A função do preposto nas audiências dos juizados especiais

O Preposto é uma figura importante para as empresas, no âmbito jurisdicional.

Notadamente, nos dias de hoje, mais será exigido das empresas que não se preparam adequadamente e que, em consequência, não capacitam seus prepostos para as audiências de forma a restaurar a confiança do cliente na empresa e em seus produtos, evitando assim, a escalada dos conflitos e buscando promover a satisfação desses clientes.

Primeiramente, temos o conceito de Preposto, segundo De Plácido e Silva:

PREPOSTO. Do latim praepositus, de praeponere (posto adiante ou à testa), designa a pessoa ou o empregado que, além de ser um emprestador de serviços, está investido no poder de representação de seu chefe ou patrão, praticando os atos concernentes à avença sob direção e autoridade do preponente ou empregador.

Neste particular, o preposto se distingue do comissário e do mandatário.

comissário recebe poderes para executar um negócio para o comitente. Mas não éempregado do comitente. Já o preposto, é condição precípua sua qualidade deempregado.

mandatário está estribado em contrato mais simples, pois que somente lhe assiste praticar os atos autorizados no mandato. E pode não ser empregado do mandante, nem está obrigado a executar serviços ou trabalhar para ele.

Nesta razão, o preposto é o empregado a que se atribui poderes de representação para praticar atos ou efetivar negócios concomitantemente à realização dos serviços ou dos trabalhos que lhe são cometidos como funções e encargos permanentes.

Nos Juizados Especiais Cíveis, a figura do preposto é de suma importância para a defesa da empresa, visto que é ele quem a representa perante os clientes e aos conciliadores e membros do Poder Judiciário.

Preparar bem um preposto, que conheça as atividades da empresa, os produtos e serviços por ela oferecidos, que saiba negociar e encontrar a melhor solução do conflito para o cliente e a empresa, é a melhor estratégia para empresas que buscam fidelizar o cliente, pois os prepostos são a “personificação”, a “cara” da empresa.

Ainda existem prepostos que comparecem às audiências despreparados, sem consciência de seu papel vital. Com esse comportamento sobrevém consequências demasiadamente catastróficas: consumidores saem das audiências ainda mais enfurecidos, decepcionados e muitas vezes não admitem a conciliação na busca de soluções, apenas perseguem indenizações desmedidas.

Nas audiências de conciliação realizadas entre empresas e clientes é importante restabelecer uma parceria que foi quebrada. Para isso, é necessário que os prepostos sejam eficazes e negociem de modo mais bem-sucedido. Uma atuação mais intensa do preposto, de forma que ele veja que a conciliação é mais uma oportunidade de resgatar a confiança do seu cliente, de melhorar a imagem da empresa, de oferecer uma recepção satisfatória, pode majorar as chances de um acordo que atenda aos interesses de ambas as partes. Isso pode fazer toda a diferença.

Empresas que investem no treinamento de prepostos, otimizam recursos e podem aproveitar ao máximo o que as formas de auto composição oferecem. A empresa por meio do preposto busca entender o consumidor, que percebe a disposição da empresa em solucionar o conflito. A empresa, dessa maneira tem a chance de restaurar sua imagem ao final da sessão conciliatória.

Finalizando, é importante que a atuação do preposto para as empresas que representam, diminua o custo de aquisição de novos clientes para estas. O que se procura hoje em dia é fidelizar o cliente já existente nas bases das empresas demandadas, exigindo menos custos com propaganda e marketing. Dessa forma, a atuação dos prepostos se torna imprescindível para reverter a imagem negativa que a empresa tenha e consiga captar novos clientes.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria