Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

Notícia

Plano de Saúde condenado ao pagamento de cirurgia

Plano de saúde é condenado ao ressarcimento de valores, com juros e correção monetária, a um usuário acometido de neoplasia maligna (câncer) que teve negado procedimento cirúrgico de prostatectomia por videolaparoscopia robótica assistida.

Em demanda judicial promovida em desfavor da UNIMED Porto Alegre, houve a condenação da mesma ao ressarcimento de valores, com juros e correção monetária, a um usuário que teve negado procedimento cirúrgico.

Entenda o caso: acometido de neoplasia maligna (câncer), o usuário teve negada cobertura de cirurgia de prostatectomia por videolaparoscopia robótica assistida, necessária para o tratamento da enfermidade, tendo em vista que o procedimento não se encontra no rol de procedimentos e eventos em saúde preestabelecidos pela ANS – Agência Nacional de Saúde Suplementar (Órgão regulador do setor de planos privados de saúde do Brasil).

Assim sendo, diante de seu quadro de saúde, e a fim de garantir seu bem estar, o enfermo se deslocou até o Hospital Sírio Libanês em São Paulo - referência nacional no procedimento, e realizou a cirurgia, arcando com todas as despesas.

Após batalha judicial, o Superior Tribunal de Justiça (Agravo em Resp 675.534-RS) entendeu por manter a decisão de procedência da causa, condenando a ré ao ressarcimento, com juros e correção monetária, dos valores despendidos para a realização do procedimento:

“... Parece-me que a abusividade da cláusula reside exatamente nesse preciso aspecto, qual seja, não pode o paciente, consumidor do plano de saúde, ser impedido de receber tratamento com o método mais moderno do momento em que instalada a doença coberta em razão de cláusula limitativa. É preciso ficar bem claro que o médico, e não o plano de saúde, é responsável pela orientação terapêutica. Entender de modo diverso põe em risco a vida do consumidor.

Da negativa de cobertura de procedimento pelos planos de saúde: Não raro, os planos de saúde negam a realização de um procedimento, mesmo nos casos de extrema vitalidade e urgência para seus usuários. Na maioria dos casos, acionado o Plano de Saúde, os mesmos costumam negar o custeio do procedimento, alegando que o mesmo não se encontra coberto pelo contrato.

Em primeiro lugar, é de se salientar que normalmente os planos de saúde prevêem contratualmente a cobertura para procedimentos clínicos e cirúrgicos de um modo geral, bem como atendimento de emergência.

Entretanto, na apólice do plano, há cláusula que exclui certos procedimentos daqueles segurados. Tais cláusulas devem ser analisadas com zelo e cuidado no momento da contratação, a fim de evitar surpresas nas horas necessitadas.

Fora os procedimentos elencados na cláusula de exclusão, os Planos de Saúde não podem negar a cobertura. Tal negativa é ilegal, pois as seguradoras não podem limitar os riscos do segurador e, com base nisto, excluir a cobertura necessitada.

Nesse sentido, as cláusulas limitativas do risco foram previstas no Código Civil Brasileiro, em seus artigos 757 e 760, dispondo que pelo contrato de seguro, o segurador se obriga a garantir interesse legítimo do segurado, relativo a pessoa ou a coisa, contra riscos predeterminados. E acrescenta que a apólice deve conter os riscos assumidos, dentre outras especificações.

Como se observa, o diploma civil traz as expressões “riscos assumidos e riscos predeterminados”. Isto deixa clara a intenção do legislador quanto à possibilidade de a seguradora eleger os riscos que dará cobertura contratual e excluir aqueles que não pretende garantir.

Em outras palavras, no contrato estará consignada a amplitude da obrigação assumida pela seguradora, sendo que os riscos a serem excluídos, deverão ser de forma clara, objetiva e destacada, em obediência aos incisos III e IV, do art. 6º e § 4º do art. 54, do Código de Defesa do Consumidor.

Assim, a fim de preservar o princípio da boa-fé e o equilíbrio contratual, princípios que regulam os contratos, seguradora e segurado realizam acordo onde deve estar claramente estipulado o que será coberto e o que estará afastado da cobertura do seguro.

Desrespeitados tais conceitos, o Poder Judiciário tem autorizado, com medida liminar ou tutela ressarcitória, que o procedimento seja custeado pelo Plano de Saúde, sem ônus ao segurado.

Página 1 de 1
Assuntos relacionados
Sobre o autor
Imagem do autor Marcelo de Oliveira Riella
Marcelo de Oliveira Riella

Advogado. Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela PUCRS. Pós-graduado em Direito Processual Civil pela Academia Brasileira de Direito Processual Civil.

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!