Neste texto buscamos tirar as dúvidas mais frequentes e importantes referentes aos tipos de indenizações e as situações em que há o seu recebimento.

Muitos são os clientes que procuram o escritório com dúvidas relativas aos tipos de indenização pagas pelo DPVAT e quase sempre com uma certeza: a de que, ao sofrer um acidente, automaticamente receberiam indenização, o que é um equívoco.

Estão cobertos, conforme informação constante no próprio site da Seguradora Líder, responsável pelos pagamentos (http://www.seguradoralider.com.br/Pages/SobreoSeguro-DPVAT.aspx), os acidentes de trânsito ocorridos nos últimos 03 anos, envolvendo veículo automotor de via terrestre, que tenha causado morte, invalidez permanente ou despesas médicas e hospitalares. Ou seja, não é um seguro automático recebido por todas as pessoas que sofreram um acidente.

Observe: se você sofreu lesões corporais em um acidente de trânsito, está recuperado e foi atendido no SUS, por exemplo, sem gastar qualquer valor a título de despesas médicas e/ou hospitalares, não há indenização a ser recebida. Se, por outro lado, você teve todo o tratamento para se recuperar do acidente pago de seu próprio bolso, é importante ressaltar que, se você gastou mais do que R$ 2.700,00 em despesas médicas, não tem jeito, o máximo que a seguradora irá lhe reembolsar é esta quantia.

Outra questão levantada pelos clientes refere-se aos casos em que o automóvel ou motocicleta estão com pagamento do DPVAT em atraso. Destaco: não há relação entre esse pagamento e o seu direito ao seguro. Ou seja, mesmo que seu veículo esteja irregular, você tem direito ao seguro em caso de invalidez permanente ou despesas médico-hospitalares, e seus herdeiros/cônjuge em caso de morte.

No entanto, as maiores dúvidas ficam em torno da invalidez e o prazo para requerimento. Frisa-se: não é qualquer lesão que gera o recebimento de indenização. A vítima deve obter laudo do IML que ateste que a lesão causou invalidez permanente. E o que é a invalidez permanente? É aquela em que nenhum tratamento fisioterápico ou cirurgia irá curar. É aquela que acompanhará a vítima para o resto de sua vida. Por exemplo: Devido ao acidente houve uma lesão na mão da pessoa. Após passar por todos os tratamentos, ainda não move a mão, não consegue segurar um lápis, perdeu força, entre outros. Assim, a vítima terá direito à indenização, pois a invalidez é permanente. Atualmente o valor máximo a ser pago é de até R$ 13.500,00, sendo que a quantia vai variar conforme o membro lesado e a gravidade da lesão. E se os tratamentos duraram 3 anos e somente agora foi constatada a invalidez permanente? Sem problemas, o prazo de prescrição conta a partir da ciência da invalidez permanente pela vítima para esses casos, enquanto, para os demais riscos cobertos, o prazo se inicia na data do acidente.

Por último, não há necessidade de você contratar um terceiro para solicitar a indenização. Inúmeras agências dos Correios recebem a documentação e a encaminham, e, além do mais, o site é autoexplicativo. Já os casos de demora injustificada, insurgência quanto ao valor recebido e negativa de cobertura indevida devem ser encaminhados a um advogado especializado na área.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria