Analisar a (i)licitude da violabilidade ao domicílio e o delito de tráfico de drogas.

 

O ramo do direito e processo penal incide sobre as questões mais problemáticas do estudo global do Direito em todo o mundo. Na verdade, constitui uma dicotomia, no sentido que ao mesmo tempo, como uma de suas funções, visa prevenir e reprimir a prática de infrações penais, quando, por outro lado, visa limitar o poder de punir do Estado.

 

Não diferente, é a questão da suposta prática do delito de tráfico de drogas e a inviolabilidade domiciliar. Sabe-se que o artigo 5º, inciso XI, da Constituição Federal tutela a inviolabilidade ao domicílio, ao mencionar que: a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento do morador, salvo em caso de flagrante delito ou desastre, ou para prestar socorro, ou, durante o dia, por determinação judicial.

 

Isto significa que, por questões óbvias e em razão do mínimo de garantias que o cidadão necessita para conviver numa sociedade, a inviolabilidade da residência do indivíduo é a regra no Ordenamento pátrio, exceto mediante decisão judicial devidamente fundamentada, nos moldes do artigo 93, inciso IX da CF.

 

Neste sentido, percebe-se que este direito fundamental é relativo, não absoluto, afinal há exceção a inviolabilidade do domicílio. Entre estas situações excepcionais, tem-se aquela objeto deste artigo, qual seja, o flagrante delito, quando, então, de acordo com a Constituição Federal, não há necessidade de ordem judicial para adentrar ao imóvel de terceiro.

 

O artigo 303 do Código de Processo Penal menciona, ainda, que: nas infrações permanentes, entende-se o agente em flagrante delito enquanto não cessar a permanência. Ou seja, nos crimes tido como permanentes, em que a execução prolonga-se no tempo, a flagrância delitiva acompanha a execução, não cessando enquanto o delito estiver sendo praticado.

 

É o que ocorre, geralmente, em supostos delitos de tráfico de drogas que prevê, no caput do artigo 33 da Lei 11.343/06, em sua maioria, verbos que conduz a configuração do delito na modalidade permanente, v.g., ter em depósito, transportar, guardar.

 

Não rara as vezes, prepostos da polícia adentram os imóveis de “suspeitos” de estarem praticando o delito de tráfico de drogas sob o fundamento que há, nestes casos, a prática da traficância, visto que, por exemplo, existe “suspeitas” que o cidadão guarda substâncias entorpecentes em sua residência.

Em razão disto, violam o domicílio alheio com vistas a supostamente apreender as substâncias ora mencionadas ou, até mesmo, apurar eventual prática delitiva. Ocorre que nem sempre o “suspeito” está praticando o delito em apurado, muito menos em situação de flagrante delito, mas, mesmo assim, tem o seu imóvel violado pelos agentes do Estado.

 

Insta mencionar que o artigo 150 do Código Penal tipifica a conduta delituosa daquele que: entrar ou permanecer, clandestina ou astuciosamente, ou contra a vontade expressa ou tácita de quem de direito, em casa alheia ou em suas dependências. Entretanto, os policiais que adentram legalmente ao imóvel do agente não cometem crime, ante a excludente de antijuridicidade do estrito cumprimento do dever legal, nos termos do artigo 23, inciso III do CP.

 

Por constituir direito fundamental, expresso na Constituição Federal, os Tribunais Superiores encontram-se atentos a violação do domicílio de terceiro por prepostos do Estado, ante as inúmeras notícias de abuso e violação deste direito por parte dos policiais, quando, em situações diversas, adentram o imóvel de outrem, sem maiores critérios técnicos, ou melhor, em desconformidade com as exceções legais.

 

Em sendo assim, para garantir a eficácia da proteção legal ao imóvel, face a dignidade da pessoa humana, a 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça possui entendimento consolidado, através do informativo n. 0606, de 02 de agosto de 2017, que o simples fato do delito de tráfico de drogas ser, em alguns verbos, permanente, isto, por si só, não autoriza a invasão de domicílio pela polícia, senão vejamos.

 

Não configura justa causa apta a autorizar invasão domiciliar a mera intuição da autoridade policial de eventual traficância praticada por indivíduo, fundada unicamente em sua fuga de local supostamente conhecido como ponto de venda de drogas ante iminente abordagem policial.

 

O STJ tem entendido corretamente que, mesmo o delito de tráfico de drogas sendo permanente, e que, teoricamente, autoriza a invasão domiciliar em virtude da exceção do flagrante delito, necessário se faz, ainda, a comprovação da justa causa.

 

A justa causa nada mais é do que a prova da existência do crime e os indícios suficientes de autoria, o denominado fumus commissi delicti. Neste condão, percebe-se que o STJ encontra-se com maior rigidez e acerto indiscutível, na comprovação dos indícios suficientes de autoria, na medida que não basta a mera ilação, suposta fuga, para que o preposto policial adentre o imóvel de outrem, sob pena da prisão em flagrante ser ilegal e, consequentemente, a prova ser ilícita, conforme artigo 5º, inciso LVI da CF e artigo 157 do CPP.

 

Este entendimento do STJ é de acerto manifesto, visto que o direito a inviolabilidade do imóvel é regra no Ordenamento, não podendo ser banalizado o ingresso de policiais por meras “suspeitas”, ilações infundadas e rasas, de que terceiro encontra-se praticando determinado crime, sobretudo o tráfico de drogas.

 

É mister ressaltar, ainda, que estas situações ocorrem, em sua grande maioria, nas periferias, locais onde a atuação do Estado é, basicamente, a policial e, consequentemente, não há maiores preocupações em garantir a eficácia das mínimas garantias do convívio social e da dignidade da pessoa humana. Necessário frear e podar os poderes estatais, sobretudo da polícia, sob pena de abusos manifestos.

 

Insta reproduzir, além do entendimento consolidado da 6ª Turma do STJ através do informativo 0606, a jurisprudência mais atual deste Tribunal, acerca do tema, em que, expressamente, atesta a nulidade da prova e do ingresso policial no imóvel de terceiro, ante a ausência de justa causa, senão vejamos.

 

Processo HC 494547/MA HABEAS CORPUS 2019/0050053-0 Relator(a) Ministro SEBASTIÃO REIS JÚNIOR (1148) Órgão Julgador T6 - SEXTA TURMA Data do Julgamento 13/08/2019 Data da Publicação/Fonte DJe 04/10/2019 Ementa HABEAS CORPUS. TRÁFICO DE DROGAS. PRISÃO PREVENTIVA. FLAGRANTE. BUSCA DOMICILIAR. FALTA DE JUSTA CAUSA. NULIDADE DE PROVAS CONFIGURADA. CONSTRANGIMENTO ILEGAL EVIDENCIADO. 1. Nos termos da jurisprudência desta Corte, a mera denúncia anônima, desacompanhada de outros elementos preliminares indicativos da ocorrência de crime, não legitima o ingresso de policiais no domicílio indicado, inexistindo, nestas situações, justa causa para a medida (REsp n. 1.790.383/SP, Ministro Nefi Cordeiro, Sexta Turma, DJe 6/5/2019). 2. Hipótese em que a invasão de domicílio pelos policiais se fundou tão somente em uma denúncia anônima de que, dentro da residência, o paciente estaria portando certa quantidade de entorpecente, o que não caracteriza elemento objetivo, seguro e racional apto a justificar a medida. 3. Ordem concedida para anular as provas obtidas mediante a busca domiciliar, bem como as dela decorrentes, devendo ser desentranhadas dos autos; e para revogar a prisão preventiva imposta ao paciente.

 

Em suma, conclui-se que: o imóvel do cidadão é inviolável, havendo a exceção do flagrante delito. Contudo, especialmente nos possíveis delitos de tráfico de drogas, a 6ª Turma do STJ possui entendimento consolidado que não basta o delito ser permanente, mas necessita comprovar a justa causa para legitimar a violabilidade do domicílio, a fim de coibir abusos estatais, sob pena de ilegalidade da prisão em flagrante, ilicitude da prova, além da responsabilidade civil, penal e administrativa do agente estatal.

 

Yuri Tainan Santos Rozário

Graduado em Direito pela Universidade Católica do Salvador – UCSal.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso