1. Introdução

          A eleição para governador de Alagoas em 2006 teve um resultado surpreendente que contrariou todas as pesquisas eleitorais anteriores.

          O candidato favorito, mas que perdeu já no primeiro turno, encomendou uma auditoria sobre o sistema eletrônico de votação e apuração utilizado, para determinar se tudo ocorrera como esperado.

          O relatório preliminar dos auditores foi feito em uma semana e detectou que mais de 2,5% das urnas eletrônicas utilizadas apresentavam arquivos de controle (log) corrompidos e concluía que desta forma ficava sob suspeição o resultado da votação e apuração nestas urnas. Propunha o desenvolvimento de perícias para determinar o comprometimento do resultado em vista do comprovado funcionamento irregular das urnas eletrônicas.

          Um relatório da Secretaria de Tecnologia de Informação, STI, do TSE, confirmou que houve geração de arquivos de controles corrompidos por aquelas urnas eletrônicas mas afirmava, mesmo sem ter apresentado nenhuma análise nos arquivos de votos digitais e de resultados, que a perda da integridade dos arquivos de controle não teria atingido os arquivos de resultados.

          Porém, paralelamente a esta afirmação, a Secretaria de Tecnologia de Informação do TSE decidiu impedir acesso aos auditores externos aos arquivos de votos digitais para que sua integridade pudesse ser constatada ou não. Para manter os dados de auditoria do resultado distante dos olhos dos auditores, a STI/TSE enfrentou até decisão do juiz-corregedor do TRE-AL.

          O segundo relatório dos auditores externos, apresentado dois meses depois do primeiro, demonstrou que as explicações do relatório STI/TSE sobre os motivos da perda de integridade dos dados de controle eram insuficientes, apontou ainda que mais de 7% das urnas eletrônicas apresentavam arquivos de controles gerados corrompidos ou com perda de integridade e que os arquivos de controles registravam 20 mil votos a menos que o total oficial, reforçando a tese de falta de confiabilidade dos resultados destas urnas.

          Foi apresentado até exemplo de arquivo de controle (log) que estava misturado com o arquivo de resultado evidenciando que também os procedimentos de apuração dos resultados foram atingidos pelo mau funcionamento das urnas eletrônicas.

          As questões que estão colocadas são:

          - Qual é o nivel de confiança de uma apuração virtual de votos onde mais de 7% das urnas eletrônicas apresentavam sinais comprovados de mau funcionamento e geraram arquivos de controles corrompidos?

          - Deve-se acatar a palavra dos administradores do processo eleitoral, que impedem a auditoria dos resultados, ao afirmarem que urnas eletrônicas mesmo com mau funcionamento comprovado ainda assim produzem resultados confiáveis e inquestionáveis?

          À primeira questão, o prof. Clóvis Torres Fernandes, do ITA, autor do segundo relatório dos auditores externos, respondeu que arquivos de controles (log) são desenvolvidos justamente para apontar mau funcionamento de sistemas que controlam e que, portanto, pelas propriedades de integridade e de simetria das atividade de "logging" os arquivos de controle corrompidos indicam sistemas em mau funcionamento cujos resultados perdem confiabilidade. É para isto que arquivos de controle existem.

          A segunda questão deve ser respondida pelos eleitores brasileiros depois de tomarem conhecimento dos dados e fatos descritos a seguir.


2. Histórico do Caso de Alagoas em 2006 e o Relatório Fernandes/ITA

          2.1 As Pesquisas Eleitorais e o Resultado da Eleição

          Pesquisa eleitoral registrada no TRE-AL, feita entre 24 a 26 de Setembro de 2006 pela Sensus Pesquisa e Consultoria a pedido da Editora O Jornal de Alagoas, indicava que 53,2% do eleitorado daquele Estado acreditava na vitória do candidato João Lira, da Coligação "Alagoas Mudar para Crescer", contra apenas 24,2% que acreditava na vitória de seu principal concorrente o Sr. Teotônio Vilela Filho. Note-se que nesta pesquisa o entrevistado respondia sobre quem ele acreditava que iria ganhar a eleição e não em quem iria votar.

          Pesquisas registradas de outros institutos corroboravam que, na pior das hipóteses, era concebível que a eleição fosse para o segundo turno. Os dados das pesquisas de opinião não deixavam transparecer que uma semana depois haveria vitória estrondosa do candidato Teotônio Vilela Filho já no primeiro turno.

          Mas foi isto que ocorreu.

          O resultado oficial da eleição em 01 de outubro de 2006 deu vitória já no primeiro turno para o Sr. Teotônio Vilela Filho com 55,85% dos votos válidos contra apenas 30,51% do Sr. João Lira.

          No dia seguinte da eleição, o presidente do IBOPE declarou a imprensa que o resultado de Alagoas fora totalmente inesperado, e admitiu que as pesquisas do seu instituto estavam em contradição ao resultado final.

          Mas estariam erradas as pesquisas ou seria o resultado oficial? Como descobrir isto?

          Segundo uma outra pesquisa, feita pelo Instituto Nexus a pedido da Fundação Padre Anchieta/TV Cultura e publicada pela Revista Consultor Juridico em 14 de dezembro de 2006, cerca de 88% dos brasileiros entrevistados confiam na precisão dos resultados da eleição com nossas urnas eletrônicas.

          2.2 O Relatório Brunazo/Carvalho/Cortiz

          O candidato João Lira chamou o Eng. Amílcar Brunazo Filho, do Fórum do Voto-E, o analista Marcos Carvalho e a Adv. Maria Aparecida Cortiz para analisarem, no prazo de uma semana, os dados e relatórios oficiais a procura de eventuais anomalias que pudessem indicar erros na apuração dos votos.

          No dia 16 de outubro de 2006 foi entregue o Relatório Brunazo/Carvalho/Cortiz que encontrou dados oficiais e arquivos de eventos (LOG) que indicavam o mau funcionamento dos programas em mais de 2,5% das urnas eletrônicas que, no entanto tiveram seus resultados aceitos pelo totalizador.

          Nota de esclarecimento 1: os arquivos de eventos ou arquivos de log são gerados nas urnas eletrônicas em formato numérico binário próprio definido pelo Administrador Eleitoral. Para interpretar o conteúdo destes arquivos, o administrador desenvolveu o software LogView que transforma o arquivo binário em texto legível. Esta transformação é passiva, isto é, o arquivo em texto reflete exatamente a seqüência de eventos registrados no arquivo de log binário original das urnas.

          No Relatório Brunazo/Carvalho/Cortiz designou-se como "lançamentos impróprios" os problemas encontrados nos arquivos de controle de eventos (LOG) que indicavam eventos inexistentes, ausência de eventos reais, alteração indevidas dos números das urnas e do município, substituição de urnas com ordenação irregular, etc.

          A conclusão do relatório foi:

          "Há sinais evidentes de programas que operavam nas urnas eletrônicas de forma errática e com reações não compatíveis com os programas oficiais do TSE, de forma que não se pode afastar a hipótese de manipulação irregular destes programas e, além do mais, não se pode garantir que os resultados de sua apuração sejam confiáveis...

          CONCLUI-SE ser necessário a realização de perícia mais profunda nas 166 Flash de Carga utilizadas antes das eleições e nas Flash Internas das Urnas, para melhor nível de certeza."

          O Relatório Brunazo/Carvalho/Cortiz foi levado ao Presidente da Comissão Apuradora das Eleições de 2006 e Corregedor do TRE-AL, juiz Leonardo Resende Martins, junto com um pedido de acesso aos Arquivos de Registros Digitais dos Votos, para se verificar sua integridade, e de um pedido de perícia completa sobre as urnas eletrônicas.

          Nota de esclarecimento 2: os Registros Digitais dos Votos foram criados pela Lei do Voto Virtual, aprovada graças ao forte apoio de 2 presidentes do TSE, para substituir o Voto Impresso Conferido pelo Eleitor em nome da "transparência eleitoral" como forma de auditoria da apuração eletrônica dos votos. Apesar desta alegada transparência, até o momento a Justiça e Administrador Eleitoral nunca concedeu ser feita auditoria por meio do RDV.

          2.3 O Relatório STI/TSE e a Decisão do Corregedor

          Diante da petição, o juiz-corregedor solicitou parecer da Secretaria de Tecnologia de Informação, STI, do TRE-AL. Como esta não soube dar explicações para os problemas indicados no relatório, foi solicitado parecer da Secretaria de Tecnologia de Informação do TSE em Brasília.

          A STI/TSE manifestou-se através de um relatório de análise dos logs das urnas, aqui designado como Relatório STI/TSE, que foi anexado à decisão do juiz-corregedor em 30 de novembro de 2006.

          O Relatório STI/TSE, logo no seu primeiro parágrafo, confirma que os lançamentos impróprios apontados:

          " sempre estão relacionados a arquivos de LOG que já apresentavam perda de integridade, parcial ou total, quando gerados... "

          No segundo parágrafo, o relatório aponta como causa da perda de integridade dos arquivos de log o tempo de espera (time-out) do Driver de Log nas urnas com sistema VirtuOS e falhas nas gravações de eventos nas urnas com Windows CE.

          Nas demais 50 páginas do Relatório STI/TSE são dadas explicações do efeito da perda de integridade dos logs binários originais sobre os arquivos de eventos em formato de texto, traduzidos pelo LogView.

          Esta excessiva preocupação da STI/TSE em explicar o efeito da perda de integridade dos arquivos sobre o LogView em vez de procurar analisar melhor as causas da perda da integridade em algumas urnas e seu significado para a confiabilidade do resultado, levou o juiz-corregedor a entender, equivocadamente, que a tal perda de integridade dos arquivos de controle de eventos gerados pelas urnas eletrônicas teria sido causado na tradução pelo LogView e não pelo mau funcionamento das urnas e, por conseqüência, os problemas apontados não afetariam o resultado da votação.

          A decisão judicial do TRE foi de não conceder a perícia sobre as urnas, alegando incompetência, mas atender o pedido de acesso aos Arquivos dos Registros Digitais dos Votos, para que sua integridade pudesse ser analisada.

          Esta foi a primeira decisão de um juiz eleitoral, em nome da transparência eleitoral, de permitir auditoria com o RDV, porém esta decisão não foi cumprida pela própria Justiça e Administrador Eleitoral.

          2.4 O Ofício STI/DG/TSE

          Para atender a decisão judicial de entregar aos interessados cópias dos Arquivos dos Registros Digitais dos Votos, a Diretoria Geral do TSE foi acionada pela Diretoria Geral do TRE-AL.

          Mas, em vez de atender a decisão judicial, a DG/TSE respondeu com o ofício 8.026 anexando a Informação 90/2006 ASPLAN/STI, da Assessoria de Planejamento da Secretaria de Tecnologia de Informação do TSE, onde se recusa a entrega os Arquivos de Votos Digitais alegando apenas motivos judiciais, contrariando num só ato: 1) a vontade do legislador expressa no projeto de lei que originou a Lei do Voto Virtual; 2) a orientação do Grupo de Trabalho dos Sistemas de Urnas Eletrônicas do TSE, expressa na Resolução 21.744/04 do TSE; 3) a decisão unâmine dos ministros do TSE, quando emitiram a Res. 21.744; e por fim, 4) a decisão do Corregedor do TRE-AL que, citando a legislação vigente, concedeu o pedido.

          Alguns membros da STI/TSE ainda alegam que a entrega dos Votos Digitais à coligação pleiteante possibilitaria ao candidato João Lira violar o sigilo dos votos por meio da burla denominada Voto de Cabresto Pós-moderno. Mas esta alegação é gratuitamente ofensiva à intenção do candidato ao solicitar os dados para auditoria, pois pressupõe que o candidato se preparou, anteriormente à eleição, para violar os votos coagindo eleitores em todo o Estado.

          Enfim, a negativa da secretaria de informática do TSE de permitir aos auditores analisarem a integridade dos arquivos de votos digitais soa mais como uma desculpa para encobrir o temor de seus membros de que uma auditoria independente encontre as mesmas "perdas de integridade" encontradas nos arquivos de log gerados pelas mesmas urnas-e, cuja responsabilidade técnica recai exatamente sobre esta secretaria.

          Medidas protelatórias tomadas pela Diretoria Geral do TSE contra a transparência eleitoral neste caso chegam a beirar a ilegalidade, como o tratamento dado à Petição do PDT para ter acesso aos Registros Digitais dos Votos, que foi protocolada no TSE em 06/12/2006 sob nº 26928/06 e que ficou retida na DG/TSE desde então, impedindo até que desse entrada no sistema de acompanhamento PUSH do TSE e que fosse distribuída a um ministro-relator para sua normal tramitação.

          2.5 O Relatório Fernandes/ITA

          A pedido da Coligação "Alagoas Mudar para Crescer", o Prof. Clovis Torres Fernandes, Prof. Associado do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) na Divisão de Ciência da Computação, realizou um estudo sobre a integridade do Sistema Eletrônico de Eleições utilizado no Estado de Alagoas em 2006 - Primeiro Turno.

          No dia 12 de dezembro de 2006, foi apresentado o Relatório Fernandes/ITA composto de duas partes: a) o texto principal com 60 páginas em formato .PDF (zipados para 488 Kb); e b) os anexos com 35 páginas de imagens em formato .PDF (zipados para 3.9 Mb); onde se demonstra que:

          - Mais de 35% das urnas eletrônicas utilizadas em Alagoas apresentavam arquivos de controle incompletos ou corrompidos já na sua geração. A extensão do problema de perda de integridade é um número muito expressivo, pois significa que 1794 das 5166 urnas operaram sem registrar corretamente todas as suas atividades principais nos logs;

          - Numa avaliação mais conservadora - desconsiderando as urnas que não registraram o evento de auto-teste embora este tenha ocorrido oficialmente em todas elas - restam mais de 7% de urnas eletrônicas que geraram arquivos de controle corrompidos;

          - Há casos comprovados de que outros arquivos, como o de resultado e o de assinaturas digitais, foram alcançados pelo mau funcionamento das urnas;

          - As explicações e justificativas apresentadas no Relatório STI/TSE para a perda de integridade dos arquivos de controle não se aplicam a muitos dos casos encontrados;

          - O total de votos registrados nos arquivos de log é inferior em mais de 20 mil votos em relação ao resultado oficial publicado.

          As conclusões do Relatório Fernandes/ITA - graves conclusões - foram:

          1.O problema de registros inesperados nos arquivos de logs de Alagoas foram produzidos na geração dos arquivos pelos programas utilizados nas respectivas urnas eletrônicas;

          2.Parece que a preocupação do Relatório STI/TSE foi em desenvolver um programa interpretador que atenuasse a percepção do problema em vez de procurar esclarecer como e porque tais inconsistências e anomalias foram provocadas;

          3.A perda da integridade de logs constitui um forte indício de que o funcionamento da urna como um todo, incluindo o Registro de Voto Digital por seção e sua totalização, poderia estar fora do esperado, pois esse é um dos papéis do log de informação: traçar um perfil da normalidade de funcionamento do aplicativo ou sistema computacional que realiza o registro de seus eventos;

          4.A gravação dos registros de eventos como entradas de log de 7 bytes é tão elementar em termos computacionais, que se pode assumir que uma instituição, não sendo capaz de desenvolver um módulo de log que faça a gravação corretamente, seria incapaz de realizar qualquer outro tipo de operação de forma confiável, inclusive no registro e apuração de voto;

          5.Não é possível se afirmar com certeza se o resultado da apuração foi ou não foi afetado pelo problema por causa da ausência de alguma forma de se auditar o resultado, como o voto impresso conferido pelo eleitor que as urnas eletrônicas brasileiras não produzem;

          6.Não se pode afastar a hipótese de manipulação irregular dos programas em funcionamento nas urnas usadas em Alagoas, uma vez que não se pode garantir que os resultados de sua apuração sejam confiáveis.

          Nota de esclarecimento 3: A capacitação técnica discutível dos desenvolvedores do sistema eleitoral brasileiro, percebida e denunciada pelo prof. Clóvis Fernandes no item 4 acima, já havia sido apontada no Relatório COPPE-UFRJ em 2002, onde se afirmou que o software do sistema eleitoral fora desenvolvido de forma imatura, com baixa confiabilidade e de resultados imprevisíveis. Parece que pouco mudou desde então.

          As recomendações finais do prof. Clovis Torres Fernandes, em seu relatório, foram exatamente as seguintes:

          "Uma atitude saudável e sensata é reconhecer que os problemas da urna apontados neste estudo merecem ser examinados com muita atenção, profissionalismo e técnica computacional. De fato, pode-se esperar que, à luz desses indícios, a Justiça Eleitoral permita que algumas avaliações e análises mais substanciais possam ser realizadas, tais como, por exemplo, as seguintes:

          - Verificação do Registro Digital de Voto por seção pelos partidos;

          - Realização do experimento de votação simulada do tipo "Caixa-Preta" proposto neste estudo;

          - Perícia dos flashes cards de carga, uma vez que em momento anterior foram separados e lacrados para tal procedimento;

          -Perícia de outros apetrechos de hardware e software das urnas.

          No caso particular dos três últimos itens acima, sugere-se ainda que tais avaliações, análises e perícias sejam feitas por especialista independente, tendo Assistentes Técnicos indicados pelas partes envolvidas.

          Um passo adicional seria considerar a implantação sistematizada e independente de avaliações de segurança da urna, incluindo testes de penetração realizados por especialistas e verificações do tipo Criminalística Computacional.

          Além disso, os problemas e desconfianças a respeito da apuração e totalização de votos apontados neste trabalho teriam uma solução mais simples e confiável através da materialização do voto na forma impressa e digital segura, conforme apontado por estudos recentes sobre o assunto."

          2.6 Exemplos de Arquivos Corrompidos

          Apresenta-se a seguir alguns exemplos do tipo de perda de integridade encontrado nos arquivos de controle de eventos das urnas eletrônicas usadas em Alagoas.

          Urna da Seção 139 da Zona 035 - Taquarana

          Esta urna gerou o arquivo de log 10rxd3vf.kl1 parcialmente corrompido. Na sua maioria os eventos registrados são normais e estão corretos. No entanto, existem registros de eventos que não poderiam ocorrer, como a mudança do número da urna, a mudança do número do município e o código reservado para uso futuro.

          Os lançamentos indevidos estão destacados em negrito abaixo:

          AL_28819-TAQUARANA_0043_0048_Turno-1.txt
          Visualizador de LOG 2006 - (C)Tribunal Superior Eleitoral - TSE

          Arquivo Visualizado: [10rxd3vf.kl1]

          UF.......: AL
          Município: 28819-TAQUARANA
          Zona.....: 0043
          Seção....: 0048
          Turno....: 1

          Data Hora Cod Descrição
          20/09/06 14:47:16 216* SCUE - Sistema de Carga da Urna Eletrônica: Início da Carga na Urna [0A 01]
          20/09/06 14:47:16 201* Número Interno da Urna 00241998[00 24 19 98]
          20/09/06 14:47:53 202* Município: 28819 [02 88 19]
          20/09/06 14:47:53 202* Zona eleitoral: 0043 [10 00 43]
          20/09/06 14:47:53 202* Local: 1074 [30 10 74]
          20/09/06 14:47:53 202* Seção eleitoral: 0048 [20 00 48]
          20/09/06 14:48:14 216* SCUE - Sistema de Carga da Urna Eletrônica: Carga concluída com sucesso[0A 02]
          20/09/06 14:48:14 112 Aplicação Encerrada
          20/09/06 14:48:15 255 Fechamento do arquivo de Log
          20/09/06 14:50:25 002 Chave Ligada - VirtuOS
          20/09/06 14:51:02 203* Aplicativo Iniciado GAP - Gerenciador de Aplicativos versão: 1.20 [0D 13 01 20]
          20/09/06 14:51:02 201* Número Interno da Urna 00253001[00 24 CA 01]
          20/09/06 14:51:39 082 *** Código Reservado para uso futuro ***
          20/09/06 14:51:39 002 Chave Ligada - VirtuOS
          20/09/06 14:51:39 033 Ajuste de Data/Hora conforme fuso horário
          20/09/06 14:51:39 202* Município: 28869 [02 88 69]
          20/09/06 14:54:08 107 Início de operação com bateria interna - VirtuOS
          20/09/06 14:54:21 003 Chave Desligada - VirtuOS
          20/09/06 14:54:25 002 Chave Ligada - VirtuOS
          20/09/06 14:55:17 002 Chave Ligada - VirtuOS

          Trecho inicial do arquivo de log 10rxd3vf.kl1 em formato texto

          No Relatório STI-TSE, são dadas as seguintes explicações para varias formas de registros indevidos:

           Problema

           Explicação

Mudança do município

O programa VOTA apresentou perda de integridade

Mudança do nº da urna

Registro incompleto por time-out no driver de log

Código para uso futuro

Quebra do sincronismo por time-out no driver de log

          Note-se que o programa VOTA, que apresentou defeito durante o funcionamento, é o mesmo que colhe e grava os votos dos eleitores e que faz a apuração no final.

          O problema de mudança do número do município por conseqüência do mau funcionamento do programa VOTA ocorreu em todas as urnas dos municípios de Taquarana e de Branquinha e em nenhum outro, sugerindo que os programas nestas cidades pudessem estar diferentes do original.

          Urna da Seção 139 da Zona 035 - município Sen. Teotônio Vilela

          Nesta urna se obtém uma forte prova de que os arquivos de resultados estavam envolvidos pelos problemas de perda de integridade pois ela gerou o arquivo de log de nome 10x48sdk.rl1, no qual se mesclou parte do arquivo de resultados da própria urna.

          Os primeiros 1 Kb (1024 bytes) do arquivo de log contém, indevidamente, o trecho do arquivo de Imagem do Boletim de Urna apresentado a seguir:

Total de votos de Legenda : 0022
Brancos : 0003
Nulos : 0008
Total Apurado : 0241
Código Verificador: 25054

SENADOR(A)

Nome do candidato Nro cand Votos
RONALDO LESSA 123 0065
GALBA NOVAES 222 0001
NONÔ 251 0006
COLLOR 288 0132
OTAVIO CABRAL 500 0001

--------------------------------------

Total de votos Nominais : 0205
Brancos : 0005
Nulos : 0031
Total Apurado : 0241
Código Verificador: 41574

======================================

GOVERNADOR(A)

Nome do candidato Nro cand Votos
LENILDA LIMA 13 0005
JOÃO LYRA 14 0043
ELIAS BARROS 19 0001
ANDRE PAIVA 28 0003
TEOTONIO VILELA FILHO 45 0167

          Trecho inicial do arquivo de log 10x48sdk.rl1

          A partir da posição 1024 (0400h) do arquivo de log, aparecem registros de eventos de 21/09/06 às 11:20:16 h até 01/10/06 às 16:51:30 h, com freqüentes perdas de integridade e até com inversão cronológica, com os registros entre 14:22 a 16:51 aparecendo antes dos registros de 09:28 a 14:21.

          A partir da posição 12800 (3200 h) o arquivo de log contém 926 dígitos ininteligíveis.

          O problema de "time-out do driver de log", alegado no Relatório STI-TSE, não serve como explicação para a inversão cronológica nem para a fusão de arquivos de log e de resultado

          Urna da Seção 176 da Zona 015 de Rio Largo

          Esta urna também traz prova de que outros arquivos, além dos de log, foram envolvidos pelo problema de perda de integridade da urna. Ela gerou o arquivo de log de nome 10esd8m8.wl1 ao qual foi mesclado um trecho de um arquivo de assinaturas digitais da própria urna.

          Os primeiros 1 Kb (1024 bytes) do arquivo de log contém um trecho do arquivo de assinaturas digitais da pasta interna C:/AUDIO, aparecendo indevidamente o nome de três arquivos de som e o resumo criptográfico SHA1 de dois deles, seguintes:

           Nome de Arquivo

           Resumo Criptográfico SHA1

           Incluído no log pela urna

           Oficial publicado pelo TSE

  tec7.wav

3MhRGfMCvE1/P35M3YBx/CYnbLU=

tec8.wav

eYteaaBmtt3r4Q5i1sjOOoTJbQw=

eYteaaBmtt3r4Q5i1sjOOoTJbQw=

tec9.wav

SIDKwFrQt2s+Io1LlW2YwRyPuwQ=

SIDKwFrQt2s+Io1LlW2YwRyPuwQ=

          O trecho inicial do arquivo, que deveria conter apenas registros de log, contém ainda a expressão "---- FINAL RESUMO JE---- ", característica de arquivos de assinatura digital, e a expressão "aplic\WVFAPI.dll", relativa a endereço de um arquivo executável (biblioteca de ligação dinâmica), como destacado em negrito no quadro a seguir:

           0000:0000 a9c2 08 tec7.wav.. AA4kQFV5xJx51B6MOTEGazKSLspIWFP/bcgzA0WAkuB9
           0000:0040 hOzo1EJ0DF8yhXVvWMGbJxv/2n3qj8l2sVxSlU4o/2NNkQ7fs0kAUdHh73xGNxo
           0000:0080 lwGFPeAto8WP8exb/MOrDDQAdt8=..@eYteaaBmtt3r4Q5i1sjOOoTJbQw= 000
           0000:00c0 9138 08 tec8.wav.. AJK1516MFd6y9EOjM9hTNp1RVSGbRxDpfMgzA0W5ODBw
           0000:0100 Lr4v14fYtP1UPBJZrf+MZxv/2n3qj8l2sVxSlU4o/2NNkQ7fs0kASZSOR4kZPMA
           0000:0140 RCmFnY+OsaWv1+syyFItEPeoFKU=..@SIDKwFrQt2s+Io1LlW2YwRyPuwQ= 00
           0000:0180 9ace 08 tec9.wav.. AA9+hGivzF3RkKxiYGjozIEN6I7EnbSAFMgzA0X7Wv8l
           0000:01c0 HKXvUzuH/btjXdEMzHHRpxv/2n3qj8l2sVxSlU4o/2NNkQ7fs0kAfY5ndtfWZlr
           0000:0200 q0PLmCKdg9fBT31hiCqBAYNGmVs=..----- FINAL RESUMO JE -----....¯f.
           0000:0240 Å.Âÿ.PK........d.&5m.ç]............aplic\WVFAPI.dllíXmL

          Inicio do arquivo de log 10esd8m8.wl1

          Urna da Seção 007 da Zona 007 - Coruripe

          Esta urna gerou o arquivo de log de nome 0z1b7e4j.bl1, que estava integro até a posição 16.896 (4200 h) em 01/10/06 às 18:00:28 h.

          A partir dai aparecem dígitos incompreensíveis incluindo o texto: "AL274560007000701102006" que indica seqüencialmente a sigla do Estado, o número do município, da zona eleitoral, da seção eleitoral e a data da eleição, e que não se sabe de onde foi retirado para ser incluído indevidamente no arquivo de controle.

          Urna da Seção 035 da Zona 035 - de Sen. Teotônio Vilela

          Esta urna gerou o arquivo de log de nome 010x48sdh.vl1, que estava integro até a posição 5.632 (1600 h) em 01/10/06 às 11:45:48 h.

          A partir dai aparecem dígitos incompreensíveis incluindo o texto: "AL289320035003501102006" que indica seqüencialmente a sigla do Estado, o número do município, da zona eleitoral, da seção eleitoral e a data da eleição, que não se sabe de onde foi retirado para ser incluído indevidamente no arquivo de controle.

          Urna da Seção 036 da Zona 005 - Viçosa

          Esta urna gerou o arquivo de log de nome 10umxl76.kl1, que contém apenas 3584 dígitos de valor numérico 246 (00F6 h) .

          Não há análise que possa ser feita a não ser que o arquivo foi gerado integralmente corrompido.

          Urnas com Logs Vazios ou Inexistentes

          Três urnas eletrônicas utilizadas no 1º Turno da eleição de Alagoas geraram arquivos de logs vazios, sem nenhum conteúdo, mas com nome formado corretamente. Outras cinco urnas foram totalizadas mas não possuem arquivos de log.

          Pouca análise se pode produzir nestes casos, a não ser que houve funcionamento irregular de algum processo no sistema eletrônico de votação


Autor


Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2002 ABNT)

BRUNAZO FILHO, Amilcar. A confiabilidade do voto eletrônico no Brasil. O caso Alagoas 2006. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 12, n. 1286, 8 jan. 2007. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/9368>. Acesso em: 27 maio 2018.

Comentários

0

Livraria