O papel e relevância da multidisciplinaridade da Lei Maria da Penha.

A violência, em especial a violência de gênero, é uma construção social, cultural e histórica, que se manifesta em nosso cotidiano de diversas formas, podendo ser de forma sutil, camuflada na piadinha de bar, até em sua forma mais bruta com o feminicídio, o estupro, a violência doméstica. 

A violência, entendida em toda sua complexidade, deve ser combatida não só com punições e penalidades, deve ser dessecada, compreendida e combatida em todos os seus aspectos, em toda sua abrangência. 

Nesse contexto, a Lei Maria da Penha espelha a evolução social, histórica e legislativa dos direitos da mulher em nosso país. Sua interpretação deve ter em conta a peculiar situação da mulher vítima de violência, sob enfoque multidisciplinar. Esse é o critério estabelecido pelo legislador (art. 4º).1

Um exemplo da multidisciplinariedade que funda a luta contra a violência contra mulheres é o trabalho desenvolvido no 1º Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a mulher do Fórum do Núcleo Bandeirante no Distrito Federal, que surgiu da implantação de um projeto no final do ano de 2011, intitulado “Projeto Setorial para a Implantação e Desenvolvimento de equipe Multiprofssional no contexto da Violência Doméstica e Familiar”. 

De forma bastante suscita, a atuação consiste na realização de atendimentos ministrados por uma equipe multidisciplinar composta por servidores do Fórum, bacharéis em Direito, psicólogos e assistentes sociais, que funcionam como primeiro acesso das partes à Justiça e que antecedem as audiências judiciais.2

Os conflitos que envolvem a violência doméstica transcendem os limites do Direito puro de forma que, como propôs o 1º Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a mulher do Fórum do Núcleo Bandeirante no Distrito Federal, a participação de psicólogos e assistentes sociais abre um espaço de enunciação mais claro e aberto sobre as situações que envolvem a situação.


1 Lei Maria da Penha, o silêncio da vítima e a intrigante dúvida: por que a mulher retoma o relacionamento com o agressor? 02/07/2014 por Valéria Diez Scarance Fernandes. 

2 A Lei Maria da Penha e os atendimentos multidisciplinares: os sentidos de uma proposta diferente no Fórum do Núcleo Bandeirante, Distrito Federal por Ranna Mirthes Sousa Correa. Disponível em https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/viewFile/80904/84547.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0