REFERÊNCIAS

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Pietro Nassetti (Trad.). São Paulo: Martin Claret, 2001a.

ARISTÓTELES. Política. Torrieri Guimarães (Trad.). São Paulo: Martin Claret, 2001b.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Maria Ermantina G. Pereira (Trad.). 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BASTARDI, Antony; UHLMANN, Eric Luis; ROSS, Lee. Wishful Thinking: Belief, Desire, and the Motivated Evaluation of Scientific Evidence. Disponível em <https://www.researchgate.net/publication/51072771_Wishful_Thinking_Belief_Desire_and_the_Motivated_Evaluation_of_Scientific_Evidence>. Acesso em 30 jun 2018.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Plínio Dentzien (Trad.). Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BILAC, Olavo. Antologia de poesia brasileira. São Paulo: Ática, 1998.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Carlos N. Coutinho (Trad.). Rio de Janeiro: Elsevier, 1992.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal (STF). Trecho do voto do Min. Alexandre de Moraes na Medida Cautelar na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 541, em 26.09.2018.

BRIQUET, Enia Cecilia. Manual de mediação. Petrópolis: Vozes, 2016.

BUELA, Alberto. Epítome de Antropología. Buenos Aires: Cultura et Labor Ed., 1993.

BUBER, Martín, ¿Qué es el hombre? Eugenio Ímaz (Trad.). Chile: FCE, 1995.

COOK, John; LEWANDOWSKY, Stephan. The debunking handbook. Disponível em < https://skepticalscience.com/docs/Debunking_Handbook.pdf>. Acesso em 07 jul 2018.

COSSIO, Carlos. Derecho en el derecho judicial. Buenos Aires: Abeledo Perrot, 1967.

DASTUR, Françoise. La question philosophique de la finitude. Collège européen de Gestalt-thérapie. Cahiers de Gestalt-thérapie. 2009/1, n° 23.

DESCARTES, René. Regras para a direcção do espírito. João Gama (Trad.). Lisboa: Edições 70, 2002.

DINIZ, Maria Helena. Dicionário jurídico. 1v. São Paulo: Saraiva, 1998.

FERREIRA, Nadiá Paulo. A teoria do amor na psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zarhar Ed., 2004.

FICHTE, Johann Gottlieb. Fundamento del derecho natural. José Villacañas Berlangas (Trad.). Madrid: CEC, 1994.

FOUCAULT, Michel. El orden Del discurso. Alberto Gonzales Troyano (Trad.) Madrid: La Piqueta, 1996.

FROMM, Erich. The art of loving. New York: Modern Classics, 2006.

HART, Willian et all. Feeling Validated Versus Being Correct: A Meta-Analysis of Selective Exposure to Information. Psychological Bulletin, Vol. 135, No. 4, 2009. Disponível em <http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.514.3607 &rep=rep1&type=pdf >. Acesso em 4 ago. 2018.

HEIDEGGER, Martin. A questão da técnica. Marco Aurelio Werle (Trad.). Scientiae Studia. São Paulo, v.  5, n. 3, 2007.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. Marcia Sá C. Schubeck (Trad.) 2v. 13 ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

HOBBES, Thomas. De cive. Ingeborg Soler (Trad.). Petrópolis: Vozes, 1993.

HOBBES, Thomas. Leviatã. Rosina D’Angina (Trad.). 2 ed. São Paulo: Martin Claret, 2012.

HOUAISS. Dicionário eletrônico monousuário 3.0, 2009.

KIERKEGAARD, Soren. O desespero humano. In: Diário de um sedutor; Temor e tremor; O desespero humano. Carlos Grifo; Maria José Marinho; Adolfo casais Monteiro (Trads.) 2 ed. São Paulo: Abril Cultural, 1984.

KRUSE, Katherine. Client Problem-Solving: Where ADR and Lawyering Skills Meet. Disponível em <https://open.mitchellhamline.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1269&context =facsch>. Acesso em 07 jun 2018.

MOFFIT, Michael L. Before the Big Bang: The Making of an ADR Pioneer. Disponível em <https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/j.1571-9979.2006.00112.x>. Acesso em 07 jun 2018.

NEVES, Antonio Castanheira. O Direito hoje e com que sentido? Lisboa: Instituto Piaget, 2002.

NIETZSCHE, Friedrich. La voluntad de poder. Anibal Froufe (Trad.). 14 ed. Madrid: Edaf, 2006.

ORTEGA Y GASSET, José. Meditación de la técnica. In: Obras completas. 5v. 6 ed. Madrid: Occidente, 1964.

PÁDUA, José Augusto. Um sopro de destruição. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2002.

PLATÃO. A república. (Trad. s/inf.). São Paulo: Martin Claret, 2000.

RÚA, Julio César Cueto. Algunos  aspectos  de  la dinámica  del  plexo  axiológico. Conferência na Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais da Universidade Nacional de La Plata, Argentina, 1981.

SANTOS, Boaventura Souza. Por uma concepção multicultural de direitos humanos. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 48, junho, 1997. Disponível em <http://www.boaventuradesousasantos.pt/media/pdfs/Concepcao_multicultural_direitos_humanos_RCCS48.PDF>. Acesso em 23 jun 2018.

SMITH, Juan Carlos. El desarollo de las concepciones jusfilosóficas. 3 ed. Buenos Aires: Abeledo-Perrot, 1999.

SOARES, Maria Luísa Couto. A felicidade impossível. Cultura-Revista de História e Teoria das Ideias. Vol, 28, 2011. Disponivel em <http://cultura.revues.org/308>. Acesso em 16 set 2018.

VALDÉS, Margarida. Dos aspectos en el concepto de bienestar. Disponível em <http://rua.ua.es/dspace/bitstream/10045/10780/1/doxa9_03.pdf>. Acesso em 10 jul. 2018.

WINNER, Langdon. La ballena y el reactor. Elisabeth Casals (Trad.). 2 ed. Barcelona: Gedisa, 2008.



Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2018 ABNT)

NASCIMENTO, Eduardo Turiel do. O eu que me vê ou o espelho de mim: um ensaio sobre a alteridade na mediação. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 25, n. 6230, 22 jul. 2020. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/71363. Acesso em: 18 jan. 2022.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso