Símbolo do Jus.com.br Jus.com.br

Assédio e abusos em instituições militares

20/01/2018 às 13:06

O que fazer caso haja assédio recorrente em instituições militares contra estudante militar?

Instituições de ensino militares são ligadas às Forças Armadas ou à polícia de determinado Estado da Federação, com a finalidade de prestar o direito à educação, segundo as diretrizes da hierarquia e disciplina, que são a base institucional da carreira castrense. Nessas instituições, podem ocorrer abusos do poder hierárquico sobre aqueles que são estudantes ou aspirantes a ocupar determinada posição na hierarquia militar.

O assédio é caracterizado por comportamentos ofensivos, como ameaças, xingamentos, perseguição, exposição a situações humilhantes e/ou degradantes, entre outras exposições capazes de abalar a integridade física ou psíquica do estudante. Situações de assédio físico ou moral são ilegais e devem ser denunciadas. O Estado brasileiro deve ser responsabilizado pelos danos praticados por seus agentes, nascendo o direito à indenização.

Embora o respeito absoluto às regras também seja uma marca da organização militar, é preciso atentar-se sobre seu grau de razoabilidade, uma vez que pode haver certa exacerbação da atividade regulatória. Além disso, a principal lei sobre os militares, o Estatuto dos Militares (Lei n. 6.880/80), foi editada durante a ditadura militar, de modo que seus dispositivos e regulamentos que dela extraiam validade podem ser questionados frente à democrática Constituição Federal de 1988.

O que fazer caso tenha sido vítima de assédio?

  • Busque apoio de colegas e procure ajuda de profissionais da psicologia;
  • Junte provas documentais e testemunhais que comprovem sua condição para ingressar com pedido judicial de indenização para responsabilização do Estado;
  • As provas coletadas também devem ser encaminhadas para o setor competente, a fim de que o agente assediador sofra sanções administrativas em razão de sua conduta. É importante denunciá-lo, também, para evitar que a prática continue a ocorrer.

Não deixe de ir atrás de seus direitos. A legislação e a jurisprudência garantem o direito à indenização a vítimas de assédio em instituições militares, especialmente daqueles cujos danos levaram a interromper o curso e sua carreira profissional. Confira precedente judicial abaixo:

ADMINISTRATIVO E CIVIL. MILITAR TEMPORÁRIO DAS FORÇAS ARMADAS. DIREITO À REFORMA POR INVALIDEZ (ESQUIZOFRENIA PARANÓIDE E TRAUMATISMO DO NERVO RADIAL AO NÍVEL DO ANTEBRAÇO DIREITO). INCAPACIDADE DEFINITIVA COMPROVADA. LEI Nº 6.880/80. ASSÉDIO MORAL E FALHA NA ASSISTÊNCIA MÉDICA. RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO. DEVER DE INDENIZAR. CABIMENTO. 1. Sentença que julgou procedente o pedido Autoral, objetivando a anulação do ato administrativo que o licenciou dos quadros do Exército e, consequentemente, a sua reintegração ao serviço militar, com posterior reforma por invalidez, cumulada com o pagamento da indenização por danos morais, fixada em R$ 70.000,00 (setenta mil reais). 2. A prova pericial concluiu pela incapacidade do Autor/Apelado para qualquer atividade laborativa, uma vez que diagnosticado como portador de Esquizofrenia Paranóide (CID 10 F20.0 -diagnóstico principal) e de Traumatismo do Nervo Radial ao nível do antebraço direito (CID 10 S54.2 – diagnóstico secundário), tendo sofrido alteração considerável de sua personalidade. 3. As provas colhidas nos autos foram contundentes no sentido de caracterizar a ocorrência do assédio moral alegado, não se tratando a hipótese aqui apreciada de mera interferência do superior hierárquico no exercício das atribuições funcionais do autor. Ao contrário, o que ocorreu no caso em tela foi a dispensa de tratamento ofensivo e incompatível com a dignidade humana do Autor/Apelado, pessoa jovem e com personalidade ainda em formação, notadamente mais suscetível a este tipo de violência psicológica, existindo perfeita subsunção dos fatos à definição do ato administrativo ilícito caracterizado como assédio moral. 4. Portanto, ressai evidente o dever de indenizar, uma vez que restou caracterizado o nexo de causalidade entre as condutas omissivas e comissivas praticadas pela Administração e os danos experimentados pelo autor. 5. No que concerne ao valor da indenização, a teor do que dispõe o art. 944 do Código Civil, a sua fixação deve atender à sua função eminentemente compensatória, em razão do dano ocorrido, e não pedagógica (punitiva ou preventiva), em face do ato ilícito praticado. Assim, a indenização deve ser fixada equitativamente, de forma criteriosa e proporcional ao dano, evitando uma liquidação incapaz de promover a reparação pelo prejuízo experimentado ou mesmo que constitua um enriquecimento sem causa da parte autora. 6. Oportuno, então, que sejam destacadas as severas consequências do assédio moral sofrido pelo Autor/Apelado, tanto profissionais, como pessoais, pois teve sua saúde permanentemente abalada, uma carreira profissional promissora prematuramente interrompida, seu casamento desfeito, dependendo atualmente de cuidados dispensados por familiares (tendo inclusive voltado a residir com sua genitora), encontrando-se definitivamente incapaz para o desempenho de atividades militares e inválido para o exercício de atividades laborativas civis. 7. O assédio moral e a ausência de funcionamento do serviço médico causaram-lhe constrangimentos à sua honra objetiva e subjetiva, as quais, por si só, ensejariam indenização no mesmo patamar fixado pelo Superior Tribunal de Justiça de R$ 10.000,00 (dez mil reais) para compensar esses transtornos. 8. No entanto, além dos danos à imagem e à auto-estima, houve também danos irreversíveis à sua saúde, cuja gravidade sentenciou o jovem Autor/Apelado ao fim prematuro de sua vida profissional, de sua vida social e de sua vida afetiva, razão pela qual se deve manter o valor de R$ 70.000,00 (setenta mil reais), tal como consignado na sentença. 9. Apelação e Remessa Necessária, tida por interposta, improvidas. (TRF 5, Processo nº 0000002-98.2010.4.05.8000)

Webstories
Assuntos relacionados
Sobre a autora
Alynne Nayara Ferreira Nunes

Advogada especializada em Direito Educacional e fundadora do escritório Ferreira Nunes Advocacia. Mestre em Direito pela FGV Direito SP. Acesse: ferreiranunesadvocacia.com.br.

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Mais informações

Publicado originalmente em: http://ferreiranunesadvocacia.com.br/assedio-e-abusos-em-instituicoes-militares/.

Publique seus artigos Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!
Publique seus artigos