O pacto antenupcial nada mais é do que uma escritura pública pela qual os noivos estabelecem as obrigações e os direitos de cada uma das partes, optando por um regime de separação de bens diferente do regime de comunhão parcial de bens.

O pacto antenupcial nada mais é do que uma escritura pública pela qual os noivos estabelecem as obrigações e os direitos de cada uma das partes, optando por um regime de separação de bens diferente do regime de comunhão parcial de bens.

O casal poderá estabelecer o regime de bens de seu interesse, inclusive misturando as figuras dos regimes estabelecidos no Código Civil.

Importante destacar que o pacto antenupcial somente terá eficácia com a realização do casamento. Ademais, o casal do mesmo sexo pode fazer o pacto antenupcial para assegurar seus direitos.

Inclusive, é um instrumento de precaução, já que o casal pode especificar o patrimônio que cada um tinha antes de casar, definindo sobre a propriedade e a administração dos bens antes do casamento, o que evita brigas futuras referente à questão patrimonial.

Ademais, os interessados podem estabelecer regras não patrimoniais. Sim, antes que me perguntem, até a quem de vocês dois cabe lavar a louça! Todavia, o referido pacto vai muito além... Ficará definido, por exemplo, o regramento das relações patrimoniais entre os cônjuges e entre estes e terceiros, que obrigações podem assumir isoladamente, os bens próprios de cada um...

Ao fixar as regras sobre o patrimônio individual e conjunto do casal, acaba permitindo uma separação financeiramente amigável, o que não deixa de ser um ponto a ser considerado.

Lembre-se, o casamento não vive apenas de amor e tem repercussões inevitáveis no plano econômico. O pacto antenupcial proporciona maior segurança ao casamento quanto aos aspectos patrimoniais, o que pode evitar muitos desgastes. 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

1

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso
  • 0

    Isadora

    Gostaria de saber se eu me casar no regime de separação de bens, caso o meu cônjuge venha a falecer eu teria direito a pensão por morte?