Avaliação crítica do posicionamento do Supremo Tribunal Federal, que permite que o condenado já em segunda instância possa ser conduzido ao centro prisional.

Propõe-se, neste artigo, discorrer sobre a recentíssima decisão do Supremo Tribunal Federal que dividiu juristas e a própria população acerca de como deve se proceder em relação à prisão de condenados nos Tribunais de Justiça brasileiros e a grande cadeia de recursos permitida pelo nosso Código de Processo Penal. A Suprema Corte, ao admitir, em acirrada votação, o recolhimento do réu em processo criminal antes do esgotamento de todos os recursos admitidos em Direito, criou uma grande polêmica, e pretende-se, neste breve ensaio, pesar todos os lados para se ter uma medida do quão acertada foi a decisão de nossos ministros. O texto retrata uma opinião pessoal do autor, e, por este motivo, é disposto diretamente em primeira pessoa.

Do ponto de vista puramente teórico, sou totalmente contra a recente decisão do STF que permite que o condenado já em segunda instância possa ser conduzido ao centro prisional. Afinal de contas, a letra da Constituição da República é bastante clara: ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória, o que significa dizer que ninguém poderia ser recolhido a estabelecimento prisional fora das hipóteses de prisões cautelares até o esgotamento completo de todos os recursos. É o Princípio da Presunção de Inocência, em voga no Brasil desde os tempos mais primórdios do país, que, friso, num ponto de vista puramente teórico, veda totalmente a interpretação dada pela nossa Suprema Corte em 05 de outubro de 2016.

Entretanto, não podemos analisar o Direito de forma isolada da realidade social em que ele mesmo vige, sob o risco de cairmos em uma terrível disparidade entre o estado do ser e o estado do dever ser.  O Direito nunca teve e nunca poderá ter um fim em si mesmo; seus fins são a harmonia social e a segurança jurídica, e não a sua própria harmonia. Claro que buscar o equilíbrio social força o próprio Direito a ser coerente consigo mesmo, mas essa coerência deve ser a conseqüência do seu objetivo principal, que é servir a sociedade, e não a causa de existência das ciências jurídicas.

Sob esses dois prismas, o teórico e o real, podemos nos debruçar melhor sobre o que significou a nova decisão do STF que vinculou juízes e tribunais do país inteiro. Conforme já visto, no campo de atuação acadêmico, em seu purismo, não há o que se falar em acerto feito pelo Supremo. A literalidade do ensinamento constitucional é diametralmente oposta ao que foi decidido em relação às prisões em segunda instância, e não há uma questão de interpretação nisso que não pareça claramente torta. No entanto, temos o segundo ponto: qual o objetivo do Direito? O que ele busca?

Se pudermos reafirmar que o Direito, em teoria, busca a harmonia social, vemos que artigo 5º, inciso LVII da Constituição está bem colocado dentro do ordenamento jurídico, desconsiderando-se totalmente a realidade social. Qual seria o sentido de se prender alguém se ainda há alguma forma do réu se defender numa ação penal? Nenhum, certamente. Entretanto, a realidade brasileira nos mostra um Poder Judiciário extremamente moroso no que tange aos recursos que sobem para os tribunais superiores brasileiros, o STJ e o STF. Em geral, são anos para que esses tribunais meramente aceitem ou rejeitem recursos a eles direcionados. Ainda, devemos nos atentar ao fato de que a esmagadora maioria dos recursos que sobem aos tribunais superiores contém apenas matéria de direito, ou seja, argumentação jurídica alegando violação a alguma lei federal (recurso especial ao STJ) ou à Constituição Federal (recurso extraordinário ao STF), não possuindo matéria fática neles.

A legislação penal brasileira, inclusive a penal constitucional, funcionaria de forma bastante eficiente se o Estado brasileiro fosse igualmente eficiente. Se o Direito pretenderesponder perante a sociedade brasileira quanto aos atos ilícitos praticados pelas pessoas, ele deve fazê-lo tanto em proporção justa quanto em tempo hábil. Considerando a existência da prescrição dentro do ordenamento penal brasileiro, e, em alguns crimes, essa prescrição corre em pouquíssimo tempo, a questão da resposta rápida a delitos se torna ainda mais gritante, visto que é, além de uma questão de segurança pública, também uma questão de segurança jurídica.

Se levarmos em conta a morosidade supracitada dos tribunais superiores, que é notória, notamos que a norma constitucional claramente não se adequa à realidade brasileira. Os pontos principais, portanto, são:

  1. O Princípio da Presunção de Inocência;
  2. O Direito como uma ciência que busca a harmonia social e a segurança jurídica;
  3. A interpretação adequada das normas jurídicas;
  4. A especial morosidade dos tribunais superiores brasileiros;
  5. O nível de eficiência do Estado brasileiro em relação à aplicação do ordenamento jurídico;
  6. O confronto entre o Direito e a realidade social brasileira.

Podemos, finalmente, considerar o Estado como o Direito, e, no caso específico do Direito Penal, ver o crime como o não-Direito. Se o Direito, considerando os seis pontos acima elencados, termina por permitir que o não-Direito se perpetue. Não é difícil pensar em prescrição em qualquer delito, especialmente os com pena máxima em abstrato relativamente baixa (citemos, principalmente, crimes tributários).

Como se pode permitir, portanto, que o Estado crie condições ideais para que o crime saia impune?

Em outras palavras, como se pode permitir que o Direito faça nascer e crescer o não-Direito? Será possível a existência de um ordenamento autofágico? Acredito piamente que não.

A conclusão, portanto, é que a decisão do pleno da Suprema Corte foi totalmente acertada; pesando-se um princípio do ordenamento jurídico em um lado da balança, e, no outro, a própria credibilidade e segurança do ordenamento como um todo perante a sociedade, não há dúvidas de que o STF julgou a questão privilegiando o valor mais importante.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria