"Essa frase ficaria bem em letras de música de samba, em marchinhas de carnaval e na irreverência dos humoristas". O que quis dizer o historiador, membro da ABL, quando utilizou esta frase?

Essa frase ficaria bem, em letras de música de samba, em marchinhas de carnaval e na irreverência dos humoristas. Lembro-me do fantástico Chico Anísio, representando o personagem Professor Raimundo, que fazia perguntas desconcertantes para seus alunos, para obter, deles, repostas indecorosas, de todas as espécies. E depois, concluir: “Isto faz sentido”. Mas, o que causa perplexidade é que a citada frase foi pronunciada por um historiador, membro da ABL, em entrevista concedida ao jornal Folha de São Paulo.

 Ora, todos sabemos que Jair Bolsonaro foi eleito para presidir o Brasil. E, nesta qualidade, ao tomar posse, torna-se Presidente da República.  Assim, deixa de ser capitão, como outros deixaram de ser sociólogo, metalúrgico, economista, constitucionalista. E, quanto à penúltima profissão, há controversias. Contudo, analisando a frase do título acima, o entrevistado silenciou, não opinando sobre o que poderia ser conforto ou desconforto a atitude de os militares baterem continência para um metalúrgico.  Além disso, é uma afirmação preconceituosa, que não fica bem para um intelectual, que demonstra desconhecimento, ou finge desconhecer a formação dos militares, que são submetidos a rigorosas provas e folhas de serviço[UdW1], para fazerem jus à patente mencionada.

 A título de exemplo, o edital do concurso nº 06/2018, do Estado de Minas Gerais, para soldado, consta, além de provas físicas, de “40 questões de múltiplas alternativas, cada uma com 4 opções, abordando as seguintes matérias: Língua Portuguesa; Direito Penal; Direito Constitucional; Direito Penal Militar; Estatística; Direitos Humanos; e Legislação Extravagante”

 Como se vê, se, para admissão de um soldado, é preciso que sejam satisfeitas tais exigências[UdW2] [UdW3], o que pensar sobre a quantos cursos submeteu-se Bolsonaro para atingir a mencionada patente? Ademais, os requisitos para candidatura a Presidente da República não fazem alusão a escolaridade, nem a profissão. Assim sendo, Bolsonaro tem qualidades culturais mais que suficientes para exercer o honroso cargo.

Entretanto, os supostos intelectuais, artistas, alguns juristas, padres afastados ou expulsos da Igreja Católica, professores universitários e alunos, não se cansam de lançar impropérios, chegando ao ponto de Leonardo Boff, em artigo, no jornal O Tempo, dizer que Fidel Castro era uma pessoa terna! Outras heresias proliferam: prisão de Lula é política; não há provas ele, apenas evidências.

Ora, tal pronunciamento denota desconhecimento do Código de Processo Penal. Porém, o que é grave, é que a maioria dos intelectuais não só conhece esse Código como também estão a par dos fatos que envolvem o Brasil. Outros vão na onda, assumindo a postura de cegos de olhos abertos, conforme disse Vieira, fazendo alusão aos fariseus, que pregavam uma coisa e praticavam outra, colocando pesados fardos nos ombros de outrem.

 A propósito, o TRF4, ao julgar o processo de Lula, deu uma lição de seriedade, de tranquilidade, como deve ser o comportamento dos tribunais, uma vez que seus ministros deixaram de lado o exibicionismo, tão comum em certos julgamentos, em que magistrados fazem questão de expor os seus conhecimentos jurídicos, com citações de leis da época imperial, com longas e cansativas teses, recheadas das mais diversas doutrinas estrangeiras, com ênfase da americana. Tais, assertivas, talvez, se fazem úteis em defesas de teses para cursos de mestrado ou doutorado.

 Os ministros do TRF4 se basearam numa análise minuciosa do processo, daí resultando a memorável decisão, cujo Julgamento servirá de paradigma para outros tribunais. Feitas essas considerações, o Acordão dificilmente será reformado pelas   Instâncias Superiores. Não deixo de registrar os gritos petistas, a ressoarem pelos quatro cantos, que o impeachment de Dilma foi um golpe. No entanto, veio o resultado das urnas, e ela obteve derrota esmagadora, vexatória: 4º lugar.

O PT prega democracia, mas o partido não tem nada de democrático. Basta dizer que seu dono manda e desmanda, à maneira dos tempos do coronelismo, no Brasil. Os seguidores petistas são dirigidos e abençoados pelo coronel que está hospedado na “República de Curitiba”, de onde pretendia governar o brasil. Todavia, todos esses fatos não derrubam os convertidos. Nem os ativistas. O povo, porém, foi sábio, ao votar nas eleições do segundo turno, elegendo o Presidente do Brasil.

Ainda há pessoas que desdenham da sabedoria popular!

Finalizando: Os militares baterão, confortados, continência ao JAIR MESSIAS BOLSONARO, PRESIDENTE DO BRASIL


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0