Nesses tempos de pandemia do Coronavírus, todos os contratos que tiveram suas características da bilateralidade e da comutatividade atingidas devem ser revistos, a fim de que se atenda ao equilíbrio, manutenção e função social do negócio jurídico ajustado.

A execução dos contratos em geral foi severamente atingida pela pandemia mundial do Coronavírus. Em muitos casos, obrigações de determinada parte-contratante deixou de ser integralmente cumprida nesses tempos de quarentena e calamidade pública.

A partir daí milhares de pessoas que tiveram seus contratos diretamente atingidos pelas consequências da pandemia do Coronavírus passaram a questionar os limites de suas obrigações pactuadas. Principalmente aqueles que se viram compelidos a adimplir sua obrigação sem nenhuma, ou quase nenhuma, contraprestação da outra parte-contratante.

Regra geral, as duas principais características dos contratos são a sua bilateralidade e a sua comutatividade. Sem a bilateralidade e a comutatividade não há de se falar de um contrato, mas, sim, de uma penitência, de um castigo, de uma imposição ou outra coisa parecida no mundo jurídico.

A bilateralidade significa que o contrato estabelece obrigações para ambas as partes. Já a comutatividade consiste em que essas obrigações são equivalentes. Noutras palavras, ninguém subscreve um contrato, contra o seu próprio interesse, no intuito de promover o enriquecimento indevido da outra parte.

Assim, nesses tempos de pandemia do Coronavírus todos os contratos que tiveram suas características da bilateralidade e da comutatividade atingidas devem ser revistos, a fim de que se atenda ao equilíbrio, manutenção e função social do negócio jurídico ajustado. Suprimindo-se total ou parcialmente obrigações na mesma medida da cessação de sua contraprestação.

A forma e modo no tempo como pactuada a prestação ou contraprestação de determinada parte, cláusulas contratuais iníquas, abusivas e que coloquem determinado contratante em desvantagem, utilizadas unicamente para se exigir o adimplemento do contrato pela outra parte, promovendo o enriquecimento indevido de quem quer que seja, devem ser afastadas do mundo jurídico.

A pandemia mundial do Coronavírus não isenta ou mitiga as características obrigatórias da bilateralidade e da comutatividade dos contratos. Ao contrário, as obrigações das partes devem ser revistas e reajustadas na medida necessária em cada caso concreto, visando a segurança, manutenção e função social do negócio jurídico.

Nesse momento de calamidade pública espera-se muito das partes contratantes que busquem a harmonia e equilíbrio de seus contratos, cada um cedendo no limite necessário e justo, levando-se em consideração a medida da prestação que deixou de ser cumprida frente à contraprestação que deverá ser proporcionalmente exigida, à luz da bilateralidade e da comutatividade do negócio entabulado.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso