A violência na escola não é um fenômeno atual, é algo que transcende a décadas. As agressões verbais, físicas, a descriminação e até o mas novo “ciberbullyng”, o que são situações comum no ambiente educacional.

INTRODUÇÃO

A história do homem, nos trás inúmeras denominações que foram usadas para identificar a homossexualidade legitimam o caráter preconceituoso de nossa sociedade, como modelo de aversão, desprezo, ódio, desconforto, em relação aos homossexuais ou a algo que os envolva. Ou seja, a homofobia vai além, dos sentimentos individuais e transpessoais. É um preconceito, violência contra a pessoa homossexual, discriminação, expressão de ódio ao gênero e identidade.

A violência na escola não é um fenômeno atual, é algo que transcende a décadas. As agressões verbais, físicas, a descriminação e até o mas novo “ciberbullyng”, o que são situações comum no ambiente educacional e refletem o que a sociedade machista ainda estabelece como a norma, qual seja: o aluno branco, heterossexual, de classe media e de religião católica. Sendo o “padrão” aceito por nossa sociedade.

A homofobia é uma repulsa ou preconceito contra homossexuais, ou seja, uma espécie de medo irracional a pessoa homossexual. Importante frisar que esse tio de comportamento homofóbico é um tema de reflexão e discussão por pesquisadores e estudiosos do assunto. A homofobia é uma forma de preconceito ao homossexual, que se instaura na condição de inferioridade, anormalidade, baseado no domínio da lógica heteronormativa, como sendo padrão normativo.

Homofobia: como trabalhar o respeito e a diversidade sexual na escola

A homossexualidade é um tema bastante complexo a ser abordado. Em uma sociedade que não é formada apenas por heterossexuais, mas que é marcada pela característica heteronormativa das leis e culturas enraizadas do povo brasileiro.

Pela sua complexidade, é notório o desafio da família e da escola como parte educadora de um indivíduo. Tocar nesse assunto nas escolas deixa alguns pais e educadores receios. Mas que tal assunto é de suma importância, visto seu papel na sociedade, é de sorte que o tema seja tratado de forma delicada, pois a homossexualidade ainda é um tabu para muitos. Mas não pode estar fora de qualquer currículo escolar, para estabelecer e esclarecer informações e orientações. Sendo o primeiro passo para quebrar preconceito e a homofobia.

É desanimador observar possíveis mudanças a esse cenário, o congelamento da discussão vem desde 2011 com o veto governamental ao material anti-homofobia (ou então apelidado como o famoso “kit gay”) ao a qual alguns militantes enxergam como um retrocesso. Afinal o fim do problema depende de um longo processo de formação. Onde o começo dele é na escola, dos educadores e alunos. Onde nos indagamos com a seguinte reflexão: “Quantos docentes ainda acreditam que a homossexualidade é considerada uma doença?”. Tais mudanças sobre o tema são lentas, pois envolvem valores sociais e disputa política pela qualidade de educação em amplos aspectos.

Os termos homossexualidade e homossexual também poderiam ser questionados, pois, de acordo com os estudos sobre a sexualidade conduzidos pelo filósofo francês Michel Foucault (1988), somente no fim do século XIX é que os termos apareceram no discurso médico como formas patologizantes de se referir a experiências afetivo-sexuais entre pessoas do mesmo sexo.

A determinação da verdade do sexo é uma construção histórica e, portanto, relativa, estando a serviço do estabelecimento de relações de pode sobre os corpos e da regulação dos prazeres e costumes (Foucault, 1982).

A violência na escola não é um fenômeno atual, é algo que transcende a décadas. As agressões verbais, físicas, a descriminação e até o mas novo “ciberbullyng”, o que são situações comum no ambiente educacional e refletem o que a sociedade machista ainda estabelece como a norma, qual seja: o aluno branco, heterossexual, de classe media e de religião católica. Sendo o “padrão” aceito por nossa sociedade.

Na escola a homofobia se expressa por meio de agressões verbais e/ ou físicas a que estão sujeitos estudantes que resistem a se adequar à heteronormatividade, conceito criado pelo pesquisador americano Michael Warner (1993) para descrever a norma que toma a sexualidade heterossexual como norma universal e os discursos que descrevem a situação homossexual como desviante. No contexto educacional, o termo bullying tem sido utilizado para nomear a violência sofrida por alunos (as) no ambiente escolar, e o termo bullying homofóbico tem sido utilizado para nomear especificamente a violência sofrida por alunas (os) gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais.

É importante diferenciar que não há apenas uma violência, mas sim muitas existem a violência na escola e a violência da escola. Sabemos que o espaço escolar não é um local protegido, assim a violência que permeia a sociedade está na escola. Mas a escola não só é responsável por produzir a violência, mas também de produzi-la.

A socióloga Miriam Abramovay, costuma separar as duas em violências, a primeira, é a chamada violência dura, que é aquela que vem do tráfico dentro da escola, do aluno que leva uma arma, causa briga e até morte, a qual encontramos no código penal. Essa nos chama muita atenção, mas essa ainda não é o tipo de violência principal. É a microviolência que está no cotidiano dos estudantes, que é a agressão verbal, o preconceito, e em muitos casos a agressão física.

 

A escola é um lugar onde as relações pessoais são muito tensas, onde se estabelece inúmeros tipos de problemas, de contradições, de descobertas, e do próprio medo de ser quem é. Muitas vezes esse medo, leva a depressões e ao silêncio.

Esse silenciamento, que se traduz também na omissão quando aparecem os casos de violência física ou verbal sofrida por estudantes que expressam sua diferença sexual e de gênero, é compartilhado pelas (os) professoras (es) que evitam discutir o tema da diversidade sexual e de gênero nas escolas. A pesquisadora canadense Deborah Britzman descreve muito bem as fantasias envolvidas no medo de professores (as) em abordar o tema da diversidade sexual no espaço escolar:

(...) existe o medo de que a mera menção da homossexualidade vá encorajar práticas homossexuais e vá fazer com que os/as jovens se juntem às comunidades gays e lésbicas. A ideia é que as informações e as pessoas que as transmitem agem com a finalidade de “recrutar” jovens inocentes. (...) Também faz parte desse complexo mito a ansiedade de que qualquer pessoa que ofereça representações gays e lésbicas em termos simpáticos será provavelmente acusada ou de ser gay ou de promover uma sexualidade fora da lei. Em ambos os casos, o conhecimento e as pessoas são considerados perigosos, predatórios e contagiosos. (BRITZMAN, 1996, p. 79-80).

A questão da sexualidade é muito complicada, a escola não está preparada para lidar com o tema, e os alunos não estão preparados para não serem preconceituosos. Não podemos nos esquecer de que vivemos em uma sociedade machista. Então existe uma série de preconceitos, mas principalmente a homofobia. E ela ainda é escondida pela tolerância mascarada, o que é complicado. É ensinado que temos que ter tolerância, mas “tolerar é aguentar” e a relação das pessoas não pode ser a base de suportar.

Isso constitui um fator preocupante já que a escola, junto com a família e a mídia, constitui um forte agente na construção de parte significativa dos conceitos e preconceitos das novas gerações. E parte desses conceitos e preconceitos remete justamente às novas identidades sexuais e de gênero e aos novos modelos familiares que habitam o mundo contemporâneo. Guacira Louro nos lembra que:

A escola é, sem dúvida, um dos espaços mais difíceis para que alguém “assuma” sua condição de homossexual ou bissexual. Com a suposição de que só pode haver um tipo de desejo sexual e que esse tipo – inato a todos – deve ter como alvo um indivíduo do sexo oposto, a escola nega e ignora a homossexualidade (provavelmente nega porque ignora) e, desta forma, oferece poucas oportunidades para que adolescentes ou adultos assumam, sem culpa ou vergonha, seus desejos. O lugar do conhecimento mantém-se, com relação à sexualidade, o lugar do desconhecimento e da ignorância. (LOURO, 2000, p. 30).

Essa ignorância sobre o tema, assim como a presunção assumida por professoras (es) de que a escola só deva discutir assuntos universais, sendo somente a norma da heterossexualidade concebida como natural e universal, exclui a sexualidade de estudantes LGBTTs e faz com que a diversidade sexual e de gênero seja um tema excluído do currículo, mesmo das aulas de Educação Sexual.

Porém, como observa Britzman 1996:

“em vez de ver a questão da homossexualidade como sendo de interesse apenas para aquelas pessoas que são homossexuais, devemos considerar a forma como os discursos dominantes da heterossexualidade produzem seu próprio conjunto de ignorâncias tanto sobre a homossexualidade quanto sobre a heterossexualidade” (Britzman 1996, p. 92).

A dificuldade em falar sobre a diversidade sexual é também uma dificuldade de educadores e educadores em conhecer a própria sexualidade e suas múltiplas possibilidades de obter prazer. Questionar a sexualidade, seja ela hetero ou homossexual é entendê-la como uma construção em constante negociação com o outro e com o social e esse pode ser um passo fundamental para problematizar e pluralizar a sexualidade, compreendendo o processo que leva à formação das diversas identidades e desconstruir os pressupostos da heteronormatividade.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Diante do que foi exposto, vimos que precisamos de políticas publicas voltada para essa problemática. Não existe um quadro nacional sobre a violência nas escolas. Precisa que haja um quadro geral para que possa ter política publicas mais efetivas e de uma forma nacional.

Esse cenário de exclusão apela para que o tema da diversidade sexual e de gênero seja incluído no currículo de formação de novas professoras e professores para que possam futuramente desenvolver estratégias de resistência ao currículo heteronormativo.

A omissão e o silenciamento significam pactuar com a violência exercida contra estudantes gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais. A escola deve ser também um espaço de formação de cidadania e de respeito aos direitos humanos, assim as (os) docentes devem ser encorajados a assumir sua responsabilidade no combate a todas as formas de preconceitos e discriminação que permeiam o espaço escolar.

REFERÊNCIAS

BRITZMAN, Deborah. O que é esta coisa chamada amor: identidade homossexual, educação e currículo. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 21, n. 1, p. 71-96, jan/ jun 1996.

DINIS, Nilson Fernandes. Educação, relações de gênero e diversidade sexual. Educação & Sociedade, Campinas, v. 29, p. 477-492, maio/ago 2008.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pósestruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

DINIS, Nilson Fernandes. Educação, relações de gênero e diversidade sexual. Educação & Sociedade, Campinas, v. 29, p. 477-492, maio/ago 2008.

WARNER, Michael. Fear of a Queer Planet: queer politics and social theory. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1993.


Autores


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelas autoras. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0