1 – DO CONCEITO DE CRIME DE MENOR POTENCIAL OFENSIVO

Procedendo a análise da definição do que seria crime de menor potencial ofensivo [1], segundo a Lei n. 10.259, de 12 de julho de 2001, em seu artigo 2o., parágrafo único, que derrogou o art. 61 da Lei n. 9.099/95 [2], nos deparamos com o aumento da pena máxima a ser atribuída aos chamados delitos de menor potencial ofensivo, ampliando assim consideravelmente seu alcance, como também com a inclusão dos crimes apenados com multa. O texto da Lei 9.099/95 certamente possuía uma precisão técnica maior, já que não deixava dúvida do que seria crime de menor potencial ofensivo, definindo como sendo aquele cuja pena não ultrapassasse um ano, e ainda as contravenções penais, excluídos aqueles delitos que tinham procedimento próprio, especial, como no caso dos delitos contra a honra. Com o advento da Lei n. 10.259/01, o texto passou a descrever que seriam crimes de menor potencial ofensivo, aqueles cuja pena máxima não exceda a dois anos, OU MULTA. Criou-se então o dilema acerca do alcance da expressão “ou multa”, inclusa na Lei. Seriam da competência dos Juizados Especiais Criminais todos aqueles crimes em que alternativamente se aplicasse além da pena privativa de liberdade a multa? Ainda que a pena máxima seja superior a dois anos, mas desde que haja a multa o procedimento a ser adotado seria o do Juizado? Existe uma corrente que entende que a todo delito que haja a imposição de pena de multa alternativamente, haverá a aplicação do rito dos Juizados Especiais Criminais, e, por conseguinte, ainda que a pena seja superior a dois anos isto ocorrerá. Não posso pactuar com tal posição doutrinária. A adoção do entendimento de que a todo crime que se aplique pena privativa de liberdade, ainda que está tenha seu máximo superior a dois anos, a apuração será da competência dos Juizados Especiais Criminais, desde que exista a expressão “ou multa”, é descabido.

A locução "ou", empregada pelo legislador tem a finalidade de indicar que também os crimes apenados exclusiva ou cumulativamente com multa serão da competência dos Juizados Especiais Criminais, desde que, sua pena máxima não exceda a dois anos. Há que fazer uma interpretação não somente gramatical, mas também teleológica, para alcançarmos a verdadeira intenção da Lei, que foi a de minimizar o impacto penal sobre delitos de pequena monta, de pouco alcance social, e cujas penas por serem pequenas, acabavam no procedimento ordinário alcançando a prescrição da pretensão punitiva do Estado, sem que houvesse o retorno muitas vezes esperado pela sociedade.

Não bastasse tal acertiva, se se entender que a todo crime que se aplique alternativamente pena de multa, ainda que tenha pena privativa de liberdade superior a dois anos, terá sua apuração que seguir o rito sumário, estaríamos enveredando para uma possibilidade juridicamente grotesca de se apurar delitos cujas penas possam alcançar mais de quatro anos de reclusão ou detenção, pelo mero fato de haver a inclusão alternativa da aplicação da multa.

Esse entendimento foge aos fins do direito consensual de onde emergiu a Lei n. 9.099/95, célula mater do Juizado Especial Criminal, que quando ainda em gestação, através do Projeto de Lei n. 1.480/89, da lavra do eminente Deputado Federal Michel Temer, teve seu anúncio na Câmara dos Deputados como inovação para aceleração da distribuição de Justiça, dizendo em seu discurso que "questões penais que se arrastam anos e anos no Poder Judiciário encontrarão, segundo o projeto, pronta e rápida solução, reduzindo a área de litigiosidade tão indesejável para a paz e harmonia sociais" [3].

Se era, uma das finalidades do Juizados Especial Criminal permitir a realização de uma Justiça rápida, célere, para evitar o excesso de processos criminais que se arrastam pelos Tribunais, a interpretação que se visa impor à conceituação de delito de menor potencial ofensivo, irá sem sombra de dúvida, fazer dos Juizados Especiais Criminais um verdadeiro depósito processual, o que já ocorre com o acúmulo de audiências, que segundo a Lei deveriam ser realizadas logo após o cometimento da infração penal, e na atualidade são realizadas com seis a oito meses após o fato, demonstrando que a celeridade do procedimento aos poucos vem caindo no lento rito das vias ordinárias.

A ampliação da conceituação de crime de menor potencial ofensivo, alheio à realidade estrutural vivida pelos Juizados Especiais Criminais, e deturpada pela ânsia de alguns em ver as Delegacias de Polícia livre do fardo da instauração de inquéritos, torna míope a visão do que vem a ser o Direito Penal Consensual, pois a imposição do novo conceito se faz dissociada da fundamentação jurídica necessária para se aceitá-la.

Na esteira do nosso entendimento, encontramos guarida nas lições do ilustre Professor e Doutor em Direito Penal, LUIZ FLÁVIO GOMES, que em consulta via email ratificou nosso entendimento, indicando sua obra JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS, SEUS REFLEXOS NOS JUIZADOS ESTADUAIS E OUTROS ESTUDOS [4], onde leciona acerca da questão, escrevendo o seguinte:

"a)se a pena de prisão ultrapassa o limite de dois anos, a infração não é de menor potencial ofensivo. Para os efeitos de se saber o que se entende por infração de menor potencial ofensivo o critério legislativo sempre foi o da pena de prisão máxima cominada (assim já ocorria com o art. 61 da Lei n. 9.099/95), não o da pena mínima (que vale, como sabemos, para a suspensão condicional do processo – art. 89 da Lei n. 9.099/95). Se a prisão máxima excede a dois anos, ainda que haja cominação concomitante ‘ou multa’, não se pode considerar esse delito como de menor potencial ofensivo. Os limites máximos quantitativos (até dois anos) e qualitativos (pena de prisão) inerentes ao conceito de infração de menor potencial ofensivo não podem ser inobservados. Com isso, estão fora dele os delitos punidos com pena máxima superior a dois anos (ainda que concomitantemente haja cominação ‘ou multa’)."

Ao tratar da matéria, o Superior Tribunal de Justiça foi extremamente feliz na interpretação do art. 2o., parágrafo único, Lei n. 10.259, de 12 de julho de 2001, ao fixar como teto para o delito de menor potencial o ofensivo, OS DOIS ANOS DE PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE, conforme se vê em parte do voto do Eminente Ministro GILSON DIPP, a quem peço vênia para transcrição que segue:

"(...)No presente recurso especial, o Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul sustenta que a nova lei não pode ser aplicada na esfera estadual, já disciplinada pela Lei 9.099⁄95. Conheço do recurso porque satisfeitos os requisitos de admissibilidade, não merecendo prosperar a irresignação. O art. 61 da Lei 9.099⁄95 tem o seguinte teor: ‘Art. 61 - Consideram-se infrações penais de menor potencial ofensivo, para efeitos desta Lei, as contravenções penais e os crimes a que a lei comine pena máxima não superior a um ano, excetuados os casos em que a lei preveja procedimento especial.’ Ocorre que a Lei 10.259⁄01 - que instituiu os juizados especiais cíveis e criminais no âmbito da Justiça Federal - trouxe nova definição de delitos de menor potencial ofensivo, acabando por ampliar seu rol ao incluir os delitos para os quais e lei preveja pena máxima não superior a dois anos. Como ambas as leis trazem disposições sobre o mesmo tema, conclui-se que o art. 2º, parágrafo único, da Lei 10.259⁄01 acabou por derrogar tacitamente o art. 61 da Lei 9.099⁄95, em aplicação ao princípio constitucional da isonomia, uma vez que não há sentido em se criar dois sistemas de juizados especiais diferentes, uma no âmbito federal e outra no estadual. E a nova lei, ao contrário da anterior, não fez qualquer ressalva acerca dos delitos submetidos a procedimentos especiais. Neste contexto, não há dúvidas de que todas as infrações cuja pena máxima não exceda a dois anos, inclusive as de rito especial, passaram a integrar o rol dos delitos de menor potencial ofensivo, de competência dos Juizados Especiais. O julgamento do delito em questão - posse de droga para uso próprio (art. 16 da Lei 6.368⁄76), cuja pena máxima não excede a dois anos - deve ser realizado, portanto, perante o Juizado Especial Criminal. RECURSO ESPECIAL Nº 523.227 - RS (2003⁄0068138-5 - JULGADO: 16⁄09⁄2003)". (Grifamos)

Com o mesmo entendimento doutrinário, e de forma clara e judiciosa, o Ministro do Superior Tribunal de Justiça, José Arnaldo da Fonseca, da 5a. Turma, em 23.03.2004, no RHC 15.371, ao tratar da matéria em seu voto, cuja ementa é transcrita logo abaixo, assim manifestou: “Acresça-se, contudo, que a indicação da pena de multa, para que o crime possa situar-se no âmbito da competência do Juizado, tem de ser única e autônoma, e não acompanhada de pena reclusiva acima do limite estabelecido".

EMENTA - RECURSO EM HABEAS CORPUS. CRIME CONTRA A ORDEM ECONÔMICA. TRANCAMENTO DA AÇÃO PENAL. ATIPICIDADE. MATÉRIA MERITÓRIA. PRETENSÃO À TRANSAÇÃO PENAL. CONDUTA CUJA PENA ULTRAPASSA O LIMITE LEGAL. TESE INSUBSISTENTE. O trancamento de ação penal exige a comprovação incontroversa do direito do acusado e, do mesmo modo, em sede de habeas corpus não se acolhe discussão de cunho eminentemente meritório, isto é, que necessita da incursão probatória e da via cognitiva plena.Segundo a nova roupagem dos crimes de menor potencial ofensivo instituída pelo parágrafo único do art. 2º da Lei n.º 10.259/01, o direito à transação penal se dá quando diante de conduta cuja pena privativa máxima prevista não exceda dois anos, sendo indiferente a indicação de multa alternativa nos casos acima do patamar reclusivo. Recurso desprovido. Vistos, relatados e discutidos os autos, em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da QUINTA TURMA do Superior Tribunal de Justiça, na conformidade dos votos e das notas taquigráficas a seguir, por unanimidade, negar provimento ao recurso. Os Srs. Ministros Felix Fischer, Gilson Dipp, Jorge Scartezzini e Laurita Vaz votaram com o Sr. Ministro Relator. RHC 15371 / RS ; RECURSO ORDINARIO EM HABEAS CORPUS - 2003/0218352-1 - DJ DATA:26/04/2004 PG:00180 - Min. JOSÉ ARNALDO DA FONSECA (1106) - 23/03/2004 - T5 - QUINTA TURMA. (GRIFAMOS).

Seguindo a mesma linha de raciocínio jurídico do Douto Ministro, colaciono os seguintes julgados do Egrégio Superior Tribunal de Justiça, que reconhecem como delito de menor potencial ofensivo, aquele cuja pena máxima não exceda a dois anos:

STJ - Acórdão RESP 527836 / RS ; RECURSO ESPECIAL - 2003/0047121-1 Fonte DJ DATA:06/10/2003 PG:00319 Relator Min. GILSON DIPP (1111) Ementa - CRIMINAL. RESP. INFRAÇÃO DE MENOR POTENCIAL OFENSIVO. LEI DOS JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS. ALTERAÇÃO DO LIMITE DE PENA MÁXIMA. INJÚRIA. COMPETÊNCIA DOS JUIZADOS ESPECIAIS. PRINCÍPIO DA ISONOMIA. DERROGAÇÃO TÁCITA. INCIDÊNCIA DOS DELITOS SUJEITOS A PROCEDIMENTOS ESPECIAIS. RECURSO DESPROVIDO. I - Com o advento da Lei 10.259/01 - que instituiu os juizados especiais cíveis e criminais no âmbito da Justiça Federal – foi fixada nova definição de delitos de menor potencial ofensivo, cujo rol foi ampliado, devido à alteração para dois anos do limite de pena máxima. II - Por aplicação do princípio constitucional da isonomia, houve derrogação tácita do art. 61 da Lei 9.099/95. III - Não tendo, a nova lei, feito qualquer ressalva acerca dos crimes submetidos a procedimentos especiais, todas as infrações cuja pena máxima não exceda a dois anos, inclusive as de rito especial, passaram a integrar o rol dos delitos de menor potencial ofensivo, cuja competência é dos Juizados Especiais. IV - O julgamento do crime de injúria deve ser realizado pelo Juizado Especial Criminal. V - Recurso desprovido.Data da Decisão 16/09/2003 Orgão Julgador T5 - QUINTA TURMA – Decisão - Vistos, relatados e discutidos os autos em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da QUINTA TURMA do Superior Tribunal de Justiça, por unanimidade, conheceu do recurso, mas lhe negou provimento. Os Srs. Ministros Jorge Scartezzini, Laurita Vaz, José Arnaldo da Fonseca e Felix Fischer votaram com o Sr. Ministro Relator.

STJ – Acórdão - RESP 509456 / SP ; RECURSO ESPECIAL 2003/0045311-2 – Fonte - DJ DATA:29/09/2003 PG:00334 - Relator Min. GILSON DIPP (1111) - Ementa - CRIMINAL. RESP. INDICAÇÃO EQUIVOCADA DA ALÍNEA FUNDAMENTADORA NÃO OBSTA O CONHECIMENTO DO RECURSO ESPECIAL. INFRAÇÃO DE MENOR POTENCIAL OFENSIVO. LEI DOS JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS. ALTERAÇÃO DO LIMITE DE PENA MÁXIMA. PORTE DE ARMA DE FOGO. COMPETÊNCIA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS AINDA QUE O DELITO POSSUA RITO ESPECIAL. MODIFICAÇÃO DA INTERPRETAÇÃO DADA AO ART. 61 DA LEI 9.099/95. TRANSAÇÃO PENAL. POSSIBILIDADE. RECURSO DESPROVIDO. I - Não é obstáculo ao conhecimento do recurso o fato do recorrente ter interposto o recurso especial com fundamento na alínea "c", e fundamentado a insurgência na ofensa à legislação federal, demonstrando ter apenas se equivocado na indicação da alínea fundamentadora do recurso. II - Com o advento da Lei 10.259/01 - que instituiu os juizados especiais cíveis e criminais no âmbito da Justiça Federal – foi fixada nova definição de delitos de menor potencial ofensivo, cujo rol foi ampliado devido a alteração para dois anos o limite de pena máxima. III - Em aplicação ao princípio constitucional da isonomia, houve derrogação tácita do art. 61 da Lei 9.099/95. IV - Não tendo a nova lei feito qualquer ressalva acerca dos delitos submetidos a procedimentos especiais, todas as infrações cuja pena máxima não exceda a dois anos, inclusive as de rito especial, passaram a integrar o rol dos delitos de menor potencial ofensivo, cuja competência é dos Juizados Especiais. V - O crime de porte ilegal de arma, cuja pena máxima prevista é de dois anos, passou a ser considerado delito de menor potencial ofensivo, de competência do Juizado Especial Criminal, sendo-lhe aplicável o benefício da transação penal. VI - Recurso conhecido e desprovido. Data da Decisão 04/09/2003. Orgão Julgador : T5 - QUINTA TURMA – Decisão - Vistos, relatados e discutidos os autos em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da QUINTA TURMA do Superior Tribunal de Justiça, por unanimidade, conheceu do recurso, mas lhe negou provimento. Os Srs. Ministros Jorge Scartezzini, Laurita Vaz, José Arnaldo da Fonseca e Felix Fischer votaram com o Sr. Ministro Relator.

STJ - Acórdão RHC 14198 / SP ; RECURSO ORDINARIO EM HABEAS CORPUS 2003/0038731-2 Fonte DJ DATA:25/08/2003 PG:00328 Relator Min. FELIX FISCHER (1109) Ementa - PROCESSUAL PENAL. RECURSO ORDINÁRIO EM HABEAS CORPUS. ART. 16 DA LEI 6.368/76. TRANSAÇÃO PENAL. POSSIBILIDADE. AMPLIAÇÃO DO ROL DOS DELITOS DE MENOR POTENCIAL OFENSIVO. ART. 61 DA LEI Nº 9.099/95 DERROGADO PELO PARÁGRAFO ÚNICO DO ART. 2º DA LEI Nº 10.259/2001. I - Com o advento da Lei nº 10.259/2001, que instituiu os Juizados Especiais Criminais na Justiça Federal, por meio de seu art. 2º, parágrafo único, ampliou-se o rol dos delitos de menor potencial ofensivo, por via da elevação da pena máxima abstratamente cominada ao delito, nada se falando a respeito das exceções previstas no art. 61 da Lei nº 9.009/95. II – Desse modo, devem ser considerados delitos de menor potencial ofensivo, para efeito do art. 61 da Lei n. 9.099/95, aqueles a que a lei comine, no máximo, pena detentiva não superior a dois anos, ou multa, sem exceção. III – Assim, ao contrário do que ocorre com a Lei nº 9.099/95, a Lei n º 10.259/2001 não excluiu da competência do Juizado Especial Criminal os crimes que possuam rito especial, alcançando, por conseqüência, o delito previsto no art. 16 da Lei 6.368/76. Recurso provido. Data da Decisão 17/06/2003 Orgão Julgador T5 - QUINTA TURMA Decisão - Vistos, relatados e discutidos os autos em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da QUINTA TURMA do Superior Tribunal de Justiça, por unanimidade, dar provimento ao recurso para anular todos os atos processuais desde o recebimento da denúncia, inclusive, para que outro julgamento seja realizado, analisando-se, previamente, a possibilidade de oferecimento de proposta de transação penal por parte do Ministério Público. Os Srs. Ministros Gilson Dipp, Laurita Vaz e José Arnaldo da Fonseca votaram com o Sr. Ministro Relator. Ausente, justificadamente, o Sr. Ministro Jorge Scartezzini.

STJ - Acórdão CC 38512 / MG ; CONFLITO DE COMPETENCIA
2003/0031534-0 Fonte DJ DATA:12/08/2003 PG:00187 Relator Min. FELIX FISCHER (1109) Ementa - PENAL E PROCESSUAL PENAL CONFLITO NEGATIVO DE COMPETÊNCIA. TURMA RECURSAL E TRIBUNAL DE ALÇADA DO MESMO ESTADO. COMPETÊNCIA DO STJ PARA DIRIMI-LO. (CP, ART. 132). I – Com o advento da Lei nº 10.259/2001, que instituiu os Juizados Especiais Criminais na Justiça Federal, por meio de seu art. 2º, parágrafo único, ampliou-se o rol dos delitos de menor potencial ofensivo, por via da elevação da pena máxima abstratamente cominada ao delito. Desse modo, devem ser considerados delitos de menor potencial ofensivo, para efeito do art. 61 da Lei n. 9.099/95, aqueles a que a lei comine, no máximo, pena detentiva não superior a dois anos, ou multa, sem exceção. II - Compete à Turma Recursal o julgamento de recurso interposto contra decisão condenatória em infração penal de menor potencial ofensivo. Conflito conhecido para que se declare a competência do Juízo Suscitante (Turma Recursal). Data da Decisão 25/06/2003 Orgão Julgador S3 - TERCEIRA SEÇÃO Decisão Vistos, relatados e discutidos os autos em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da TERCEIRA SEÇÃO do Superior Tribunal de Justiça, por unanimidade, conhecer do conflito e declarar competente o Suscitante, Turma Recursal do Juizado Especial de Ipatinga - MG, nos termos do voto do Sr. Ministro Relator. Votaram com o Relator os Srs. Ministros Gilson Dipp, Jorge Scartezzini, Paulo Gallotti, Laurita Vaz, Paulo Medina e Fontes de Alencar. Ausente, ocasionalmente, o Sr. Ministro Hamilton Carvalhido.

Em recente julgado do Egrégio Tribunal de Justiça do Estado de Goiás, da lavra do eminente Desembargador Jamil Pereira de Macedo, em conflito de competência estabelecido entre o 1º. Juizado Especial Criminal e a 3ª. Vara Criminal de Goiânia, foi assim decidido:

EMENTA – CONFLITO DE COMPETÊNCIA ENTRE JUIZADO ESPECIAL E JUÍZO COMUM. CRIME CONTRA ORDEM ECONÔMICA E AS RELAÇÕES DE CONSUMO. PENA MÁXIMA COMINADA DE QUATRO ANOS DE DETENÇÃO. COMPETÊNCIA DA TERCEIRA VARA CRIMINAL. 1. Nos termos da Lei 10.259/01 constitui infração de pequeno potencial ofensivo aquela a que a lei comina pena máxima não superior a dois anos. 2. O crime descrito no art. 6º. da Lei n. 8.137/90 é sancionado com a pena máxima de quatro anos de detenção, escapando, por isto, a competência dos Juizados Especiais Criminais. DECLARADO COMPETENTE O SEGUNDO JUIZ DE DIREITO DA 3ª. VARA CRIMINAL DA COMARCA DE GOIÂNIA, POR UNANIMIDADE".

Buscando ainda guarida no direito comparado, que serviu de sustentáculo para a elaboração da Lei n. 9.099/95, mais precisamente no modelo de Código de Processo Penal da Alemanha Federal, em que houve uma maior abertura para o exercício do princípio da oportunidade, o legislador, embasado neste sistema e nos fundamentos para a conceituação de delito de menor potencial ofensivo presentes no Projeto Argentino do Código de Processo Penal Federal, em que se fez constar a previsão de um procedimento sumaríssimo para as infrações penais que não superassem a dois anos de detenção (art. 371 e segs.), tornou claro, que a interpretação para conceituação do que seria crime de menor potencial ofensivo, esbarra nitidamente no máximo de pena imposta ao crime, não possibilitando a interpretação extensiva que se insiste em adotar.

Em nosso singelo entendimento, não há, portanto, como pairar dúvida acerca da nova conceituação de delito de menor potencial ofensivo trazida pela Lei n. 10.259/01, ante a existência de reiterados julgados fixando como teto, limite, a pena de dois anos para o reconhecimento do delito de menor potencial ofensivo.



Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2002 ABNT)

FERREIRA, Luís Eduardo Barros. Crime de menor potencial ofensivo. Inaplicabilidade da multa alternativamente para caracterização do crime de menor potencial ofensivo, quando pena privativa de liberdade excede 2 anos. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 9, n. 412, 23 ago. 2004. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/5610>. Acesso em: 18 ago. 2018.

Comentários

0

Livraria