Nesta segunda, 01/06/2020, o STF fixou tese de repercussão geral, em sede de Recurso Extraordinário (RE nº 603136), acerca da incidência de ISS sobre contratos de franchising.

Nesta segunda, 01/06/2020, O Supremo Tribunal Federal (STF) fixou, no Recurso Extraordinário (RE) 603136, com repercussão geral, a seguinte tese:

"É constitucional a incidência de Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS) sobre contratos de franquia (franchising) (itens 10.04 e 17.08 da lista de serviços prevista no Anexo da Lei Complementar 116/2003).”

A Lei Complementar Nacional nº 116/2003, na lista Anexa, assim dispõe sobre a incidência do ISS aos contratos de franquia:

10.04 – Agenciamento, corretagem ou intermediação de contratos de arrendamento mercantil (leasing), de franquia (franchising) e de faturização (factoring).

17.08 – Franquia (franchising).

A Lei nº 13966/2019 especifica o que se entende por franquia:

franquia empresarial, pelo qual um franqueador autoriza por meio de contrato um franqueado a usar marcas e outros objetos de propriedade intelectual, sempre associados ao direito de produção ou distribuição exclusiva ou não exclusiva de produtos ou serviços e também ao direito de uso de métodos e sistemas de implantação e administração de negócio ou sistema operacional desenvolvido ou detido pelo franqueador, mediante remuneração direta ou indireta, sem caracterizar relação de consumo ou vínculo empregatício em relação ao franqueado ou a seus empregados, ainda que durante o período de treinamento.

O contrato envolve, portanto:

  1. uso de marca;
  2. propriedade intelectual. ou
  3. métodos e sistemas de implantação e administração de negócios ou sistemas operacional;

Associado:

  1. à produção; ou
  2. à distribuição

De bens (produtos) ou serviços.

Questões tributárias relevantes:

  1. Para a incidência do ISS é preciso verificar, ainda, a previsão, em cada legislação dos Municípios ou do Distrito Federal, do referido fato gerador indicado na LC116/2003.
  2. Verificada a previsão legal, a alíquota pode variar de 02 a 05%, conforme a legislação.
  3. A base de cálculo é o valor da prestação do serviço.
  4. O prazo para recolhimento fica a cargo de norma de cada ente.

Autor

  • Luiz Mário Araújo Camacho Carpanez

    Advogado Público Municipal (Cargo Efetivo); Pós-graduando em Direito Tributário (PUC-Minas); Pós-graduado em Direito Processual Civil (Universidade Cândido Mendes); Graduado em Direito (Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF). Atuação principal: Direito Tributário, Financeiro, Constitucional e Administrativo. Atuação conexa: Direito Processual, Previdenciário, Trabalho e Civil.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Regras de uso