O legislador perdeu uma oportunidade única de se livrar de uma briga doutrinária e de erros forenses, como acontecia com a medida para exclusão do protesto, para uns cautelar e para tantos outros seria um pedido de tutela antecipada.

Ao iniciar os estudos para elaboração do anteprojeto do novo Código de Processo Civil, a comissão de notáveis juristas apresentou a proposta de simplificação dos dispositivos e conceitos, unificando os temas tutela antecipada e cautelar no mesmo artigo, definido como tutela de urgência (denominação adotada pela doutrina há algum tempo e firmada pelo novo CPC).

Acontece que, em certa altura da tramitação do projeto de lei, o legislador achou por bem trazer novamente ao diploma legal parte específica sobre o tema “cautelar”, que são hoje os artigos 305 a 310 do CPC.

Não são poucos os que criticam essa postura do legislador. Por sua vez, há quem diga que a definição da cautelar ainda é necessária em nossa sociedade. Fato é que o capricho do legislador deixou alguns equívocos, como abordaremos nesse artigo.

Vale dizer, antes de aprofundarmos a questão, que os artigos 305 a 310 do novo CPC tratam da tutela cautelar requerida em caráter antecedente, sendo que há a regra geral no artigo 300.

Sem a pretensão de conceituar os temas, não podemos deixar de citar que a antecipação de tutela é compreendida como a técnica direcionada a antecipar de formar provisória mediante cognição sumária a tutela jurisdicional do direito à parte visando à distribuição isonômica do ônus do tempo no processo parte da teoria da tutela cautelar[1].

Sem perdermos muito o foco do tema principal, lembramos ao leitor que a história do processo civil no direito brasileiro é bem recente, tornando-se uma ciência evidenciada pelas mãos de Liebman[2]. O Código de Processo Civil de 1973, sob essa influência, foi escrito e pensado por Buzaid[3]. Na época, por fatores históricos e doutrinários, houve a necessidade de um capítulo inteiro falando sobre cautelares. Hoje, no novo Código, há apenas uma ligeira lembrança, por exemplo, o artigo 301, que fala que “a tutela de urgência de natureza cautelar pode ser efetivada mediante arresto e sequestro”, contudo, ao longo do CPC não temos a definição do que são os tais “arresto” e o “sequestro”. Bom, o leitor ainda afinado com o Código de Processo Civil 1973 por certo saberá. Já para os futuros juristas, que estudarão apenas o novo CPC, restará aprender o que são arresto e sequestro por meio do direito comparado.

Já adentrado a novel legislação, percebemos que tutela provisória é o livro V, sendo definido por três títulos: disposições gerais, tutela de urgência e tutela de evidência. O nosso tema, tutela cautelar em caráter antecedente, está no terceiro capítulo do título tutela de urgência. Ressalvamos que há o pedido de tutela cautelar elaborado na forma do artigo 300 e seguintes, que ocorre junto da petição inicial do processo principal, no qual a cautelar será requerida como tutela provisória de urgência, enquanto o requerimento na forma dos artigos 305 a 310 assemelha-se ao que conhecíamos como cautelar no CPC de 1973. Vamos ao estudo especifico.

O art. 305 trouxe a forma da petição inicial, que visa a prestação de tutela cautelar em caráter antecedente, devendo o autor indicar a lide e seu fundamento (que é objeto da ação principal), a exposição sumária do direito que se objetiva assegurar (o tão conhecido fumus boni iuris) e o perigo de dano ou o risco ao resultado útil do processo (que é o periculum in mora).

Como já dissemos, para nós não há razão para a existência da cautelar nessa forma, já que existe a regra geral do artigo 300. O legislador perdeu uma excelente oportunidade em unificar verdadeiramente os institutos da tutela cautelar e da tutela antecipada.

O que dá ainda mais força para o nosso argumento é o §1º do artigo 308 do novo CPC, que deixa uma mensagem ao jurisdicionado que ele pode se valer do pedido cautelar juntamente com o pedido principal (regra geral do artigo 300). Parece-nos que o legislador até quis unificar os conceitos e eliminar os procedimentos distintos, mas, por necessidade doutrinaria, não conseguiu.

A questão do requerimento das tutelas de urgência de forma antecedente ou incidente parece ser o tema mais intrigante desse novo CPC, questão que merece artigo próprio. Já houve, inclusive, opiniões que a expressão incidente seria na formação de um incidente quando o pedido fosse no decorrer da ação. Ledo engano. Quer dizer tão somente que o pedido será no processo principal, e não prematuramente ou pré-processual, como é o artigo 303.

Assim como é a tutela antecipada antecedente, temos a cautelar, com a ressalva que não estabiliza (dinâmica curiosa do artigo 304); pelo menos nessa parte a doutrina é uníssona.

Questão extremamente positiva é fungibilidade das demandas, disposta no parágrafo único do artigo 305. Daniel Amorim Assumpção Neves[4] ressalta que a fungibilidade não é uma via de mão única, ao passo que se é fungível a cautelar que tem cara de antecipada o contrário também é verdadeiro.

As diferenças entre a tutela antecipada e cautelar requeridas antecipadamente estão: na a estabilização, que, como já dissemos, ocorre apenas na primeira; e na contagem de prazo na hipótese de indeferimento dos pedidos de tutela cautelar e antecipada, uma vez, indeferida a cautelar, permanece o prazo de 30 dias para o pedido principal nos mesmos autos, enquanto indeferida a tutela antecipada o prazo é apenas de cinco dias para a emenda.

O aproveitamento das demandas é questão dita há muito tempo pelos doutrinadores, em especial Humberto Theodoro Jr., no qual destaca que “a melhor solução era mesmo a flexibilização do procedimento cautelar ou antecipatório, justificada com o irrespondível argumento de que questões meramente formais não podem obstar à realização de valores constitucionalmente garantidos, como é o caso da garantia de efetividade da tutela jurisdicional”[5].

A tutela cautelar antecedente parte das premissas de outrora, do CPC de 1973, pois têm dois momentos distintos, o primeiro, que busca o direito a guarnecer o processo principal, e o segundo momento que é a discussão do direito principal, acautelado pelo primeiro momento processual. Dessa forma, o prazo de cinco dias para defesa, trazido no artigo 306, é extremamente exíguo para tornar célere, pois não se discutirá o mérito da demanda, mas o direito a cautela. Por óbvio, “não sendo contestado o pedido, os fatos alegados pelo autor presumir-se-ão aceitos pelo réu como ocorridos”[6], caso em que o juiz decidirá dentro de 5 (cinco) dias.

Efetivada a tutela cautelar, o pedido principal terá de ser formulado pelo autor no prazo de 30 (trinta) dias, caso em que será apresentado nos mesmos autos em que deduzido o pedido de tutela cautelar, não dependendo do adiantamento de novas custas processuais[7].

O prazo para o pedido principal é a partir da efetivação (e não da concessão), ainda que parcial (REsp 1.115.370/SP, Min. Benedito Gonçalves).

Não obstante o dispositivo fale que não há novo recolhimento de custas, há se ponderar que a distinção do valor da causa no processo cautelar e do principal (STJ 4ª, Turma, Min. Adir Passarinho Jr. REsp 865.446).  Necessariamente o valor do objeto cautelar não é o mesmo do processo principal. Em verdade, na prática, sob a égide do CPC de 1973, normalmente não era. Inclusive, o pedido cautelar era fixado em valores módicos, para menos incidência das custas. Contudo, com a unificação dos procedimentos, acreditamos que deverá ser adotada a regra do §4º do artigo 303 CPC, no qual o valor atribuído deverá ser mesmo para os dois momentos.

O aditamento com o pedido principal pode ser formulado independentemente da efetividade da decisão cautelar. O que necessariamente o leitor deve se atentar são nas hipóteses do artigo 309, quando a tutela cautelar antecedente perde sua eficácia.

Nesse ponto fazemos um parêntese para destacar a Súmula 482 do STJ, que “a falta de ajuizamento de ação principal no prazo do art. 806 do CPC de 1973[8] acarreta a perda da eficácia da decisão liminar e a extinção do processo cautelar”. Hoje, com a unificação do processo cautelar e principal não faz mais sentido falar em extinção do feito, pois, embora a decisão que pretendia acautelar não tenha se tornado eficaz, por si só, não elimina o direito a pretensão principal[9]. Por isso, o máximo que ocorrerá é a perda da eficácia, sem causar qualquer prejuízo à parte, que poderá aditar o feito e prosseguir com pretensão principal.

Se por qualquer motivo cessar a eficácia da tutela cautelar, é vedado à parte renovar o pedido, salvo sob novo fundamento. É o que diz o parágrafo único do artigo 309 do CPC.

Após o aditamento com o pedido principal, as partes serão intimadas para a audiência de conciliação ou de mediação, na forma do art. 334, por seus advogados ou pessoalmente, sem necessidade de nova citação do réu. Conforme § 4o, não havendo autocomposição, o prazo para contestação será contado na forma do art. 335.

Essas são as ponderações que julgamos mais relevantes sobre o tema “tutela cautelar requerida em caráter antecedente”. Como iniciamos opinando, encerramos da mesma forma. Além da nossa crença pela desnecessidade de previsão específica, como reiteradas vezes destacamos, outra questão salutar é que uma lei está no plano ideológico, podendo ou não ser plenamente eficiente à sociedade. Acreditamos, nessa linha, que o mecanismo em questão será pouco prático e, por isso, venha a ser pouco usado.


[1] MITIDIERO, Daniel. Antecipação da tutela, da tutela cautelar à técnica antecipatória. Revista dos Tribunais. 2ª edição. 2014. Página 19.

[2] Convido o leitor a conhecer o artigo “O magistério de Enrico Tulio Liebman no Brasil”, da Professora Ada Pellegrini Grinover.

[3] Conheça Alfredo Buzaid, disponível no link abaixo, quando consultei no dia 09.06.2016, às 19h17: http://www.stf.jus.br/portal/ministro/verministro.asp?periodo=stf&id=18

[4] NEVES, Daniel Amorim Assumpção. Novo Código de Processo Civil comentado artigo por artigo. 2016.

[5] Citados por Humberto Theodoro Jr. Curso de direito processual civil, 2016, p. 614. BEDAQUE, José Roberto dos Santos. Tutela cautelar e tutela antecipada: tutelas sumárias de urgência. 3. ed. São Paulo: Malheiros, 2003, p. 291; ASSIS, Araken de. Fungibilidade... cit., p. 55-56.

[6] Transcrição literal do artigo 307, não obstante a estranha redação do artigo, que fala em “aceitação dos fatos alegados pelo autor”, quando na verdade trata-se da mais pura revelia, com a presunção de veracidade dos fatos alegados pelo autor.

[7] Artigo 308 do CPC.

[8] Embora não conste na Súmula o ano do Código Processual, para facilitar a intelecção do leitor, acrescentamos; sem, contudo, causar prejuízo a literalidade pretendida com a transcrição da súmula.

[9] Aliás, nem pode prejudica-lo, é o que diz o art. 310: “o indeferimento da tutela cautelar não obsta a que a parte formule o pedido principal, nem influi no julgamento desse, salvo se o motivo do indeferimento for o reconhecimento de decadência ou de prescrição”.


Autor

  • Adriano Ialongo

    Advogado sócio do escritório ialongo e miyaoka. Graduado na Faculdade de Direito de Santos (UniSantos). Especializado em Direito do Trabalho e Processo do Trabalho pela Universidade Anhanguera. Pós-graduado em Direito Civil e Processo Civil pela Escola Paulista de Direito. Formado em cursos de PNL e Coaching pelo Instituto Vencer. Cursando atualmente MBA em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas.

    www.iemadvogados.com.br

    Textos publicados pelo autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria