Artigo Destaque dos editores

A responsabilização por abandono afetivo à luz da jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça

Exibindo página 2 de 2
02/01/2022 às 17:10
Leia nesta página:

REFERÊNCIAS

ANGELO, Eduardo Murilo Amaro. A responsabilidade civil dos pais por abandono afetivo dos filhos e o princípio da dignidade da pessoa humana. Revista Intertemas, [s. l.], v. 10, 2005. Disponível em: http://intertemas.toledoprudente.edu.br/index.php/Direito/article/view/328. Acesso em: 10 nov. 2021.

BRAGA, Julio Cezar de Oliveira; FUKS, Betty Bernardo. Indenização por abandono afetivo: a judicialização do afeto. Tempo psicanalítico, [s. l.], v. 45, p. 303-321, 2013. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-48382013000200005. Acesso em: 3 nov. 2021.

BRASIL. Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano 139, n. 8, p. 1-74, 11 jan. 2002.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/ Constituiçao.htm. Acesso em: 1 nov. 2021.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça (Terceira Turma). Recurso Especial 1.159.242/SP. [...]. Inexistem restrições legais à aplicação das regras concernentes à responsabilidade civil e o consequente dever de indenizar/compensar no Direito de Família. O cuidado como valor jurídico objetivo está incorporado no ordenamento jurídico brasileiro não com essa expressão, mas com locuções e termos que manifestam suas diversas desinências, como se observa do art. 227 da CF/88. [...]. Relator(a): Min. Nancy Andrighi, 24 de abril de 2020. Disponível em: https://scon.stj.jus.br/SCON/pesquisar.jsp. Acesso em: 17 nov. 2021.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça (Quarta Turma). Recurso Especial 514.350/SP. Firmou o Superior Tribunal de Justiça que "A indenização por dano moral pressupõe a prática de ato ilícito, não rendendo ensejo à aplicabilidade da norma do art. 159 do Código Civil de 1916 o abandono afetivo, incapaz de reparação pecuniária". Relator: Min. ALDIR PASSARINHO JUNIOR, 25 de abril de 2009. Disponível em: https://scon.stj.jus.br/SCON/jurisprudencia/doc.jsp?processo=514350&b=ACOR&p=true&thesaurus=JURIDICO&l=10&i=2&operador=e&tipo_visualizacao=RESUMO. Acesso em: 17 nov. 2021.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça (Quarta Turma). Recurso Especial 1.298.576/RJ. [...]. A ação de investigação de paternidade é imprescritível, tratando-se de direito personalíssimo, e a sentença que reconhece o vínculo tem caráter declaratório, visando acertar a relação jurídica da paternidade do filho, sem constituir para o autor nenhum direito novo, não podendo o seu efeito retrooperante alcançar os efeitos passados das situações de direito. Relator: Min. Luis Felipe Salomão, 21 de agosto de 2012. Disponível em: https://scon.stj.jus.br/SCON/pesquisar.jsp. Acesso em: 17 nov. 2021.

DIAS, Maria Berenice. Manual de Direito das Famílias. 14. ed. rev. atual. e aum. Salvador: Juspodivm, 2021.

GHILARDI, Dóris; GOMES, Renata Raupp. Estudos Avançados de Direito de Família e Sucessões. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 2020. v. I.

LÔBO, Paulo. Princípio da Solidariedade Familiar. Instituto Brasileiro de Direito de Família, [s. l.], 2007. Disponível em: https://ibdfam.org.br/assets/upload/anais/78.pdf. Acesso em: 2 nov. 2021.

PRADO, Camilla Affonso. Responsabilidade civil dos pais pelo abandono afetivo dos filhos menores. Orientador: Giselda Maria Fernandes Novaes Hironaka. 2012. Dissertação (Mestrado em Direito Civil) - Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, [S. l.], 2012. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/2/2131/tde-06062013-135843/publico/PRADO_Camila_Affonso_Responsabilidade_civil_dos_pais_pelo_abandono_Versao_completa.pdf. Acesso em: 12 nov. 2021.

TARTUCE, Flávio. Manual de Direito Civil: volume único. 11. ed. rev. atual. e aum. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2021.

SANTOS, Robério Gomes dos; FONSECA, Antonia Leyce Gonçalves da; SANTOS, Liliane Gomes dos; SANTOS, Antônia Gabrielly Araújo dos; ALBUQUERQUE, Érika de Sá Marinho. Abandono afetivo: concepções jurídicas à luz do instituto da responsabilidade civil. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 6, ed. 11, p. 90321-90340, 2020.

SOUSA, Ana Karlene de Siqueira. Abandono afetivo. Direito e Humanismo, Brasília, v. 1, n. 19, 2016. Disponível em: http://revistas.icesp.br/index.php/Virtu/article/view/68. Acesso em: 29 out. 2021.


  1. AgInt no AREsp 492243/SP, Rel. Ministro MARCO BUZZI, QUARTA TURMA, julgado em 05/06/2018, DJe 12/06/2018
  2. AgRg no AREsp 766159/MS, Rel. Ministro MOURA RIBEIRO, TERCEIRA TURMA, julgado em 02/06/2016, DJe 09/06/2016
  3. AgInt no AREsp 1270784/SP, Rel. Ministro LUIS FELIPE SALOMÃO, QUARTA TURMA, julgado em 12/06/2018, DJe 15/06/2018.
  4. REsp 1579021/RS, Rel. Ministra MARIA ISABEL GALLOTTI, QUARTA TURMA, julgado em 19/10/2017, DJe 29/11/2017.
Assuntos relacionados
Sobre o autor
Como citar este texto (NBR 6023:2018 ABNT)

AIRES, Maria Eduarda Nazareno. A responsabilização por abandono afetivo à luz da jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 27, n. 6759, 2 jan. 2022. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/95540. Acesso em: 13 abr. 2024.

Publique seus artigos Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!
Publique seus artigos