Aproxima-se algumas características da atualidade política ao fascismo nascente na Itália de Mussolini.

O objetivo central do texto é aproximar algumas características da atualidade política – nacional e internacional – ao fascismo nascente na Itália de Mussolini. Sumariamente, significa dizer que a ideologia do Estado Corporativo, de 1919, foi repaginada sob a roupagem de um Estado Controlativo (a partir da telemática) e que se ajusta à expansão da economia (financista) neocolonizadora. A expressão fascismo vem de “fascio”: alianças ou federação que incorporam o “feixe de varas” utilizado pelos magistrados da Roma antiga para celebrar o poder do Estado. Na prática, com Mussolini, forjou-se um Estado Tripartite: representação patronal, representação trabalhista e mediação estatal. 

Como organização política, o fascismo forjou-se a partir dos “fasci di combatimento” ou unidades de combate. Sua doutrina era a ação: política e violenta. Formaram-se, então, milícias paralelas às forças públicas de segurança. Na prática (deformando-se o instituto), o fascismo ainda incorporou o “dictator” romano: uma exponenciação regular, centralizada de poder estatal. Com a diferença, evidentemente, de que o fascista não exerce uma Ditadura Comissionária, ou seja, com limitações. Não por acaso Hitler apoderou-se da Constituição de Weimar, na condição de “Kaiserpraesident” e, como o César moderno, brandiu ao limite um tipo de Senatus Consultum Ultimatum: um documento que lhe propiciava “plenos poderes”. Neste aspecto toda ditadura tende a se constitucionalizar, propagando legalidade e legitimidade em uma Constituição. 

Paralelos na América tanto se referem, por exemplo, a Trump (EUA) quanto a Fujimori (Peru): o primeiro prende crianças em jaulas, o segundo foi aclamado e financiado por capital retrógrado, dizimando centenas de milhares de pessoas convertidas em inimigas do Estado. No Brasil de 2018, o presidente Temer já lançou mão de seu Ultimatum, por meio do Decreto 9.527, de 15.10.2018, em que se tipificam os grupos terroristas: “Art. 1º  Fica criada a Força-Tarefa de Inteligência para o enfrentamento ao crime organizado no Brasil com as competências de analisar e compartilhar dados e de produzir relatórios de inteligência com vistas a subsidiar a elaboração de políticas públicas e a ação governamental no enfrentamento a organizações criminosas que afrontam o Estado brasileiro e as suas instituições”.

Como se sabe, é um passo em direção à criminalização dos movimentos sociais não-submissos ao poder imperial. No futuro próximo: típicos crimes de terrorismo social. Por fim, se ainda restam dúvidas da paridade com o fascismo clássico, lembremo-nos de algumas de suas principais características desde 1919.

1. Nacionalismo: lendas e mitos ou explicações ideológicas irracionais sobre a origem da nacionalidade reforçam a geração de inimigos nacionais.         

2. Totalitarismo (auto + cracia) e Corporativismo: para se criar um Estado Orgânico (sem dissensão social) é necessário controlar os direitos dos cidadãos.             

3. Militarismo: as forças policiais são forças de repressão social.           

4. Segurança Nacional: convertida em fetiche, a Segurança Pública é elevada à potência superior, até que se confunde plenamente com a Segurança Nacional. As massas são condicionadas para o conflito armado.         

5. Desprezo ao Direito: especialmente os direitos humanos são desacreditados, levando-se o povo a naturalizar as exceções (“exceptio” da lei), execuções, torturas, banimentos, o encarceramento político. Pois, os adversários são convertidos em inimigos do Estado e os diferentes são aniquilados como “estranhos”. São estrangeiros em seu próprio país.           

6. Anti-intelectualismo: a criação livre da estrita obediência à ideologia é rechaçada porque leva à crítica das bases mitológicas do Estado Orgânico.           

7. Censura Prévia: sobretudo o cerceamento (receitas de bolo em primeira página de jornais) de ideias e ideais contrários ao sistema e modelo político.           

8. Religião como ópio do povo: aproximam-se preceitos religiosos de ideologias de poder e aporias de violência. E então o Rei Davi é invocado e religiosos podem prestar continência à suástica – no extremo do nazismo (amplas fotos na internet).

Talvez – é bem provável – este seja meu último texto sobre esse assunto.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

2

  • 1

    CLAUDIO RAFAEL DOERR VIEGAS

    Só passei pra lembrar que fascismo é de esquerda...
    Atualmente a palavra fascismo é usada por esquerdistas pra xingar quem não concorda com suas bravatas.

    Estou Feliz com o resultado!!!!