A audiência de custódia é prevista não apenas pela legislação brasileira, mas em ordenamentos e tratados internacionais, atuando na humanização das ações prisionais e garantia do caráter legal das mesmas.

A audiência de custódia é prevista não apenas pela legislação brasileira, mas em ordenamentos e tratados internacionais, atuando na humanização das ações prisionais e garantia do caráter legal das mesmas. O objetivo deste artigo é analisar os aspectos que envolvem a audiência de custódia. A metodologia deste estudo foi realizada a partir de uma pesquisa bibliográfica em livros, artigos científicos e periódicos que abordam a temática proposta. A pesquisa indica que embora esta prática proporcione uma estrutura multidisciplinar para a justiça brasileira, alguns órgãos competentes brasileiros consideram que a mesma é inconstitucional. 

A audiência de custódia tem como objetivo assegurar o contato do indivíduo submetido à prisão com um magistrado, dentro de 24 horas após o flagrante. Observa-se que, nos dias de hoje, a legislação brasileira determina o encaminhamento do auto de prisão em flagrante ao juiz neste mesmo período, para que possa analisar a legalidade do ato e, na sequência, identificar a necessidade de alterar a prisão cautelar.

Além disso, cabe ressaltar que a audiência de custódia, efetivada logo após a prisão em flagrante, também permanece prevista em diretrizes internacionais, tornando-se uma ferramenta no combate à tortura e garantia da humanização e do efetivo controle judicial dos atos provisórios.

Neste contexto, o objetivo deste artigo é analisar os aspectos que envolvem a audiência de custódia.

A metodologia deste estudo foi realizada a partir de uma pesquisa bibliográfica em livros, artigos científicos e periódicos que abordam a temática proposta. 

Quanto as previsões legais da medida, embora o Código de Processo Penal em seu artigo 306, cuja redação foi atualizada pela Lei nº 12.403 de 2011, não determine a obrigatoriedade da apresentação do indivíduo perante um juiz, imediatamente após sua detenção, o mesmo exige que a prisão seja comunicada não somente à família do preso, ao possível defensor, ao Ministério Público, mas, sobretudo, ao magistrado competente, a este por meio do auto de prisão em flagrante constituído com o depoimento das testemunhas, das vítimas e acusados, encaminhado no prazo máximo de 24 horas.

O caráter legal da audiência de custódia é reconhecido pelo Pacto de San José da Costa Rica, devidamente ratificado pelo Brasil desde 1992, a partir da Convenção Americana sobre Direitos Humanos, que em seu artigo 7º, item 5, determina que:

[...] toda pessoa presa, detida ou retida deve ser conduzida, sem demora, à presença de um juiz ou outra autoridade autorizada por lei a exercer funções judiciais e tem o direito de ser julgada em prazo razoável ou de ser posta em liberdade, sem prejuízo de que prossiga o processo. Sua liberdade pode ser condicionada a garantias que assegurem o seu comparecimento em juízo (COSTA RICA, 1969).

De acordo com a Defensoria Pública da União - DPU (2014) a audiência de custódia pode ser considerada um mecanismo que busca a promoção da democracia, uma vez que combate a superlotação carcerária devido à possibilidade de o juiz analisar a legalidade da prisão, imediatamente após a detenção, e inibe a execução de atos de tortura e crueldade que degradam o ser humano em interrogatórios policiais. Além disso, assegura o respeito às garantias constitucionais e a proteção dos Direitos Humanos, se adequando aos ordenamentos internacionais.

No dia 06 de fevereiro de 2015, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJSP) e o Ministério da Justiça lançaram um projeto que garante a apresentação dos presos ao juiz competente em no máximo 24 horas, o Projeto Audiência de Custódia, criado para proporcionar uma estrutura multidisciplinar para a justiça brasileira. A principal finalidade deste projeto é valorizar a legalidade da prisão, das medidas cautelares que se tornam necessárias diante dos atos e prever possíveis irregularidades, fornecendo ao juiz a descrição concreta e substancial que possam fomentar sua decisão (CNJ, 2015).

No entanto, no dia 12 de fevereiro de 2015, a Associação dos Delegados de Polícia do Brasil (Adepol) ingressou com uma ação direta de inconstitucionalidade junto ao Supremo Tribunal Federal contra a prática das audiências de custódia. Isto ocorre, pois, para a Adepol, a norma é inconstitucional por dois motivos: primeiramente percebe-se o vício de iniciativa, já que apenas a União, através do Congresso Nacional, pode elaborar normas sobre direito processual; o segundo motivo refere-se ao desrespeito à separação dos poderes, uma vez que os delegados permanecem submetidos ao Poder Executivo e Judiciário, não impactando na determinação de regras que abrangem suas competências e atribuições (CONJUR, 2015).

Outra classe de profissionais que criticou o projeto foi a de juízes estaduais representados pela Associação Nacional dos Magistrados Estaduais (Anamages) que demonstrou preocupação com a implantação da audiência de custódia ao afirmar que ainda que a mesma tenha o nobre propósito de proporcionar maior eficácia à prática dos direitos fundamentais, é essencial a preservação da ordem legal e constitucional, e, sobretudo, a regularidade do trabalho Jurisdicional (CONJUR, 2015).

Conforme relata Silva (2014) a audiência de custódia pode sim contribuir com o controle judicial das prisões e coibir práticas de torturas, porém, alguns defensores consideram que, neste processo, o juiz realizará uma análise sumária do auto de prisão em flagrante, mantendo como base para sua decisão apenas a classificação provisória realizada pela autoridade policial, não incidindo na profundidade necessária para subjugar uma medida tão extrema como a prisão provisória. O autor enfatiza que “na maioria das vezes o magistrado, nesta oportunidade, não dispõe de todos os elementos processuais que podem influir na tomada da decisão”.

Diante destes referenciais, pode-se afirmar que a prisão preventiva vem sendo utilizada como um meio para se obter a desejada paz e justiça social a partir do caráter emergencial. Permanece, portanto, à disposição do juiz para que ele possa praticar as ações jurisdicionais necessárias com o indivíduo considerado um risco para a ordem da sociedade. Casara e Melchior (2013, p. 187) destacam que “a arquitetura do medo legitima a formulação de políticas públicas centradas no discurso da emergência, possibilitando a formação de um ambiente social que depende da identificação dos fatores de risco”.

Dessa maneira, com base na decisão do CNJ e demais órgãos competentes, constata-se que o juiz nas audiências de custódia se torna o responsável por avaliar a parte mais vulnerável do processo. Entretanto, quando há a promoção falha da disseminação equitativa dos meios de prova, as audiências de custódia e consequentemente a aplicação da pena de forma antecipada se torna uma prática abusiva, violando os critérios estatais, já que a prisão provisória não possui tempo máximo de duração. 

CONCLUSÃO:

A audiência de custódia determina que o preso seja apresentado ao juiz competente em um prazo de no máximo 24 horas após sua detenção. Possui a finalidade de promover a democracia, já que o juiz irá avaliar a legalidade da prisão e consequentemente identificar se houveram irregularidades.

Diante desses valores, atualmente, o CNJ juntamente com outros órgãos regulamentares julgaram necessário implantar o projeto de audiência de custódia, visando proporcionar uma estrutura multidisciplinar para a justiça brasileira.

No entanto, mesmo sendo reconhecida por tratados internacionais e passando a ser praticada no Brasil, alguns órgãos como a Adepol e a Anamages consideram que o projeto desrespeita as normas legais e constitucionais, prejudicando o adequado trabalho jurisdicional, além de estar caracterizado o vício de iniciativa.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

BRASIL. Lei nº 12.403, de 4 de maio de 2011. Altera dispositivos do Decreto-Lei no 3.689, de 3 de outubro de 1941 - Código de Processo Penal, relativos à prisão processual, fiança, liberdade provisória, demais medidas cautelares, e dá outras providências. DISPONÍVEL EM: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Lei/L12403.htm#art1> Acesso em: 04/03/2015

CASARA, R. R. R; MELCHIOR, A. Pedro. Teoria do Processo Penal Brasileiro. Dogmática e Crítica: Conceitos Fundamentais, Rio de janeiro: Lumen Juris, 2013.

CONJUR. Delegados apresentam ADI no Supremo contra audiência de custódia (2015) Disponível em: <http://www.conjur.com.br/2015-fev-13/delegados-entram-adi-audiencia-custodia> Acesso em: 04/03/2015

CONJUR. Juízes estaduais criticam projeto Audiência de Custódia (2015) Disponível em: <http://www.conjur.com.br/2015-fev-07/juizes-estaduais-criticam-projeto-audiencia-custodia> Acesso em: 05/03/2015

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA – CNJ. CNJ, TJSP e Ministério da Justiça lançam Projeto Audiência de Custódia (2015) Disponível em: <http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/30506-cnj-tjsp-e-ministerio-da-justica-lancam-projeto-audiencia-de-custodia> Acesso em: 04/03/2015

COSTA RICA. Tratado internacional: Pacto de San José da Costa Rica (1969) Disponível em: <http://www.pge.sp.gov.br/centrodeestudos/bibliotecavirtual/instrumentos/sanjose.htm> Acesso em: 04/03/2015

DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO – DPU. Audiência Pública: Audiência de Custódia (2014) Disponível em: <http://www.defensoria.sp.gov.br/dpesp/Repositorio/23/Documentos/Custodia_folder_final2.pdf> Acesso em: 04/03/2015

SILVA, L. C. O réu sem rosto: a importância da audiência de custódia no processo penal sob a ótica da economia comportamental (2014) Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/12027/TCC%20-%20O%20R%C3%A9u%20sem%20Rosto%20-%20Leandro%20de%20Castro%20Silva.pdf?sequence=1> Acesso em: 05/03/2015



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria