É bastante comum o que ocorre quando, após o divórcio ou dissolução de união estável, uma das partes continua na posse e uso de patrimônio comum. Este artigo trata acerca do tema, imprescindível em ações de Direito de Família.

Continuando a escrever sobre partilha de bens, que é um tema bem discutido em nosso cotidiano, trataremos hoje sobre o uso exclusivo do bem comum, ou seja, o que ocorre quando, após o fim do relacionamento, fica o patrimônio na posse de somente um dos cônjuges ou companheiros.

Ora, se o bem foi adquirido durante a união, ele deve ser partilhado após o término dela. Os dois ex-cônjuges são titulares do mesmo bem, e nenhum é seu titular exclusivo. Logo, é necessária a divisão do bem ou seu pagamento pelo uso, posse e fruição. Se um ou mais bens permanecerem na posse somente de um, dispõe o outro de um crédito, o que pode configurar, inclusive, no que chamamos de enriquecimento sem causa ou injustificado.

Quem permanece com o uso exclusivo do bem comum, como é o caso, por exemplo, de um cônjuge continuar residindo no imóvel adquirido pelo casal, jamais ou raramente vai pretender ou ter interesse em proceder à divisão do bem/patrimônio.

Contudo, com o término da união, havendo a separação de fato do casal, ou seja, rompido vínculo, a convivência sob o mesmo teto e o fim de constituir família, é necessário impor o pagamento pelo uso exclusivo do bem comum, mesmo antes de ser promovida a ação de divórcio, ou, ainda, independentemente de propositura de ação de partilha ou extinção de condomínio.

Em se tratando se uso e posse de bem imóvel, o que ocorre na maioria das vezes, se faz necessário determinar que aquele que exerce o uso e a posse do bem efetue o pagamento de metade do valor que referido bem renderia se estivesse alugado. Não se trata, aqui, de pagamento de aluguel, mas sim de encargo de natureza indenizatória. A partilha geralmente é proposta pelo cônjuge ou companheiro que não exerce o uso ou a posse do bem.

No caso de se tratar de uso exclusivo de bem móvel, deve o usuário ou possuidor proceder ao pagamento da metade do valor de referido bem, a ser calculado à época da separação de fato, ou seja, a ser avaliado e calculado na época em que se rompeu o vínculo. Nesta hipótese, os valores deverão ser atualizados pelos índices oficiais, e a avaliação, se não houver consenso, poderá ser realizada judicialmente.  

Portanto, a partilha de bens é um tema que sempre preocupou muitas pessoas, principalmente quando vão constituir uma união ou mesmo dissolvê-la, e implica em vários efeitos, sendo necessário ser procedida em observância da legislação vigente, de modo que atenda aos direitos de ambas as partes que envolvem o litígio, sem ofender ou prejudicar qualquer uma delas, visando, principalmente, garantir uma divisão justa e igualitária, e, ainda, evitar conflitos intermináveis. Fiquem atentos!


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria