Este texto foi publicado no Jus no endereço https://jus.com.br/artigos/107258
Para ver outras publicações como esta, acesse https://jus.com.br

Intangibilidade salarial: qual seu limite frente à execução?

Intangibilidade salarial: qual seu limite frente à execução?

Publicado em .

A proteção ao executado passou a ser excessiva e prejudicial, pois violou o direito fundamental da outra parte, o credor, a ter seu crédito garantido através de uma sentença eficaz.

Sumário: Introdução. 1. Novas tendências da execução dentro do neoprocessualismo. 2. Panorama de hiperproteção do executado. 3. A ponderação de princípios: execução menos gravosa versus efetividade. 4. Os fundamentos para aplicação da mitigação da impenhorabilidade salarial. Conclusão. Referências Bibliográficas.



INTRODUÇÃO

O tema da mitigação da impenhorabilidade salarial foi escolhido, em função de ser um ponto emergente e com uma aflorada discussão doutrinária, quanto jurisprudencial.

A doutrina, nesse ponto discute calorosamente a possibilidade ou não da penhora salarial, assim sendo uma mitigação ao instituto legal que impõe a impenhorabilidade dos salários, por ser uma questão de sobrevivência e alimentar do trabalhador.

A grande discussão está quando estamos diante de salários mais voluptuosos, no qual, claramente foge a apenas a necessidade de sobrevivência da parte devedora, neste caso, urge a necessidade de salvaguardar também o direito fundamental do credor a efetividade das decisões judiciais, isto é, receber o que lhe é devido.

Desta forma, há diversas decisões judiciais a respeito do tema em questão, porém não há ainda uma posição jurisprudencial consolidada, deixando claramente que é um assunto ainda em construção, e carece de uma maior análise para que se possa efetivamente chegar a uma conclusão.

Juridicamente, há que se tratar da ponderação, pois neste caso envolvem dois princípios, sendo um positivado na forma de uma regra, e o outro implícito, derivado do princípio constitucional do devido processo legal, está-se falando do princípio da efetividade das decisões judiciais.

Portanto, é necessária uma ponderação do órgão julgador, para que assim possa se efetivar a justiça no caso em questão, ressalvando, que ambas as partes possuem direitos.

Socialmente a linha é mais tênue, pois a impenhorabilidade salarial é um direito do trabalhador, contudo, uma não efetivação das decisões judiciais geraria uma enorme insegurança jurídica, e afetaria também o trabalhador a que se destina a impenhorabilidade salarial, formando, então, um ciclo vicioso.

As fontes encontradas para fundamentar este trabalho serão as doutrinárias e jurisprudenciais.

Desta forma o primeiro capítulo apresentará as novas perspectivas da sistemática do neoprocessualismo ou processualismo constitucional. Essa nova visão processual se encarregou de buscar os princípios constitucionais e aplicá-los nas relações horizontais a fim de, garantir uma maior harmonização do direito infraconstitucional com a Carta Maior.

Já o segundo capítulo fará uma abordagem em relação às garantias legais existentes em benefício do devedor (executado), assim como se analisará o precedente histórico que derivou essa hipertrofia vista atualmente.

O terceiro capítulo será efetivamente sobre uma necessária ponderação que deve haver entre dois direitos fundamentais, o direito do executado a não ter ameaçada sua vida digna dentro de uma esfera de sobrevivência e a garantia do exequente a ver sua pretensão efetivada.

O quarto capítulo será finalmente sobre a mitigação da impenhorabilidade salarial, onde abordaremos os pressupostos e fundamentos levantados pelos autores, estudaremos a possibilidade criada pelo legislador na Lei 11382/2006 de mitigação da impenhorabilidade salarial, e o veto presidencial a tal dispositivo, bem como sua fundamentação.

O quinto capítulo falaremos sobre as expectativas do novo CPC, onde comentaremos o dispositivo que tratará da possibilidade de flexibilização da impenhorabilidade.

E concluindo esse trabalho haverá uma análise crítica a respeito da possibilidade de execução, bem como das normas vigentes e propostas, além de uma análise comparativa com o objetivo de traçar um paralelo com o direito alienígena.


1. NOVAS TENDÊNCIAS DA EXECUÇÃO DENTRO DO NEOPROCESSUALISMO.

No período salomônico1, o direito real era absoluto e o acesso ao patrimônio do devedor era apenas a morte. A execução não abrangia seu patrimônio, fazia-se em sua própria pessoa. Assim, caso ele não adimplisse sua obrigação perante o credor, poderia passar a ser escravo deste e até mesmo morto em virtude do débito não cumprido.

Uma das primeiras positivações escritas do direito ocorreu com a Lei das XII Tábuas, popularmente conhecida como a Lei de Talião (“ olho por olho, dente por dente”), que regulava as relações sociais à época. Um dos dispositivos desse ordenamento jurídico era o de que a dívida devia ser reconhecida por uma sentença ou pela mera confissão do devedor.

Nesta época, o direito ainda era essencialmente privado, sendo de responsabilidade do próprio credor a promoção da execução da dívida, por isso seu caráter pessoal e não junto ao patrimônio do devedor.

Posteriormente, segundo os ensinamentos de Alexandre Sturion Paula:

Ao passar dos anos, o meio de execução sofreu algumas mudanças significativas, principalmente para o devedor que sempre foi tratado como objeto de direito. Dentre as mudanças mais significativas foi que o patrimônio do devedor começou responder pela sua própria obrigação e não mais o próprio devedor”. (PAULA, 2008, p. 3).

Nesta fase da execução patrimonial, o credor retirava um bem do devedor e ficava com este por um determinado prazo, para forçar o obrigado a efetuar o pagamento.

Caso no final do prazo o crédito não fosse pago, o credor poderia ficar com o bem em que tinha a posse e fazer com ele o que bem entendesse como, por exemplo, destruí-lo, ou até mesmo vendê-lo para ficar com o dinheiro (PAULA, apud OVÍDIO, 1999, p. 22).

Somente no Direito Romano aconteceram as maiores modificações e criações que influenciaram diretamente o Ordenamento Jurídico Brasileiro, sendo este calcado em diversos instrumentos do chamado civil law.

No Direito Romano, a jurisdição já era de competência do Estado, sendo esta responsável por dirimir os conflitos.

O processo civil romano previa a execução da sentença condenatória sempre em dinheiro. Contudo, ao devedor era possível não concordar com a dilapidação de seu patrimônio, pois a propriedade era um direito absoluto, podendo escolher pela execução sobre sua própria pessoa e passando, então, a ser escravo de seu credor.

Nesta mesma linha de raciocínio, José Miguel Garcia Medina comenta:

A manus injectio no direito romano, embora às vezes lembrada pela doutrina como meio de coerção para o pagamento de dívidas, tinha natureza privada e penal. Não se equipara, propriamente, aos modernos meios coercitivos, porquanto com a manus injectio a prisão e, perdurado ao inadimplemento após a prisão, até mesmo a morte do devedor – não era apenas utilizada para convencer o devedor moroso a resolver-se a cumprir a obrigação, porquanto o patrimônio devedor, nesses casos, interessa apenas mediatamente, respondendo pela dívida o próprio corpo do devedor. (GARCIA MEDINA,2002; p. 36)

Lentamente, a execução sobre a pessoa do devedor foi deixando de ser aplicada em favor da execução patrimonial. Humberto Theodoro Júnior conceitua o tema:

O exercício de direito de ação fazia-se, primeiramente, perante o praetor (agente detentor do imperium), e prosseguia em face do iudex, um jurista, a quem o praetor delegava o julgamento da controvérsia – iudicium)”. (THEODORO JUNIOR, 2007; p. 97).

No Brasil, inicialmente, a execução tinha um caráter expropriatório, pelo qual o Estado dominava a execução. Tal disposição é fruto de uma herança portuguesa, sendo o primeiro diploma processual brasileiro a respeito do tema o Regulamento de 737.

Destaca-se do código supracitado, o artigo 512 e o 513:

Art. 512. A penhora póde ser feita em quaesquer bens do executado, guardada a ordem seguinte:

§ 1.º Dinheiro, ouro, prata e pedras preciosas.

§ 2.º Titulos de divida publica, e quaesquer papeis de credito do Governo.

§ 3.º Moveis e semoventes.

§ 4.º Bens de raiz ou immoveis.

§ 5.º Direitos e acções.

Entre os immoveis comprehendem-se as embarcações (art. 478 Codigo).

Art. 513. A penhora deve ser feita em tantos bens quantos bastem para o pagamento, sob responsabilidade dos officiaes de justiça.(BRASIL, 1850)

Portanto, percebe-se na legislação à época ainda uma grande proteção ao credor em face do devedor, ocasionando assim um estranhamento nos dias atuais, dados as conjunturas protetivas em face da dignidade do executado.

Candido Rangel Dinamarco analisa este embrião de código processual:

O primeiro diploma processual brasileiro foi o regulamento 737, onde disciplinava institutos como competência, no qual regulava que o juiz competente era o que tivesse conduzido o processo de conhecimento, também mencionava as partes legítimas. Além disso, a citação do devedor era necessária, sob pena de nulidade absoluta e por fim a execução era feita mediante “carta de sentença”, com exceção nos casos excepcionais, que era feita apenas por mandado (artigo 476)”. (DINAMARCO, 1998; p. 72).

A expropriação está umbilicalmente ligada à penhora, pois esta é a forma operacional da execução, individualizando os bens do devedor para satisfazer o direito do credor.

Ao analisar esse breve apanhado histórico, verifica-se uma evolução no tratamento ao devedor (executado) ao longo da história. Após um início no qual a execução caía sobre sua pessoa, vislumbra-se a transferência do alvo executivo para a figura de seu patrimônio, afinal, pensar em uma execução cujo objeto é um ser humano seria algo inadmissível diante da ordem principiológica atual.

Apesar de uma inegável evolução, o executado continuava a ser parte fraca nesta relação jurídica, com os débitos por ele firmados recaindo diretamente em seu patrimônio sem antes passar por qualquer filtro. Ocorre que, a partir do Século XVII, com os ideais iluministas nos quais o respeito à figura do ser humano passou a ser o foco, essa postura foi aos poucos se modificando.

Assim ganharam força princípios defensivos contra a tirania e as injustiças, se consolidando o princípio do devido processo legal, advindo este do Direito Britânico, pela Magna Carta de João Sem Terra, de 1215, e ao “Statute of Westminster of the Liberties of London 2 também conhecido como a Lei de Eduardo III ou Lei Inglesa de 1354. O princípio law of the land, ou seja, direito da terra, garantia aos cidadãos o direito a um justo processo legal” (PAULA, 2008).

A Constituição dos Estados Unidos da América trouxe em seu seio uma série de direitos individuais de primeira geração3. Dentre eles está a figura do Due Process of the law, inserido através da Emenda V.

A Declaração Fundamental dos Direitos do Homem e do Cidadão definiu os direitos individuais e coletivos como sendo direitos naturais, aqueles intrínsecos à própria condição humana, universais, irrevogáveis e imprescritíveis e, assim, nenhum déspota poderia retirá-los, trazendo em seu artigo 7º a seguinte redação:

Art. 7.º Ninguém pode ser acusado, preso ou detido senão nos casos determinados pela lei e de acordo com as formas por esta prescritas. Os que solicitam, expedem, executam ou mandam executar ordens arbitrárias devem ser punidos; mas qualquer cidadão convocado ou detido em virtude da lei deve obedecer imediatamente, caso contrário torna-se culpado de resistência. (ASSEMBLÉIA NACIONAL FRANCESA, 1789)

O devido processo legal tem um caráter de princípio supraconstitucional, estando acima da ordem jurídica máxima do Estado devido a seu caráter de direito fundamental. Desta forma, a Organização das Nações Unidas redigiu, em São Francisco, nos Estados Unidos da América, a Declaração Universal dos Direitos Humanos, apontando em três artigos o princípio do devido processo legal. São eles:

Artigo VIII:

Toda pessoa tem direito a receber dos tributos nacionais competentes remédio efetivo para os atos que violem os direitos fundamentais que lhe sejam reconhecidos pela constituição ou pela lei.

Artigo IX:

Ninguém será arbitrariamente preso, detido ou exilado.

Artigo X:

Toda pessoa tem direito, em plena igualdade, a uma audiência justa e pública por parte de um tribunal independente e imparcial, para decidir de seus direitos e deveres ou do fundamento de qualquer acusação criminal contra ele.

Artigo XI:

1. Toda pessoa acusada de um ato delituoso tem o direito de ser presumida inocente até que a sua culpabilidade tenha sido provada de acordo com a lei, em julgamento público no qual lhe tenham sido asseguradas todas as garantias necessárias à sua defesa.

2. Ninguém poderá ser culpado por qualquer ação ou omissão que, no momento, não constituíam delito perante o direito nacional ou internacional. Tampouco será imposta pena mais forte do que aquela que, no momento da prática, era aplicável ao ato delituoso. (ORGANIZAÇÃO DAS NAÇOES UNIDAS, 1945)

A Assembleia Constituinte Brasileira de 1988 incluiu no rol de direitos fundamentais o devido processo legal. Desta forma, o artigo 5º, inciso LIV, expõe: ninguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o devido processo legal.

Esse dispositivo influenciou diretamente todo sistema jurídico e, consequentemente, o direito processual (e, neste trabalho, nos limitaremos apenas ao processo civil).

Assim, precisou-se buscar a chamada “constitucionalização do processo”, como nomeia Fredie Didier, que nada mais é do que enxergar o sistema processual com um viés constitucional, respeitando os princípios trazidos pela Constituição da República.

Nesse ponto, Fredie Diddier Júnior se posiciona da seguinte maneira:

Os direitos fundamentais tem dupla dimensão: de um lado subjetiva, por atribuir posições jurídicas de vantagens a seus titulares e, de outro, objetiva, por traduzir valores básicos e consagrados na ordem jurídica. O autor destaca ainda, que as normas-princípio que consagram direitos fundamentais tem aplicação imediata (art. 5º, §1º, CRFB), obrigando o legislador a criar regras processuais em conformidade com elas e, ainda, adequadas à tutela das situações jurídicas ativas (principalmente os direitos fundamentais).É importante destacar que, no âmbito das relações jurídicas processuais modernas, devemos considerar os princípios como sendo fomentadores de posições jurídicas razoáveis e proporcionais aos fatos do caso concreto a fim de garantir a efetivação dos direitos fundamentais valorizados na Constituição. No âmbito processual, os princípios tendem a ser consagrados como garantidores dos direitos fundamentais processuais e, por isso, o magistrado deve interpretar esses direitos como se interpretam os direitos fundamentais, ou seja, de modo a dar-lhes o máximo de eficácia. Poderá afastar, aplicado o princípio da proporcionalidade, qualquer regra que se coloque como obstáculo irrazoável/desproporcional à efetivação de todo direito fundamental, bem como, levar em consideração, eventuais restrições impostas a um dado direito fundamental a fim de garantir o respeito a outros direitos fundamentais. (DIDIER JUNIOR, 2010, p. 68 )

Alguns autores denominam esta fase de Neoconstitucionalismo (para outros, Pós-positivismo), a qual consiste em dar à Constituição força normativa, valorizando os princípios nela implícitos e explícitos, ressaltando-se o filtro dos critérios de razoabilidade e de proporcionalidade.

Nesse sentido, Luiz Guilherme Marinoni nos informa que:

A compreensão da lei a partir da Constituição expressa uma outra configuração do positivismo, que pode ser qualificada de positivismo crítico ou de pós-positivismo, não porque atribui às normas constitucionais o seu fundamento, mas sim porque submete o texto da lei a princípios materiais de justiça e direitos fundamentais, permitindo que seja encontrada uma norma jurídica que revele a adequada conformação da lei. A compreensão e a conformação das regras estão condicionadas pelo valor atribuído à realidade pelos princípios, consoante as possibilidades jurídicas e fáticas, o que implica na compreensão crítica do direito e na responsabilidade de relacionar as normas aos princípios, em busca da melhor interpretação da aplicação das regras ao caso concreto”. (MARINONI, 2010, p. 53).

Fredie Didier defende a aplicação do aludido princípio a tudo que disser respeito à vida, ao patrimônio e à liberdade, sendo a aplicação válida inclusive na formação das leis, limitando o legislativo na criação de leis consideradas injustas.

A doutrina distingue as duas faces do devido processo legal, sendo possível encontrar diferentes nomenclaturas para a mesma situação, como formal e material ou substancial, mas, independentemente do nome utilizado pelo doutrinador, o mérito é o mesmo.

O devido processo legal formal ou procedimental dá origem a vários outros princípios, como o contraditório e a ampla defesa (art. 5º, LV, CF), a igualdade (art. 5º, I, CF), a proibição de provas ilícitas (art. 5º, LVI, CF), o processo público (art. 5º, LX, CF), o juiz natural (art. XXXVII e LIII CF), a motivação das decisões (art. 93, IX, CF), a duração razoável do processo (art. 5º, LXXVIII, CF) e o acesso à justiça (art. 5º, XXXV, CF).

O devido processo legal material ou substancial é aquele que gera decisões jurídicas substancialmente devidas, se atendo aos critérios de proporcionalidade e de razoabilidade. A jurisprudência do Supremo Tribunal Federal extrai da cláusula geral do devido processo legal estes citados deveres.

É possível extrair vários princípios constitucionais implícitos do devido processo legal, como o da boa fé processual, da efetividade (será muito utilizado neste Trabalho de Conclusão de Curso, pois é nele que se baseiam os argumentos para a mitigação), da adequação do processo, da cooperação e da segurança jurídica.

O princípio da efetividade norteia-se pela efetivação do direito, já que não basta ao processo reconhecê-lo como algo legítimo. É preciso, também, ser efetivo.

Assim, Fredie Didier Junior afirma:

O princípio da efetividade garante o direito fundamental à tutela executiva, que consiste na exigência de um sistema completo de tutela executiva, no qual existam meios executivos capazes de proporcionar pronta e integral satisfação a qualquer direito merecedor de tutela executiva” (DIDIER JUNIOR, 2010, p. 68).

Como se pode perceber, para o processo ser compatível com o sistema constitucional ele precisa ser interpretado à luz dos novos princípios de garantia e efetividade.


2. PANORAMA DA HIPERPROTEÇÃO DO EXECUTADO.

Até a era do Imperador Romano Constantino4·, o devedor, ao sofrer a execução, era visto como alguém que não era capaz de cumprir acordos pactuados5. Não se julgava necessária qualquer defesa de seus direitos ou garantias a seu patrimônio, podendo o credor garantir seus direito diretamente com o patrimônio do devedor.

Desta forma, tendo em vista a consagração do princípio da dignidade da pessoa humana como um direito supraconstitucional, verificou-se a necessidade de proteção ao devedor durante o processo de execução, com o objetivo de garantir uma vida digna ao réu do processo.

O Poder Legislativo, assim, criou uma série de institutos e garantias, com o intuito de diminuir os danos provocados ao executado, baseando-se em critérios proporcionais e razoáveis para impedir uma oneração demasiada da parte devedora.

Como garantia constitucional prevista no art. 5º, inciso LV, da Constituição Federal, a ampla defesa e o contraditório são garantidos através dos embargos do devedor, quando se trata de execução de títulos extrajudiciais (art. 745, do CPC). Porém, no tocante ao cumprimento de sentenças judiciais, inexiste a citada defesa, devendo o executado impugnar através de simples petição dirigida ao juiz.

Neste sentido se posiciona o processualista Humberto Theodoro Júnior:

Embora seja sumária a execução de sentença prevista no art. 461, não se pode recusar o direito ao executado de se defender contra procedimentos ilegítimos ou ilícitos.

É claro que, diante de uma sentença que encerrou a fase cognitiva, não é mais possível ao devedor, na fase de cumprimento do julgado, discutir a condenação que lhe foi definitivamente imposta. Mas a própria sentença pode estar contaminada de nulidade, como no caso de falta de citação inicial no procedimento condenatório. (...) A execução compõe-se, outrossim, de uma série de atos de agressão patrimonial, todos eles subordinados a requisitos legais, cuja presença não pode faltar, sob pena de comprometer o devido processo legal. É obvio que o executado tem o direito de controlar a legalidade de todos eles e de evitar que seu patrimônio sofra expropriações injustas.

Se a execução fosse de título extrajudicial, o remédio adequado à defesa contra a execução irregular seriam os embargos do devedor (art. 745). No cumprimento de sentença, todavia, não há lugar para essa ação incidental. Como a execução não pode privar a parte da garantia constitucional do contraditório (CF, art. 5º, LV), tem o executado, diante das irregularidades da execução de sentença, o direito de impugná-las, por meio de simples petição, incumbindo ao juiz processar e julgar, de plano, as impugnações formuladas como incidentes de cumprimento de sentença relativa às obrigações de fazer e não fazer”. (THEODORO JUNIOR, 2010, p. 29).

Segundo o princípio da realidade, disposto no art. 591, do CPC/73 e que encontra-se inscrito no artigo 789, do NCPC/2015: “O devedor responde com todos os seus bens presentes e futuros para o cumprimento de suas obrigações, salvo as restrições estabelecidas em Lei”.

Assim, como se pode mais uma vez verificar, a lei restringe o avanço aos bens dos devedores, a fim de lhes garantir condições dignas de manter sua vida, sem precisar apenas sobreviver.

É neste sentido que prescreve Cassio Scarpinella Bueno:

Essas técnicas executivas se, é certo, mitigam o princípio da patrimonialidade e seus consequentes métodos sub-rogatórios, não agridem, contudo, o art. 1º, III, da Constituição Federal, segundo o qual é fundamento do Estado brasileiro, dentre outros valores, a dignidade da pessoa humana. (BUENO, 2011, p. 55).

Destarte, é vedada a execução na pessoa do devedor, exceto, atualmente, no caso da dívida por alimentos. Portanto, não é mais possível a prisão civil do depositário infiel.

Fala-se “atualmente” acima porque a Constituição, em seu texto original, previa no artigo 5º, inciso LXVII: “Não haverá prisão civil por dívida, salvo a do responsável pelo inadimplemento voluntário e inescusável de obrigação alimentícia e a do depositário infiel”.

Já o Tratado Internacional do Pacto de San José da Costa Rica, do qual o Brasil é signatário, dispõe em seu artigo 7º: “Ninguém deve ser detido por dívidas. Este princípio não limita os mandados de autoridade judiciária competente expedidos em virtude de inadimplemento de obrigação alimentar” (CADH, 1969).

O Supremo Tribunal Federal editou a Súmula Vinculante nº 25, afirmando: “É ilícita a prisão civil de depositário infiel, qualquer que seja a modalidade de depósito”, com o intuito de pacificar a grande divergência até então existente”.(STF, 2010).

O princípio da satisfatividade consiste na ideia de que, em principio, a execução deve incidir apenas parcialmente, atingindo a fração ideal para a realização do direito do credor sem afetar os demais bens. Neste sentido, o artigo 659, do Código de Processo Civil coaduna: “A penhora deverá incidir em tantos bens quantos bastem para o pagamento do principal atualizado, juros, custas e honorários advocatícios”.

O princípio da utilidade da execução, por dedução lógica, afirma que a execução deve ser útil ao devedor, sendo vedada sua utilização como forma de castigar ou causar sofrimento ao mesmo. Nesta esteira, Humberto Theodoro Júnior faz o seguinte apontamento:

Por força do mesmo princípio, o Código de Processo Civil, com a inovação introduzida no texto de seu art. 692, pela Lei nº 6851/80, proíbe a arrematação de bens penhorados, através do lanço que importe preço vil, considerando-se como tal o que seja grandemente desproporcional ao estimado na avaliação ou o que, mesmo correspondendo à avaliação, tenha se defasado em relação ao mercado, pelo logo tempo entre a perícia e a hasta pública. (THEODORO JUNIOR, 2010, p. 123)

O princípio da menor onerosidade da execução (DIDIER JUNIOR, 2010), ou princípio da economia da execução (THEODORO JÚNIOR, 2010), adotado pelo Código de Processo Civil, no art. 620, consiste em: “quando por vários meios o credor puder promover a execução, o juiz mandará que se faça pelo modo menos gravoso para o devedor”. Este princípio visa impedir uma execução abusiva.

Aponta Cassio Scarpinella Bueno:

A execução equilibrada aqui examinada não é propriamente um principio da tutela jurisdicional executiva, mas, diferentemente, um verdadeiro resultado desejável da escorreita aplicação, em cada caso concreto, dos princípios do resultado e da menor gravosidade da execução. (BUENO, 2011, p. 61)

O princípio da tipicidade dos atos executivos consiste na premissa da legalidade, isto é, ao julgar a demanda o juiz deve se basear na vontade expressa do legislador, vinculando-se àqueles dispositivos expressos no texto legal.

Ainda Cassio Scarpinella Bueno:

De acordo com a formulação tradicional, o principio da tipicidade dos atos executivos significa que os atos executivos a serem praticados pelo Estado-Juiz são ‘típicos’ no sentido de que eles são prévia e exaustivamente previstos pelo legislador. O juiz do caso concreto não tem, nesta perspectiva de análise do princípio, nenhuma liberdade para alterar o padrão dos atos processuais e, mais amplamente, de técnicas que He são reconhecidas como as únicas legítimas na lei por obra do legislador”. (BUENO, 2011, p. 58)

O princípio da responsabilidade aduz que, quando o credor causar prejuízo ao executado, fundando sua execução de maneira indevida ou infundada, deve reparar os prejuízos.

Segundo o autor acima mencionado:

Pode o executado pretender ver aquele que promoveu a execução responsabilizada pelas perdas e danos (inclusive de ordem moral) que sofreu. Trata-se, de acordo com a doutrina amplamente vencedora, de situações e que a responsabilização é subjetiva a e, portanto, carece de demonstração da culpa daquele que promoveu a execução (BUENO, 2011, p.66).

E, finalmente, o mais importante de todos os princípios, sendo inclusive fundamento da República Federativa do Brasil, conforme o inciso III do artigo 1º da Carta Magna: a dignidade da pessoa humana. Com fulcro nela, a execução não pode ser utilizada como instrumento para tirar necessidades básicas e impedir o executado de manter uma vida digna, sendo vedada, portanto, a penhora de certos bens, estes taxados pelo legislador no artigo 649 do Código de Processo Civil como absolutamente impenhoráveis.

Neste sentido leciona Fredie Didier:

A impenhorabilidade de certos bens é uma restrição ao direito fundamental à tutela executiva. É técnica processual que limita a atividade executiva e que se justifica como meio de proteção de álbuns bens jurídicos relevantes, como a dignidade do executado, o direito ao patrimônio mínimo e a função social da empresa. São regras que compõem o devido processo legal, servindo como limitações políticas à execução forçada. (DIDIER JUNIOR, 2010, p. 543).

Após essa análise dos princípios favoráveis ao executado, será necessária a análise dos dispositivos legais capazes de garantir uma real aplicação destas ideias protetoras.

A impenhorabilidade dentro da regra cognitiva da execução é a exceção. A regra é o avanço sobre o patrimônio do devedor, sendo possível sua penhora. Não obstante, como já analisado, o legislador se preocupou em resguardar um mínimo instransponível, com o intuito de garantir o cumprimento do fundamento constitucional da dignidade da pessoa humana.

O processualista Humberto Theodoro Júnior, ao se posicionar sobre o assunto, vai direto ao cerne da questão:

Essa limitação à penhorabilidade encontra explicação em razões diversas, de origem ético-social, humanitária, política ou técnico-econômica. A razão mais comum para a impenhorabilidade de origem não-econômica é a preocupação do Código de preservar as receitas alimentares do devedor e da sua família. Funda-se num princípio clássico da execução forçada modera, lembrando, lembrado, entre outros, por Lopes da Costa, segundo o qual ‘a execução não deve levar o executado a uma situação de incompatível com a dignidade da pessoa humana’. Isso quer dizer que, segundo o espirito da civilização cristã de nossos tempos, não pode a execução ser utilizada para causar a extrema ruína, que conduza o devedor e sua família à fome e ao desabrigo, gerando situações aflitivas inconciliáveis com a dignidade da pessoa humana. E não é por outra razão que nosso Código de Processo Civil não tolera a penhora de certos bens econômicos como provisões de alimentos, salários, instrumentos de trabalho, pensões, seguro de vida, etc. (THEODORO JUNIOR, 2010, p. 125)

Esse rol de bens impenhoráveis é o principal ponto de defesa aos interesses do devedor. E, segundo ampla doutrina majoritária, é necessária haver uma distinção acadêmica da impenhorabilidade, classificando-a em absoluta e relativa.

A impenhorabilidade absoluta ocorre nas hipóteses em que um bem jamais poderá sofrer constrição, sendo vedada a penhora em qualquer situação fática, sendo irrelevante a possibilidade de outros bens comporem o acervo patrimonial do devedor como forma de garantir a obrigação pactuada. Portanto, o devedor estará protegido de um crédito por ele pactuado e lícito, por força da vontade legislativa.

Segundo nos ensina Alexandre Freitas Câmara:

Há, no art. 649, bens que são tidos por absolutamente impenhoráveis por diversas razões. Assim, por exemplo, são considerados impenhoráveis os bens inalienáveis (por suas razões óbvias, já que a penhora é uma preparação da expropriação, e, não se podendo expropriar, nenhuma utilidade haveria em penhorar. Há, ainda, bens que são impenhoráveis para assegurar a sobrevivência do executado (é o caso dos instrumentos necessários ou úteis ao exercício de profissão, bem como do salário). (CÂMARA, 2010, p. 288).

A impenhorabilidade absoluta calca-se no artigo 833 do diploma processual vigente desde março de 2015, que possui um rol taxativo, sem prejuízo de outras legislações esparsas, como a Lei nº 8009/1990, conhecida popularmente como a lei do bem de família, e como o artigo 114, da Lei nº 8213/1991, que regulamenta os benefícios previdenciários, vedando expressamente qualquer penhora dos benefícios pagos, tendo em vista sua natureza alimentar.

Fredie Didier sustenta sobre o tema:

A impenhorabilidade pode decorrer, ainda, de uma exigência material (impenhorabilidade material). Nessa hipótese, a regra de impenhorabilidade é apenas um reflexo do que determinava as regas de direito material. É o caso da impenhorabilidade dos bens inalienáveis (indisponíveis): se o bem não pode ser alienado pela vontade do executado, também não pode ser afetado judicialmente. (DIDIER JUNIOR, 2010; p. 550)

De forma genérica tratar-se-á de cada inciso, exceto o IV, pois este é diretamente relacionado ao tema central deste trabalho acadêmico. Dessa forma, será o único a ser trabalhado de forma mais aprofundada, evitando a perda do foco central.

O inciso I trata de “bens inalienáveis e os declarados, por ato voluntário, não sujeitos à execução”, assim, a conclusão é lógica: se o bem não está disponível no mercado, não sendo possível nem ser objeto de garantia real, não há que se falar em penhora.

O inciso II aduz que “os móveis, pertences e utilidades domésticas que guarnecem a residência do executado, salvo os de elevado valor ou que ultrapassem as necessidades comuns correspondentes a um médio padrão de vida”. Da mesma maneira o legislador foi razoável, pois os bens de utilidades domésticas são ligados umbilicalmente às tarefas do dia a dia. Destarte, privar o devedor do seu uso é limitar suas atividades rotineiras, privando-o de uma vida digna. Contudo, o Congresso Nacional também foi político, assim sendo, excetuou à regra os móveis voluptuosos.

O inciso III, “os vestuários, bem como os pertences de uso pessoal do executado, salvo se de elevado valor”, tem a mesma fundamentação do que fora explanado.

O inciso IV:

os vencimentos, subsídios, soldos, salários, remunerações, proventos de aposentadoria, pensões, pecúlios e montepios; as quantias recebidas por liberalidade de terceiro e destinadas ao sustento do devedor e sua família, os ganhos de trabalhador autônomo e os honorários de profissional liberal, observado o disposto no § 3o deste artigo. (Lei reformadora do CPC nº11382, 2006)

Este será objeto de profundo debate, já que está intimamente relacionado o tema central, sendo trabalhado quando falar-se-á da possibilidade de penhora das verbas salariais.

O inciso V prevê: “os livros, as máquinas, as ferramentas, os utensílios, os instrumentos ou outros bens móveis necessários ou úteis ao exercício de qualquer profissão”, pois se tratam de fonte de sustento próprio e de sua família.

O inciso VI, “o seguro de vida”, também não pode ser penhorado devido a sua natureza alimentar.

O inciso VII, “os materiais necessários para obras em andamento, salvo se essas forem penhoradas”, esclarece que a obra como um todo pode ser penhorada, mas não apenas os seus materiais de maneira individualizada.

O inciso VIII, “a pequena propriedade rural, assim definida em lei, desde que trabalhada pela família”, vai ao encontro do artigo 5º, inciso XXVI, da Constituição Federal: “a pequena propriedade rural, assim definida em lei, desde que trabalhada pela família, não será objeto de penhora para pagamento de débitos decorrentes de sua atividade produtiva, dispondo a lei sobre os meios de financiar o seu desenvolvimento”. Assim, qualquer outra disposição legal seria passível de controle de constitucionalidade. Importante ressaltar que a lei, citada nos dois textos legais, é o Estatuto da Terra (Lei nº 4504/64).

Scarpinella Bueno afirma:

A ‘lei’ a que se refere a constituição e , bem assim, o próprio inciso VIII do art.649 na atual redação é a Lei 4.504, de 30 de novembro de 1964, mais conhecia como ‘Estatuto da Terra’, que deve ser aplicada à hipótese, sem prejuízo do disposto no §2º do art. 4º da Lei n. 8.009/1990, dada a expressa ressalva feita pelo dispositivo (BUENO, 2011, p.76).

O inciso IX, “os recursos públicos recebidos por instituições privadas para aplicação compulsória em educação, saúde ou assistência social”, não possui qualquer discussão, tendo em vista tratar de valores advindos do erário público.

O inciso X, “até o limite de 40 (quarenta) salários mínimos, a quantia depositada em caderneta de poupança”, segue os critérios de razoabilidade e proporcionalidade, pois apesar de a poupança não ser para uso imediato, esta constitui uma importante reserva, tendo o legislador definido um valor protetivo.

Atualmente, a jurisprudência do STJ 2014 entende: é impenhorável qualquer aplicação financeira que está no nome da pessoa, independentemente do período de tempo (STJ, 2014).

E, finalmente, o inciso XI, “os recursos públicos do fundo partidário recebidos, nos termos da lei, por partido político”, pois se trata de receita pública destinada aos partidos políticos.

Os bens relativamente impenhoráveis, segundo Humberto Theodoro Júnior: “Consideram-se bens relativamente impenhoráveis aqueles cuja penhora a lei só permite quando inexistirem outros bens no patrimônio do devedor que possam garantir a execução” (THEODOR JUNIOR, 2010, p. 285).

Os bens relativamente impenhoráveis são aqueles que apenas efetivam a execução de forma residual, isto é, quando já foram tentadas outras penhoras, a fim de garantir o pagamento do que é devido.

Desta feita, o artigo 834 do diploma processual afirma: “Podem ser penhorados, à falta de outros bens, os frutos e rendimentos dos bens inalienáveis”.

Após essa longa análise sobre um histórico legal de hiperproteção do executado, pode-se permitir a adentrar ao tema central deste trabalho, ponderando, então, se essa hipertrofia do sistema protetivo é a melhor solução e se conseguirá manter a segurança jurídica das relações comerciais e financeiras, ou seja, daquelas típicas do sistema capitalista.

Daniel Amorim Assumpção Neves faz uma relação do direito comparado, no tocante à impenhorabilidade salarial, em um artigo publicado em seu sítio na internet.

O autor incialmente faz um panorama comparativo com o direito europeu ocidental, falando inicialmente sobre os dispositivos no direito português “os bens relativa e absolutamente impenhoráveis encontram-se previstos nos arts. 821 a 824 do CPC”. Posteriormente compara com os dispositivos do direito francês: “existem previsões espalhadas por diversas leis extravagantes, valendo citar os arts. 13 a 15 e 41 e 42 da Lei 91-650, de 1991, que estabelece o Procédures Civiles d’exécution”. Comenta ainda o direito italiano e seu Codice di Procedura Civile: “as previsões sobre bens impenhoráveis encontram-se nos arts. 513 e 514”. E finalmente no direito alemão “no ZPO existe previsão de bens impenhoráveis no art. 811 e em leis extravagantes. Semelhante disposição é encontrada nos arts. 831 a 833 do CPC da Polônia”.

Já em relação ao direito latino-americano a previsão de impenhorabilidade é a regra nos países como Argentina, onde a previsão tocante ao tema encontra-se no art. 219:

No se trabará nunca embargo: 1) En el lecho cotidiano del deudor, de su mujer e hijos, en las ropas y muebles de su indispensable uso, ni en los instrumentos necesarios para la profesión, arte u oficio que ejerza, do Código Procesal Civil y Comercial Nacional e em diversas leis nacionais” (ARGENTINA, 1981)

O Chile segue o mesma tendência: “art. 445: ‘No son embargables: Las remuneraciones de los empleados y obreros en la forma que determinan los artículos 40 y 153 del Código del Trabajo; do CPC” (CPC CHILE, 1902). Porém o destaque é a legislação da Bolívia, cujo artigo 179 afirma “Son bienes inembargables:1)El ochenta por ciento del total mensual percibido por concepto de sueldo o salario, excepto el caso de la asignación por asistencia familiar en que el embargo podrá ser mayor de dicho porcentaje” (CPC BOLIVA, 1975).

Destaca Daniel Amorim a legislação boliviana:

É interessante o caso da Bolívia, que prevê o instituto do benefício de competência, instituto muito próximo das regras de impenhorabilidade de bens, mas que trata diretamente do pagamento parcial da dívida pelo devedor quando seu pagamento total possa levá-lo a um estado de extrema dificuldade em sua sobrevivência. O instituto é baseado em duas principais características: o pagamento parcial, mantendo-se assim com o devedor o mínimo para sua sobrevivência digna, e a suspensão da cobrança do restante para um momento em que o devedor apresente melhora em sua condição econômica e possa fazer frente a sua obrigação sem sofrer privações mais sérias. (AMORIM, 2010, p.11).

Neste capítulo pode-se visualizar, tanto na legislação brasileira, quanto na alienígena, os inúmeros dispositivos e direitos dados ao executado em face da execução promovida pelo credor.

Diante disso é necessária uma ponderação dos direitos existentes em polos opostos, de um lado o devedor (executado) e do outro o credor (exequente) e este será o tema do capítulo posterior.


3. A PONDERAÇÃO DE PRINCÍPIOS: EXECUÇÃO MENOS GRAVOSA VERSUS EFETIVIDADE.

As relações jurídicas em sociedade devem ser pautadas pelo princípio da boa-fé objetiva, sendo um instituto presente no campo das relações privadas e negociais. Este é um princípio geral, ou melhor, uma cláusula geral.

Agir com boa fé trata-se de atitudes não reprováveis pela sociedade, seguindo preceitos éticos, morais, de confiança e de lealdade. Desta forma, retira-se o caráter subjetivo, pois traz uma ideia de atitudes no qual o princípio pode ser violado, independentemente da crença pessoal do agente.

Segundo Ruy Rosado de Aguiar, boa-fé define-se como:

Um princípio geral de Direito, segundo o qual todos devem comportar-se de acordo com um padrão ético de confiança e lealdade. Gera deveres secundários de conduta, que impõem às partes comportamentos necessários, ainda que não previstos expressamente nos contratos, que devem ser obedecidos a fim de permitir a realização das justas expectativas surgidas em razão da celebração e da execução da avenca. (AGUIAR JR., 1995, p.24)

O civilista Caio Mário da Silva Pereira corrobora tal entendimento e ensina:

A boa-fé, em sua concepção objetiva, como conduta ética entre as partes que negociam, impõe correção e lealdade. Nesse contexto, ela sobrepaira como “princípio orientador de interpretação”. No entando, o princípio da boa-fé objetiva, segundo a moderna doutrina, também possui o condão de criar deveres jurídicos anexos, como deveres de correção, cuidado, cooperação, sigilo, prestação de contas, e mesmo de limitação ao exercício de direitos subjetivos, como ocorre nas proibições de venire contra factum proprium, do inciviliter agere e na invocação do tu quoque. (PEREIRA, 2010, p. 430)

O Código Civil atual, em vários artigos6, consagra o instituto da boa-fé, seja nos negócios jurídicos, nos contratos etc. Assim, quis o legislador infraconstitucional, atendo-se à necessária modificação de um viés social, adequar-se à sistemática principiológica trazida pela Carta Magna7 de 1988.

Tornou-se o princípio da boa-fé um filtro essencial para as relações em sociedade, de cunho comercial, pelo qual alguém oferece prestação a outrem tendo em vista uma contraprestação prometida ou pactuada.

Nesta feita, surge o dever de lealdade, originário da boa-fé, tendo como objetivo garantir um maior respeito ao próximo nas relações jurídicas, sendo vedada qualquer possibilidade de tirar vantagem sobre outrem. Esta concepção é oriunda do instituo romano nemo turpitudinem suam allegare potest, que significa: ninguém poderá se beneficiar da própria torpeza.

Ao pactuar uma obrigação, o devedor obriga-se a dar a contraprestação acordada, gerando uma expectativa no credor de receber aquilo que lhe foi prometido.

Ocorre que se o devedor sabe que a contraprestação pela qual garantiu o cumprimento não lhe é possível, e não há nenhum bem em seu nome (já que este poderia servir como uma garantia do cumprimento contratual), ele não deveria pactuar o acordo e ferir os ditames da boa-fé, já que causa no credor uma impossibilidade de execução e, como já estudado, a lei protege o devedor, a fim de garantir-lhe a dignidade.

Porém, ao impedir a penhora de vários objetos, inclusive as verbas salariais, o legislador deixa o credor de “mãos atadas”. Tal fato, se pensarmos em uma escala macro, tende a gerar uma grande insegurança jurídica, pois como garantir a eficácia do princípio da boa-fé objetiva se a execução contra o descumpridor deve passar por um denso filtro protetivo?

O credor acaba sendo prejudicado por não haver maneira de garantir o adimplemento da obrigação, o que gera inúmeros efeitos para a sociedade, como menor vontade de querer pactuar obrigações e aumento de juros.

A boa fé deve estar presente também na atividade jurisdicional. Para tanto, a doutrina criou o chamado princípio da boa fé processual, no qual o sentido basilar é que as partes devem tratar-se com lealdade. Este princípio é extraído expressamente do artigo 5º, do Novo Código de Processo Civil de 2015, que diz “Aquele que de qualquer forma participa do processo deve comportar-se de acordo coma boa-fé”.

Portanto, pensar em uma relação na qual o executado beneficia-se em detrimento do exequente, por força de uma determinação legislativa, sem analisar o caso concreto e a conduta individualizada daquele individuo, é negar uma série de direitos oriundos dos diversos princípios comentados ao longo desse trabalho.

Faz-se necessária uma ponderação sobre a possibilidade de mitigação dos direitos protetivos, atentivos à execução, com o princípio da efetividade, no qual aduz que para um processo ser devido, ele precisa ser efetivo. Desta forma, não há possibilidade de ser legalistas ao ponto de afirmar que tal discussão não é possível, pois além de perfeitamente possível, é necessária e essencial para garantir o preceito básico da confiança na jurisdição estatal.

O Estado, desde o contrato social, vislumbrado por Hobbes, Locke e Rousseau, no qual resumidamente a sociedade entrega ao rei o poder de garantir o melhor convívio em sociedade como forma de pôr fim ao estado de natureza em que se encontrava, passou, então, a jurisdição a ser de domínio estatal.

Assim sendo, como poderia haver confiança nesse Estado, se ele mesmo não é capaz de proporcionar a eficácia jurisdicional de suas decisões? A insegurança jurídica “paira no ar”, causando um descrédito do próprio Estado Democrático de Direito, sendo, desta maneira, urgente a ponderação de princípios como forma de garantir a efetividade das decisões advindas da jurisdição estatal.

Fredie Didier conceitua jurisdição desta forma:

Jurisdição é a função atribuída a terceiro imparcial (a) de realizar o Direito de modo imperativo (b) criativo (c), reconhecendo/efetivando/protegendo situações jurídicas (d) concretamente deduzidas (e), em decisão insuscetível de controle externo (f) e com aptidão para tonar-se indiscutível (g).” Havendo assim, valorização e reconhecimento da força normativa da constituição, principalmente das normas-princípios, que exigem do órgão jurisdicional uma postura mais ativa e criativa para a solução de problemas, desenvolvendo a teoria dos direitos fundamentais, que impõe aplicação direta das normas que os consagram, independentemente de intermediação legislativa” (DIDIER JUNIOR, 2010, p. 83).

Pode-se então extrair de sua lição que, para uma adequação ao atual sistema, o conceito de jurisdição teve que se atualizar, passando a possibilitar a aplicação direta e horizontal dos direitos fundamentais.

Se pensar em um estudo de direito comparado, irá verificar-se que em outros países a impenhorabilidade na totalidade dos vencimentos é exceção, pois foram ponderados os interesses do executado e do exequente, a fim de garantir a defesa do direito fundamental da dignidade da pessoa humana de ambos.

O direito italiano tem a vanguarda dos ideais processualistas, dentre eles está Giuseppe Chiovenda, sendo de sua autoria a idealização da efetividade como escopo maior do processo, celebrizando a seguinte frase: Il processo deve dar per quanto possible praticamente a chi há un diritto quello e propio quello ch''egli há diritto di conseguire 8 . (CHIOVENDA, Giuseppe; 1911).

Os países europeus, em sua grande maioria, seguem a perspectiva italiana para garantir uma maior efetividade processual.

No Código de Processo Civil Alemão há possibilidade de penhora parcial de salários, tenho em vista que o art. 811, n. 8, considera-se impenhorável apenas o mínimo para preservar dignidade do executado, sendo impenhoráveis somente os valores necessários para suprir o lapso temporal entre a penhora e o próximo pagamento. Assim, os valores são ponderados pelo magistrado no caso concreto, levando-se em consideração o valor dos ganhos advindos do trabalho pelo executado e suas necessidades.

No direito português, existe previsão no Código de Processo Civil, art. 823, n. 1, letra e, de que somente 2/3 do salário são impenhoráveis, admitindo-se que a penhora incida sobre o 1/3 restante. Ainda na península ibérica, “o direito espanhol, na ‘Ley de Enjuiciamiento Civil’” (NEVES, 2010), não cria um valor fixo, e cria um sistema progressivo, no artigo 607, que varia de 30% a 90%, dependendo da faixa em que se verifica o valor total dos vencimentos.

No direito argentino previu expressamente a possibilidade de penhora salarial, porém condicionou no limite de 20% do valor do salário que exceder o limite necessário para garantir a subsistência do executado.

Nos Estados Unidos existe verdadeira discricionariedade judicial no arbitramento da porcentagem do salário que pode ser objeto de penhora, levando o juiz em consideração as necessidades mínimas do executado e de sua família no caso concreto. Contudo deve-se respeitar a “lei federal que limita tal desconto, exigindo que na fixação da penhora o devedor mantenha no mínimo 75% ou 30 vezes o valor do salário mínimo vigente, o que for maior” (NEVES, 2010).

Percebe-se, portanto, um atraso no sistema executório brasileiro quando o compara aos sistemas preponderantemente europeus. Como observado o sistema espanhol é o extremo oposto do brasileiro, pois criou mecanismos cujo objetivo é garantir a eficiência processual e, assim, garantir o pagamento ao exequente do que lhe é justo. Nosso Código de Processo Civil ainda, infelizmente, garante um resguardo de direito excessivo ao executado, impedindo uma maior confiabilidade no sistema jurisdicional.

Dessa forma, Marinoni assevera:

“O impedimento de penhora de tais bens obstaculiza a tutela prometida pelo direito material e, por consequência, o exercício efetivo do direito fundamental de ação ou à tutela jurisdicional efetiva (art. 5º, XXXV. Da CF). Ou melhor, o Estado, diante do veto, está conferindo proteção insuficiente ao direito fundamental de ação, impedindo o seu exercício de forma efetiva ou de modo a permitir a tutela do direito de crédito. Na verdade, ao chancelar a intangibilidade do patrimônio do devedor rico, o Estado abandona o cidadão sem fundamentação constitucional bastante”. (MARINONI, 2010, p. 260).

O §3º do art. 649 do Código de Processo Civil e o veto presidencial por ele sofrido serão abordados de maneira mais aprofundada no capítulo seguinte desta obra. Mas, como se está falando de ponderação de uma execução menos gravosa com a efetividade processual, é necessário pontuar, mesmo que de maneira rápida, o dispositivo citado, pois foi consenso tanto na sua elaboração, quanto na doutrina, de que ele garantia o meio termo necessário entre esses dois extremos.

O texto vetado mitigava a impenhorabilidade salarial, desde que atendidos certos critérios escolhidos pelo legislador, como em apenas salários superiores a 20 (vinte) vezes o salário mínimo vigente, e a penhora somente poderia ser de até 40% (quarenta por cento) dos vencimentos, após os descontos de imposto de renda retido na fonte, contribuição previdenciária etc. Desta forma, a penhora cairia sobre o salário líquido.

Neste sentido Fredie Didier aponta:

“O §3º trazia uma hipótese de relativização dessa regra da impenhorabilidade. Permitia-se a penhora de até 40% (quarenta por cento) do total recebido mensalmente acima de 20 (vinte) salários mínimos, calculados após efetuados os descontos de imposto de renda retido na fonte, contribuição previdenciária oficial e outros descontos compulsórios (§3º do art. 649). A razão de ser regra era bem clara: considerava-se um determinado valor como impenhorável, para garantir a sobrevivência digna do executado (R$7.000,00 hoje), e permitia-se a penhora de apenas 40% do que excedesse esse piso. Muito razoável. Há profissionais que chegam a ganhar cem, duzentos, trezentos mil reais por mês, é irrazoável e inconstitucional, por aniquilar o direito fundamental à efetividade, a impenhorabilidade de qualquer parcela desta remuneração. Reforça-se o que já se disse acima. Pegue-se o exemplo de um salários de cem mil reais: poderiam ser penhorados 40% de R$91.700,00 (considerando o salário-mínimo de R$415,00), o que equivale a R$36.680,00, restando R$36.320,00 (o que corresponde a 153 salários mínimos) naquele mês para que a sua sobrevivência digna fosse garantida. Os valores seriam ainda mais absurdos se considerássemos o mês de pagamento do décimo terceiro salário...” (DIDIER JUNIOR, 2010, p. 545).

Após essa necessária ponderação entre os princípios da execução menos gravosa e o princípio da efetividade, percebe-se que por mais necessária à proteção do executado seja, ela não pode ser absoluta, pois subjugaria o direito da outra parte envolvida, ferindo os preceitos do devido processo legal e da garantia a uma vida digna, já que se trata de uma análise entre dois direitos fundamentais em conflito.

Assim assevera o mesmo autor:

Enfim, são em princípios constitucionais as regras que restringem a responsabilidade patrimonial, impedindo a penhora de certos bens. Em um Estado Democrático de Direito que busca a construção de uma sociedade livre, justa e solidária (art. 3º, I, CF/88), a restrição à penhora de certos bens apresenta-se como técnica processual tradicional e bem aceita pela sociedade contemporânea. Mas essas regras não estão imunes ao controle de constitucionalidade in concreto, e por isso, podem ser afastadas ou mitigadas se, no caso concreto, a sua aplicação revelar-se não razoável ou desproporcional”. (DIDIER JUNIOR, 2010, p. 545).

Diante do exposto há uma forte tendência de aplicação das normas e principalmente dos princípios constitucionais nas relações entre particulares e, não apenas na relação vertical contra o Estado.

Feito esse importante estudo, passa-se ao estudo dos fundamentos do veto presidencial ao parágrafo terceiro do artigo 649, do Código de Processo Civil, e as razões defendidas pelos autores para a aplicação da mitigação da impenhorabilidade salarial com base nesse dispositivo.


4. OS FUNDAMENTOS PARA APLICAÇÃO DA MITIGAÇÃO DA IMPENHORABILIDADE SALARIAL.

O legislador elegeu por sua vontade no sentido de proteger a figura do executado, assim, o inciso IV do artigo 833 do referido diploma contem a seguinte redação:

os vencimentos, os subsídios, os soldos, os salários, as remunerações, os proventos de aposentadoria, as pensões, os pecúlios e os montepios, bem como as quantias recebidas por liberalidade de terceiro e destinadas ao sustento do devedor e de sua família, os ganhos de trabalhador autônomo e os honorários de profissional liberal, ressalvado o § 2o;

Como pode-se notar, o dispositivo ressalvou expressamente a possibilidade trazida pelo §2º, do mesmo dispositivo, qual seja:

§ 2º O disposto nos incisos IV e X do caput não se aplica à hipótese de penhora para pagamento de prestação alimentícia, independentemente de sua origem, bem como às importâncias excedentes a 50 (cinquenta) salários-mínimos mensais, devendo a constrição observar o disposto no art. 528, § 8o, e no art. 529, § 3º..

Assim, como se denota de uma clara interpretação do texto legal, a inquestionável possibilidade, na vigência do Novo Código de Processo Civil, da mitigação da impenhorabilidade salarial, quando a verba alimentícia superar os 50 salários-mínimos mensais.

Neste diapasão se depara com uma situação na qual o princípio da proporcionalidade tem tido frequente aplicação do direito processual civil, sobretudo na execução, onde se verificam conflitos entre o princípio da efetividade e o da dignidade da pessoa humana, sobretudo no que diz respeito aos poderes exercidos pelo juiz.

Muitos doutrinadores entendem que esta impenhorabilidade não pode ser considerada de forma absoluta9, principalmente quando há conflito entre regras e entre princípios constitucionais vigentes no ordenamento jurídico.

Entre eles está Anita Puchta, possuidora do seguinte entendimento sobre tais impenhorabilidades:

As impenhorabilidades no Brasil constituem um sistema rígido, sem a flexibilidade necessária, sem uma ponderação, um equilíbrio necessário, tanto na elaboração de leis como nas decisões no caso concreto. Leis de impenhorabilidade excessiva possuem defeitos e vícios extrínsecos, de modo a macular a ordem jurídica, tornando-a fortemente injusta com quem busca o bem da vida. Em suma, é a própria ordem jurídica voltando-se contra si mesma.[...] Nenhum direito no ordenamento é absoluto. Sempre há necessidade que se ceda em um direito para observar outro. As normas de impenhorabilidade sem a mitigação necessária, ou seja, rígidas, estão a ofender a dignidade humana e o direito fundamental de ação da vítima de ilícitos.(PUTCHA, 2013, p. 156).

