4 CONCLUSÃO

Buscou-se, com a presente análise, apresentar os primórdios do SUS, as necessidades de sua criação e seu posterior desenvolvimento. A administração de um braço essencial do país que tem a função de salvaguardar o direito a saúde de milhões de pessoas, como o sistema de saúde brasileiro possui, requer não apenas formação profissional adequada, como se pode prever. Mais que isso: existe a necessidade de o gestor ou gerente criar condições para  a  realização  de  um  trabalho  reflexivo  e  crítico,  de  maneira  que  ele  mesmo  possa conceber uma dimensão real da importância e dos efeitos dos seus atos. Posto isso, o administrador também será capaz de promover, entre os colaboradores, semelhante efeito, e, consequentemente, a população, beneficiária direta do sistema, receberá frutos dessas mudanças.


REFERÊNCIAS

ALVES, Marilia; PENNA, Cláudia Maria de Mattos ;BRITO, Maria José Menezes. Perfil dos

Gerentes de Unidades Básicas de Saúde. Brasília(DF),2004.

AYRES, José Ricardo de Carvalho Mesquita; CARVALHO, Brígida Gimenez; PEDUZZI,      Marina. Concepções e tipologia de conflitos entre trabalhadores e gerentes no contextoda atenção básica no Sistema Único  de Saúde (SUS). Rio de Janeiro, 2014.

BRASIL (Ministério da Saúde). Norma Operacional Básica do Sistema Único de Saúde

NOB-SUS-93. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 1993.

CORREA, Gilson Luiz Borges. Gestão de Pessoas no Sistema Único de Saúde: o desafio da qualidade de vida no trabalho. Santa Catarina. Coleção Saúde Pública; Santa Catarina,

2010, volume 3.

DELUIZ, NEISE, O modelo das Competências Profissionais no Mundo do Trabalho e na Educação: Implicações para o Currículo – Boletim Técnico do SENAC, Rio de Janeiro, Volume 27, Número 3, Set/Dez 2001.

FERNANDES, Eda C. Qualidade de vida no trabalho: como medir para melhorar.2.ed. Salvador: Casa da Qualidade Edit. Ltda., 1996.

FRANÇA,   Tânia.   Análise   da   Política   de   Educação   Permanente   do   Sus(peps)

implementada pelas Secretarias Estaduais de Saúde(ses).Rio de Janeiro, 2016

MACHADO, M. H. Trabalhadores de saúde e sua trajetória na reforma sanitária. Cadernos RH Saúde, Brasília, DF, v.3, n.1, p.32-43, mar. 2006.

SARRETA, Fernanda de Oliveira. Educação permanente em saúde para os trabalhadores do SUS [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009. 248 p

VALDISSER,  Cássio  Raimundo.  Qualidade de vida  no  trabalho:  como  utilizá-  la  na superação dos problemas e dificuldades encontradas no ambiente de trabalho. Cadernos da FUCAMP, 2011. Acesso em: 11 nov. 2012.

VASCONCELOS, Anselmo Ferreira. Qualidade de vida no trabalho: origem, evolução e perspectivas. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, v. 8, 2001.

VISSANI, Amauri; REIS, Luciano; NOGUEIRA, Luciano. Qualidade de vida no trabalho. Poços de Caldas: PUCMG, 2002.

ALVIM, Neide Aparecida Titonelli; FIGUEIREDO, Paula Alvarenga de; SILVA, Denise Conceição da. Tecnologias leves em saúde e sua relação com o cuidado de enfermagem hospitalar. http://www.scielo.br/pdf/ean/v12n2/v12n2a14

AMORIM, DUTRA,  FISCHER, PIMENTEL, SILVA, VELOSO.  Gestão de carreiras e crescimento profissional. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-33902011000100008

BRASIL.   Ministério   da   Saúde.   Portaria   nº   278,   de   27   de   fevereiro   de   2014.

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt0278_27_02_2014.html.

BRASIL. Políticas de Formação e Desenvolvimento para o SUS: Caminhos para a educação permanente em saúde. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pol_formacao_desenv.pdf

BRASIL.              Portaria              399/06/MS.              Pacto              pela              Saúde.

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0399_22_02_2006.html.

BRASIL.   Ministério   da   Saúde.   Política   Nacional   de   Educação   Permanente   em Saúde.http://portal.anvisa.gov.br/documents/33856/396770/Pol%C3%ADtica+Nacional+de+ Educa%C3%A7%C3%A3o+Permanente+em+Sa%C3%BAde/c92db117-e170-45e7-9984-8a7cdb111faa

CONASS.       A       atenção       primária       e       as       Redes       de       atenção       à saúde.http://www.conass.org.br/biblioteca/a-atencao-primaria-e-as-redes-de-atencao-a-saude/

CONSENSUS. Atenção primária à saúde no Brasil: Os desafios para aprimorar a porta de entrada do SUS para os brasileiros.http://bvsms.saude.gov.br/bvs/periodicos/consensus35.pdf

CORRÊA, Gilson Luiz Borges. Gestão de Pessoas no Sistema Único de Saúde: o desafio da      qualidade      de      vida      no      trabalho.        http://gsp.cursoscad.ufsc.br/wp/wp- content/uploads/2013/02/Anais-GSP-Volume-3-Artigo-6.pdf

DAVINI. Maria Cristina. Enfoques, Problemas e Perspectivas na Educação Permanente dos Recursos Humanos de Saúde. http://portal.anvisa.gov.br/documents/33856/396770/Política+Nacional+de+Educação+Perma nente+em+Saúde/c92db117-e170-45e7-9984-8a7cdb111faa.

FIOCRUZ. Atenção básica. http://pensesus.fiocruz.br/atencao-basica

FIOCRUZ. Descentralização. http://pensesus.fiocruz.br/descentralizacao

FRANÇA, Tânia. Análise da política de educação permanente do SUS (PEPS) implementada pelas Secretarias Estaduais de Saúde (SES). http://www.obsnetims.org.br/uploaded/3_2_2016    0_Vol%20II_Relatorio_EPSUS_Cnpq_20

15.pdf

IF  SUDESTE  MG.  Projeto  pedagógico  de  curso  –  Curso  técnico  em  gerência  da saúde.http://www.riopomba.ifsudestemg.edu.br/portal/sites/default/files/arq_paginas/PPC%2

0Ger%C3%AAncia%20de%20Sa%C3%BAde.pdf

LACAZ. Francisco Antônio de Castro. Qualidade de vida no trabalho e saúde/doença.

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232000000100013

LUZ. FRANCYS MARY. Educação permanente em saúde (EPS): uma estratégia que possibilita transformações no processo de trabalho.https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/0499.pdf

MOLESINI. Joana Angélica; TEIXEIRA, Carmen Fontes. Gestão Municipal do SUS: Atribuições e responsabilidades do gestor do sistema e dos gerentes de unidades de saúde. http://inseer.ibict.br/rbsp/index.php/rbsp/article/view/983

NASCIMENTO.   Vânia   Barbosa   do.   SUS:   pacto   federativo   e   gestão   pública.

http://pesquisa.bvs.br/brasil/resource/pt/lil-616634

NETO, Júlio Strubing Müller; SCHRODER, Fátima Ticianel. Curso de desenvolvimento da gerência do SUS: Coletânea de textos. http://www.editora.ufmt.br/index.php?route=product/product&product_id=259

NOGUEIRA, Roberto Passos. O desenvolvimento federativo do SUS e as novas modalidades institucionais de gerência das unidades assistenciais. http://cebes.org.br/site/wp-content/uploads/2014/03/cap2_livro_cebes_gestao.pdf

RIBEIRO. Eliana Cláudia de Otero; Motta, José Inácio Jardim. Educação Permanente como Estratégia na Reorganização dos Serviços de Saúde. http://inesco.org.br/eventos/forum/docs/Ed%20Perm%20Eliana_In%C3% A1cio.pdf

RIBEIRO. Júlia Werneck; Rooke Juliana Maria Scoralick. Saneamento básico e sua relação com o meio ambiente e a saúde pública http://www.ufjf.br/analiseambiental/files/2009/11/TCCSaneamentoeSa%C3%BAde.pdf

TORQUILHO, Renato de Souza. O projeto GERUS: impactos gerenciais nas unidades básicas de saúde no município da Angra dos Reis. http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/3365

UNISINOS. Terror Fiscal e Desmonte do SUS: uma ameaça à democratização da saúde. http://www.ihu.unisinos.br/558939-terror-fiscal-e-desmonte-do-sus-uma-ameaca-a- democratizacao-da-saude


Autores


Informações sobre o texto

Artigo elaborado pelo Grupo de Estudos Extracurriculares de Direito Financeiro e Gestão em Saúde

Este texto foi publicado diretamente pelas autoras. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0