5 – CONCLUSÃO 

A necessidade do homem em obter recursos da natureza aliada as diversas e novas formas de utilização e retirada dos recursos ambientais pelo ser humano propiciaram uma aceleração de degradação ambiental com seqüelas prejudiciais e preocupantes para todo o planeta. Entre as conseqüências resultantes das atividades exercidas pelo homem na utilização do meio ambiente estão alguns desastres ambientais como a erosão, poluição de rios, desmatamento dentre ouros exemplos que causam impactos ao meio ambiente.

É notório o panorama de deterioração do meio ambiente nos dias de hoje. É inegável também, a carência de medidas com aptidão necessária para reverter o quadro negativo no qual se encontra o meio ambiente atualmente. Todavia, para que tal alteração se realize é imprescindível a adoção de uma série de medidas as quais englobam a efetivação das políticas protetivas ao meio ambiente, a participação crucial do Estado e uma maior conscientização e atuação da população.

Impende notar a importância em se alertar para os instrumentos de realização dos, já analisados, princípios da prevenção e da precaução, como é o caso do Estudo de Impacto Ambiental e seu respectivo relatório, os quais não têm por finalidade obstar o desenvolvimento e incremento de atividades econômicas e sociais, visto que sua real intenção não é outra, senão atuar na defesa natureza. O controle preventivo efetivado por esse instrumento é de basilar relevância, tendo em vista que requer uma performance conjunta do Poder Público, da população da região envolvida e da equipe técnica responsável (equipe multidisciplinar), os quais devem atuar de forma harmônica em prol de uma fundamental finalidade qual seja integrar o desenvolvimento social, econômico e político, à preservação e proteção do meio ambiente e da própria espécie humana.

Diante do exposto, é essencial assegurar a sustentabilidade do desenvolvimento, bem como a conservação de um meio ambiente ecologicamente equilibrado, o que pode ser obtido através da obediência e observância dos instrumentos previstos pela Carta Magna, a exemplo do Estudo de Impacto Ambiental e seu respectivo relatório. Com isso, protege-se o bem maior preservado qual seja, a vida, mantendo as condições do meio ambiente que são o seu suporte. Portanto, ao se preservar os recursos naturais, automaticamente se preserva a qualidade de vida, tão fundamental para humanidade e para o planeta.


Referências

FIORILLO, Celso Antônio Pacheco. Curso de direito ambiental brasileiro. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2009, p. 339.

SILVA, José Afonso da. Direito ambiental constitucional. 8. ed. São Paulo: Malheiros, 2010, p. 21.

 CARVALHO, Carlos Gomes de. Introdução ao direito ambiental. 3. ed. São Paulo: Editora Letras & Letras, 2001, p. 10.

 BORGES, Roxana Cardoso Brasileiro. Função ambiental da propriedade rural. São Paulo: LTr, 1999, p. 109.

SILVA, José Afonso da. Direito ambiental constitucional. 8. ed. São Paulo: Malheiros, 2010, p. 25.

 MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de direito administrativo. 15. ed. São Paulo: Malheiros, 2003, p. 817-818.

SILVA, José Afonso da. Direito ambiental constitucional. 8. ed. São Paulo: Malheiros, 2010, p. 64.

 FIORILLO, Celso Antônio Pacheco. Curso de direito ambiental brasileiro. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2009, p. 60.

 MUKAI, Toshio. Temas atuais de direito urbanístico e ambiental. 1. ed. Belo Horizonte: Editora Fórum, 2007, p. 172.

ANTUNES, Paulo de Bessa. Direito ambiental. 9. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006, p. 256.

 SILVA, José Afonso da. Direito ambiental constitucional. 8. ed. São Paulo: Malheiros, 2010, p. 289 a 290.

 ANTUNES, Paulo de Bessa. Direito ambiental. 9. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006, p. 249.

 FIORILLO, Celso Antônio Pacheco. Curso de direito ambiental brasileiro. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2009, 138.

 SILVA, José Afonso da. Direito ambiental constitucional. 8. ed. São Paulo: Malheiros, 2010, p. 292.

 ANTUNES, Paulo de Bessa. Direito ambiental. 9. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006, p. 260.

 MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito ambiental brasileiro. 18. ed. São Paulo: Malheiros, 2010, p. 230.

 ANTUNES, Paulo de Bessa. Direito ambiental. 9. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006, p. 261.

 ANTUNES, Paulo de Bessa. Direito ambiental. 9. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006, p. 267.

MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito ambiental brasileiro. 18. ed. São Paulo: Malheiros, 2010, p. 238-239.

 ANTUNES, Paulo de Bessa. Direito ambiental. 9. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006, p. 276.

 ANTUNES, Paulo de Bessa. Direito ambiental. 9. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006, p. 280.

 FURRIELA, Rachel Biderman, Democracia, Cidadania e Proteção do Meio Ambiente. São Paulo: Ed. Annablume, 2002.

SILVA, José Afonso da. Direito ambiental constitucional. 8. ed. São Paulo: Malheiros, 2010, p. 290.

 FIORILLO, Celso Antônio Pacheco. Curso de direito ambiental brasileiro. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2009, 140.

 MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito ambiental brasileiro. 18. ed. São Paulo: Malheiros, 2010, p. 235.

 SILVA, José Afonso da. Direito ambiental constitucional. 8. ed. São Paulo: Malheiros, 2010, p. 294.

 SILVA, José Afonso da. Direito ambiental constitucional. 8. ed. São Paulo: Malheiros, 2010, p. 294.

 SILVA, José Afonso da. Direito ambiental constitucional. 8. ed. São Paulo: Malheiros, 2010, p. 293.

 ANTUNES, Paulo de Bessa. Direito ambiental. 9. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006, p. 291.

 SILVA, José Afonso da. Direito ambiental constitucional. 8. ed. São Paulo: Malheiros, 2010, p. 297.

SILVA, José Afonso da. Direito ambiental constitucional. 8. ed. São Paulo: Malheiros, 2010, p. 299.

 MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito ambiental brasileiro. 18. ed. São Paulo: Malheiros, 2010, p. 241-242..

 FIORILLO, Celso Antônio Pacheco. Curso de direito ambiental brasileiro. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2009, 147.


Autor


Informações sobre o texto

Aprimoramento da minha cultura jurídica.

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria