Enquanto o Brasil não ressocializar suas instituições será impossível ressocializar os detentos.

As características mais marcantes da Ditadura Militar foram a exclusão política e social da esquerda e do operariado, a censura feroz da imprensa da imprensa alternativa e a perseguição implacável aos líderes que tentaram dar voz às classes sociais não protegidas pelo golpe de 1964. A criminalização da política resultou no inevitável contato entre prisioneiros políticos e prisioneiros comuns.

A redemocratização do Brasil separou os prisioneiros comuns dos prisioneiros políticos. Mas o legado da Ditadura não foi desmantelado. Muito pelo contrário. Desde então as PM se tornaram mais letais e as Polícias Civis menos eficientes. E os presídios continuaram a ser depósitos de criminosos desprovidos de quaisquer direitos.

Apesar da CF/88 garantir vários direitos aos presidiários (integridade física e mora, inexistência de tortura, etc...) a violação destes raramente acarreta alguma punição ás autoridades encarregadas da custódia dos condenadas e da execução da pena. Resultado, no Brasil as condenações sempre excedem os limites que lhes foram impostas pela legislação.

Os prisioneiros são torturados, confinados em celas superlotadas, mal alimentados e eventualmente executados por grupos rivais e/ou por PMs durante rebeliões que são, de certa maneira, justificáveis. É evidente que o Estado tem direito de fazer o detento cumprir a pena, mas não deixa de ser verdade que os condenados tem direitos que raramente são respeitados.

A desumanização dos criminosos, promovida diariamente por programas de TV que glorificam a violência policial fomentando um clima de ódio, é sem dúvida alguma o elemento chave da crise penitenciária brasileira. Levada a acreditar que a vingança (brutalização e/ou execução de suspeitos e condenados) tem mais valor do que a Justiça (cumprimento das penas na forma da Lei de Execução Penal http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7210.htm), a população brasileira tolera e até mesmo apóia políticos, promotores e juízes que transformam os presídios em campos de concentração insalubres semelhantes àqueles em que os Ingleses confinaram as famílias de seus inimigos durante a Guerra dos Bôeres.

É evidente que o que ocorreu no Amazonas não é um caso isolado. Já vimos vários episódios semelhantes e igualmente sangrentos (Carandiru, Pedrinhas, etc...). A impossibilidade material ou política de condenar os presidiários e policiais que cometem massacres durante rebeliões em presídios é aceita de forma resignada pelo Poder Judiciário. De fato, nos últimos anos ficamos com a impressão de que os juízes e promotores passam mais tempo defendeu seus salários acima do teto do que fazendo o trabalho que lhes compete.

Quando um juiz se mostra humano e preocupado com o tratamento dispensado aos presidiários a imprensa o trata imediatamente como bandido. Não foi isto que o Estadão fez no caso do juiz Luis Carlos Valois?

Alguns defendem a privatização dos presídios. Este modelo foi adotado nos EUA com resultados duvidosos, pois produziu o encarceramento em massa. As condenações ao regime fechado se tornaram mais comuns e severas para atender a necessidade de lucro dos donos de prisões e não necessariamente os interesses da sociedade. Não só isto, alguns juízes já foram surpreendidos vendendo sentenças aos empresários que faturam alto com a lotação dos presídios privatizados. A violação dos direitos dos detentos também é um fato corriqueiro nos EUA.

Os presídios brasileiros são públicos e não funcionam. Mas sito não quer dizer que eles devem ser privatizados. A primeira coisa a fazer, creio, é banir da TV os programas que incitam a população a aceitar a ilegal brutalização dos detentos. Também é necessário começar a responsabilizar pessoalmente governadores, juízes e promotores pela inexecução das penas nos limites prescritos em Lei. O encarceramento deve se limitar aos crimes mais graves, os menos graves e cometidos sem violência podem ser combatidos com penas alternativas (multa, serviços á comunidade, reparação integral do dano, etc...).

A política, todavia, deve ser recolocada no centro do problema. Não dá mais para o Brasil continuar a demonizar os criminosos e, paradoxalmente, ficar chocado com as rebeliões justas que eles realizam. Quando estão sob a custódia do Estado, os presos não deixam de ser seres humanos e, como tal, titulares de direitos que a própria sociedade resolveu atribuir aos condenados.

A finalidade da pena é a ressocialização do detento e não a destruição da humanidade dele. Mas para que a Lei de Execução Penal entre realmente em vigor será necessário ressocializar todas as instituições brasileiras (inclusive as judiciárias e jornalísticas).  Caso contrário, novas rebeliões sangrentas continuarão ocorrendo quer os presídios sejam públicos ou privados. 



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0