Símbolo do Jus.com.br Jus.com.br

Prontuário médico: requisição da autoridade policial

Exibindo página 2 de 2

4 – LEI Nº 12.830/2013 E DEMAIS NORMAS COGENTES.

Publicada em 21 de junho de 2013 a Lei nº 12.830/2013 dispõe sobre a investigação criminal conduzida pelo Delegado de Polícia, de sorte a assegurar, dentre outras prerrogativas, a requisição de perícia, informações, documentos e dados que interessem à apuração dos fatos.

Extrai-se do dispositivo legal em apreço que a requisição estará vinculada a existência de uma investigação formalmente iniciada, significando um meio de coleta das provas em que o Delegado de Polícia, com o fim de agilizar as investigações, logicamente, ressalvadas diligências adstritas a autorização judicial, tais como interceptação telefônica, quebra de sigilo bancário e fiscal, busca apreensão.

Portanto, salvo melhor juízo, a Lei nº 12.830/2013 deve ser interpretada e contextualizada às normas referentes aos documentos médicos, em especial o Art. 85 e Art. 88 do Código de Ética Médica.

Nesse aspecto, temos que o Art. 88 do Código Ética Médica prevê a possibilidade de exibição de prontuário médico para atender ordem judicial, cuja apresentação far-se-á ao médico indicado pelo juízo.

Desta forma, adotando a mesma simetria, poder-se-ia concluir que a requisição formulada pela Autoridade Policial, no que tange à exibição de prontuário médico, deve adotar a mesma forma procedimental seguida em juízo, qual seja, o prontuário médico deve ser exibido diretamente ao Instituto Médico Legal e analisado pelo médico legista frente à quesitação formulada pelo Delegado de Polícia.

Sem embargos a diversos entendimentos, conclui-se que adota tal procedimento quando da requisição de prontuário médico formulada pelo Delegado de Polícia, ao médico ou hospital responsável pelo atendimento ao paciente, estar-se-ia assegurando o sigilo profissional e, ao mesmo tempo, garantido o concatenar regular das investigações.

Razão assiste ao festejado Delegado de Policia, Henrique Hoffmann Monteiro de Castro, quando afirma que:

"(...) Vale lembrar que não apenas a obtenção do prontuário hospitalar, mas diversos outros atos investigativos independem de prévia autorização judicial, tais como apreensão de objetos (artigo 6º, II do CPP), requisição de perícias (artigo 6º, VII do CPP) e ação controlada no crime organizado (artigo 8º, parágrafo 1º da Lei 12.850/13), situações em que o delegado de polícia pode e deve agir de ofício(...)".

"(...) Portanto, resta claro que o sigilo médico, muito embora tenha importância ímpar para proteger aspectos confidenciais do paciente, não é oponível ao delegado de polícia no legítimo exercício de sua atribuição constitucional de investigar infrações penais(...)".

Em evento para promoção dos direitos fundamentais, realizado no Paraná, foram apresentados 21 anunciados inerentes à defesa dos direitos fundamentais da pessoa humana e ao aperfeiçoamento da democracia como valor supremo do Estado de Direito em nosso país, decididos a fomentar e aplicar todos os fundamentos que balizam a atuação do Estado na persecução penal com total observância aos postulados que constituem o conjunto de garantias e direitos constitucionais do individuo sujeito a toda e qualquer investigação deflagrada pelas Polícias Judiciárias dos Estados e da União.

O  enunciado 13 do II Encontro Nacional de Delegados de Polícia sobre Aperfeiçoamento da Democracia e Direitos Humanos, apresenta o seguinte teor:

"O poder requisitório do delegado de polícia abarca o prontuário médico que interesse à investigação policial, não estando albergado por cláusula de reserva de jurisdição, sendo dever do médico ou gestor de saúde atender à ordem no prazo fixado, sob pena de responsabilização criminal."


5 - PESQUISA JURISPRUDENCIAL

Sobre o sigilo do prontuário médico, a jurisprudência caminha no sentido de permitir o fornecimento deste documento médico, entendendo-se que tais sigilos não podem ser suscitados contra o próprio paciente ou, em caso de óbito, contra seus familiares, considerando o interesse destes no conhecimento das informações relativas ao de cujus para a preservação de direitos.

O posicionamento se funda na premissa de que o prontuário médico, nos casos de morte do paciente, seria um documento comum às partes e, considerando o justo motivo pelo qual se pretende a exibição, afasta-se, então, o sigilo médico, tendo o hospital ou o médico o dever de apresentá-lo, não se admitindo a recusa, conforme preconiza o artigo 399, III, do Novo Código de Processo Civil.

Nesse sentido, colacionam-se os seguintes julgados:

APELAÇÃO CÍVEL. DIREITO PRIVADO NÃO ESPECIFICADO. AÇÃO CAUTELAR DE EXIBIÇÃO DE DOCUMENTOS. PRONTUÁRIO MÉDICO PARA FINS DE ACIONAR O SEGURO E LIQUIDAÇÃO DO CONTRATO JUNTO AO BANCO CRESSOL. ALEGAÇÃO DE SIGILO QUE NÃO PODE SER INVOCADO PARA IMPEDIR O ACESSO DA AUTORA AO PRONTUÁRIO DO FALECIDO ESPOSO. PRECEDENTES DESTA CORTE. 1. Ainda que as informações médicas de pacientes sejam sigilosas, não podendo, em princípio, ser reveladas por médico ou hospital, em virtude do exercício da profissão, no caso dos autos, entendo que tais sigilos não podem ser suscitados contra o próprio paciente ou, em caso de óbito, contra seus familiares, considerando o interesse destes no conhecimento das informações relativas ao de cujus para a preservação de direitos. Caracterizado, pois, de documento comum às partes e, considerando o justo motivo pelo qual a autora pretende a exibição do prontuário médica, afastando-se, então o sigilo médico, patente o interesse da autora em obtê-lo e inequívoco o dever de o réu em apresentá-lo, não se admitindo a recusa, conforme preconiza o artigo 358, III, do CPC. 2. As Pessoas Jurídicas de Direito Público, estão isentas das custas processuais e emolumentos, devendo arcar com as despesas processuais previstas no artigo 6º, C, da Lei 8.121/85, com exceção das despesas relativas a conduções de Oficiais de Justiça. RECURSO DE APELAÇÃO PARCIALMENTE PROVIDO. Apelação Cível Nº 70063501936, Décima Quinta Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Adriana da Silva Ribeiro, Julgado em 08/04/2015)

Este é o entendimento jurisprudencial, valendo a transcrição de Acórdãos do Superior Tribunal de Justiça:

"ADMINISTRATIVO. MANDADO DE SEGURANÇA. 'QUEBRA DE SIGILO PROFISSIONAL'. EXIBIÇÃO DE 'FICHA CLÍNICA' A PEDIDO DA PRÓPRIA PACIENTE. POSSIBILIDADE, UMA VEZ QUE O 'ART. 102 DO CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA', EM SUA PARTE FINAL, RESSALVA A AUTORIZAÇÃO. O SIGILO E MAIS PARA PROTEGER O PACIENTE DO QUE O PRÓPRIO MÉDICO. RECURSO ORDINÁRIO NÃO CONHECIDO". (STJ. RMS 5821/SP, tendo como Relator o ministro Adhemar Maciel, 6ª Turma, j. 15/08/1996).

"RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA. ADMINISTRATIVO E CRIMINAL. REQUISIÇÃO DE PRONTUÁRIO. ATENDIMENTO A COTA MINISTERIAL. INVESTIGAÇÃO DE "QUEDA ACIDENTAL". ARTS. 11, 102 E 105 DO CÓDIGO DE ÉTICA. QUEBRA DE SIGILO PROFISSIONAL. NÃO VERIFICAÇÃO. O sigilo profissional não é absoluto, contém exceções, conforme depreende-se da leitura dos respectivos dispositivos do Código de Ética. A hipótese dos autos abrange as exceções, considerando que a requisição do prontuário médico foi feita pelo juízo, em atendimento à cota ministerial, visando apurar possível prática de crime contra a vida. Precedentes análogos. Recurso desprovido" (ROMS nº 11.453/SP, DJ 25/08/2003, Rel. Ministro José Arnaldo da Fonseca).

Todavia, não foi possível identificar, junto aos Tribunais Superiores, a existência de Julgados envolvendo a (im)possibilidade de requisição da Autoridade Policial do prontuário médico frente a edição da Lei nº 12.830/2013.


DAS CONSIDERAÇÕES FINAIS

A Constituição Federal assegura o direito à privacidade e intimidade, ao tempo em que as normas regulamentares de profissões liberais mantêm a preservação do sigilo profissional, seja, advogado, médico ou contador, a regra é a do sigilo.

Todavia, o sigilo profissional não tem caráter absoluto, comportando relativo elastério, podendo sua quebra ser imposta ao prudente arbítrio, quando, em face à peculiaridade do caso, se vislumbre a existência de justa causa a autorizá-la, evidentemente, salvaguardando os interesses de todos os envolvidos na promoção e realização do comando normativo, eis que não se pode querer garantir direitos com agressão ou violação aos direitos inerentes aos promotores de garantias. Não se pode promover direitos com agressões ou ameaças a direitos.

Portanto, o preceito sofre exceções, como bem estabelece o Código de Ética Médica, art. 89, ao excepcionar o sigilo quando houver justa causa, dever legal ou autorização expressa do paciente.

Ressalte-se que as informações contidas no prontuário médico não são exclusivas do hospital ou do profissional da área da saúde, mas também do paciente, na medida em que dizem respeito a ele.

A hipótese abrangida pela Lei nº 12.830/2013, que assegura à Autoridade Policial a possibilidade de requisitar documento, dentre eles, o prontuário médico, visa a instruir investigação criminal e, consequentemente, há justa causa para o afastamento do sigilo, de sorte estar em consonância com art. 89 do Código de Ética Médica.

Ao finalizar o presente estudo, chega-se à conclusão de que o instituto jurídico da requisição, previsto na Lei nº 12.830/2013, diante das razões fáticas e jurídicas do caso concreto, autorizam o Delegado de Polícia a ter acesso ao prontuário médico para instruir ao inquérito policial, destinado ao Instituto Médico Legal para a realização de perícia indireta, mesmo porque um documento havido como sigiloso, saindo para fazer parte de outro expediente também considerado sigiloso, como o Inquérito Policial, via de regra, artigo 20 do Código de Processo Penal, exigido no interesse da sociedade, estaríamos diante de um traslado de essência de sigilosidade.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALMEIDA, Andréa Alves de. Processualidade Jurídica & Legitimidade Normativa. Belo Horizonte: Fórum, 2005.

ASSEMBLEIA GERAL DE ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL. Código Internacional de Ética Médica. LONDRES (Inglaterra), 1949. Disponível: http://www.unimedfesp.coop.br/v9/?cod=2764&fwd=Old. Acesso: 09/04/2015.

BRASIL, Código de Processo Penal. Vade Mecum Universitário de Direito Rideel / Anne Joyce Angher, organização. – 20o. ed. – São Paulo: Rideel, 2015.

BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil. Vade Mecum Universitário de Direito Rideel / Anne Joyce Angher, organização. – 20o. ed. – São Paulo: Rideel, 2015.

BRASIL, Código de Processo Civil. Vade Mecum Universitário de Direito Rideel / Anne Joyce Angher, organização. – 20o. ed. – São Paulo: Rideel, 2015.

BRASIL, Código Civil. Vade Mecum Universitário de Direito Rideel / Anne Joyce Angher, organização. – 20o. ed. – São Paulo: Rideel, 2015.

BRASIL. Lei nº 12.830, 20 de junho de 2013. Vade Mecum Universitário de Direito Rideel / Anne Joyce Angher, organização. – 20ª. ed. – São Paulo: Rideel, 2015.

CAPEZ, Fernando. Curso de Processo Penal. 19. ed. – São Paulo : Saraiva, 2012

CASTRO,  Henrique Hoffmann Monteiro de.  Médico deve fornecer prontuário requisitado pela polícia judiciária.Disponível em https://www.conjur.com.br/2016-mar-15/academia-policia-medico-fornecer-prontuario-requisitado-policia-judiciaria. Acesso em 25 de novembro de 2018, às 22:53h.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução no 1.638, de 10 de julho de 2002. Define prontuário médico e torna obrigatória a criação da Comissão de Revisão de Prontuários nas instituições de saúde. Disponível: www.portalmedico.org.br/resoluções/cfm/2002/138_2002. htm. Acesso: 09/04/2015.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução no 1.931, 24 de setembro de /2009, Código de Ética Médica. Disponível: www.portalmedico.org.br/.../CFM/2009/1931_2009.h. Acesso: 09/04/2015.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução no 1.605, 15 de setembro de 2000, regulamentada pelo Decreto no 44.045, de 19 de julho de 1958. Disponível: www.saude.sc.gov.br/geral/orgaos_vinculados/samu/portarias_resolucoes/ResolucaoCFM1605 -00.htm. Acesso: 09/04/2015.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução no 1997, 16 de agosto de 2012, Altera a redação do artigo 77 do Código de Ética Médica, aprovado pela Resolução CFM no 1.931, de 17 de setembro de 2009. Disponível: http://www.santacasarg.com.br/cep/wp-content/uploads/2012/11/resolucao1997_2012.pdf. Acesso: 09/04/2015.

COSTA, Nelson Nery e Alves, Geraldo Magela. Constituição Federal Anotada e Explicada. 2 ed. Rio de Janeiro: Forense, 2003.

FRANÇA, Genival Veloso, Comentários ao Código de Ética Médica, 3a Edição. Ed. Guanabara Koogan, p. 103, 2000

GALVÃO, M. C. B.; RICARTE, I. L. M. Prontuário do paciente. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2012.

HUNGRIA, Nelson. Comentários ao Código Penal, vol. VI, 4a ed., Forense, 1958, págs. 256/257

MARQUES, José Frederico. Elementos de direito processual penal. Campinas: Bookseller, 1997.

MIRABETE, Julio Fabbrini. Processo Penal interpretado. 11 ed. São Paulo: Atlas, 2008.

MORAIS, Alexandre de. Direitos humanos fundamentais: teoria geral, comentários aos arts. 1o a 5o da Constituição da República Federativa do Brasil, doutrina e jurisprudência. 4. ed. São Paulo: Altas, 2002.

NERY JUNIOR, Nelson e NERY, Rosa Maria de Andrade. Código de Processo Civil Comentado. 7 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002.

“Nota Técnica Setor Jurídico CFM no 02/2012, de 29 de março de 2012. Acesso ao prontuário médico pelos parentes do falecido.” Conselho Federal de Medicina. 29 de Março de 2012. Disponível: www.portalmedico.org.br/notasdespachos/CFM/2012/2_2012.pdf. Acesso: 09/04/2015.

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA - ROMS no 11.453/SP, DJ 25/08/2003, Rel. Ministro José Arnaldo da Fonseca.Disponível: www. stf.gov.br. Acesso: 10.04.2015

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA - RMS 5821/SP, DJ 15/08/1996, Relator Adhemar Maciel, 15/08/1996. Disponível: www. stf.gov.br. Acesso: 10.04.2015

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA - EDcl no RMS 14134 / CEEMBARGOS DE DECLARAÇÃO NO RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA. 2001/0192514-2. DJ 25/11/2002 Relator Ministra ELIANA CALMON. Disponível: www.stf.gov.br. Acesso: 10.04.2015

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MINAS GERAIS - Apelação Cível No 70063501936, DJ 08/04/2015, Relator: Adriana da Silva Ribeiro. Disponível: www.stf.gov.br. Acesso: 09.04.2015

Assuntos relacionados
Sobre os autores
Jeferson Botelho Pereira

Jeferson Botelho Pereira atual Secretário Adjunto de Justiça e Segurança Pública de Minas Gerais. É Delegado Geral de Polícia Civil em Minas Gerais, aposentado. Ex-Superintendente de Investigações e Polícia Judiciária de Minas Gerais, no período de 19 de setembro de 2011 a 10 de fevereiro de 2015. Ex-Chefe do 2º Departamento de Polícia Civil de Minas Gerais, Ex-Delegado Regional de Governador Valadares, Ex-Delegado da Divisão de Tóxicos e Entorpecentes e Repressão a Homicídios em Teófilo Otoni/MG, Graduado em Direito pela Fundação Educacional Nordeste Mineiro - FENORD - Teófilo Otoni/MG, em 1991995. Professor de Direito Penal, Processo Penal, Teoria Geral do Processo, Instituições de Direito Público e Privado, Legislação Especial, Direito Penal Avançado, Professor da Academia de Polícia Civil de Minas Gerais, Professor do Curso de Pós-Graduação de Direito Penal e Processo Penal da Faculdade Estácio de Sá, Pós-Graduado em Direito Penal e Processo Penal pela FADIVALE em Governador Valadares/MG, Prof. do Curso de Pós-Graduação em Ciências Criminais e Segurança Pública, Faculdades Unificadas Doctum, Campus Teófilo Otoni, Professor do curso de Pós-Graduação da FADIVALE/MG, Professor da Universidade Presidente Antônio Carlos - UNIPAC-Teófilo Otoni. Especialização em Combate à corrupção, crime organizado e Antiterrorismo pela Vniversidad DSalamanca, Espanha, 40ª curso de Especialização em Direito. Mestrando em Ciências das Religiões pela Faculdade Unida de Vitória/ES. Participação no 1º Estado Social, neoliberalismo e desenvolvimento social e econômico, Vniversidad DSalamanca, 19/01/2017, Espanha, 2017. Participação no 2º Taller Desenvolvimento social numa sociedade de Risco e as novas Ameaças aos Direitos Fundamentais, 24/01/2017, Vniversidad DSalamanca, Espanha, 2017. Participação no 3º Taller A solução de conflitos no âmbito do Direito Privado, 26/01/2017, Vniversidad DSalamanca, Espanha, 2017. Jornada Internacional Comjib-VSAL EL espaço jurídico ibero-americano: Oportunidades e Desafios Compartidos. Participação no Seminário A relação entre União Europeia e América Latina, em 23 de janeiro de 2017. Apresentação em Taller Avanco Social numa Sociedade de Risco e a proteção dos direitos fundamentais, celebrado em 24 de janeiro de 2017. Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidad Del Museo Social Argentino, Buenos Aires – Argentina, autor do Livro Tráfico e Uso Ilícitos de Drogas: Atividade sindical complexa e ameaça transnacional, Editora JHMIZUNO, Participação no Livro: Lei nº 12.403/2011 na Prática - Alterações da Novel legislação e os Delegados de Polícia, Participação no Livro Comentários ao Projeto do Novo Código Penal PLS nº 236/2012, Editora Impetus, Participação no Livro Atividade Policial, 6ª Edição, Autor Rogério Greco, Coautor do Livro Manual de Processo Penal, 2015, 1ª Edição Editora D´Plácido, Autor do Livro Elementos do Direito Penal, 1ª edição, Editora D´Plácido, Belo Horizonte, 2016. Coautor do Livro RELEITURA DE CASOS CÉLEBRES. Julgamento complexo no Brasil. Editora Conhecimento - Belo Horizonte. Ano 2020. articulista em Revistas Jurídicas, Professor em Cursos preparatórios para Concurso Público, palestrante em Seminários e Congressos. É advogado criminalista em Minas Gerais. OAB/MG. Condecorações: Medalha da Inconfidência Mineira em Ouro Preto em 2013, Conferida pelo Governo do Estado, Medalha de Mérito Legislativo da Assembléia Legislativa de Minas Gerais, 2013, Medalha Santos Drumont, Conferida pelo Governo do Estado de Minas Gerais, em 2013, Medalha Circuito das Águas, em 2014, Conferida Conselho da Medalha de São Lourenço/MG. Medalha Garimpeiro do ano de 2013, em Teófilo Otoni, Medalha Sesquicentenária em Teófilo Otoni. Medalha Imperador Dom Pedro II, do Corpo de Bombeiros, 29/08/2014, Medalha Gilberto Porto, Grau Ouro, pela Academia de Polícia Civil em Belo Horizonte - 2015, Medalha do Mérito Estudantil da UETO - União Estudantil de Teófilo Otoni, junho/2016, Título de Cidadão Honorário de Governador Valadares/MG, em 2012, Contagem/MG em 2013 e Belo Horizonte/MG, em 2013.

Rodrigo Colen

Delegado de Polícia Civil em Minas Gerais. Professor de Direito Penal e Processo Penal.

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!