Como o médico pode divulgar seu trabalho de acordo com o Código de Ética, trazendo prestígio e credibilidade sem incorrer em infrações disciplinares.

O sucesso nos negócios é almejado por todos, qualificar-se, tornar-se referência e ser reconhecido em seu meio é o desejo de muitos profissionais. A publicidade é uma grande ferramenta neste processo, em algumas profissões, tal como a dos médicos, existem regras de conduta ética que devem ser respeitadas, sendo a divulgação tratada diferentemente da publicidade de produtos e serviços comuns.

O que não se deve perder de vista quando da produção de material publicitário pelos médicos é a preservação do decoro da profissão, a credibilidade, promoção de hábitos saudáveis, prevenção da saúde etc. Como exemplo desse diferencial da publicidade em Medicina podemos citar  a necessidade do caráter educativo e esclarecedor que deve ser imputado ao material, de forma a tornar-se útil para a sociedade, afastando ainda qualquer caracterização sensacionalista.

É de grande relevância para o médico divulgar o seu trabalho de acordo com as regras encontradas no Código de Ética, pois que isso trará prestígio e credibilidade ao material criado, contribuindo para a criação de uma imagem positiva do profissional.

Atualmente existem vários meios de mídia em que é possível a divulgação, e o médico pode valer-se de qualquer deles, vejamos alguns exemplos:

A realização de entrevistas e a publicação de artigos médicos com finalidade educativa em jornais e revistas, bem como em sites de internet. Nesses meios é estritamente necessário que se informe nome completo, registro profissional e a especialidade cadastrada junto ao Conselho Regional de Medicina.

Manter site informativo na internet, que respeite os princípios e demais disposições previstas pelo Conselho Regional de Medicina é uma boa ferramenta para veiculação de informações genéricas sobre saúde direcionadas à sociedade, devendo haver sempre a ressalva de que o leitor deve procurar profissional de confiança para realização de avaliação clínica.

Recentemente o Conselho Federal de Medicina publicou resolução disciplinando as formas de utilização de redes sociais pelos médicos em todo o território nacional, dentre as regras estão: não divulgação de fotos que caracterizam autopromoção (inclusive selfies), vedação de publicação de imagens do tipo “antes e depois” inclusive por pacientes promovendo o profissional etc.

Deve-se evitar a publicação de material que incorra em concorrência desleal, autopromoção, indicar exclusividade de métodos, vincular à publicidade determinado equipamento ou produto, dentre outras.

Também é impreterível que não se vincule imagens e informações de pacientes, ainda que com autorização expressa dos mesmos, exceção válida somente para trabalhos e eventos científicos, cumpridas algumas condições.

Conforme brevemente apresentado, é possível a plena divulgação pelo médico a respeito de seu trabalho de forma a atingir potenciais novos clientes sem desrespeitar as normas de conduta éticas e morais, valiosas para a relação entre o médico e o paciente.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria