Compromisso de compra e venda condicionado a aprovação de financiamento imobiliário por instituição financeira implementa um novo risco ao negócio jurídico e possibilita um desdobramento que não é de conhecimento geral.

Na praxe do mercado imobiliário tem sido cada vez mais comum a celebração de compromisso de compra e venda com cláusula condicional de financiamento. A opção por esta forma de negociação decorre de dois fatores: (i) facilidade para se obter um financiamento habitacional por meio dos programas governamentais vinculados à lei do SFH (lei 4.380/64); (ii) dificuldade de se encontrar compradores que disponham de recursos para realizar pagamento à vista, sendo por isso, necessário que recorram à uma instituição financeira para fazê-lo.

Aqueles que pretendem vender são intitulados “compromissários vendedores” porque assinam promessa de compra e venda com os pretensos compradores, estes doravante denominados de “compromissários compradores”. Esse compromisso de vender tem tratamento jurídico ABSOLUTAMENTE distinto da compra e venda que se pratica hodienamente, transferindo para os compromissários vendedores um risco que inexiste na compra e venda pura e simples (sem condições, com pagamento imediato).

Para a realização do negócio jurídico de compra e venda condicionada a financiamento, é necessário que haja implemento do “elemento acidental”, qual seja, o evento futuro e incerto essencial para implementação do direito que o contrato visa. Com efeito, o negócio apenas se realizará caso os compromissários compradores logrem êxito na aprovação do financiamento. A não obtenção deste, ao contrário do que muitos pensam, NÃO CONSTITUI INADIMPLEMENTO CONTRATUAL, tão somente hipótese de ausência de implementação da condição entabulada, ensejando à rescisão do contrato sem ônus para ambas as partes.

Diz o Código Civil (CC/02) que inadimplemento decorre de CULPA, confira:

“Art. 408. Incorre de pleno direito, o devedor na cláusula penal, desde que, culposamente, deixe de cumprir a obrigação ou se constitua em mora.”

E ainda:

“Art. 396. Não havendo fato ou omissão imputável ao devedor, não incorre este em mora.”

A negativa de financiamento é evento que independe da vontade dos compromissários compradores, porquanto a aprovação do crédito pela entidade financeira é ato de terceiro estranho à relação contratual e condição para realização do negócio. Sem ela inexiste direito a ser resguardado pelos compromissários vendedores. Confira os arts. 121 e 125, CC/02)[1]:

“Art. 121. Considera-se condição a cláusula que, derivando exclusivamente da vontade das partes, subordina o efeito do negócio jurídico a evento futuro e incerto”

“Art. 125. Subordinando-se a eficácia do negócio jurídico à condição suspensiva, enquanto esta não se verificar, não se terá adquirido o direito a que ele visa.”

Nesse sentido, a Primeira Turma do Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDF) negou provimento a recurso dos compromissários vendedores que visava impor à consequência da mora aos compromissários compradores pela não obtenção de financiamento, ou seja, imposição de multa moratória e perdas e danos, esclarecendo que “3. O arrependimento pressupõe a manifestação livre e soberana da parte, que mercê de sua própria conveniência, opta por não concluir a avença. A vontade daquele que se arrependeu é condição essencial e inafastável para admitir-se a incidência da primeira hipótese da aplicação da lei de arras. Quem efetivamente não pode, quem induvidosamente não tem condições de prosseguir, à evidência não se arrepende: sucumbe ante uma situação fática, que surge como um obstáculo intransponível. Ninguém pode ser obrigado a fazer coisas impossíveis. (AC 3621295, dje 20.03.1996)

O entendimento acima demonstra que a praxe de mercado consistente na retenção do sinal/arras pelo não pagamento por parte do adquirente por fato alheio a sua vontade é ato abusivo do compromissário vendedor. Isso ocorre porque o comprador não incide em mora se não obteve o financiamento porque sua negativa pela instituição financeira decorre de risco natural da compra e venda condicionada (ou impura), qual seja, condicionar o êxito do negócio a aprovação do crédito do comprador por instituição financeira não vinculada a promessa de compra e venda.

Idêntica conclusão chegou a Segunda Turma do TJDF ao analisar caso similar, consignando que “Não concluído o negócio ajustado entre as partes por fato de terceiro (não aprovação de financiamento imobiliário pela CEF), não se há de falar em perda do sinal dado em arras.” ( AC 19980110598666APC, dje 26.10.2004)

Fica muito claro que no Direito Civil inadimplemento decorre de CULPA e somente nos casos que ela existe se cogita aplicação dos efeitos do inadimplemento. Ou seja, se o financiamento é aprovado e o compromissário comprador DESISTE do pacto ou por qualquer outro ato culposo o negócio deixa de se concretizar na forma estabelecida no compromisso de compra e venda há ensejo à rescisão do contrato - aplicando-se os efeitos da mora.

Inadimplemento é sinônimo de mora (art. 394, CC/02) que segundo a doutrina majoritária civilista pode ser absoluta ou relativa. Nesta, assiste direito a parte interessada pedir judicialmente o cumprimento do contrato, além de cobrar o valor de eventual cláusula penal ou perdas e danos que possam decorrer desse inadimplemento, vide art. 461, CPC[2] cumulado com arts. 394, 395, 403 e 404, do CC/02[3]. Naquela (mora absoluta) inexiste meios de ilidir o inadimplemento ante a impossibilidade de se cumprir o contrato (art. 394, Parag. único, CC/02), restando à parte inocente pedir em juízo seja declarada a resolução do negócio por inadimplemento culposo, estipulando-se indenização por perdas e danos ou a incidência da cláusula penal.

Conclusão: (i) na compra e venda com cláusula condicional há o implemento de um novo risco para o negócio jurídico que deve ser avaliado pelo vendedor, qual seja: da não realização do negócio jurídico SEM direito de ser indenizado caso seja negado crédito ao compromissário comprador pela instituição financeira, sendo tal fato inerente à natureza do negócio; (ii) na venda condicionada cabe ao vendedor se precaver de demandar um documento formal comprovando a aprovação do financiamento pela instituição financeira, pois apenas implementada tal condição tornar-se-á exigível o cumprimento do contrato e imputável o inadimplemento aos compradores.

[1] Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10406.htm, consulta realizada às 11:12 de 25.06.2014.

[2] Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5869compilada.htm, consulta realizada no dia 25.06.2014 às 18:15 horas.

[3] Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10406.htm, consulta realizada às 18:20 horas de 25.06.2014.


Autor


Informações sobre o texto

O artigo tem caráter informativo e noticia o risco implementado ao se adicionar uma cláusula condicional no compromisso de compra e venda de imóvel. O assunto abordado é atualíssimo porque é cada vez mais comum firmar compromisso de compra e venda condicionado a aquisição de financiamento imobiliário perante instituições financeiras (ex: vendas financiadas pela Caixa Econômica Federal no âmbito do SFH).

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria