A União Estável é reconhecida como entidade familiar, na qual se caracteriza pela convivência pública, contínua, duradoura, estabelecida com o objetivo de constituição de família. Aplica-se, em regra, o regime de comunhão parcial de bens (art. 1725, CC)

Atualmente, tem sido comum visualizarmos diversas formas de constituição de família, seja com o casamento ou até mesmo sem ele, como ocorre com a União Estável, que é reconhecida como entidade familiar, configurada na convivência pública, contínua, duradoura, estabelecida com o objetivo de constituição de família, conforme estabelecem o artigo 1.723 do Código Civil Brasileiro, e o artigo 226, §3º, da Constituição Federal, nossa Lei Maior. Assim, o casal que convive em regime de União Estável, assim como no casamento, tem direitos e deveres, adquire bens, contrai dívidas, tem filhos, etc.

E, quando o casal manifesta o interesse em colocar fim à união, se faz necessário, também, aplicar o direito ao caso concreto, como ocorre com as Ações Judiciais de Reconhecimento e Dissolução de União Estável, na qual se objetiva, geralmente, a partilha de bens e dívidas adquiridos, discutir e definir sobre guarda, alimentos e visitas aos filhos do casal, entre outros assuntos decorrentes da união.

Quando não houver divergências e interesses conflitantes do casal, é possível fazer a dissolução consensual extrajudicial, por meio de escritura pública lavrada em cartório, desde que o casal não tenha filhos menores. Em qualquer caso, se faz necessária a orientação de um advogado para formalizar o acordo a ser firmado pelo casal.

Contudo, a maior parte dos conflitos entre casais concentram-se na definição do período de convivência bem como na comprovação do esforço comum para a aquisição dos bens. O artigo 1.725 do Código Civil Brasileiro é claro ao estabelecer que, na União Estável, salvo contrato escrito entre os companheiros, aplica-se às relações patrimoniais, no que couber, o regime da comunhão parcial de bens, no qual comunicam-se os bens e dívidas que sobrevierem ao casal, na constância da união, observadas as exceções previstas na nossa legislação (artigos 1.659 e seguintes, do Código Civil).

Portanto, tudo o que foi adquirido durante a união, bens ou dívidas do casal, observadas as exceções legais, deverá ser partilhado na proporção de 50% (cinquenta por cento) para cada companheiro. A divisão deverá ser igualitária e proporcional. Toda e qualquer documentação referente à aquisição de bens e dívidas durante a união precisa ser guardada para que, em caso de dissolução da união, possibilite a partilha de forma justa e igualitária entre as partes.

As pessoas se unem para constituírem família, contudo, o número de casais que se separam está cada vez mais aumentando. Sendo assim, é preciso tomar os cuidados devidos para evitar aborrecimentos e prejuízos no futuro. 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

3

  • 0

    Deise

    Meu pai já falecido teve 02 casamentos e 01 união estável.

    01 casamento viúvo com 02 filhos nenhum bem. 02 casamento 1987 mais 01 filho, 02 imóveis e comunhão universal de bens ficou viúvo em 1997 o inventario da cônjuge ficou em 50% para meu pai e 50% para meu irmão, os 02 filhos do 01 casamento não foram citados como herdeiros? Pergunta: está correto os filhos do 01 casamento não ter direitos sobre os 50% da cônjuge sendo o casamento em comunhão universal de bens? Meu pai faleceu em 2013 e da união estável mais 01 filho e 01 terreno que ficou em nome da cônjuge convivente. Pergunta: como ficaria a divisão correta deste inventario?

    Minha avó por parte de pai também faleceu deixando 01 terreno e não foi feito inventario, como meu pai faleceu. Pergunta: quem tem direitos sobre o bem, os netos e a cônjuge da união estável ou somente os netos?

Livraria