Versa o presente artigo científico em que se visualiza o funcionamento de ressocialização propugnado pelas Associações de Proteção e Assistência ao Condenado (APACs).

Introdução

Não de hoje, sabemos que o método tradicional de Execução de Pena, além de ser mais elevado o custo de sua manutenção, é um sistema prisional visivelmente dilacerado, não constituindo nenhuma condição de recuperar o detento, ora que apenas a prisão ou seja, manter o condenado isolado sem outro objetivo (punição) não faz regra ao condizente na Constituição Cidadã.

Desta monta, foi traçado uma linha comparativa entre os sistemas penais tradicionais e a o método APAC.

Não se pretende olvida-se, da necessidade de realizar um estudo aprofundado acerca da realidade carcerária e do trabalho no sistema tradicional.

Todavia, o intuito é de  fomentar os novos métodos de execução tanto o Apaqueano (APAC) como os de restrição de direitos e uso de tornozeleiras, sendo cada vez mais exigido dos operadores de direito, profundo conhecimento para que a pena tenha em si a sua finalidade: Ressocialização.

DESENVOLVIMENTO

Dentro do sistema prisional comum, o apenado sofre danos diretos, muitos destes impossíveis de se reparar, fazendo com que o preso não se recupere naquele presídio, ou pior que isso, saia degenerado pelas experiências ali dentro vividas.

Neste aspecto a situação de delinquência do apenado, inclusive seu modo moral ou ético, possui alta tendência de se agravar, ao se levar em conta a forma de convivência com a sociedade/ausência, bem como com sua família.

Conforme destaca Chapman (apud Thompson 2002, p.12):

Na vida civil, o cidadão é geralmente membro de uma família, de um grupo laboral, de um grupo de vizinhança, de uma comunidade local, que apresentam grande variação de interesses grupais, uma variação completa de idade e uma variedade infinita de ligações sociais. A maioria dos adultos tem relações sócio-sexuais, de um padrão permanente, contínuos e usualmente, heterossexuais. Na prisão, em contraste, as relações sociais são temporárias (pela duração da sentença) e compulsórias (geralmente baseadas na residência de uma cela, bloco de celas ou pátio e no local de trabalho, embora em algumas prisões os interesses grupais possam desenvolver-se). A variação de idade é estreita e as relações sexuais são, exclusivamente homossexuais.

A sociedade civil, em sua relação social e trabalhista tem por base o lucro, ocupações com a inteiração da comunidade bem como a educação.

No sistema de Execução de pena comum, não encontramos estes pilares de interação humana. Vemos que o modo ordenado nas prisões, em nada tem a acrescentar como forma de contribuição à melhora do cidadão.

De forma muita adversa ao que se espera o isolamento sem o respeito à dignidade da pessoa humana, gera uma verdadeira angústia que se traduzirá em ódio.

Ademais,  ainda, temos a chamada escola do crime, quer seja pela ausência do Estado nos moldes necessários a ressocialização ou pela forma da sociedade encarar o apenado.

Além deste isolamento, forma-se um grave atrito entre detentos e carcereiros. Ao passo que os carcereiros consideram os que ali estão encarcerados como pessoas más, e até de certa forma indigna, os presos julgam ser os carcereiros prepotentes e dominadores.

Tanto a LEP (Lei de Execução Penal) e a Constituição Federal possuem o valor social do trabalho como uma das bases do Estado Democrático de Direito. Esta base no âmbito de execução penal, é coroado pelo teor do art. 28, da Lei nº

7.210 que institui o trabalho do apenado, como dever social e condição de dignidade humana.

Buscou o legislador alcançar a  finalidade do binômio educativo e satisfativo. Por conseguinte, reafirma-se o caráter dúplice do trabalho em cárcere, o qual se apresenta como direito-dever.

Vejamos o que diz a lei de Execução sobre o tema, extraindo e interpretando-se de maneira ampla o art. 31 da LEP.

 Art. 31. O condenado à pena privativa de liberdade está obrigado ao trabalho na medida de suas aptidões e capacidade.

Parágrafo único. Para o preso provisório, o trabalho não é obrigatório e só poderá ser executado no interior do estabelecimento.

Ressalta-se ademais a relação intrínseca entre os princípios constitucionais da dignidade da pessoa humana e do valor social do trabalho que são fundamentos da República, não podendo ser concebidos em separado.

Frise-se que a pena restritiva de liberdade não implica na perda de direitos eleitorais, e sim sua suspensão, muito menos a perda da capacidade civil ou ainda a possibilidade de trabalho, sendo-lhe assegurados todos os direitos não atingidos pela sentença ou pela lei.

Mister ainda trazer à baila “[...] a referida norma processual penal não realiza distinção entre o que seja atividade em sentido estrito e trabalho”. (MARTINEZ, 2012, p.106), tratando ambas as situações mediante a designação trabalho, causando confusões de conteúdo e tratamento.

Neste diapasão temos “[...] há casos em que o prisioneiro teria efetivamente o status de trabalhador, merecendo, como tal, toda a proteção que o sistema constitucional a quem realiza atividade com valor de troca” (MARTINEZ, 2012, p.106).

Assim aduz, no mesmo sentido inclusive a jurisprudência:

“O serviço prestado pelos condenados é um “dever social” decorrente da “relação institucional entre o condenado e o Estado” (RR - 101500-39.2007.5.06.0013, Relator Ministro: Horácio Raymundo de Senna Pires Data de Julgamento: 08/09/2010, 3ª Turma, Data de Publicação: 17/09/2010). Tribunal Superior Do Trabalho.

Lado outro, ainda resiste o ranço na sociedade brasileira, de uma série de preconceitos coligados que a pena privativa de liberdade deve ter finalidade exclusivamente punitiva.

Esta forma pela qual se apresenta a equação execução penal e a sociedade, é um desfavor total ao desenvolvimento do apenado tanto em relação ao trabalho tanto pela maneira que o apenado deva se portar novamente em público com valores éticos.

O Método Apac teve seu início através de um grupo de voluntários, onde Dr. Mário Ottoboni, por volta de 1972 em São José dos Campos – SP, juntamente com outros voluntários cristãos passou a frequentar o Presídio de Humaitá, situado no centro da cidade, com o objetivo de evangelizar e dar apoio moral aos presos.

Inicialmente denominado “Amando o Próximo Amarás a Cristo – APAC”, baseava-se na observação dos presos, dos seus anseios, aliado com o objetivo de diminuir os constantes problemas da cidade, e problemas de superlotação da comunidade carcerária, uma vez que a grande parte dos habitantes da cidade vivia com medo, fruto das constantes fugas, rebeliões e violências verificadas naquele estabelecimento prisional.

O grupo não tinha nenhuma experiência com o mundo do crime, das drogas ou mesmo das prisões, mas vagarosamente conseguiu vencer as barreiras que surgiam no caminho.

Em 15 de outubro de 1974 o referido grupo, que constituía uma Pastoral Penitenciária, criou a primeira Associação de Proteção e Assistência ao Condenado – APAC com personalidade jurídica, mecanismo este, que tem por objetivo a recuperação de presos.

O Método Apaqueano baseia-se em pilares cuja aplicação coordenada e incisiva assegura a efetividade do processo de ressocializar o reeducando, sendo; participação da sociedade, assistência mútua, trabalho, religião, assistência jurídica e saúde, valorização da pessoa humana, família, voluntariado, o espaço onde funcionará o Centro de Reintegração Social, a situação individual (mérito).

Aduz muito bem a Eminente Desembargadora Jane Silva do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, ao traçar linhas das principais diferenças entre o Método APAC e o comum.

Vejamos:

“[...] recuperando ajudando recuperando”. Consoante Luiz Carlos Rezende e Santos essa divisão de tarefas “[...] contribui para a harmonia do estabelecimento, partilhando as responsabilidades para o alcance das propostas com os próprios beneficiados” (MINAS GERAIS, 2011, p.44).

O trabalho, por seu turno, é instrumento de resgate da autoestima e da dignidade do condenado, à medida que promove a capacitação profissional e assegura condições de reinserção ao meio social.

Não se tarda ainda em dizer que a religião, ou seja, a assistência religiosa, permite ao condenado religar-se a Deus e repensar o que o fez chegar àquela situação. Contudo “[...] a religião, isoladamente, não será capaz de preencher a necessidade do recuperando, e muito menos sua lacuna espiritual” (MINAS GERAIS, 2011, p.44).

Não raras ocasiões diversas palestras profissionalizantes ou de motivação são realizadas dentro das APACs.

Desta sorte a valorização humana reúne ações assistenciais que convergem para a recuperação da autoestima e da autoimagem dos apenados.

Ter um elo com lado de fora contribui de sobremodo para alimentar as esperanças do preso em relação ao seu retorno à vida em sociedade, aí reside a relevância da família.

Destarte, o Centro de Reintegração Social (CRS) corresponde à sede física onde funcionará a APAC, o qual deverá conter condições sanitárias e higiênicas para o tratamento humanitário dos presos. Por fim, emerge a Jornada de libertação um evento de cunho religioso “[...] fundamental para a reflexão espiritual do recuperando” (MINAS GERAIS, 2011, p.52).

Não é possível se descurar dos demais elementos, uma vez que para que a ressocialização seja efetiva, é imperioso que haja uma aplicação coordenada e incisiva de todos eles.

O trabalho sendo de suma importância para o método é parte do dia a dia para manter os reeducandos em atividade constante. Quer seja de forma remunerada, com artesanatos ou trabalhos em empresas, ou pelos próprios trabalhos internos, como o de cozinhar, limpar, lavar.

De forma que, pelo trabalho interno,  o Método APAC trás imensa economia para o Estado, cerca de 1/3 do valor efetivo em no sistema prisional comum.

Tal elemento não logra êxito se não houver uma concatenação aos deveres de cuidado, assistência social e educacional. Consoante Mário Ottoboni:

[...] é fundamental ensinar o recuperando a viver em comunidade, a acudir o irmão que está doente, a ajudar os mais idosos e, quando for o caso, a prestar o atendimento no corredor do presídio, na copa, na cantina, na farmácia, na secretaria etc. (OTTOBONI, 2006, p.67).

Ainda citando o DR. Ottoboni, o regime fechado é o momento ideal para o trabalho atuar como fator de recuperação da autoestima e dos valores do apenado. Nesta fase inicial do cumprimento da pena, o método APAC preconiza a utilização da laboraterapia através da realização de trabalhos artesanais (OTTOBONI, 2001, p. 71).

Partindo da afirmação de que a grande maioria da população carcerária não teve oportunidade de exercer atividade lícita regular (ARAÚJO, 2011), depreende-se que a metodologia APAC promove entre os recuperandos a chance de vivenciar um aspecto comum da conjectura social: o trabalho honesto.

Por demais, citando os primórdios da teoria da pena, o trabalho, quando não compulsório, ocupa a mente do recuperando, diminuindo a ansiedade e torna-o menos propenso a pensamentos vingativos ou de fuga (FOUCAULT, 2010, p. 116-120), o que traz serenidade ao cumprimento da pena.

Conforme esclarece Vasconcellos, o estigma de ex-detento, aliado à baixa escolaridade e a não qualificação da mão-de-obra, são os principais fatores que dificultam a reinserção do egresso no mercado de trabalho, e, como consequência, na sociedade como um todo (VASCONCELLOS, 2007).

Os dados estatísticos elucidam o paralelo entra a qualificação/especialização da mão-de-obra carcerária e os baixos índices de reincidência existentes no método apaqueana.

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ), e ainda disponibilizado no Tribunal de Justiça Mineiro, trás o índice de reincidência criminal no sistema comum, cerca de 70%, ao passo que em relação aos recuperandos do método APAC, o índice de reincidência é algo em torno de 15%.

Deste modo, resta claro que a metodologia apaqueana é uma alternativa ao sistema prisional comum mais econômica e eficiente, visto que emprega melhor a

força de trabalho dos recuperandos, o que, ao mesmo tempo, contribui para o processo de ressocialização e diminui gastos.

No âmbito do Estado de Minas Gerais, a metodologia foi disseminada em diversas comarcas desde a implantação do Projeto Nova Rumos, e atualmente dezenas de unidades APAC são mantidas por convênio pelo Estado de Minas

Gerais. Em tais unidades, o custo de um reeducando custa aos cofres mineiros 1/3 (um terço) do valor que seria gasto para manutenção do preso no sistema comum, conforme alhures.

Conclusões

O método APAC, embora ainda pouco utilizados queira seja pelos fins financeiros onde se necessita investimento do Estado, sobre Modo para criação do Espaço próprio, tem se mostrado um método adequado e de sucesso para a ressocialização dos apenados.

Seguindo este raciocínio, apenas no Estado de Minas Gerais temos, através do Programa Novos Rumos do Tribunal Mineiros 88 Centros de Reeducação, alguns premiados como a APAC de Perdões/MG. Notório que o ideal então, tendo em vista o baixo índice de reincidência criminal em relação ao método tradicional, que possamos expandir não somente em vias judiciária mas também a efetiva participação do sociedade.

Precisamos desta sorte, reconhecer, que o método apaqueano constitui além de alto índice de ressocialização, que o reeducando possa atuar efetivamente na sua pena, com seu trabalho e ainda ter seus direitos reconhecidos de fato e não apenas de direito, visto que possuem acompanhamento jurídico, da família, compartilhando assim uma verdadeira nova chance para o apenado.

O preso olha para o cidadão voluntário com a percepção de que aquele voluntário quer ajudá-lo gratuitamente, acreditando que aquele momento que está sendo vivido pelo detento é passageiro, transitório, até que venha a descobrir seus próprios valores, porque acredita que todo ser humano nasceu para ser feliz.

Forçoso ainda reconhecer que os pilares balizadores do método APAC, são obrigatórios para o sucesso da ressoalização, ainda de suma importância o próprio desejo de mudança do apenado e do trabalho como medida fundamental dos Centros de Reeducação.

Não podemos ainda, olvidar, dos demais métodos hoje aplicados para a execução da pena como as tornozeleiras eletrônicas e medidas de restrições como prisão domiciliar, prestações de serviços à comunidade entre outras. Todas as novas formas de se executar a pena, desafogando o grande número de apenados no Sistema Tradicional de Execução de Pena.

REFERÊNCIAS

ARAÚJO, Neli Trindade da Silva de. Trabalho penitenciário: um dever e um direito. Revista Jus Navigandi, Teresina, ano 16, n. 3073. Novembro de 2011.

FOUCAULT,   Michel. Vigiar   e  punir: história   da   violência   nas   prisões.   21                     ed. Petrópolis: Vozes, 1987.

MARTINEZ, Luciano. Curso de direito do trabalho: Relações individuais, sindicais e coletivas do trabalho. 3. Ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

MINAS GERAIS, Tribunal de Justiça. A execução penal à luz do método APAC. Organizadora: Desembargadora Jane Ribeiro Silva. Belo Horizonte: Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais, 2011.

OTTOBONI,   Mário. Vamos   matar   o   criminoso?   Método   APAC.   São                                Paulo: Paulinas, 2001.

________; FERREIRA, Valdeci Antônio. Parceiros da ressurreição: jornada de libertação e curso intensivo de conhecimento e aperfeiçoamento do Método APAC. São Paulo: Paulinas, 2004.

THOMPSON, John B. 1995. O escândalo político: poder e visibilidade na era da mídia. Tradução de P.A.Guareschi. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes.

VASCONCELLOS, Fernanda Bestetti de. Trabalho prisional e reinserção social: função ideal e realidade prática. Revista Sociologia Jurídica. N.5 Julho/dezembro de 2007.

SÍTIOS ELETRÔNICOS

www.apacperdoes.com.br. Acesso em: 22 de maio de 2018, às: 10h31minmin.

www.cnj.jus.br. Acesso em: 22 de Maio de 2015, às: 16h45min.

www.tjmg.jus.br


Autor

  • Alexandre Marques Lisboa Arantes

    Oficial do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, Bacharel em Direito e Técnico em Administração. Especialista em Direito Penal pela Universidade Cândido Mendes e em Gestão Judiciária pela Universidade Nacional de Brasília em parceria com a Escola Judicial Edésio Fernandes do TJMG. É orientador em monografias e Consultor da UCAMPROMINAS em cursos regulares de Pós Graduações. Palestrante em Direito do Consumidor, e de Cenário Político-Financeiro Nacional.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0