Questões atinentes ao instituto da prescrição no âmbito criminal.

•    PRESCRIÇÃO

A prescrição acontece quando a capacidade de punibilidade se extingue em decorrência do decurso do tempo. Ela significa a perda do direito do Estado de promover a demanda criminal – quando se perde a capacidade de punibilidade; ou de executar a sentença condenatória transitada em julgado – quando a pretensão executória prescreve. Portanto, a prescrição significa a perda de capacidade de punição, por parte do Estado, que decorre de um lapso temporal ultrapassado –este é determinado pelo próprio Estado. O que determina quanto tempo o Estado pode agir para punir o agente de um crime tipificado é a previsão abstrata da pena, assim, passado este tempo, é como se a ação nunca tivesse existido –mesmo se houver provas suficientes para uma suposta condenação. 

A prescrição da pretensão executória dá-se quando o individuo é condenado com a sentença em trânsito em julgado e irrecorrível, e o Estado não executa o título dentro do prazo estabelecido para tal. Este instituto é de interesse não só dos culpados, como também do Estado, que busca alcançar o apaziguamento social (ex.: juiz pode declarar de ofício a extinção da punibilidade, caso verifique que estão presentes os fatos que ensejam isso).Na Lei Maior brasileira, está presente a ideia de ser imprescritível o crime de racismo e a ação de grupos armados, civis ou militares, contra a ordem constitucional e ao Estado Democrático de Direito –mas o que se observa, na realidade, é a inutilidade desse dispositivo, pois há poucos casos de punição em crimes como o de racismo.


•    PRESCRIÇÃO, ANTES DE TRANSITAR EM JULGADO A SENTENÇA

A denominada prescrição abstrata, uma forma de prescrição da pretensão punitiva, é a que se dá antes mesmo do trânsito em julgado da sentença condenatória. O art. 190 do CP retrata os modos de calcular o lapso temporal para que se dê a prescrição (ex.: uma pena superior a doze anos, a prescrição se dá em vinte anos). Se não houver uma previsão definitiva da quantidade de anos de uma pena privativa de liberdade, o cálculo se dará baseado na culpabilidade do agente –em teoria, pois o que se observa na prática difere-se do aqui descrito. Quanto ao máximo da pena privativa de liberdade cominada ao crime, para o autor, para se chegar a ela, deve-se “... levar em conta as causas de aumento e de diminuição da pena, assim como as circunstâncias qualificadoras...” (VARGAS, 1998, p. 234). Há também que se destacar que as atenuantes, agravantes, aumentos que decorrem do concurso formal e crime continuado, somas das penas e concurso material não são levados em conta.

A prescrição, segundo o STF, só é reconhecida mediante o crime descrito e não pelo erroneamente capitulado na denúncia. A jurisprudência trata, ainda, do constrangimento legal decorrido de inquérito policial instaurado após o período prescricional. De acordo com o art. 118, as penas mais leves prescrevem junto as penas mais graves –neste caso, há que se atentar a definição de penas mias leves, que abarca multas e penas restritivas de direito, não se estendendo ao concurso de crimes. Neste último caso, as penas são consideradas independentes, logo o prazo prescricional é contado separadamente. No caso das multas, se houver somente uma, o prazo prescricional é de dois anos. Nos casos de crime continuado, exclui-se o aumento que decorre dessa continuidade. 


•    PRESCRIÇÃO, DEPOIS DE TRANSITAR EM JULGADO A SENTENÇA CONDENATÓRIA

Explicitada no art. 110 do CP, esse tipo de prescrição se dá após o trânsito em julgado da sentença e é regulada pela pena aplicada. Após o transito em julgado, forma-se um título, que deve ser executado dentro de um prazo. Nos casos em que a instrução criminal acontece com o acusado em liberdade, há o risco de após a sentença condenatória, que ele desapareça, impedindo que o Estado o detenha. Após o lapso temporal citado, a pretensão executória prescreve, extinguindo a punibilidade.

O art. 109 traz os prazos de prescrição baseado na pena, a exemplo: mais de dois anos até quatro, prescreve em oito anos. Esses prazos, mencionados no artigo citado, aumentam em um terço se o agente for reincidente –o juiz deve declarar a reincidência na sentença, senão não há como dilatar o prazo prescricional. Segundo Vargas (1998, p. 227): “... se o novo crime se der após o trânsito em julgado da sentença condenatória, a reincidência não tem poder de exasperar o prazo prescricional”. O que acontece, no caso acima, é a interupão do prazo prescricional do delito anterior. São casos em que a agravação por reincidência não aumenta a prescrição: prescrição da pretensão punitiva, prescrição da pena de multa, prescrições supervenientes e prescrição retroativa. Quem possui a competência de declarar a extinção da pretensão executória do Estado é o Juízo de Execução Penal. 


•    PRESCRIÇÃO SUPERVENIENTE OU SUBSEQUENTE 

É a modalidade de prescrição após a sentença, mas que ocorre antes do trânsito em julgado para a defesa. É a prescrição da pretensão punitiva. O trânsito em julgado da sentença para a acusação significa que: o réu pode apelar, e assim pode-se confirmar a sentença de primeiro grau, ou prover o recurso; e que o réu deixa que o prazo transcorra in albis, passando a sentença em julgado para ambas as partes. No entanto, não é possível alterar a pena. 

Para que se dê a prescrição não é necessário o recurso da defesa. A jurisprudência afirma que a extinção da punibilidade deve ser realizada depois de transcorrido o prazo prescricional entre a data da sentença e a do acórdão da instância superior. Mesma situação ocorre na prescrição superveniente/incorrente, quando transcorre o prazo prescricional entre a data da sentença e a tramitação do recurso. Os efeitos desta faz com que o acusado retorne à condição de primário, pois o efeito se dá na decisão e em toda a ação. O prazo final desta prescrição se daria, por exemplo, no dia da sessão de julgamento, data de publicação do acórdão ou data do trânsito em julgado do acórdão. 


•    PRESCRIÇÃO RETROATIVA 

Em uma análise histórica dos dispositivos, aborda-se o cálculo do lapso prescricional como feito mediante a pena cominada em abstrato ao delito –vale da data do trânsito da sentença final. Assim, enquanto não houver a condenação, calcula-se de acordo com a pena abstrata. A exceção se dá quando há apenas recurso do réu mediante a sentença condenatória, neste caso, o caçulo realizar-se-á de acordo com a pena concretizada na sentença.

O autor destaca a imutabilidade, em que o modo de se calcular o lapso prescricional “apagava” a pretensão executória. Em face disso, o STF decidiu que: “A prescrição da ação penal regula-se pela pena concretizada na sentença, quando há recurso da acusação” (VARGAS, 1998, p. 229). Com o objetivo de melhorar as questões relativas ao lapso de tempo decorrido entre o recebimento da denúncia e o acórdão, surge a lei n° 6416/77, revogando o parágrafo único do art. 110, estabelecendo: “A prescrição, de que trata o parágrafo anterior, importa, tão-somente, em renúncia do Estado à pretensão executória da pena principal, não podendo, em qualquer hipótese, ter por termo inicial a data anterior à do recebimento da denúncia” e ainda, “disciplinou-se o prazo da prescrição posterior a sentença condenatória eliminando uma elástica interpretação que vinha sendo causa de impunidade, não só quanto à pena principal, como também a acessória, com indesejáveis efeitos jurídico-sociais”. (VARGAS, 1998, p. 230).

Esta foi a lei que regulou a prescrição retroativa, trazendo regras como: o réu não precisa interpor recurso para que se dê a prescrição retroativa; começava-se a contagem na data do recebimento da denúncia; ad quem re era a data da publicação da sentença condenatória e o acórdão condenatório que coubesse embargo infringente; o único recurso capaz de impedir o reconhecimento da prescrição era o de acusação que tivesse como objetivo a exasperação da pena, ou não se realizava caso fosse negado provimento; por fim, o provimento do recurso que não alterasse o prazo prescricional dava lugar, ainda assim, a declaração de extinção da punibilidade. 

No direito vigente, há semelhanças entre a prescrição retroativa e a superveniente, a saber: “... em ambas, houve trânsito em julgado para a acusação; a quantidade de pena é imutável para mais; em ambas, não é necessário recurso do réu; em ambas, houve trânsito em julgado para a acusação; a quantidade de pena, inalterável contra o réu, regula a extinção da punibilidade; em ambas, o que se prescreve é a pretensão punitiva; em ambas, o único recurso da acusação, que impede o reconhecimento da prescrição, é o que visa à exasperação da pena (podendo, contudo, ser improvido, e deixar de ser a óbice de declaração de extinção da punibilidade); ambas possuem o efeito de manter íntegro o nome do réu, quer na polícia, quer em Juízo...” (VARGAS, 1998, p. 232).

A prescrição superveniente conta o lapso prescricional a partir da sentença. A retroativa, conta regressivamente (para trás). Exemplo: se entre a data de publicação da sentença e a do recebimento da denúncia, decorre o prazo prescricional, ocorre a prescrição retroativa. Quando o réu é absolvido da sentença de primeiro grau, estando diante ao recurso da acusação –provido- a pena que o tribunal impõe que será a base para o prazo prescricional –que se dará entre o trânsito em julgado do acórdão e o recebimento da denúncia. Quando o julgamento ocorre pelo júri, com condenação, conta-se o lapso a partir da condenação até a data da decisão que confirma a pronúncia. 

Há algumas curiosidades, como o reconhecimento da prescrição em habeas corpus, revisão criminal e incidente da execução. Assim como as decisões de tribunais, que recorrem que o recurso advindo da acusação que busca à cassação do sursis não institui barreiras ao reconhecimento da prescrição retroativa. O autor dá ênfase na clareza que o CP nos dá quanto à validade do concurso formal e a circunstância do motivo fútil  na fixação da pena que formulará o prazo prescricional. Há também os casos em que a sentença base para o cálculo do lapso prescricional é anulada, o supremo decidiu que a sentença seguinte não poderia ultrapassar a pena que a anterior estabeleceu. Mais curiosos ainda, são os casos em que há prescrição retroativa após o cumprimento da pena, cita-se a decisão que exemplifica este caso: Possibilidade de proclamação da prescrição através de habeas corpus. ‘A subsistência dos efeitos da condenação, a gerar conseqüências de tolhimento da própria liberdade de ir e vir do condenado legitima a concessão da ordem a despeito do cumprimento de pena, sem sede de habeas corpus. (Relator, o ilustre Sidnei Beneti. JUTACRIM 100:325 apud VARGAS, 1998, p. 233).

A prescrição retroativa não pode ser reconhecida pelo juiz prolator da sentença recorrível –pois a condição para que ela se concretize é o não provimento do recurso da acusação. 


•    TERMO INICIAL DA PRESCRIÇÃO ANTES DE TRAMITAR EM JULGADO A SENTENÇA FINAL

É claro que para que se comece a contar o lapso temporal, é necessário que pelo menos uma parte do delito tenha sido cometida. O art. 111 do CP retrata o termo inicial: 

Art. 111 - A prescrição, antes de transitar em julgado a sentença final, começa a correr: (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984)

I - do dia em que o crime se consumou; (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984)

II - no caso de tentativa, do dia em que cessou a atividade criminosa; (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984)

III - nos crimes permanentes, do dia em que cessou a permanência; (Redação =ada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984)

IV - nos de bigamia e nos de falsificação ou alteração de assentamento do registro civil, da data em que o fato se tornou conhecido. (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984)

V - nos crimes contra a dignidade sexual de crianças e adolescentes, previstos neste Código ou em legislação especial, da data em que a vítima completar 18 (dezoito) anos, salvo se a esse tempo já houver sido proposta a ação penal. (Redação dada pela Lei nº 12.650, de 2012)

Termo inicial da prescrição após a sentença condenatória irrecorrívelO primeiro trata da consumação –quando se realiza integralmente o tipo, adota-se o critério do resultado, e não da atividade. O inciso II relata a tentativa, em que o lapso começa a contar no dia em que cessar o crime. Nos casos dos crimes permanentes –quando o momento consumativo se prolonga no tempo-, quando acaba a permanência. Quanto à bigamia e falsificação/alteração de assentamento do registro civil, o prazo prescricional começa a contar a partir do momento em que o delito se torna conhecido.


•    TERMO INICIAL DA PRESCRIÇÃO, APÓS A SENTENÇA CONDENATÓRIA IRRECORRÍVEL

Tem-se o art. 112 como base, em que o inciso I determina que o prazo prescricional começa a ser contado no dia em que a sentença passou em julgado para a acusação. Como observação, tem-se o fato de que “... a sentença irrecorrível revoga a suspensão condicional da pena (CP, art. 81), tendo como conseqüência a de obrigar o condenado a cumprir a pena, cuja execução estava suspensa”. (VARGAS, 1998, p. 236). Quando não há execução, o lapso prescricional está contando –o termo inicial é o julgado da sentença revogatória do beneficio. E “... a sentença irrecorrível revogou o livramento condicional; a partir do trânsito em julgado, começa a correr o prazo de prescrição da pretensão executória, que se regulará pelo restante da pena, observando-se, no que couber, parte final do art. 88 do CP”. (VARGAS, 1998, p. 236).

O inciso II traz a interrupção da execução, a título de exemplo, usa-se a fuga do individuo, assim, o dia da fuga será o termo inicial. Na segunda parte do inciso trata-se dos casos de doença mental e internação do sentenciado, que terá o tempo de interrupção da execução contado como se fosse o de cumprimento de pena, dessa forma, não há que se correr prazo prescricional simultaneamente –aqui o individuo é beneficiado por dois prazos, o que está sendo abatido da pena e da prescrição (Ex.: se o individuo foge, a prescrição é regulada pelo tempo que falta para ele cumprir sua pena).


•    REDUÇÃO DOS PRAZOS DE PRESCRIÇÃO

De acordo com o artigo 115 são dois os casos de redução do prazo prescricional: menor de 21 anos ,na data do crime; ou maior de 70, quando a sentença é proferida. Essa redução aplica-se à todas as modalidades de prescrição –pretensão punitiva (incorrente e a retroativa) e a pretensão executória.



Informações sobre o texto

Trabalho acadêmico

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria