Alguns já se esqueceram da luta pelas diretas já, a luta para podermos votar para presidente através do voto direto, e outros fingem que não se lembram, muito embora, subiram em palanques e defenderam o voto direto em todos os níveis.

Alguns já se esqueceram da luta pelas diretas já, a luta para podermos votar para presidente através do voto direto, e outros fingem que não se lembram, muito embora, subiram em palanques e defenderam o voto direto em todos os níveis, ou melhor, para todo os cargos.

Agora, por mais absurdo que possa parecer, alguns deputados querem tirar o voto de milhões de brasileiros e entregar o direito de escolha de candidatos aos partidos políticos, querem supostamente, instituir a ditadura dos partidos, onde esses é que definirão quem deverá estar na Câmara de Vereadores, Assembleias  Legislativas, Câmara dos Deputados ou Senado Federal, por meio das listas pré ordenadas. Quem diria que encontraríamos pessoas com coragem de defender o fim do voto direto, a volta dos colégios eleitorais.

Todos nós sabemos que a corrupção, infelizmente, é gritante em nosso país, e aí é que eu faço a seguinte pergunta: quanto custará uma vaga nos primeiros lugares dessa lista? É justo deixarmos alguns burocratas da máquina partidária escolher nossos representantes? Qual será o índice de renovação nas câmaras? Será que existirá renovação ou os donos de partidos estarão sempre no topo das listas? E a qualidade dos mandatos, qual será a motivação de se fazer um bom mandato, se quem irá escolher não será a população e sim os partidos? Ou seja, uma pessoa poderá fazer um péssimo mandato, mas tendo o controle partidário, estará entre os primeiros na lista.

Será que  esse parlamento terá coragem de acabar com a expressão maior da democracia,  ficarão conhecidos como aqueles que tiraram o direito de votar do cidadão? Como irão encarar o cidadão?

A história demonstra que em todos os lugares que tivemos partidos tidos como fortes, esses países se transformaram em ditaduras, assim vejamos: Itália com Mussolini, Alemanha com Hitler, União Soviética com Stalim, China com Mao Tse-Tung, Cuba com Fidel Castro, Brasil com Getúlio Vargas, como outros. Creio eu, o que temos que ter não é partido forte e sim democracia forte. O nosso sistema político foi capaz de eleger um presidente operário e um congresso com perfil diversificado, más, com a vergonhosa proposta de tirarmos o voto do cidadão, a tendência é elitizar a política, é  manter velhos caciques no poder, é ir na contramão da história, enfim contra a democracia.

O poder absoluto é terrível, a maioria muitas vezes tendem a cometer abusos. Temo pelo futuro da democracia com as propostas oportunistas que ganham força na câmara, como o financiamento público de campanhas  e o voto nas listas fechadas. Alguém é ingênuo o suficiente para acreditar que com o financiamento público conseguirá acabar com os abusos de financiamentos criminosos de campanha? Ora, o que vemos na Câmara Federal através da proposta de alguns deputados e partidos  é o cúmulo do absurdo, é subestimar a inteligência do cidadão e o desrespeito com o mesmo, tirando o que ele tem de mais sagrado que é o direito do voto.

Espero e peço a Deus que não tenha que presenciar o fim do voto direto, expressão maior da democracia. Sou contra esta ditadura dos partidos que querem instaurar no Brasil, onde já sabemos quem são os donos dos partidos.

Defendo e defenderei sempre, a democracia. DIRETAS SEMPRE.


Autor


Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2002 ABNT)

RUBINELLI, Wagner. Reforma política e lista fechada. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 19, n. 3923, 29 mar. 2014. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/27110>. Acesso em: 19 fev. 2018.

Comentários

5

  • 0

    Arnaldo Inácio do Carmo

    Aprimorar o sistema político brasileiro.


    Precisamos urgentemente aprimorar o sistema político eleitoral brasileiro, determinando que cada partido político tenha todas as garantias constitucionais e que seja constituído de no mínimo 20% dos eleitores brasileiros. Esses partidos políticos devem ter como premissa básica a realização de eleições primárias para escolha dos seus filados a candidatos eletivos de qualquer ordem e adotarem a fidelidade partidária. Não devem receber financiamento público ou privado de pessoa jurídica, para realização das campanhas eleitorais. As Urnas eletrônicas, devem fornecer a cada eleitor, um comprovante impresso do seu voto, em toda e qualquer eleição oficial, comprovante esse, que após ser conferido pelo eleitor, deverá ser imediatamente depositado em uma urna física oficial, instalada na respectiva cabine de votação. É muito importante ainda, a eliminação do voto obrigatório e a viabilização do voto facultativo.
    Seria muito importante que nos espelhássemos na sabedoria política da sociedade americana, que coloca todo o destino daquela nação, sob a responsabilidade do partido político que é elevado ao poder, através das suas eleições, e não simplesmente na responsabilidade de um homem ou de uma mulher, como é o caso do Brasil.
    Os partidos políticos, tem que ser providos de um rigoroso código de ética, e ter incluso nos seus estatutos a exigência de realização de um plebiscito obrigatório na metade do seu mandato, quando no exercício do poder governamental do nosso pais.
    Da forma que funciona hoje, nossos partidos políticos, nunca teremos paz e pleno desenvolvimento econômico, político e social.
    Não podemos continuar votando simplesmente em homens, temos que votar em partidos políticos consolidados e regidos por uma constituição verdadeiramente democrática e sem dubiedade jurídica, em que seus filiados e eleitores admiradores das suas propostas e lutas, tenham a mesma paixão dos torcedores das grandes agremiações esportivas. Esses partidos políticos, tem que ter propostas confiáveis, que se identifiquem e atendam na prática, os anseios dos seus eleitores. Entregar a imensa tarefa de governar um pais do porte do Brasil, a um só homem ou a uma só mulher, é pura mediocridade ou pura idiotice.
    Os seguimentos organizados e decentes da população brasileira, tem que trabalhar no aperfeiçoamento do sistema político eleitoral brasileiro, exigindo a elaboração de uma nova legislação eleitoral para o nosso pais, de tal forma, que não venhamos a permitir que um ou mais candidatos aventureiros, incompetentes e marginais, venham a governar nosso pais, fazendo o que bem quiserem e entenderem. Dessa forma, não podemos abrir mão de trabalharmos exaustivamente na formação desse partido, e nas suas propostas governamentais.


    Saudações,


    Arnaldo Inácio do Carmo.

  • 0

    Adriano

    Prezados: li todos os comentários e gostaria, humildemente, de fazer uma ou duas colocações; em primeiro lugar, parece-me que lista aberta ou fechada em nada vai alterar o atual sistema eleitoral haja vista o malfadado "coeficiente eleitoral" vigente, em que voce vota em um candidato, que recebe uma "tonelada" (ops) de votos e acaba por não ser eleito (quem mandou escolher o partido errado?) - ou - voce vota em um candidato e os votos que "sobram" vão para outro - que voce não escolheu, mas é eleito assim mesmo! ou ainda, aquele que ninguém escolheu, acaba por ser nomeado (como prêmio de consolação) para alguma diretoria de estatal ou cargo no governo! Finalmente, corrupção, desde que o mundo é mundo, sempre existiu (pois afinal, somos todos seres humanos! - parafraseando, se a memória não me trai, o saudoso Henfil, "corrupção é todo aquele bom negócio para o qual não fomos convidados") e poucos são aqueles que realmente colocam o coletivo acima do individual, mesmo quando não fiscalizados, ou seja, a diferença entre "nós" seres humanos "d`eles" seres humanos é a fiscalização, e aí, note bem, estou colocando inclusive aquela corrupçãozinha do "café do guarda" que nos deixou estacionar onde não podia, ou até, quem sabe?, aquele avanço de sinal, pois estávamos com tanta pressa que não podíamos esperar mais dois minutos "et caeterva". Abraços fraternos.

  • 0

    Celso Félix Lima

    Apenas para esclarecer a diferença entre lista aberta e lista fechada:
    Lista Aberta: A lista aberta é o sistema utilizado no Brasil nas eleições proporcionais (para deputados e vereadores). Nesse sistema é apresentado ao eleitor tanto a possibilidade de votar em seu candidato preferido quanto de votar na legenda do partido.
    Lista Fechada: A lista fechada é usada em diversos países nas eleições proporcionais. Nesse sistema é apresentada ao eleitor uma lista ordenada com os candidatos elegíveis ao pleito e, nesse caso, o eleitor votaria apenas na legenda partidária e não em candidatos individuais.

  • 0

    JULIO CEZAR MENDONÇA MEDRONHO

    Senhor Rubinelli, temos 77 anos de idade e nunca vimos, depois da era Getúlio tanta corrupção, e infelizmente com a colaboração do ELEITORADO o que chamam de DEMOCRACIA essa vergonhosa DITADURA CIVIL - EXEC + CONGRESSO comprado, instalado em nosso Pais. Não atentamos para o brado de comemoração do Lula-2002- " AGORA É A NOSSA VEZ " e realmente honraram, e estão todos ricos até mesmo com as milionárias indenizações pagas aos GUERRILHEIROS que queriam comunizar o nosso Pais - sequestrando, assassinando, assaltando e vai, mãos armadas. A tal lista desejada já tem espaço garantido o ALI BABÁ E OS 40 LADRÕES, estão só nas espreitas na espera do congresso comprado, tanto assim, nos parece que o governo já mobilizou os comprados para abafar a CPI da Petrobrás .

Livraria