3 CONCLUSÕES           

Como se propôs neste estudo, analisar como o euro, moeda única utilizada por Estados-membros, tem conseguido atingir seus objetivos propostos pela União Europeia, desde sua criação até os dias atuais, nos aspectos econômicos e sociais, diante da crise na identidade coletiva que assola a Europa, resulta em alguns pontos necessários às conclusões advindas das interpretações da doutrina e legislação que fundamentaram o estudo.

Desde o início, o estudo veio mostrando que o fenômeno da globalização deu ensejo ao estreitamento de laços entre países no sentido de melhorar suas relações comerciais, econômicas e diplomáticas e também a condição de melhor qualidade de vida para as populações.  Porém, é evidente que essa nova ordem mundial aconteceu esculpida no capitalismo, nascido na Revolução Industrial como pano de fundo para a evolução industrial e para as relações entre os países até à atualidade. Pouco se pensou na sociedade visando ao seu todo. Somente contou a valor do capital e este cresceu como se vê hoje nas relações entre os países

O resultado do crescimento e evolução industrial e tecnológica, no período posterior à Segunda Guerra Mundial, fim da “guerra fria”, dentre outros acontecimentos mundiais marcantes já mencionados neste trabalho, levaram os países a se unirem para recuperarem suas economias deterioradas pela destruição das duas grandes guerras e dos conflitos entre nações.

Assim, situaram-se as bases onde foram edificadas as ideias para que o mundo se unisse em blocos econômicos como a ALCA, MERCUSUL, NAFTA, dentre outros, e a União Europeia, mais vinculada à proposta deste estudo. Essas uniões se deram em razão dos Estados-membros apresentarem interesses comuns, e se interessarem em estreitar relações econômicas e sociais.

Todavia, as relações econômicas sobrepuseram as sociais, gerando inúmeros problemas, pois no caso da formação da União Europeia, o que foi anunciado em tratados como de Paris, de Roma e Tratado da União Europeia, firmado em Maastricht em 1997, Tratado de Amsterdam e o Tratado de Nice, em 2001, viu-se, em parte, e durante algum tempo, que alterações e adaptações para acompanhar a evolução das sociedades e atender seus anseios e necessidades, se projetaram como positivas. Entretanto o que se vê hoje é a falta de cumprimento de propostas especialmente no que tange à democracia do bloco.  

A doutrina consultada mostrou que as bases constitutivas da União Europeia são os tratados que, no caso do Tratado da União Europeia, resultou em decisões voltadas para a política exterior, para os direitos comuns, para a cooperação entre os povos, dentre tantos outros dispositivos, principalmente para que se promovesse uma união econômica e monetária, juntamente a uma unidade econômica, ou seja, uma moeda única, no sentido de promover mais risqueza e paz, propiciando uma vida melhor para os cidadãos.

As ideias iniciais dos tratados se fundamentaram na formação de uma parceria de fins puramente econômicos, e com o tempo, se estenderam para as esferas políticas e dessa forma, buscou-se entre os Estados Membros promover uma sólida interdependência. Assim, os países, desde a metade do século passado, até a crise mundial, viveram períodos de cooperação econômica, pois o extenso mercado único que se formou e diante do potencial que o bçoco adquiriu, moeda única cumpriu sua finalidade.

Isso fez com que a União Europeia se transformasse  no maior bloco econômico do Planeta e, nas mesmas proporções, começou também a enfrentar inúmeros desafios, pois, na atualidade, não se luta apenas pela integração dos países membros da UE,  luta-se para ajudar a vencer as dificuldades dos países que mais  sofreram com a a crise financeira, como a Grécia, a Irlanda, Portugal e Itália, pois se um Estado-Membro  da UE entra em crise, o efeito para  os outros é certamente negativo, pois são elos que se desfazem e compromete-se o todo.

Além do mais, luta-se ainda com problemas de imigração, do terrorismo e uma crise ainda mais complexa de identidade europeia, resultante de influências seculares, que tornam mais difíceis os enfretamentos por parte da União Europeia. Um continente já marcado por tantas guerras, tem hoje uma realidade que se contrapõe aos objetivos que foram tão bem delineados no passado, de promover o progresso econômico, estabelecer a sua identidade a nível internacional, dentre outras metas, com a criação de uma moeda única. Sua meta de proprocionar vantagens entre os paises partícipes e principalmente colocar fim aos custos cambiais e à flutuação das taxas de câmbio, concorrendo sobretudo com o dólar, em meio a todo esse amaranhado de problemas, apresta-se abalada com suas finalidades incertas, em decorrência da predominância de países de maior competitividade e condições de enfrentar a crise e não contribuírem para ajudar a amenizar os problemas dos demais.

Assim, o quadro que se desenha hoje sobre a União Europeia e a utilização do euro, é de um prognóstico incerto, de dificuldades dos países em crise para solucionar seus problemas. “A união de Países democráticos que delegam parte de sua soberania a instituições comuns, com o objetivo de obter prosperidade unindo interesses econômicos, políticos e sociais, e perseguindo a paz duradoura do continente ” não vem se revelando com competência suficiente para as questões que envolvem o todo.

Porém, há possibilidades da Europa voltar a promover uma cooperação econômica e monetária entre todos os países sem exclusões ou preferências, buscando em conjunto com a sociedade a solução dos problemas sociais e econômicos.

Pode-se, finalmente ressaltar que o euro precisa estar à altura de todos, países e cidadãos que a ele aderiram, e tornar-se vantajoso para todos os Estados-membros, pois sua contribuição é relevante para a economia e sistema financeiro europeu. E, para equilibrar a economia e as finanças dos países em crise, com igualdade de direitos, e seguir as determinações a que se propõe, será a União Europeia o centro democrático de decisões e soluções. E com a participação igualitária de todos os Estados-membros, cultivando a mentalidade de verdadeira união, no seu verdadeiro sentido democrático, poderá atingir os objetivos de promover o progresso não só econômico, mas também social e cultural de todos os povos europeus num mesmo ideal comum.

A falta de democracia comprovada pelas decisões sobre as políticas adotadas que partiram de órgãos executivos, com pouco ou nenhum interesse pelos países do Sul da Europa, os episódios que hoje testemunhamos, privilegiaram uns países em detrimento de outros, o que contribuiu para levar a Europa quase a um colapso.

Foram muitos os problemas visualizados neste estudo, não só de ordem econômica ou financeira. Muitas décadas foram necessárias para a construção da União Europeia, um bloco econômico com uma moeda única que deu certo por um lado, mas que falhou ao deixar de cumprir seus objetivos. Todavia,  poderá se recuperar e levar todos os países a voltar a ter a confiança que, de início, foi se conquistando, e chegou  a 27 Estados-membros.

Encerrando este estudo, registremos as anotações sábias de Joseph E. Stiglitz:  “O euro pode e deve ser salvo - mas não a qualquer custo. Não a custa de recessões e depressões econômicas que tem afligido a Zona Euro, dos elevados níveis de desemprego, das vidas arruinadas e das aspirações aniquiladas. Poder-se-á ainda criar uma Zona Euro que funcione, que promova a prosperidade e alguns avanços na causa da integração Europeia. A casa de recuperação que a Europa se encontra é insustentável: terá que existir “mais Europa” ou “menos”; terá que existir maior integração econômica e política ou a dissolução da Zona Euro, tal como ela está atualmente constituída”.

E podemos complementar e afirmar que se forem feitas as mudanças necessárias e adequadas, privilegindo todos os Estados-membros, sem distinções, cautelosos com políticas de austeridade, para que não prejudiquem a vida do cidadão, e, principalmente com democracia, o Euro dará certo para todos e atenderá à finalidade a que se propôs quando foi criado.


REFERÊNCIAS

ALMEIDA, P.R. de. Mercosul: fundamentos e perspectivas. São Paulo: Ltr, 2008.

ALVES, R.H.R.R. O Futuro da União Europeia: Organização Económica e Política no Contexto dos Desafios Pós-Euro. (Doutoramento em Economia). (Porto) Faculdade de Economia da Universidade do Porto. 2008. 284 p.

BALDIN, S.A.V. O Desenvolvimento do Mercosul junto aos blocos econômicos. 2011. Disponível em: http://www.unilago.edu.br/publicacao/edicaoanterior/Sumario /2011/ downloads/ 5.pdf. Acesso em: 2 jul. 2017.

BANCO CENTRAL EUROPEU. EUROSISTEMA. Mapa da área do euro 1999 – 2015. Disponível em: https://www.ecb.europa.eu/euro/intro/html/map.pt.html. Acesso em: 10 jul. 2017.

BEÇAK, P. MERCOSUL: uma experiência de integração regional. São Paulo: Contexto, 2000.

BELLAMY, R. The Eurozone Crisis, Social Justice and the Democratic Deficit‘. In: BELLAMY, R. ; STAIGER, U.  The Eurozone Crisis and the Democratic Deficit, UCL European Institute Working Papers, 2014.

BRASIL. CONGRESSO NACIONAL. Comissão Parlamentar conjunta do Mercosul. representação brasileira. Disponível em: http://www.camara.leg.br/mercosul/blocos/ introd.htm. Acesso em: 22 jul. 2017.

CAETANO, J. ; FERREIRA, P. Desafios para uma nova governação na Zona Euro. DEBATER A EUROPA Periódico do CIEDA e do CEIS20, em parceria com GPE e a RCE. n.16 jan./jun., 2017.

CAETANO, J.; SOUSA, M. A herança de Maastricht: das suas condicionantes às perspectivas de sustentabilidade da UEM a longo prazo. Debater a Europa, 2012.  

CAMPOS, J.M. de; CAMPOS, J.L.M. de; PEREIRA, A.P. Manual De Direito Europeu, Coimbra: Coimbra Editora SA, fev. 2014.

CARVALHO, P. N.; SENHORAS, E. M. Os dez anos do Euro: passado de orgulho, futuro de incertezas. Meridiano 47 n. 108, jul. 2009.

COMISSÃO EUROPEIA. Compreender as políticas da União Europeia: como funciona a União Europeia. 2014. Disponível em: <http://europa.eu/!JF89wH> Acesso em: 22 jul. 2017.

COMISSÃO EUROPÉIA. El funcionamiento de la Uniõn Europea. Disponível em: http://www.europarl.europa.eu/atyourservice/es/displayFtu.html?ftuId=theme1.html. Acesso em: 27 jul. 2017.  p. 11.

COMISSÃO EUROPEIA. Robert Schuman: o arquiteto do projeto de integração europeia. Disponível em: https://europa.eu/european-union/sites/europaeu/files/docs/body/robert_ schuman_ pt.pdf. Acesso em; 2 jul. 2017.

COMISSÃO EUROPEIA. Uma Moeda Para a Europa O Caminho Para o Euro. 2015. Disponível em: <https://bookshop.europa.eu/pt/uma-moeda-para-a-europa-pbKC0614058/> último cesso em 10 de Dezembro de 2016.

CONSELHO EUROPEU. Conselho da União Europeia. Disponível em: http://www.consilium.europa.eu/pt/policies/fight-against-terrorism/. Acesso em: 4 de jul. 2017.

CONSELHO EUROPEU-CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Condições para a integração na área do euro: critérios de convergência. Disponível em: http://www.consilium.europa.eu/pt/policies/joining-euro-area/convergence-criteria/. Acesso em: 26 de jul. 2017.

CRISE portuguesa, crise europeia. Estadao.com.br, 25 de março de 2011. Disponível em: <http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,crise-portuguesa-crise-europeia, 696964,0.htm> Acesso em: 23 mai. 2012.

CUNHA, P. de P. A integração europeia no mundo globalizado. 2007. Disponível em: https://portal.oa.pt/comunicacao/publicacoes/revista/ano-2007/ano-67-vol-i-jan-2007/doutrina/paulo-de-pitta-e-cunha-a-integracao-europeia-no-mundo-globalizado/. Acesso em: 28 jul. 2017.

ENTENDA a crise na Grécia. BBC Brasil, 06 de maio de 2010. Disponível em:<http://www. bbc.co.uk/portuguese/noticias/2010/04/100428_entendagrecia_ba.shtml> Acesso em: 13 fev. .2017.

ERNST, K.P. O Processo De Integração Europeu E Seus Desafios Contemporâneos. Encontro Estudantil regional de Relações Internacioanais. Universidade De Sanata Cruz do Sul. 2017.

GARCIA, F.B. Breves considerações sobre a união européia. Revista Eletrônica Direito e Política, Itajaí, v.2, n.2, ago./out. 2007.

GOMES, E.B.. Blocos Econômicos: solução de controvérsias. Curitiba: Juruá, 2010

GONÇALVES, J.R. O EURO E O Futuro de Portugal e da União Europeia, Wolters Kluwer Portugal. Coimbra: Coimbra, 2010.

HENRIQUES, A.B.L. Democracia e União Europeia: a resposta à crise da zona do Euro e odéficit democrático. 2008 a 2014. Disponível em: http://posgraduacao.uepb.edu.br/ppgri/files/ 2012/02/DISSERTA% C3%87%C3%83O-Anna-Beatriz-Leite-Henriques-1.pdf.  Acesso  em: 12 jun. 2017.

IANNI, O. Teorias da Globalização. 5. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

LIMA, V. S. Imigração na União Europeia: uma leitura crítica a partir do nexo entre securitização, cidadania e identidade transnacional. Campina Grande: EDUEPB, 2013.

MAGNOLI, D. Globalização: Estado Nacional e Espaço Mundial. São Paulo: Moderna 2006.

MAINKA, P.J. Os fundamentos da identidade européia na antiguidade, na idade média e nos tempos modernos. Acta Scientiarum. Education Maringá, v. 33, n. 1, p. 57-69, 2011.

OLIVEIRA, O. M. Relações internacionais: estudos de introdução. 2. ed. rev. e atual. Curitiba: Juruá, 2004.

OLIVEIRA, O.M. de. União Europeia: processo de integração e mutação. Curitiba: Juruá, 2005.

PADULA, R. Estratégias nacionais de desenvolvimento em uma perspectiva histórica: se as Nações atualmente desenvolvidas praticaram o discurso que atualmente preconizam. Dissertação de Mestrado, COPPE-UFRJ, Rio de Janeiro, 2005.

PARLAMENTO EUROPEU- A seu serviço. Fichas Técnicas sobre a União Europeia. Disponível em: ? ftuId=FTU_1.1.3.html. Acesso em: 12 de jul. 2017.

PATUZZO, G.V. A realidade da crise espanhola: causas e situação atual. Academia Multidisciplinar. DSC/UEM. Revista Urutágua, n. 35, mai./jun./ago. 2010.

PETRY, A. Globalização e blocos econômicos. 2017. Disponível em: http://www.projeto.unisinos.br/ humanismo/ al/blocos. Acesso em: 12 jul. 2017.

PORTO, M. C. L. Teoria da Integração e Politicas Comunitárias. 2. ed. Coimbra: Livraria Almedina, 1997.

QUADROS, F. de. O princípio da subsidiariedade no direito comunitário após o tratado da união européia. Coimbra: Almedina, 1995. 

SÁNCHEZ, A. M. Derecho de La Integración. Buenos Aires: RAP, 2004.

SEITENFUS, R. A. S. Relações Internacionais. Barueri: Manole, 2004.

SILVA, M.C.M. O EURO diante da crise europeia. Revista Científica da Escola de Gestão e Negócios. Connexio. Ano 3, n. 1, ago. 2013/ jan.2014 .

SILVA, W.C. ;  AMARAL, N.de A. do. A Imigração na Europa: a ação política da União Europeia para as migrações. Seqüência (Florianópolis), n. 66, p. 235-259, jul. 2013.  

STELZER, J. União Européia e Supranacionalidade: Desafio ou Realidade? Curitiba: Juruá. 2000.

STIGLITZ, J. E. O EURO: Como uma moeda única ameaça o futuro da Europa. Lisboa: Editora Bertrand. 2016.

STIGLITZ, J. E. O mundo em queda livre: Os Estados Unidos, o mercado livre e o naufrágio da economia mundial. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

TEIXEIRA, J.R. A Evolução Da União Europeia E As Estruturas Do Direito Comunitário. 2012. Disponível em: http://www3.pucrs.br/pucrs/files/uni/poa/direito/ graduacao/tcc/tcc2/ trabalhos2012_1/juliane_teixeira.pdf. Acesso em: 6 de jul. 2017.

THE EU IN BRIEF . Official website of the European Union. 2017. Disponível em: https://europa.eu/european-union/about-eu/eu-in-brief_en. Acesso em: 22 ago. 2017.

THORSTENSEN, V. Comunidade Europeia. São Paulo: Brasiliense, 1992.

UNIÃO EUROPEIA. Cooperação monetária na UE. Disponível em: https://europa.eu/european-union/about-eu/money/euro_pt. Acesso em; 12 jun. 2017.  

UNIÃO EUROPEIA. O euro. Disponível rm: https://europa.eu/european-union/about-eu/money/euro_pt. Acesso em: 13 jul. 2017.

UNIÓN EUROPEA. Comisión de las Comunidades Europeas. Comunicación 94. Libro Verde: Frente a los cambios demográficos, una nueva solidaridad entre generaciones, Bruselas, 16 mar. 2005. Disponível em: <http://eur-ex.europa.eu/LexUriServ/site/es/com/2005/com2005_0094es01.pdf. Acesso em: 15 jun.2017.

WALLERSTEIN, I. Capitalismo histórico & Civilização capitalista. Rio de Janeiro: Contraponto, 2001.

WD. MADE FOR MINDS. A fracassada Constituição Europeia. Disponível em: http://www.dw.com/pt-br/especial-a-fracassada-constitui%C3%A7%C3%A3o-europ%C3%A9ia/a-2245710. Acesso em: 2 jun. 2017.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso