O Código Penal e o coronavírus

Desde a descoberta do novo coronavírus, que provoca a doença COVID-19 (grave segundo os órgãos de saúde), o mundo está unindo esforços para conter a disseminação do vírus, que se alastra de forma rápida e pode levar à morte em poucos dias.

O vírus, que já causou mortes no Brasil, causa infecção respiratória e é facilmente transmitido pelo ar e pelo contato pessoal com secreções contaminadas: gotículas de saliva; espirro; tosse; catarro; contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão; contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos (https://coronavirus.saude.gov.br/sobre-a-doenca#transmissao, acesso em 3/4/2020).

A situação é alarmante, o que fez com que o Ministério da Saúde, por meio da Portaria n. 188/GM/MS, de 4/2/2020, declarasse “emergência em saúde pública de importância nacional”, nos termos do Decreto n. 7.616/2011.

Além disso, fez com que o Governo Federal editasse a Lei n. 13.979, de 6/2/2020, que “dispõe sobre as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus”.

Conforme se observa, não há como fechar os olhos à atual situação de calamidade vivenciada pelos cidadãos brasileiros.

Porém, apesar dos esforços das autoridades e da população em geral, pessoas sabidamente contaminadas descumpriram as regras determinadas pelos órgãos de saúde: a) isolamento; b) quarentena; c) realização compulsória de exames médicos, testes laboratoriais, fornecimento de amostras clínicas, vacinação, etc.

Há notícia de que pessoas que foram diagnosticadas com o coronavírus, mesmo cientes da sua condição, desrespeitaram o isolamento e/ou a quarentena viajando para outras cidades e, até mesmo, para outros Estados.

Sem dúvida, penso que a conduta pode se enquadrar no delito previsto no art. 268 do Código Penal, in verbis:

Art. 268 - Infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa:

Pena - detenção, de um mês a um ano, e multa.

Parágrafo único - A pena é aumentada de um terço, se o agente é funcionário da saúde pública ou exerce a profissão de médico, farmacêutico, dentista ou enfermeiro.

O delito em tela tem como bem jurídico tutelado a saúde pública e, por ser formal e de perigo abstrato, consuma-se com a simples violação da norma do Poder Público destinada a impedir a introdução ou propagação de doença contagiosa, ou seja, o tipo penal não exige a ocorrência de qualquer resultado.

Logo, o cidadão que violar as regras previstas na Lei n. 13.979/2020, ou outras medidas preventivas determinadas pelo Poder Público, pode estar sujeito às sanções do art. 268 do Código Penal, sem prejuízo da apuração da prática de outros crimes – arts. 131 e 267 do Diploma Repressivo, a depender do caso concreto.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso