Reprodução Reprodução

O artigo discute sobre recente fato concreto e suas repercussões na esfera penal.

I – O FATO  

João Alberto Silveira Freitas, negro, de 40 anos, foi agredido até a morte, na noite do dia 19 de novembro de 2020,  em uma loja de uma rede de supermercado. Um dos agressores era segurança do local e o outro, um policial militar temporário. Ambos brancos. O crime ocorreu na véspera do Dia da Consciência Negra, celebrado no dia 20. 

Segundo se noticia a morte se deu por asfixia gerada pelas agressões sofridas pela vítima.  

De acordo com informações da Polícia Civil, João Alberto Silveira Freitas tinha antecedentes criminais. A informação foi confirmada pela TV Globo, que afirmou que o homem tinha antecedentes por violência doméstica, ameaça e porte ilegal de arma. 

Consoante a Brigada Militar, o espancamento começou após um desentendimento entre João Alberto e uma funcionária do Carrefour na noite de quinta-feira (19). A vítima teria ameaçado bater na funcionária, que acionou a segurança da loja. 

Freitas era aposentado por invalidez após fraturar dois dedos e o fêmur enquanto trabalhava no Aeroporto Salgado Filho.  

A acusação poderá defender a tese de que houve um homicídio triplamente qualificado(por motivo fútil, asfixia e recurso que impossibilitou a defesa da vítima), agindo os autores do delito com dolo eventual. Poderá dizer que houve hipótese de racismo na agressão a vítima.  

A defesa, de início, vai pedir a revogação da prisão preventiva por falta dos pressupostos do artigo 312 do CPP.  

A defesa poderá tentar desclassificar a tipificação de homicídio doloso para homicídio culposo, por conduta pautada na imperícia, ou até por imprudência dos agentes e utilizará os antecedentes da vítima para desqualificar a acusação. Se houver acusação por racismo, poderá aduzir que a conduta dos vigilantes não se deu por isso, mas para defender os interesses da empresa para quem trabalhavam de velar pela segurança do local. 

II – OS LIMITES ENTRE O DOLO EVENTUAL E A CULPA  

Prevê o artigo 121, § 4º, do anteprojeto do Código Penal, que se o crime é culposo a pena é de prisão de um a quatro anos. Aumenta-se a pena máxima in abstrato, que hoje é prevista em três anos de detenção. 

Como tal é possível, nos termos do artigo 89 da Lei 9.099/95, a possibilidade de oferta do benefício de suspensão condicional do processo, o sursis processual. 

O crime de homicídio culposo foi inserido nas Ordenações Filipinas que dispunham: ¨Se a morte for por algum caso, sem malícia ou vontade de matar, será(o agente) punido ou relevado, segundo sua culpa ou inocência que no caso tiver¨ (Liv. I, tít. 350). 

O Código Penal do Império não tratou do homicídio culposo, mas a Lei nº 2.033, de 29 de setembro de 1871, em seu artigo 19, punia como homicídio involuntário o praticado por imprudência, imperícia ou falta de observação de algum regulamento. 

Da mesma forma,  o primeiro Código Penal da República, de 1890, artigo 297, reconhecia a culpa na inobservância de uma disposição regulamentar, fórmula que foi considerada pela doutrina abandonada pelo Código Penal de 1940, e que, para estudiosos como Costa e Silva, constituía uma repugnante presunção. 

Nos mesmos termos do Código Penal de 1940, em sua parte especial, observa-se que há o homicídio culposo quando o agente causa a morte de alguém, por ter omitido a cautela, a atenção ou diligência dita ordinária a que estava obrigado, em face das circunstâncias, sendo-lhe exigível na atuação concreta um comportamento atento e cauteloso. 

Trata-se de um crime de dever, pois se caracteriza por uma violação do dever de cuidado. 

Como tal não se admite coautoria ou autoria mediata nem atuação dolosamente distinta e ainda participação. 

Como disse Heleno Cláudio Fragoso(Lições de direito penal, Forense, Rio de Janeiro, parte especial (artigos 121 a 212,  7ª edição, pág. 62) ,  a lei não prevê a conduta típica de homicídio culposo, em termos de ação ou omissão, punido apenas a causação do resultado morte, qualquer que seja o comportamento adotado pelo agente. 

Da mesma forma o tipo adotado no Anteprojeto do Código Penal é aberto, registrando-se que se está diante de uma ação que denota desatenção a cuidado e a diligência, ordinária ou especial, a que o agente estava adstrito, causando o resultado. 

Pode haver concorrência de culpa entre a do agente e da vítima de forma a atenuar a reprovabilidade da ação, a influenciar na aplicação da pena. Diga-se que a culpa recíproca não exclui a responsabilidade (RT 480/384). 

De toda sorte se diz que a culpa do agente não se compensa com a da vítima, que só exclui o nexo causal quando por si só produziu o resultado. 

Disse bem Aníbal Bruno (Direito Penal, parte geral, Tomo II, 1967, pág. 83) que o que é essencial na culpa é o momento consciente inicial, é a posição contrária ao dever que aí assume o agente. Constrói-se, pois, a culpa na vontade e sobre a previsibilidade. É o fato de o agente dever e poder prever o resultado e de não o ter feito, que estende até ele a sua responsabilidade. 

Caracteriza-se a culpa por uma conduta contrária ao dever, que se exprime na imprudência, negligência ou imperícia do ato voluntário inicial e, por uma relação entre o agente o resultado, que consiste na falta de previsão do previsível. 

Assim temos na decomposição do processo culposo: um ato inicial voluntário, praticado com imperícia, negligência ou imperícia; um resultado de dano ou de perigo definido na lei como crime; ausência de vontade e mesmo previsão desse resultado; possibilidade de prevê-lo. 

É certo que esse dever de cuidado e atenção deve ser julgado de acordo com as circunstâncias do caso concreto. A falta do dever de diligência, de que provém o resultado punível pode ser expressa seja em imprudência, negligência ou imperícia. 

Consiste a imprudência na prática de um ato perigoso, sem os cuidados que o caso requer. Dela se distancia a negligência, que é a falta de observância de deveres exigidos pelas circunstâncias. Numa há o fato da comissão e noutra o fato da omissão, em geral. 

Diga-se isso, em atenção à lição de Nelson Hungria (Comentários ao Código Penal, volume V/186) para quem ¨o médico não tem carta branca, mas não pode comprimir a sua atividade dentro de dogmas intratáveis. Não é ele infalível, e desde que agiu racionalmente, obediente aos preceitos fundamentais da ciência, ou ainda que desviando-se delas, mas por motivos plausíveis, não deve ser chamado à contas pela Justiça, se vem a ocorrer um acidente funesto.¨ 

O resultado é um elemento integrante do tipo culposo, pois não pode haver homicídio culposo sem o resultado morte como não há lesão corporal culposa sem violação da integridade corporal de alguém. 

Há ainda uma culpa sem previsão, que a doutrina chama de culpa inconsciente. Tal é diverso da culpa consciente quando o agente prevê o resultado, mas espera, sinceramente, que este não ocorrerá. Ainda difere do dolo eventual porque neste o agente prevê o resultado e não se importa se venha a ocorrer. O dolo eventual se junta ao dolo direto, ou ainda determinado, quando o agente prevê um resultado, dirigindo a sua conduta na busca de realizá-lo. Repito: no dolo eventual, que tem espaço de fronteira e proximidade com a culpa consciente, a intenção do agente se dirige a um resultado, aceitando, porém, outro também previsto e consequente possível de sua conduta. (O artigo 19, II, do Anteprojeto prevê que o tipo é culposo, quando o agente, em razão da inobservância de deveres de cuidado exigíveis nas  circunstâncias, realizou o fato típico) 

Assim configura-se a culpa criminalmente punível na violação de deveres de diligências realmente reprovável de dano ou de perigo. 

Há um limite tortuoso entre a culpa e o dolo eventual.  

No dolo direto ou determinado, o agente prevê o resultado (consciência) e quer o resultado (vontade). No dolo eventual o agente prevê o resultado(consciência), não quer, mas assume o risco (vontade). O dolo eventual, espécie de dolo indireto ou indeterminado(dolo alternativo ou dolo eventual) distingue-se da culpa consciente, quando o agente não prevê o resultado (que era previsível) e não quer, não assume risco e pensa poder evitar. 

Afasta-se o dolo eventual da imprudência ou desídia. 

Na culpa, o agente não quer praticar o ilícito nem assume os riscos de produzi-lo.  

III – A QUESTÃO DO IMPACTO DA MÍDIA E O COMPORTAMENTO DO JUDICIÁRIO  

A matéria hoje é tratada sob o impacto da mídia e com a devida prudência o Judiciário, a seu tempo, deverá fazer a devida instrução, objetivando investigar em todas as suas circunstâncias, a autoria e materialidade do delito, obedecido o devido processo legal, à vista do contraditório.   

Todas as vezes que determinado caso repercutir nos meios de comunicação, e estes buscarem auxílio a população para influenciar o judiciário, faz com que surja novas leis, aumentando penas e criando crimes. 

A proteção da imparcialidade do juiz é de suma importância. 

A postura que se espera do Poder Judiciário é de agir sem formalismo, excesso de burocracia, distância, isolamento e uma cultura jurídica positivista.  

Para isso, trago a lição de Isidoro Álvarez Sacristán(La justicia y su eficácia, Colex, 1999, pág. 187), no sentido de que se traga uma diretriz sociológica para a norma, que não é outra coisa que a interpretação sociológica que traduz a realidade social do tempo em que deve ser aplicada.  

Com isso trago a ideia de que se deve ter cuidado com os chamados pré-julgamentos mediáticos.  

A veiculação midiática referente a qualquer fato contribui para a formação da opinião das pessoas em detrimento de certo assunto; tendo sido este assunto objeto ou não de julgamento no poder judiciário. 

Até onde vai a liberdade de expressão? 

A liberdade de expressão, entendida como liberdade da imprensa, está assegurada pelos preceitos constitucionais.  

Contudo, percebe-se que o interesse da imprensa atualmente não é só o de veicular informações, mas também noticiar eventos que ofereçam maiores índices de audiência, geralmente relacionados aos casos de grandes repercussões na seara criminal, onde os fatos são narrados de forma parcial e sensacionalista, onde os suspeitos já encontram-se pré-condenados na TV, nos jornais e na internet, antes mesmo do julgamento. 

Necessário cautela com pré-julgamentos que principalmente surgem diante de crimes dolosos contra a vida de competência constitucional do Tribunal do Júri.  

Daí a necessária independência do Poder Judiciário  

Disse bem o ministro Celso de Mello, em mais uma de suas memoráveis lições, como no julgamento dos embargos infringentes na APN 470:  

“O dever de proteção das liberdades fundamentais dos réus, de qualquer réu, representa encargo constitucional de que este Supremo Tribunal Federal não pode demitir-se, mesmo que o clamor popular se manifeste contrariamente, sob pena de frustração de conquistas históricas que culminaram, após séculos de lutas e reivindicações do próprio povo, na consagração de que o processo penal traduz instrumento garantidor que a reação do Estado à prática criminosa jamais poderá constituir reação instintiva, arbitrária, injusta ou irracional.” 

Fica aí a lição.  


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso