A reforma trabalhista alterou uma série de artigos da Consolidação das Leis do Trabalho-CLT que afetou diretamente os direitos trabalhistas dos empregados. Veja nesse artigo 5 mudanças na CLT importantes para o trabalhador.

No dia 11 de novembro de 2017 entrou em vigor a Lei nº 13.467/2017, mais conhecida como a lei da reforma trabalhista.

A referida lei alterou uma série de artigos da Consolidação das Leis do Trabalho-CLT que afetou diretamente os direitos trabalhistas dos empregados.

Veremos agora 5 itens da nova lei trabalhista que são importantes o trabalhador conhecer. Vamos lá!

 

1-Homologação da rescisão pelo sindicato
 

Pelas regras anteriores, o trabalhador que tinha mais de 1 ano de trabalho na empresa, deveria obrigatoriamente ter sua rescisão trabalhista homologada pelo sindicato da categoria.

Com a nova lei trabalhista, essa homologação não é mais obrigatória, bastando o empregado assinar a rescisão juntamente com o empregador para ela ter validade.

Portanto, a rescisão do contrato de trabalho de qualquer empregado, independentemente do tempo de trabalho, não precisará mais passar pela homologação do sindicato da categoria.

 

2-Horas in itinere
 

Antes, o tempo que o trabalhador gastasse de casa para o trabalho que ficasse em local de difícil acesso, e não era servido de transporte público, era contado como tempo a disposição da empresa, e por isso tinha que ser remunerado. Eram as chamadas horas in itinere.

Com a nova lei trabalhista, as horas in itinere não existem mais, não contando como tempo a disposição do empregador o tempo gasto pelo empregado no deslocamento de casa para o trabalho, mesmo nos locais de difícil acesso e sem transporte público.

Como era a lei anterior:

Art. 58 – (…)

§ 2º O tempo despendido pelo empregado até o local de trabalho e para o seu retorno, por qualquer meio de transporte, não será computado na jornada de trabalho, salvo quando, tratando-se de local de difícil acesso ou não servido por transporte público, o empregador fornecer a condução.

Como ficou com a reforma trabalhista:

Art. 58 – (…)

§ 2º O tempo despendido pelo empregado desde a sua residência até a efetiva ocupação do posto de trabalho e para o seu retorno, caminhando ou por qualquer meio de transporte, inclusive o fornecido pelo empregador, não será computado na jornada de trabalho, por não ser tempo à disposição do empregador.

 

3- férias

Na legislação anterior, o trabalhador poderia, desde que justificado o motivo, parcelar suas férias em até 2 períodos, desde que um período não poderia ser inferior a 10 dias. Os menores de 18 anos e os maiores de 50 não poderiam dividir o período de férias.

Com a nova lei, qualquer trabalhador, independentemente da idade, pode dividir suas férias em até 3 períodos no ano, em que pelo menos uma parcela deve ter no mínimo 14 dias, e as outras duas não podem ser menores que 5 dias cada uma.

Os 30 dias de férias corridos ainda continua como regra com a reforma trabalhista, podendo ser parcelado nos moldes acima descritos em comum acordo entre patrão e empregado, prevalecendo o que for mais conveniente para a empresa.

Também fica proibido com a reforma trabalhista, o início das férias no período de dois dias que antecedem feriado ou dia de repouso semanal remunerado.

 

4-Intervalo para descanso ou alimentação (intervalo intrajornada)

 

Antes, o trabalhador que exercia uma jornada de 8 horas diárias, tinha no mínimo uma e no máximo duas horas para descanso ou alimentação.

Com a reforma trabalhista, o trabalho dentro da jornada de trabalho poderá ser negociada entre patrão e empregado, desde que não seja inferior a 30 minutos. Assim, o tempo mínimo para repouso ou alimentação cairá de 1 hora para 30 minutos.

Também com a nova lei trabalhista, se o empregador não conceder o descanso ou conceder menos do acordado, ele pagará indenização apenas de 50% do período não concedido.

Antes, se o patrão não desse o tempo de descanso, mesmo de forma parcial, pagaria indenização de 50% sobre a hora completa.


 

5- Extinção do contrato de trabalho por comum acordo
 

Na lei trabalhista anterior, não estava prevista a extinção do contrato de trabalho por comum acordo entre patrão e empregado. Ou o empregado era demitido ou pedia demissão.


 
Na reforma trabalhista, foi incluída esta nova modalidade de extinção do contrato de trabalho, que é a rescisão de comum acordo entre as partes.

Nestes casos, o trabalhador além de férias e décimo terceiro salário, terá direito a:

 

  • metade do aviso prévio;
  • metade da multa de 40% sobre o saldo do FGTS;
  • sacar 80% do saldo do FGTS;
  • Nesta modalidade, o trabalhador não terá direito ao seguro-desemprego.

 

 

Deste modo, esses são os 5 itens da nova lei trabalhista que é importante você saber.

 

Fonte: Trabalhista Legal 



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

3

  • 0

    Júlio Tadeu Pimenta Barbosa

    Agora o pobre do trabalhador baixa renda, tem que trabalhar mais do que suporta para se aposentar a beira da morte, pois já se aposenta com a saúde avariada pela alta idade. Se começar a trabalhar aos 18 anos, tem que aposentar com quase 80 anos. passam alguns anos e morre. Do que valeu mudar o governo? Para sermos explorados até a morte? Para sermos tratados como escravos? Baixos salários e empregos de esfolar o couro? Contrato Verde-amarelo teria que ter outro nome. Trabalho escravo.

  • 0

    Júlio Tadeu Pimenta Barbosa

    Infelizmente a maioria dos brasileiros são desprovidos de instrução e inteligência. Podiam estar roubando. Mas roubavam dos que tinham. Contudo; porém, nossos direitos continuavam intactos.

  • 0

    Júlio Tadeu Pimenta Barbosa

    Em resumido. Tudo que conseguimos com muita luta, foi por água a baixo. "De volta a escravidão!!!"
    Já não eramos valorizados, agora com essas mudanças somos descartáveis. Roubaram o pouco dos direitos que conseguimos a duras penas. Viu só no que deu tirar o PT do comando. Deu nisso dai!!! Agora aguentem as consequências.