Cândido Rangel Dinamarco leciona no sentido de que as impenhorabilidades devem ser relativizadas, principalmente aquelas utilizadas para proteger um devedor que não honra com o pagamento de seu débito e continua mantendo o mesmo padrão de vida:

É preciso estar atento a não exagerar impenhorabilidades, de modo a não as converter em escudos capazes de privilegiar o mau pagador. A impenhorabilidade da casa residencial, estabelecida pela Lei do bem de Família (Lei n. 8009, de 29.03.1990), não deve deixar a salvo uma grande e suntuosa mansão em que resida o devedor, o qual pode muito bem alojar-se em uma residência de menor valor. (DINAMARCO, 1998; p. 127)

O Poder Judiciário, ainda sobre a égide do CPC/73, quando não havia norma processual permissiva expressa vinha demonstrando uma tendência a atenuar a impenhorabilidade absoluta do salário, proporcionando, assim, uma maior efetividade na prestação da tutela jurisdicional ao credor. Desta forma, fundamentando-se nos princípios da razoabilidade e da proporcionalidade, o Judiciário vem aplicando reiteradamente decisões que buscam cominar a satisfação do credor.

As decisões do Poder Judiciário surgem tanto na esfera cível quanto na trabalhista. No âmbito trabalhista, a possibilidade da penhora do salário está elencada no enunciado 70 do TRT/MG, in verbis:

Nesse sentido, dispõe o Enunciado 70, determinando que, na aplicação do artigo 649, IV, do CPC, sejam observados o princípio da proporcionalidade e as particularidades do caso concreto. A proteção do crédito de natureza trabalhista suaviza muito o princípio da menor onerosidade para o devedor, previsto no artigo 620 do CPC, e reforça o princípio do resultado, pelo qual a execução é realizada em benefício do credor. (TRT-3/MG, 2006)

Seguem algumas decisões nesse sentido:

TRT/MG EMENTA: AGRAVO DE PETIÇÃO. PENHORA SOBRE PERCENTUAL DE APOSENTADORIA. MITIGAÇÃO DA IMPENHORABILIDADE PREVISTA NO ARTIGO 649, INCISO IV, DO CPC. Mitiga-se a impenhorabilidade do valor da aposentadoria da devedora, posto que confrontada com a satisfação de crédito trabalhista de natureza alimentar. Nesse sentido, o Enunciado 70 aprovado na 1ª Jornada de Direito Material e Processual na Justiça do Trabalho (23/11/2007): EXECUÇÃO PENHORA DE RENDIMENTOS DO DEVEDOR. CRÉDITOS TRABALHISTAS DE NATUREZA ALIMENTAR E PENSÕES POR MORTE OU INVALIDEZ DECORRENTES DE ACIDENTE DO TRABALHO. PONDERAÇÃO DE PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS. POSSIBILIDADE. Tendo em vista a natureza alimentar dos créditos trabalhistas e da pensão por morte ou invalidez decorrente de acidente do trabalho (CF, art. 100, § 1º-A), o disposto no art. 649, inciso IV, do CPC deve ser aplicado de forma relativizada, observados o princípio da proporcionalidade e as peculiaridades do caso concreto. Admite-se, assim, a penhora dos rendimentos do executado em percentual que não inviabilize o seu sustento. (TRT/MG, 2007)

TRT/RS EMENTA: IMPENHORABILIDADE. CONTA SALÁRIO. Hipótese em que se relativista a aplicação do disposto no art. art. 649, IV, do CPC, autorizando-se a penhora mensal de 20% de salário de sócio da executada para fins de satisfação da dívida trabalhista, dentro de um critério de razoabilidade, porquanto a norma deve ser aplicada conforme o princípio que a informa, de proteção do salário enquanto parcela a ser disponibilizada ao empregado para fins de subsistência, respeitado, no caso, o princípio fundamental da dignidade da pessoa humana em relação ao exequente e ao executado. (TRT/RS, 2009)

Contudo, ao passo em que a análise se volta para a Justiça Comum, essa tendência começa a ser inflexibilizada, já que em sua maioria os tribunais possuem juízes e desembargadores positivistas em sua essência. O tribunal que se excetua deste quadro é o Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul (TJRS).

O TJRS sempre teve como característica a aplicação de novas tendências jurídicas, assim, não é diferente com a mitigação da impenhorabilidade salarial.

Como forma de demonstrar tais apontamentos, foram destacadas algumas decisões:

AGRAVO DE INSTRUMENTO. DIREITO PRIVADO NÃO ESPECIFICADO. EXECUÇÃO. PENHORA ON LINE. INCIDENTE DE IMPENHORABILIDADE. VALORES DE TERCEIRO. PENHORA SALARIAL. ART. 649, IV DO CPC. MITIGAÇÃO DA REGRA DA IMPENHORABILIDADE. Os valores constritos na conta corrente da filha do executado devem ser liberados à sua titular, uma vez que não é parte na execução. Ausência de demonstração de que o dinheiro é transferido pelo executado com o objetivo de frustrar a execução. Manutenção da penhora recaída sobre a conta corrente do agravado. A impenhorabilidade salarial a que alude o art. 649, IV do CPC não é absoluta, podendo ser mitigada em situações como a do caso em concreto, em que a ação já tramita há muitos anos sem solução, o devedor possui salário acima da média e a constrição operada não comprometer sua subsistência. AGRAVO DE INSTRUMENTO PARCIALMENTE PROVIDO. UNÂNIME

(TJRS, 2014).

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal também se posiciona em tal sentido, a fim de possibilitar a penhora de vencimentos salariais, caso isso não impeça o devedor a ter uma vida digna. Segue decisão extraída do Juizado Especial Cível neste sentido:

JUIZADO ESPECIAL CÍVEL. MANDADO DE SEGURANÇA. ATO MANIFESTAMENTE ILEGAL. INOCORRÊNCIA. RECLAMAÇÃO. ERRO DE PROCEDIMENTO. ATO APTO A CAUSAR DANO IRREPARÁVEL OU DE DIFÍCIL REPARAÇÃO. INOBSERVÂNCIA DO PRAZO LEGAL OBSTANDO A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA FUNGIBILIDADE. PENHORA DE PARCELA DE VERBA REMUNERATÓRIA. POSSIBILIDADE. PERDA DA NATUREZA SALARIAL. MITIGAÇÃO DA IMPENHORABILIDADE LEGAL. ADEQÜAÇÃO AO FIM VISADO PELO LEGISLADOR ORDINÁRIO. PRESERVAÇÃO DA SUBSISTÊNCIA DIGNA DO DEVEDOR E DA SATISFAÇÃO DO LEGÍTIMO DIREITO DO CREDOR. RAZOÁVEL DURAÇÃO DO PROCESSO. SEGURANÇA DENEGADA. (...) 5) à vista da relevância social da tutela jurisdicional, devem-se mitigar as impenhorabilidades legais, adequando-as ao fim desejado pelo legislador ordinário, consistente na tutela do mínimo indispensável à sobrevivência digna, em harmonia às disposições constitucionais aplicáveis à espécie, condição atendida pelo juízo singular. 6) precedentes jurisprudenciais (TJDF, 2006).

O Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, ainda que de forma bem tímida e incipiente, através apenas de decisões isoladas, já abarcou a possibilidade defendida neste trabalho acadêmico, como nota-se na decisão exemplificativa a seguir:

Agravo de instrumento. Decisão que, em ação monitória, determinou a expedição de mandado de penhora mensal da conta da executada, no Banco do Brasil S/A, até o limite de 30% dos proventos líquidos da mesma e até a satisfação do débito. Manutenção. A penhora no percentual de trinta por cento de valores que constam de conta-salário não implica em onerosidade excessiva ao devedor e muito menos em ofensa ao art. 649, inciso IV, do Código de Processo Civil, havendo, assim, uma mitigação da regra da impenhorabilidade da verba salarial em prol da efetividade do processo de execução, sem, no entanto, se descurar do princípio de que a execução deve se processar da forma menos onerosa ao devedor. Aplicação do artigo 557, caput do CPC. DES. HELDA LIMA MEIRELES - Julgamento: 20/07/2011 - DECIMA QUINTA CAMARA CIVEL.

PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO DE INSTRUMENTO. EXECUÇÃO JUDICIAL. BLOQUEIO DO VALOR CORRESPONDENTE A 30% DOS PROVENTOS DE APOSENTADORIA DE UM DOS EXECUTADOS. DECISÃO EM SINTONIA COM A JURISPRUDÊNCIA (...)I-Na esteira dos precedentes jurisprudenciais, a penhora no percentual de trinta por cento de valores que constam de conta-salário não implica em onerosidade excessiva ao devedor e muito menos em ofensa ao art. 649, IV, do Código de Processo Civil, havendo, assim, uma mitigação da regra da impenhorabilidade da verba salarial em prol da efetividade do processo de execução, sem, no entanto, se descurar do princípio de que a execução deve se processar da forma menos onerosa ao devedor;II - Hipótese em que a execução judicial bloqueou valor correspondente a 30% da conta-salário do executado;II - Recurso ao qual se negou seguimento - art. 557, do Código de Processo Civil;IV - Improvimento ao agravo interno. (TJRJ, 2010)

O Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais também segue essa corrente, mas com decisões apenas pontuais:

EXECUÇÃO - PENHORA DE VALORES PROVENIENTES DE BENEFÍCIO DE NATUREZA ALIMENTAR - POSSIBILIDADE - LIMITE DE 30%. Tanto o texto constitucional quanto o processual vedam a retenção de salários, pois é através desses que os trabalhadores se mantêm e sustentam suas respectivas famílias, quitando seus compromissos cotidianos. O artigo que veda a penhora sobre os salários, soldos e proventos devem ser interpretados levando-se em consideração as outras regras processuais civis. Serão respeitados os princípios da própria execução, entre eles o de que os bens do devedor serão revertidos em favor do credor, a fim de pagar os débitos assumidos. “A penhora de apenas uma porcentagem da verba de natureza alimentar não fere o espírito do artigo 649 do Código de Processo Civil.” (TJMG, 2008)

Já os Tribunais Superiores, como o Tribunal Superior do Trabalho (TST) e o Superior Tribunal de Justiça (STJ), vinham adotando um posicionamento discrepante em relação a vários tribunais de segunda instância, pois estes interpretavam o art. 649, IV, do Código de Processo Civil de 1973 em sua literalidade. Ou seja, para esses tribunais o salário goza do privilégio de ser absolutamente impenhorável, salvo para o pagamento de pensão alimentícia, em oposição aos tribunais inferiores.

Os tribunais de segundo grau vinham partido do pressuposto de que o salário pode sofrer constrição judicial, desde que seja respeitada a subsistência digna do executado.

O próprio STJ, mais recentemente, passou a admitir a interpretação extensiva para possibilitar a penhora do salário para pagamento de algumas dívidas, incidindo a exceção do § 2º do artigo 649 do Código de Processo Civil, ao conferir caráter alimentar aos honorários sucumbenciais, conforme pode se vislumbrar da notícia descrita abaixo:

O Superior Tribunal de Justiça (STJ), em decisão recente, autorizou a penhora de parte do salário de um trabalhador para o pagamento de uma dívida. A possibilidade foi permitida pela Corte porque o débito foi considerado de natureza alimentar, ou seja, destinado ao sustento da outra parte. O caso levado à análise da 3ª Turma é de um advogado que cobrava na Justiça o recebimento dos honorários de sucumbência, que por lei é devido pela parte que perde o processo. Trata-se de um dos primeiros casos em que o STJ autorizou o bloqueio de salário para essa finalidade (ASSOCIAÇÃO DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO, 2011).

No caso citado, há uma ponderação entre dois direitos alimentares: o do devedor e o do credor (por se tratar de verba advocatícia), assim, apesar de justa a decisão, ela ainda pouco entra em uma discussão mais ampla e genérica sobre o tema, limitando-se a esta situação específica.

A jurisprudência do STJ, em regra, é acerca da impossibilidade:

PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL.ART. 649, IV, DO CPC. VERBA DE NATUREZA ALIMENTAR.IMPENHORABILIDADE. DISCUSSÃO QUANTO À SUA NATUREZA. REEXAME DE PROVAS. INCIDÊNCIA DA SÚMULA 7 DO STJ. PRECEDENTES DO STJ. AGRAVO REGIMENTAL IMPROVIDO.I. No caso, o Tribunal de origem, com fundamento nas provas dos autos, manifestou-se sobre a impossibilidade de se penhorar crédito decorrente de verba salarial, de índole alimentar. Assim, a pretendida inversão do julgado, para que se afaste a natureza alimentar da verba, em sede de Recurso Especial, demandaria incursão no conjunto fático-probatório dos autos, inviável, em face da Súmula 7/STJ. Precedentes (STJ, AgRg no Ag 1.296.680/MG, Rel. Ministro LUIS FELIPE SALOMÃO, QUARTA TURMA, DJe de 02/05/2011; AgRg no AREsp 170.141/SP, Rel. Ministro SIDNEI BENETI, TERCEIRA TURMA, DJe de 29/06/2012).II. Consoante a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, "a análise da afirmação de que os valores depositados nas contas objeto de penhora seriam de natureza salarial exigiria revolvimento do contexto probatório dos autos, providência vedada pela Súmula 7/STJ" (STJ, 2014).

Os Tribunais Regionais do Trabalho apresentam um posicionamento bem intransigente, para tanto tendo criado uma orientação jurisprudencial pela qual é ilegal qualquer possibilidade de penhora de verbas salariais, para isso usa-se a seguinte decisão como exemplo:

Ofende direito líquido e certo decisão que determina o bloqueio de numerário existente em conta salário, para satisfação de crédito trabalhista, ainda que seja limitado a determinado percentual dos valores recebidos ou a valor revertido para fundo de aplicação ou poupança, visto que o art. 649, IV, do CPC contém norma imperativa que não admite interpretação ampliativa, sendo a exceção prevista no art. 649, § 2º, do CPC espécie e não gênero de crédito de natureza alimentícia, não englobando o crédito trabalhista (TRT 4ª região, 2014).

Nesta Feita, a jurisprudência do órgão máximo da justiça trabalhista deve se pautar em tais critérios, como se observa nos seguintes acórdãos:

RECURSO DE REVISTA. EXECUÇÃO TRABALHISTA. PENHORA. VERBA SALARIAL. IMPOSSIBILIDADE 1. O Tribunal Superior do Trabalho pacificou o entendimento de que é ilegal a penhora de créditos de natureza salarial depositados em conta-corrente, sendo inviável interpretação ampliativa da norma imperativa contida no art. 649, IV, do CPC (Orientação Jurisprudencial nº 153 da SbDI-2, do TST). 2. Desse modo, acórdão regional que mantém a penhora de percentual de créditos salariais para satisfação de dívida trabalhista viola o disposto no art. 7º, X, da Constituição Federal, que dispõe sobre a intangibilidade salarial. (...) (TST, 2014)

RECURSO ORDINÁRIO EM MANDADO DE SEGURANÇA. PENHORA DE SALÁRIOS E DE PROVENTOS DE APOSENTADORIA. ILEGALIDADE. ART. 649, IV, DO CPC. INCIDÊNCIA DA COMPREENSÃO DEPOSITADA NA ORIENTAÇÃO JURISPRUDENCIAL 153 DA SBDI-2 DO TST. 1. Nos termos do art. 649, IV, do CPC, são absolutamente impenhoráveis -os vencimentos, subsídios, soldos, salários, remunerações, proventos de aposentadoria, pensões, pecúlios e montepios; as quantias recebidas por liberalidade de terceiro e destinadas ao sustento do devedor e sua família, os ganhos de trabalhador autônomo e os honorários de profissional liberal-, salvo para pagamento de prestação alimentícia (§ 2º). (...) 3. O legislador, ao fixar a impenhorabilidade absoluta, enaltece a proteção ao ser humano, seja em atenção à sobrevivência digna e com saúde do devedor e de sua família, seja sob o foco da segurança e da liberdade no conviver social dos homens (CF, arts. 5º, -caput-, e 6º). 4. Diante do comando do inciso IV do art. 649 do CPC e da inteligência da Orientação Jurisprudencial 153/SBDI-2/TST, não se autoriza a penhora de salários ou de proventos de aposentadoria, sob pena de ofensa a direito líquido e certo do devedor. Recurso ordinário conhecido e provido. (TST, 2013)

Contudo, ainda está deveras breve o Novo Código de Processo Civil Brasileiro de 2015, com o inicio dos seus efeitos datados apenas em março de 2016, assim ainda não há ainda decisões relevantes já com a sua incidência, devendo-se aguardar como a jurisprudência se posicionará diante dessa nova possibilidade, dessa vez cunhada de forma expressa na Lei Processual.


CONCLUSÃO

Ao longo deste Trabalho de Conclusão de Curso, pode-se visualizar uma forte tendência legislativa a garantir a proteção dos direitos do devedor. Crê-se que tal tendência ainda está emanada da hipossuficiência carreada por essa parte ao longo da história.

Contudo com essa proteção passou a ser excessiva e prejudicial, pois violou o direito fundamental da outra parte, o credor, a ter seus direitos garantidos através de uma sentença eficaz.

Essa proteção ao executado dificulta o próprio poder jurisdicional estatal a garantir a eficácia de suas prestações, o que se pensar em uma escala social macro, poderia tirar a confiança e o crédito que as instituições públicas possuem com seus cidadãos.

Portanto, tal efeito poderia até mesmo colocar em risco o contrato social do Estado, pois uma de suas principais cláusulas estaria sendo ameaçada.

Por sua vez, o legislador já percebeu essa necessidade social de uma maior eficácia dos direitos e, em 2006 editou a lei reformuladora da sistemática executiva, que incluiu em seu bojo a possibilidade da mitigação da impenhorabilidade. Entretanto, o Presidente da República por razões ainda não muito claras, mas certamente infratoras da norma constitucional, eis que a fundamentação foi esvaziada de interesse público e não havia qualquer inconstitucionalidade no dispositivo vetado.

Nesta feita a doutrina passou a defender a aplicação direta dos direitos fundamentais nas relações horizontais (entre cidadãos), consequentemente o que gera um mecanismo de possibilitar uma ponderação entre os direitos opostos (vida digna do devedor e efetividade do credor) no caso concreto, mesmo que uma delas esteja expressa em lei e a outra seja apenas um princípio, pois seguindo a lógica do pós-positivismo de Ronald Dworkin (2002), regras e princípios tem a mesma hierarquia.

Buscaram-se também ideias no direito comparado, cuja maioria dos países defende uma mitigação da impenhorabilidade, entre eles Portugal, Espanha, França, Itália, Alemanha, Estados Unidos, Chile, Argentina, Bolívia e Uruguai.

Por conseguinte visualizou-se a legislação espanhola como a mais adequada, cujo dispositivo se encontra na Ley de Enjuiciamiento Civil da Espanha. Essa conclusão baseia-se na garantia mínima existente, já que torna absolutamente impenhorável um valor teto e considera também o valor do salário dos vencimentos, aumentando-se a porcentagem de penhorabilidade conforme o aumento do valor dos ganhos do executado. Deste modo, se resguarda um mínimo de sobrevivência do executado, mas ao mesmo tempo efetiva-se a prestação jurisdicional pleiteada pelo credor (exequente), respeitando assim as duas partes da relação jurídica.

A conjuntura de aplicação dos dispositivos constitucionais é um caminho a ser seguido, já que é a forma possível de harmonização do sistema jurídico. A consequência desta ideia é uma maior incidência do controle de constitucionalidade incidental.

Assim sendo, o legislador necessitará criar mecanismos de garantir uma maior aplicação dos precedentes dos tribunais superiores, encaminhando desta forma o direito brasileiro para uma concepção mais próxima da common law.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AGUIAR JUNIOR, Ruy Rosado. Cláusulas Abusivas no Código do Consumidor. Estudos sobre a proteção do consumidor no Brasil e no MERCOSUL. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 1994.

AGUIAR JR., Ruy Rosado. A Boa-fé na relação de consumo. Revista de Direito do Consumidor. São Paulo: RT, 1995.

ALVIM, José Carreira. Nova Execução de Titulo Extrajudicial – Comentários à Lei 11.382/06. Curitiba: Juruá Editora, 2007.

ASSIS, Araken de. Manual da Execução. 13ª edição revisada, atualizada e ampliada. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2010.

ARGENTINA, Codigo De Procedimiento Civil, disponível em: https://www.iberred.org/sites/default/files/codigo-procesal-civilargentina.pdf> acesso em 03 de dezembro de 2014.

BOLIVIA, Codigo De Procedimiento Civil, disponível em: http://bolivia.infoleyes.com/shownorm.php?id=232 > acesso em 03 de dezembro de 2014.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituiçao.htm>. Acesso em: 30 de setembro de 2014.

______. Décima Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Acórdão, de 30 de janeiro de 2014. Disponível em: <http://www1.tjrj.jus.br/gedcacheweb/default.aspx?UZIP=1&GEDID=00047185C0DE6B566F3BC193A8D96851DB81C5025C562029>. Acesso em: 30 de setembro de 2014.

______. Décima Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Acórdão, de 21 de outubro de 2010. Disponível em: < http://www1.tjrj.jus.br/gedcacheweb/default.aspx?UZIP=1&GEDID=0003EBDB21639764AE7AD9444403D676E09F58C402541447>. Acesso em: 30 de setembro de 2014.

______. Jusbrasil. TJ-DF: DVJ 20060610125010 DF. Disponível em: <http://tj-df.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/2399516/dvj-20060610125010-df>. Acesso em: 30 de setembro de 2014.

______. Jusbrasil. TJ-RS - Agravo de Instrumento: AI 70058529447 RS. Inteiro Teor. Disponível em: <http://tj-rs.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/118764908/agravo-de-instrumento-ai-70058529447-rs/inteiro-teor-118764918>. Acesso em: 30 de setembro de 2014.

______. Jusbrasil. Turma determina bloqueio mensal de parte da aposentadoria de ex-empregadora. Disponível em: <http://trt-3.jusbrasil.com.br/noticias/2888952/turma-determina-bloqueio-mensal-de-parte-da-aposentadoria-de-ex-empregadora?ref=home>. Acesso em: 30 de setembro de 2014.

______. Lei nº 11.382/06, de 06 de dezembro de 2006. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11382.htm>. Acesso em: 30 de setembro de 2014.

______. DECRETO No 737, DE 25 DE NOVEMBRO DE 1850. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/Historicos/DIM/DIM737.htm>. Acesso em: 30 de setembro de 2014.

______. Lei nº 5.869, de 11 de janeiro de 1973. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L5869.htm>. Acesso em: 30 de setembro de 2014.

______. Primeira Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região, acórdão de 7 de dezembro de 2010. Disponível em: <http://bd1.trt1.jus.br/xmlui/bitstream/handle/1001/215920/01404003519895010022%2315-12-2010.pdf?sequence=1>. Acesso em 30 de setembro de 2014.

______. Projeto de Lei da Câmara nº 51 de 2006. Disponível em: <http://www.senado.gov.br/atividade/materia/detalhes.asp?p_cod_mate=77836>. Acesso em: 30 de setembro de 2014.

______. Quinta Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Mato Grosso. Acórdão de 18 de novembro de 2009. Disponível em: <http://www.tjmt.jus.br/jurisprudenciapdf/GEACOR_109046-2009_24-11-09_130403.pdf>. Acesso em: 7 de novembro de 2014.

______. Substitutivo da Câmara dos Deputados ao Projeto de Lei do Senado, nº 166 de 2010. Disponível em <http://www.senado.gov.br/atividade/materia/Detalhes.asp?p_cod_mate=116731>. Acesso em 30 de setembro de 2014.

______. Superior Tribunal de Justiça. Agravo Regimental no Agravo em Recurso Especial, de 2 de setembro de 2014. Disponível em: <http://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/25264297/agravo-regimental-no-agravo-em-recurso-especial-agrg-no-aresp-427109-rs-2013-0372081-0-stj>. Acesso em 30 de setembro de 2014.

______. Supremo Tribunal de Federal. Sumula Vinculante. Disponível em: < http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/menuSumario.asp?sumula=1268>. Acesso em 30 de setembro de 2014.

______. Superior Tribunal de Justiça. Decisão judicial, de 27 de agosto de 2014. Disponível em: <http://www.stj.jus.br/sites/STJ/default/pt_BR/sala_de_noticias/noticias/Destaques/Reserva-%C3%BAnica-de-at%C3%A9-40-m%C3%ADnimos-%C3%A9-impenhor%C3%A1vel,-qualquer-que-seja-a-aplica%C3%A7%C3%A3o-financeira>. Acesso em: 30 de setembro de 2014.

______. Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região. Decisão judicial. Disponível em <http://www.trt4.jus.br/portal/portal/trt4/consultas/consulta_lista/ConsultaProcessualWindow?svc=consultaBean&nroprocesso=00358-2004-020-04-00-7&operation=doProces so&action=2&intervalo=90>. Acesso em 30 de setembro de 2014.

______. Última Instância. Notícia de 4 de novembro de 2014. Disponível em: <http://ultimainstancia.uol.com.br/conteudo/clipping/2294/>. Acesso em: 7 de novembro de 2014.

Brasilia, Noticia da Camara dos Deputados sobre o novo CPC, disponível em: < http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/radio/materias/ULTIMAS-NOTICIAS/435520-PROCESSO-CIVIL-RELATOR-DO-NOVO-CODIGO-EXCLUI-PENHORA-DE-SALARIO-PARA-QUITAR-DIVIDA.html > acessado em 18 de novembro de 2014.

BUENO, Cassio Scarpinella. Curso Sistematizado de Direito Processual Civil: tutela jurisdicional executiva. 3ª edição revista, atualizada e ampliada. São Paulo: Saraiva, 2010.

CÂMARA, Alexandre Freitas. Lições de Direito Processual Civil. 18ª edição. Rio de Janeiro: Lúmen Júris, 2010.

CÂMARA, Alexandre Freitas. Lições de Direito Processual Civil. 20ª edição. Rio de Janeiro: Lúmen Júris, 2010.

CARNEIRO, Athos Gusmão. Novas Reformas do Código de Processo Civil. Número 85. Editora Revista do Advogado, 2006.

CHILE, Codigo De Procedimiento Civil, disponível em: http://www.leychile.cl/Consulta/m/norma_plana?idNorma=22740&org=cdr > acesso em 03 de dezembro de 2014.

CHIOVENDA, Giuseppe. Dell''azione Nascente dal Contratto Preliminare. Revista Direito Comum. 1911.

______. Saggi di Diritto Processuale Civile. Roma: 1930.

CONVENÇÃO Americana de Direitos Humanos. 1969. Disponível em: <http://www.pge.sp.gov.br/centrodeestudos/bibliotecavirtual/instrumentos/sanjose.htm>. Acesso em: 30 de setembro de 2014.

DIDIER JÚNIOR, Fredie; CUNHA, Leonardo José Carneiro da; BRAGA, Paula Sarno; OLIVEIRA, Rafael. Curso de Direito Processual Civil: execução. 2ª edição. Salvador: Juspodivm, 2010.

______. Curso de Direito Processual Civil: Teoria geral do processo e processo de conhecimento. 12ª edição. Salvador: Juspodivm, 2010.

DINAMARCO, Cândido Rangel. Execução civil. 6ª ed. São Paulo: Malheiros, 1998, p. 245 apud REGO, Priscila Ramos de Morais. A penhora parcial de salário como instrumento à efetiva prestação jurisdicional. Disponível em: < http://www.ambito-juridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=11636> Acesso em: 30 de setembro de 2014.

DIREITOS HUMANOS. Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão. Disponível em: <http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/Documentos-anteriores-%C3%A0-cria%C3%A7%C3%A3o-da-Sociedade-das-Na%C3%A7%C3%B5es-at%C3%A9-1919/declaracao-de-direitos-do-homem-e-do-cidadao-1789.html>. Acesso em: 30 de setembro de 2014.

DWORKIN, Ronald. “Modelo de Regras II” em Levando os Direitos a Sério, São Paulo: Martins Fontes, 2002, pp. 23-50.

GRINOVER, Ada Pellegrini. Tutela Jurisdicional nas Obrigações de Fazer e não Fazer. Revista da Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul. Número 65. Porto Alegre: 1996, página 13.

HUMAN RIGHTS. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Disponível em: <http://www.humanrights.com/pt/what-are-human-rights/universal-declaration-of-human-rights/>. Acesso em: 30 de setembro de 2014.

MARINONI, Luiz Guilherme; ARENHART, Sérgio Cruz. Curso de Processo Civil: execução. 2ª edição revista e atualizada. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2008.

MEDINA, Jose Miguel Garcia. CPC - Código de Processo Civil Comentado. 2ª edição. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2012.

MENDES, Gilmar Ferreira; COELHO, Inocêncio Mártires; BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Curso de Direito Constitucional. 5ª Edição. São Paulo: Saraiva, 2010.

NEVES, Daniel Amorim Assumpção. Injustificados Vetos Presidenciais à Lei nº 11.382/06. Disponível em: < http://www.professordanielneves.com.br/artigos/201011151759350.vetospresidenciaveis.pdf>. Acesso em: 30 de setembro de 2014.

______. Manual de Direito Processual Civil. 5ª edição. São Paulo: Editora Método, 2013.

NERY JUNIOR, Nelson, NERY, Rosa Maria de Andrade. Código de Processo Civil comentado e legislação extravagante. 11 ed. rev., ampl. e atual. até 17.2.2010. São Paulo : Editora Revista dos Tribunais, 2010.

PAULA, Alexandre Sturion. Disponibilizado no portal: sisnet.aduaneias.com.br/lex/doutrinas/02/02/2008, acessado em
1 1/07/2014, às 11horas e 43 minutos.

PEREIRA, Caio Mário da Silva. Instituições de Direito Civil. 23ª edição. Rio de Janeiro: Forense, 2010.

PUCHTA, Anita Caruso. Penhora de Dinheiro On-line. Editora Juruá, 2008, página 156.

REGO, Priscila Ramos de Morais. A Penhora Parcial de Salário como Instrumento à Efetiva Prestação Jurisdicional. Disponível em: <http://www.ambito-juridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=11636>. Acesso em: 30 de setembro de 2014.

SÃO PAULO, Associação dos Advogados de São Paulo, notícia STJ, disponível em < http://www.aasp.org.br/aasp/imprensa/clipping/cli_noticia.asp?idnot=11136 > acessado em 18 de novembro de 2014.

THEODORO JÚNIOR, Humberto. Curso de Direito Processual Civil: Processo de execução e cumprimento de sentença, processo cautelar e tutela de urgência. 45º edição. Rio de Janeiro: Forense, 2010.

THEODORO JÚNIOR, Humberto. Curso de Direito Processual Civil: Teoria geral do Direito Processual Civil e processo de conhecimento. 51ª edição. Rio de Janeiro: Forense, 2010.

WAMBIER, Luiz Rodrigues. Breves Comentários à Nova Sistemática Processual Civil. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2007.


  1. Período em que foi criada a Lei das XII tábuas.

  2. Tradução livre: Estatuto de Westminster de Liberdades de Londres.

  3. São os direitos ligados a liberdade do individuo contra o poder do Estado.

  4. Até então a execução era feita na pessoa do devedor, porém no governo de Constantino o Império Romano passou a adotar o cristianismo, dessa forma a execução passou a ser apenas no patrimônio do devedor.

  5. Essa percepção se origina com a observação das legislações pretéritas, as quais não havia uma ponderação entre a proteção ao exequente como forma de garantir seu direito e a necessidade de manter o executado em condições de sobrevivência razoáveis.

  6. Art. 113, 128, 164, 167, 187, entre outros.

  7. Há autores que preferem apenas o termo “Carta Maior”, pois entendem que “Carta Magna” refere-se exclusivamente aquela oriunda da Inglaterra.

  8. Livre interpretação da expressão em italiano: O processo deve dar quase que se possível a integralidade do direito existente”.

  9. Entendimento seguido por: Fredie Didier, Luiz Guilherme Marinoni, Daniel Assumpção Amorim.


Autor

  • Haroldo José Cruz de Souza Júnior

    Advogado. Mestre em Direito Internacional. Pós-graduado em Direito Público. Graduado em Direito. Experiência na realização de pesquisas doutrinárias e legislativas a fim de abordar os aspectos jurídicos das temáticas da Cibersegurança, da Proteção de Dados, do Vigilantismo, e da Privacidade. Vivência em mediação de conflitos, elaboração de pareceres administrativos e análise de contratos.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor


Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2018 ABNT)

SOUZA JÚNIOR, Haroldo José Cruz de. Intangibilidade salarial: qual seu limite frente à execução?. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 28, n. 7446, 20 nov. 2023. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/107258. Acesso em: 25 fev. 2024.