Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

Notícia

STJ define: em caso de atraso, retenção de valor em rescisão/distrato é ilegal!

Quando distrato não é decorrente do atraso na obra, restituição chega ao percentual médio de 85% até 95% dos valores pagos.

Muito se discutiu sobre a legalidade de retenção de valores em caso de rescisão (ou distrato) de contratos de aquisição de imóveis na planta.

Certo que sendo aplicável o CDC nesta modalidade, tem-se com forte arrimo que a retenção em patamar superior a 20% é abusiva, em contraste claro com os artigos 47 e 51 do referido diploma legal.

Contudo, muitos operadores de direito ficavam estarrecidos com decisões judiciais que determinavam retenção quando a construtora/incorporadora descumpria o prazo de entrega.

Note, a obrigação de restituição integral no caso de culpa da construtora/incorporadora deriva da previsão expressa do art. 475do CC/2002:

"Art. 475. A parte lesada pelo inadimplemento pode pedir a resolução do contrato, se não preferir exigir-lhe o cumprimento, cabendo, em qualquer dos casos, indenização por perdas e danos."

Conforme o aumento significativo de ações neste sentido, começamos observar mudança no posicionamento da jurisprudência, inclusive de ações patrocinadas por este subscritor, determinando a restituição integral dos valores, a constar:

"1004218-98.2014.8.26.0152: Ante o exposto, confirmando a tutela antecipada, JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTE o pedido para determinar a rescisão do contrato de compromisso de compra e venda e condenar as rés a devolver ao autor as parcelas pagas, atualizadas desde as datas de pagamento e com juros de mora de 1% desde a publicação da decisão, bem como a ressarcir as despesas com corretagem e SATI, atualizadas desde o desembolso e com juros de mora desde a publicação da decisão. Ante a sucumbência mínima do autor, condeno as rés ao pagamento das custas e dos honorários advocatícios que arbitro em 10% do valor da condenação. P. R. I. C. OBS: Em caso de recurso, valor do preparo de 2% sobre o valor da condenação a ser recolhido na guia GARE - Código 230-6. Advogados (s), Deli Jesus dos Santos Junior (OAB 253242/SP)" Destaques por nossa conta

"1115055-85.2014.8.26.0100: Pelo exposto, julgo procedente o pedido inicial, para declarar rescindido o compromisso de compra e venda mantido entre as partes e condenar às rés a restituírem aos autores a integralidade dos valores pagos, atualizados monetariamente desde a data dos desembolsos e acrescidos de juros de mora legais, a partir da citação. Sucumbente, arcará a parte vencida com o pagamento de custas e despesas processuais, incluindo os honorários do advogado do autor, Advogados (s): Deli Jesus dos Santos Junior (OAB 253242/SP)" Destaques por nossa conta

Todavia, algumas decisões de 1ª e 2ª instância entendiam de forma diversa, com interpretação equivocada da Súmula 01 do TJSP:

"Súmula 1: O Compromissário comprador de imóvel, mesmo inadimplente, pode pedir a rescisão do contrato e reaver as quantias pagas, admitida a compensação com gastos próprios e administração e propaganda feitos pelo compromissário vendedor, assim como com o valor que se arbitrar pelo tempo de ocupação do bem."

A interpretação equivocada da súmula permitia retenção de valores mesmo quando a construtora/incorporadora descumpria o prazo de entrega, negando vigência ao art. 475 do CC/2002.

Para acabar com dúvidas, o STJ pronunciou por meio de Súmula:

"Súmula 543-STJ: Na hipótese de resolução de contrato de promessa de compra e venda de imóvel submetido ao Código de Defesa do Consumidor, deve ocorrer a imediata restituição das parcelas pagas pelo promitente comprador - integralmente, em caso de culpa exclusiva do promitente vendedor/construtor, ou parcialmente, caso tenha sido o comprador quem deu causa ao desfazimento." Destaques por nossa conta

Ou seja, a restituição deve ser integral qual o motivo pela rescisão for causado pela construtora/incorporadora. Quando adesistência do negócio for por interesse do consumidor, será possível restituição, cujo patamar fica entre o percentual de 85% até 95% dos valores.

Em ambos os casos, a restituição deverá ocorrer em parcela única, corrigida de 1% de juros ao mês e atualização monetária, o que não deixa de ser vantajoso para o consumidor.

Deli J. dos Santos Junior - OAB/SP nº. 253242

Página 1 de 1
Assuntos relacionados
Sobre o autor
Imagem do autor Deli Junior
Deli Junior

Advogado, inscrito na OAB/SP 253.242.Atuação contenciosa e consultiva em Direito Imobiliário, Consumidor, Empresarial e Trabalhista. e-mail: [email protected] - 11-97327-4363

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!