A atual conjuntura em face da pandemia causada pelo covid-19 trouxe impactos além de econômicos. Evidenciou problemas sociais, como a violência contra a mulher. Perceber quando a violência se origina possibilita a ruptura na reprodução desses atos.

A realidade histórico-social da mulher é marcada pela desigualdade de gênero, objetificação, submissão ao masculino e violência, consequência da agressiva exteriorização da exacerbada masculinidade. A maior parte da violência física e psicológica que acomete o feminino no Brasil é praticada por seu cônjuge no seio familiar. Conforme expressa Chauí, a violência nem sempre é percebida de imediato, o que permite a estruturalização dessa reprodução.

A violência não é percebida ali mesmo onde se origina e ali mesmo onde se define como violência propriamente dita, isto é, como toda prática e toda idéia que reduza um sujeito à condição de coisa, que viole interior e exteriormente o ser de alguém, que perpetue relações sociais de profunda desigualdade econômica, social e cultural. Mais do que isso, a sociedade não percebe que as próprias explicações oferecidas são violentas porque está cega ao lugar efetivo da produção da violência, isto é, a estrutura da sociedade brasileira. (CHAUÍ, 2003, p. 52)

Em dezembro de 2019 o surto do covid-19 era uma triste ocorrência em Wuhan, na China e, posteriormente, em países europeus. Em fevereiro desde ano o Brasil confirmou os primeiros casos do novo vírus e em março a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou a existência de uma pandemia causada pelo covid-19.

O colapso causado pela pandemia trouxe impactos negativos não apenas na economia, mas também nas relações empregatícias, contratuais e sociais, de uma maneira geral. Dentre essas dificuldades acende-se uma luz vermelha também para o crescimento da violência contra a mulher. 

As medidas governamentais adotadas pelo Estado brasileiro, para atender as recomendações dos especialistas, incluíram o isolamento social. Passaram a ser proibidos diversos eventos, a fim de evitar aglomerações. Nesse sentido, apenas pessoas que prestam serviços essenciais podem manter a rotina, aos demais, foi recomendado permanecer em casa.

Diante da nova rotina, a mulher tem passado mais tempo em casa e, consequentemente, mais tempo com seu agressor; porquanto, segundo o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, 90% dos casos de violência acontecem na própria casa das vítimas. A Justiça Estadual do Rio de Janeiro divulgou um aumento de 50% nos casos, a partir do momento em que as pessoas passaram a adotar o confinamento.

Apesar de compor a maior frente no combate aos infectados pelo vírus, a figura feminina ainda é quem realiza a maior parte do trabalho não remunerado, esses no âmbito familiar. Assim, como bem questiona a doutora e antropóloga Denise Pimenta (2020): “quem cuida de quem cuida? ”

Visando a proteção dessas mulheres a diretora de políticas do Programa de Divisão Intergovernamental da ONU, Sarah Hendriks, afirma: “A ONU Mulheres está trabalhando com parcerias para garantir que o impacto de gênero da COVID-19 seja levado em consideração nas estratégias de resposta nos níveis nacional, regional e global”. No mesmo sentido a ONU Mulheres emitiu um conjunto de recomendações que trazem à baila a defesa dos direitos femininos. Entre elas estão:

– Garantir a disponibilidade de dados desagregados por sexo, incluindo taxas diferentes de infecção, impactos econômicos diferenciais, carga de atendimento diferenciado e incidência de violência doméstica e abuso sexual;


– Garantir voz igual para as mulheres na tomada de decisões na resposta e no planejamento de impacto a longo prazo;


– Priorizar os serviços de prevenção e resposta à violência de gênero nas comunidades afetadas pela covid-19. (ONU Mulheres, 2020)

No Brasil, o apelo da Ministra Damares Alves, pelas redes sociais, é pela divulgação dos números para denúncia: 180 para denúncias de violência contra a mulher e 100 quando envolver crianças e idosos. Entender que a justificativa de “em briga de marido e mulher ninguém mete a colher” é violenta é o primeiro passo para inadmitir “o lugar efetivo de produção da violência”.   



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso