes, injustamente denunciados publicamente?”. Incrível que ainda tenhamos que nos preocupar com a ‘imagem’ dos agressores quando as mulheres são as reais vítimas da situação. E mais, não raras vezes as mulheres foram atacadas moralmente, difamadas e até mesmo caluniadas publicamente. É simples: protegem-se homens inocentes da mesma forma que mulheres inocentes devem ser protegidas. E independente do gênero, que a Justiça seja acionada para coibir os abusos e os responsáveis devidamente punidos. 

A mudança é necessária e só será possível quando houver uma modificação comportamental e cultural no meio em que vivemos, e para isso, precisamos sim que os homens estejam conosco nesta batalha. Desde muito cedo devemos apresentar às crianças a questão da igualdade de gênero, do respeito e da cooperação mútua. Não podemos mais conceber a diferença de brincadeiras entre meninos e meninas – meninas são direcionadas a brincar de casinha enquanto meninos podem ser super-heróis. Não podemos aceitar a reprimenda da sexualidade das meninas (meninas são educadas a literalmente “fechar as pernas” enquanto meninos ganham revistas eróticas aos dez anos). 

Fomos doutrinadas pela sociedade em geral a sermos “belas, recatadas e do lar” e aquelas que desafiam essa tríade podem, quando muito, serem substituídas por “belas, ilibadas e bem sucedidas”. Temos o dever moral de extirparmos essa imagem de mulher ideal. Temos o dever de discutir, e muito, a questão de políticas públicas voltadas às mulheres. Precisamos debater o preconceito, favorecer a igualdade, punir as agressões e oferecer suporte adequado às vítimas em situações de violência.  

Precisamos deixar claro que os homens em casa são parceiros, não são coadjuvantes. Precisamos extirpar a ideia machista que a mulher é um produto a ser consumido pelo homem, e por isso que é necessário colocar um fim à cultura do estupro e avançar com a igualdade de gênero.

Precisamos mandar um recado ao mundo: não toleraremos qualquer tipo de assédio ou violência contra a mulher. Se por muito tempo as mulheres sofreram caladas, chegou a hora de expormos os constrangedores tanto para a opinião pública, quanto para a Justiça. O mundo está se transformando, as mulheres estão se unindo e, portanto, a mudança é possível. A responsabilidade disso tudo é de cada um de nós.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso