O texto trata da descriminalização do aborto.

O aborto é um tema muito discutido pelo fato dele ser um tema que atinge valores morais e religiosos de uma boa parte da população talvez por isso ele seja um projeto difícil de ser colocado em votação pelo plenário e posteriormente difícil de ser aprovado pelo mesmo caso ele vá para pauta da tribuna.

Por que então descriminalizar essa conduta?

1º Fato: Apesar de ferir valores morais e religiosos, segundo a CF/88 No art 5º, VIII  “Ninguém será privado de direitos por motivos de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política...” Então já exclui-se o fato de valores impedirem que essa conduta ainda seja considerada ilícita. Mais se tratando de crença religiosa podemos citar dois exemplos as quais dizem que é permissiva até certo tempo de gestação a interrupção da gravidez: Os médicos anglicanos e luteranos dizem que até os 3 meses de gravidez o feto não consegue respirar e os mulçumanos dizem que até os 4 meses de gravidez o feto não consegue respirar.
Outro pressuposto que indica que valores religiosos não podem interferir na decisão favorável da descriminalização esta na CF que cita que o Brasil é um país laico, ou seja, não há religião oficial e que religião nenhuma pode interferir na lei.

2º Fato: Quebrar preconceitos.
Sim, em pleno século XXI existe muito preconceito a respeito do aborto por muita das vezes o assunto é tratado com discórdia e ódio pelo fato dele ferir valores morais e religiosos, assim como foi dito anteriormente, e isso é algo que tem que ser combatido, pois em uma sociedade onda há esse tipo de preconceito a evolução das leis e da justiça fica a cargo de concepções filosóficas e religiosas e isso feri os princípios ditos pela CF.

3º Fato: Direitos Humanos e Aborto (Fatos).  
“A criminalização do aborto não reduz a sua incidência, porém traz como consequência a sua realização em condições de insegurança, através de procedimentos clandestinos. Estudos demonstram que o aborto legal tem como consequência uma taxa de mortalidade menor (menos um por 100.000 nascidos vivos) do que o aborto clandestino (50 a 100 por 100.000 nascidos vivos). Calcula-se que a cada ano 70.000 mulheres morrem em consequência de abortos inseguros e clandestinos.
Ao proibir o aborto e ao não oferecer acesso adequado a serviços de planejamento familiar, o Estado deixa as mulheres em situação de risco de morrer em decorrência de uma gravidez não desejada, violando a sua autonomia de decidir livremente sobre o número de filhos e espaçamento entre eles e o seu direito à vida.”

                                                                                     
Levando em consideração as informações acima citadas é notório ver como a criminalização do aborto é algo que feri os princípios dos Direitos Humanos e é valido citar uma passagem do Comitê de Direitos Humanos da ONU: “O respeito à vida das mulheres inclui o dever dos Estados de adotarem medidas para evitar que elas recorram a abortos inseguros e clandestinos que ponham em risco a sua vida e a sua saúde...”. O aborto inseguro é uma das grandes causas de internações de mulheres em hospitais.

4º Fato: Saúde Pública

"Conforme dados do Ministério da Saúde, o aborto é responsável por mortes maternas e esterilização entre as mulheres, sendo o término da gravidez a 5ª causa de entrada em hospitais e a maioria dos casos relacionada a complicações devido à realização de aborto em condições de insegurança. Ainda conforme pesquisa nacional, a prática de abortos clandestinos é responsável pela alta incidência de mortes maternas entre mulheres de idade de 15 a 19 anos.

A criminalização do aborto não reduz a sua incidência, porém traz como consequência a sua realização em condições de insegurança, através de procedimentos clandestinos. Estudos demonstram que o aborto legal tem como consequência uma taxa de mortalidade menor (menos um por 100.000 nascidos vivos) do que o aborto clandestino (50 a 100 por 100.000 nascidos vivos). Calcula-se que a cada ano 70.000 mulheres morrem em consequência de abortos inseguros e clandestinos."

O aborto sendo feito em condições mais seguras é algo que deve ser feito para que diminua a mortalidade de mulheres que fazem esse tipo de interrupção ilegalmente, com a proibição do aborto o estado deixa as mulheres em condições de risco de morrer por conta de abortos feitos clandestinamente.

Referencias Bibliográficas:
Aborto e Direitos Humanos: O impacto da criminalização do aborto na saúde e na vida das mulheres no Brasil.
Beatriz Galli, maio de 2007 (www.aads.org.br/arquivos/Aborto_e_DH_BG07.doc)



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria